browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Governo [Deep State] italiano estaria diretamente envolvido na fraude eleitoral nos EUA ?

Posted by on 09/01/2021

Aparentemente, a Suíça não foi o único país que desempenhou um papel importante na operação de hacking internacional na fraude da eleição presidencial dos EUA. No último artigo publicado neste blog , o autor e pesquisador suíço-americano Neal Sutz explicou como a Suíça também teve um papel fundamental no golpe internacional do establishment contra Trump.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Governo [Deep State] italiano está diretamente envolvido na fraude eleitoral nos EUA ?

Fonte:  La Cruna dell’Ago.net

Por 

A Suíça comprou recentemente o controle exclusivo da Scytl, a empresa ligada ao Dominion Voting System que, de acordo com várias análises estatísticas, trocou centenas de milhares de votos de Trump para Biden.

A Suíça sabia perfeitamente sobre as falhas estruturais do Scytl, mas falhou em [ou não quis] alertar a administração Trump sobre o mau funcionamento técnico deste software. No entanto, há outro país que pode ter um papel ainda mais importante nesta história da fraude eleitoral nos EUA e esse país é a Itália.

A esse respeito, há uma versão interessante e sensacional da trama da fraude fornecida por Bradley Johnson, ex-agente da CIA e chefe de uma das estações da agência.

Brad Johnson explica o esquema de hacking:

Segundo Johnson, basicamente a Itália esteve diretamente envolvida na manipulação de votos nas eleições americanas. O analista de inteligência confirma parcialmente a história sobre a operação das forças especiais dos EUA para recuperar os servidores da Dominion hospedados na estação da CIA em Frankfurt, na Alemanha.

Outras fontes confirmaram a autenticidade da história e, aparentemente, a invasão teve sucesso em recuperar os servidores, que constituem uma evidência irrefutável da fraude. O general Thomas McInerney afirmou que, após a operação, ocorreu uma violenta luta entre os paramilitares da CIA chamados do Afeganistão para defender a estação e o grupo de forças especiais dos EUA.

Cinco militares perderiam suas vidas nessa dura batalha.

Johnson oferece outra versão, ainda mais chocante, se isso for ainda possível. O ex-agente da CIA não nega a operação, mas afirma que os dados hackeados foram transferidos de Frankfurt para Roma, na embaixada dos Estados Unidos localizada na rua central da via Veneto.

De acordo com Johnson, os servidores de Frankfurt hospedaram apenas trilhas parciais do hacking, mas o verdadeiro protagonista principal do ataque hacker teria sido Roma. Durante o dia das eleições, algo sem precedentes na história das eleições nos Estados Unidos ocorreu.

De repente, a contagem de votos nos principais estados foi interrompida simultaneamente no meio da noite, quando na Itália já era de manhã. A operação de hacking estava em andamento, mas os perpetradores perceberam que algo estava errado.

Inesperadamente, “Trump estava obtendo um número recorde de votos”, diz Johnson, e a troca de votos de Trump para Biden não foi suficiente para entregar definitivamente a “vitória” ao candidato democrático.

A embaixada dos EUA em Roma supostamente esta envolvida no ataque de hackers

Nesse ponto, Roma subiu ao palco [do circo das eleições nos EUA] recebendo os dados de Frankfurt, mas uma nova elaboração de algoritmos foi necessária para finalmente mudar o resultado a favor de Biden.

Portanto, a operação de recalibragem do ataque de hackers teria ocorrido no endereço da via Veneto e, se esse fato fosse confirmado, a embaixada americana em Roma estaria diretamente envolvida na tentativa de derrubar seu próprio presidente.

Nesse cenário, as potências subversivas infiltradas no governo dos Estados Unidos, o estado [Deep State] profundo, haviam planejado um golpe de estado contra seu comandante em chefe.

Neste momento, o embaixador dos EUA na Itália é Lewis Eisenberg , um judeu khazar ex-membro do Goldman Sachs e contribuidor da primeira campanha de Trump, mas ao mesmo tempo próximo dos lobbies neocon sionistas que são inimigos ferrenhos do presidente dos EUA por seu plano em curso de retirada dos militares dos EUA no Oriente Médio.

Johnson afirma que durante a noite da eleição na embaixada dos Estados Unidos em Roma havia um homem do Departamento de Estado dos Estados Unidos. O ex-agente da CIA mostra no vídeo a foto desse homem, aparentemente tirada pelas autoridades italianas que realizavam uma operação de vigilância focada neste oficial.

Este oficial estaria diretamente envolvido na coordenação do ataque de hackers às eleições americanas.

O papel de Leonardo e do governo italiano na fraude

Nesse ponto, Johnson oferece uma revelação ainda mais chocante. Outro ator que desempenhou um papel fundamental nesta operação é a Leonardo , uma empresa governamental italiana líder no setor aeroespacial e de defesa [do Complexo Industrial Militar, controlado pelo Deep State].

Assim que os hackers criaram os novos algoritmos para transferir mais votos de Trump para Biden, eles enviaram “esses novos números de volta a um satélite militar italiano operado pela empresa Leonardo”, afirma Johnson.

Depois de fazer isso, os novos dados manipulados foram enviados de volta para as urnas de votação hackeadas da Dominion nos Estados Unidos. Portanto, se esta versão estiver correta, o governo  [deep state] italiano estaria diretamente envolvido neste ataque.

O maior acionista de Leonardo é o governo italiano, porque o Ministério da Economia da Itália possui 30% desta empresa.

O CEO da Leonardo, Alessandro Profumo, foi nomeado em 2017 pelo ex-PM italiano Gentiloni, aparentemente envolvido no Spygate, como será mencionado mais tarde, e confirmado em 2020 pelo governo em exercício de Conte.

Profumo também foi recentemente considerado culpado por cometer fraude por um tribunal italiano e recebeu uma sentença de seis anos de prisão.

Portanto, o governo de Conte teria desempenhado um papel decisivo na operação de hacking porque teria fornecido a tecnologia da Leonardo para perpetrar um ataque direto contra a soberania dos Estados Unidos durante suas eleições.

A esse respeito, é importante mencionar que o governo de Conte foi um dos primeiros executivos internacionais a transmitir suas felicitações a Joe Biden .

Itália em violação direta da OE de 2018 assinada por Trump

Se as declarações de Johnson forem verdadeiras, a Itália estaria violando diretamente a Ordem Executiva de 2018 contra a interferência eleitoral estrangeira assinada pelo presidente Trump.

O presidente não estava despreparado diante da eventualidade de países estrangeiros e forças internas dos Estados Unidos tentarem se intrometer na eleição.

A ordem executiva afirma claramente, após 45 dias desde o dia da eleição, um relatório detalhado sobre essa interferência deve ser entregue ao presidente. Ao adiar a entrega do relatório a Trump, a comunidade de inteligência dos EUA pôs em prática uma sabotagem.

No entanto, parece que o diretor do DNI [Director of National Intelligence], Ratcliffe, poderia ter entregue a Trump algumas partes do relatório e que Trump ofereceria a posição de advogado especial a Sidney Powell.

O advogado especial teria poderes relevantes com os quais poderia apreender as urnas eletrônicas, especialmente as da Dominion, indiciar os autores da fraude e confiscar as propriedades das empresas diretamente envolvidas no ataque de hackers.

A OE foi claramente concebida para sancionar atores estrangeiros e domésticos que participaram da interferência, e a Itália, se a versão de Johnson for correta, estaria em violação direta dessa ordem por ter perpetrado um ataque direto contra a soberania nacional dos Estados Unidos.

Se essas chocantes alegações fossem confirmadas, uma crise diplomática sem precedentes poderia se abrir entre a Itália [e por extensão com a União Europeia] e os EUA. O governo dos EUA pode sancionar fortemente a Itália por essa intromissão.

O Estado Profundo italiano tem planejado um golpe de estado permanente contra Trump

Acontece que o deep state italiano poderia ser o elemento-chave para solucionar o crime de fraude eleitoral contra Trump, mas também seria fundamental figurar o Spygate, a primeira sabotagem internacional contra o presidente Trump.

Spygate é a operação de espionagem ilegal concebida contra Trump em 2016 e a Itália teve um papel importante nela, porque os serviços secretos italianos, sob as administrações Renzi e Gentiloni, teriam ajudado seu homólogo americano na tentativa de falsamente retratar Trump como um “agente russo “.

Portanto, há um fio vermelho que amarra a primeira sabotagem contra Trump e a segunda, e esse fio vermelho é a Itália e sua estrutura subversiva infiltrada no coração das instituições italianas. Na Itália, há um encobrimento do Spygate porque, aparentemente, mesmo a chamada “oposição” não tem um interesse particular em esclarecer este caso.

Raffaele Volpi, senador da Liga e presidente da Copasir, instituição italiana que supervisiona os serviços secretos italianos, afirmou que Spygate é uma história inflada pela mídia, ao contrário do governo Trump que a definiu como uma tentativa de golpe.

Aparentemente, o primeiro partido de oposição na Itália, a Liga, não tem interesse em falar em Spygate, provavelmente porque Salvini, o líder da Liga, parece bastante próximo de Renzi, uma das supostas figuras importantes neste escândalo.

É interessante notar como Renzi e Salvini criaram uma espécie de aliança para pavimentar o caminho para Mario Draghi como o próximo PM da Itália, e Draghi seria o homem enviado pelo globalismo dos oligarcas do WEF para acionar a Grande [Great Reset] Reinicialização e dar o golpe de misericórdia à Itália .

O Estado Profundo italiano é um pântano [desde o império romano] onde os níveis mais elevados do estado estão profundamente entrelaçados com a maioria e a oposição. Este poder subversivo dentro das instituições italianas foi usado para perpetrar um golpe de estado permanente contra Trump.

A mídia italiana [pre$$titute$] não tem interesse em expor esses poderes porque estão vinculados e são controlados por eles. Portanto, um novo capítulo preocupante se abre nessa história do golpe internacional contra as eleições presidenciais nos EUA.

Este capítulo parece revelar que todos os caminhos que a fraude eleitoral dos Estados Unidos realmente levam a Roma [e terão consequências seríssimas, mesmo com Joe Biden assumindo a presidência dos EUA em 20 de janeiro].


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

One Response to Governo [Deep State] italiano estaria diretamente envolvido na fraude eleitoral nos EUA ?

  1. Renato

    Isso é alguma piada?!

    Apoiam um maluco (Donald Trump) e agora querem tentar limpar a barra desse maluco?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.