Guerra na Ucrânia e o ‘Túnel no Fim da Luz’

“Luz no fim do túnel” foi uma frase icônica usada pelos belicistas que mantiveram os EUA no Vietnã muito tempo depois de a Guerra já ter sido perdida. A implicação era que os insiders podiam ver através da névoa da guerra e saber que as coisas estavam melhorando. Era pura mentira. Em janeiro de 1966, muito antes do auge militar da guerra, o secretário de Defesa Robert McNamara disse ao presidente Johnson que os EUA tinham uma chance em três de vencer no campo de batalha. Mas Johnson, como Eisenhower e Kennedy antes dele, e Nixon depois dele, não queria ser o primeiro presidente americano a perder uma guerra. Então, ele inventou uma mentira simplista e “seguiu em frente”.

Guerra na Ucrânia e o ‘Túnel no Fim da Luz’

Fonte: CommomDreams.org

A mentira foi descoberta pela Ofensiva do Tet dos vietnamitas em janeiro de 1968. Mais de 100 instalações militares dos EUA foram atacadas em um ataque nacional simultâneo que surpreendeu os EUA. “Achei que deveríamos estar ganhando essa maldita coisa.” Foi o começo do fim da ocupação assassina e fracassada dos EUA.

Agora estamos enfrentando outro evento de luz e túnel, desta vez na Ucrânia. Só que agora, não é a luz no fim do túnel. É o túnel no fim da luz. O que queremos dizer com isso?

Até agora, tem sido tudo luz. Lembra quando as forças ucranianas desconexas, de acordo com as pre$$tituta$ da mídia ocidental, estavam chutando as bundas das hordas russas bárbaras? Quando cada desenvolvimento traiu a estratégia estúpida dos russos, o moral ruim de seus soldados, o pobre provisionamento de seu exército e a sua liderança ainda pior, e a perigosa situação política de Putin em casa? 

A testosterona estava fluindo. As bravatas eram inebriantes. O excepcionalismo era sublimemente sedutor. Era apenas uma questão de tempo, coragem e determinação antes que a Ucrânia sangrasse o nariz do valentão e mostrasse do que o Ocidente era feito. [Mas era somente propaganda]

Voces lembram? Não mais.

Você pode manipular os fatos de uma guerra por tanto tempo com a força de fumaça e espelhos, delírios e ilusões, mentiras e comunicados de imprensa. Eventualmente, no entanto, a realidade [e as balas] alcança você. Os cidadãos americanos propagandizados de forma agressiva não podiam saber no princípio, mas essa conscientização começou nas primeiras semanas da guerra e só se acelerou desde então.

Na primeira semana da guerra, a Rússia destruiu a força aérea e as defesas aéreas da Ucrânia. Na segunda semana, havia destruído a maior parte dos arsenais e depósitos de armas da Ucrânia. Nas semanas e meses seguintes, demoliu sistematicamente a artilharia enviada dos países do antigo Pacto de Varsóvia, agora OTAN, na Europa Oriental. Ela desmantelou os sistemas de transporte e abastecimento de combustível do país. Recentemente, explodiu a maior parte da infraestrutura elétrica do país.

O exército ucraniano perdeu cerca de 150.000 soldados, um ritmo mais de 140 vezes a taxa de perdas dos EUA no Vietnã. Isto, numa altura em que 10 milhões dos seus 36 milhões de habitantes fugiram do país. Os militares estão reduzidos a arrastar à força meninos de 16 anos e homens de 60 anos para guarnecer as barricadas no front. A Ucrânia não consegue obter munição suficiente para reposição. A Rússia derrubou cerca de 90% dos drones da Ucrânia, deixando-a praticamente cega. Os prazos de entrega dos tanques que são a esperada “virada de jogo” estão se estendendo para meses e anos. Não que isso importe.

Lembre-se de todos as outras “mudanças de jogo” do hospício ocidental com falhas? Os obuseiros M777 e os veículos de combate blindados Stryker? Os lançadores múltiplos de foguetes HIMARS e os sistemas de defesa aérea PATRIOT? Todos iriam virar a maré da guerra ao mesmo tempo. Mas todos se mostraram impotentes para impedir a Rússia de tomar 20% do território da Ucrânia com cerca de dez milhões de habitantes e anexá-lo e seu povo à Rússia.

Os EUA também perderam a guerra econômica. Lembre-se da previsão delirante de (‘Dementia’ Joe) Biden de que os EUA veriam que “o rublo será reduzido a escombros”? E que “o regime de sanções mais rigoroso da história” iria “enfraquecer” a Rússia, talvez até levando à derrubada de Putin? A maior parte das sanções foi um tiro que saiu pela culatra, gravemente. No ano passado, o rublo atingiu sua taxa de câmbio mais alta da história. O superávit comercial da Rússia em 2022 de US$ 227 bilhões aumentou 86% em relação a 2021. O déficit comercial dos EUA no mesmo período aumentou 12,2% e está se aproximando de US$ 1 trilhão. A inflação e a alta astronômica do custo da energia na Europa provocaram protestos generalizados no hospício ocidental.

Como resultado de tudo o que foi dito acima e mais algo que esquecemos, a opinião interna se voltou contra a guerra e os políticos fantoches que a promovem. Agora altos funcionários na Europa estão falando abertamente sobre como as perdas são insustentáveis ??e eles precisam voltar às arquiteturas de segurança que prevaleceram antes do golpe envenenado apoiado pela CIA em Maidan em 2014. 

O ‘acordado’ General Mark Milley, presidente do Joint Chiefs of Staff, recentemente deixou escapar que “Será muito, muito difícil expulsar os russos de toda a Ucrânia ocupada no próximo ano. O Washington Post alertou recentemente que a Ucrânia enfrentava um “momento crítico” na guerra, enfatizando o fato de que o apoio dos EUA não era ilimitado e logo seria alcançado o seu limite.  Dica. Dica.

A Rand Corporation, um dos sussurradores estratégicos mais bem conectados dos EUA, acaba de publicar um relatório afirmando que “as consequências de uma longa guerra superam em muito os benefícios”. Afirma explicitamente que os EUA precisam economizar seus recursos para seu conflito mais importante com a China. A Newsweek intitulou que “Joe Biden ofereceu a Vladimir Putin 20% da Ucrânia para acabar com a guerra”. Também revelou que “ quase 90 por cento do mundo não está nos apoiando na Ucrânia”. Vastas áreas da América Latina, África e Ásia se recusam a apoiar os EUA-Europa em sua demanda por sanções contra a Rússia.

Estas não são adivinhações de uma “luz no fim do túnel”. Pelo contrário. Se há um traço comum em tudo isso é o reconhecimento doentio de que a guerra está perdida, militar, econômica e diplomaticamente, que não há cenário plausível em que essas perdas serão revertidas por meio de soldados, e que o que é necessário agora é uma estratégia de saída para esconder a perda, sair de qualquer maneira que puder e salvar a face.

Isso também não estará mais disponível. É aí que entra o túnel no fim da luz.

Mesmo antes de os EUA e seus fantoches da OTAN iniciarem a guerra, o resto do mundo – e isso significa a maior parte do mundo – estava se consolidando em um bloco econômico e de segurança antiocidental. Liderado pela China e seu aliado estratégico, a Rússia, esse bloco inclui mais de uma dúzia de importantes países em organizações de comércio e segurança. Isso inclui a confederação BRICS do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, trabalhando explicitamente para criar instituições multipolares para enfrentar o modelo hegemônico unipolar dos EUA.

Inclui a Organização de Cooperação de Xangai, um pacto de segurança composto por nações líderes do leste, centro e sul da Eurásia, incluindo China, Rússia, Índia e, em breve, o Irã, a Turquia e Arábia Saudita.  Está explicitamente trabalhando para criar medidas para prevenir o tipo de ataque militar predatório que os EUA realizaram contra o Iraque, Líbia, Somália, Iêmen, Afeganistão, etc.

O motor econômico organizador por trás desses esforços é a Iniciativa do Cinturão e Rota da China. A BRI é um plano incrivelmente ambicioso para conectar a Ásia e mais de 100 nações com a infraestrutura econômica do século XXI, desde rodovias, ferrovias de alta velocidade até geração de energia elétrica, gasodutos, sistemas de comunicação, cidades, portos e muito mais. É fundamental entender por que o BRI representa desafios tão assustadores para a supremacia dos EUA no gigantesco território da Eurásia.

A infraestrutura é tão poderosa porque gera uma vasta e inimaginável gama de benefícios econômicos secundários e terciários. Foram as ferrovias do século XIX que uniram os Estados Unidos como o primeiro mercado em escala continental do mundo. Os fabricantes poderiam produzir para um mercado maior e, portanto, em maior escala e, consequentemente, a um custo menor do que produtores dos mesmos produtos em qualquer outro lugar da Terra.

As ferrovias fizeram dos EUA o maior mercado do mundo para ferro, aço, máquinas-ferramentas, equipamentos de nivelamento, equipamentos agrícolas e dezenas de outros produtos comerciais e industriais essenciais para uma economia industrial moderna. Os EUA começaram o século XIX com 1,5% do PIB mundial. Fechou o século XX com 19% de um número quatro vezes maior, tornando-se a maior economia do mundo.

Da mesma forma, são os automóveis. As pessoas pensam que foi Henry Ford e a produção em massa que fizeram do século XX “o século americano”. Na verdade, foi a construção de milhões de quilômetros de estradas e, posteriormente, interestaduais, sem as quais os automóveis teriam permanecido dispendiosos brinquedos dos ricos. Essas estradas uniam o país em uma rede asfáltica que permitia a mobilidade individual de praticamente qualquer pessoa, em qualquer lugar, até todos os endereços do país. O mundo nunca tinha visto nada igual.

Os efeitos econômicos secundários e terciários foram surpreendentes, desde os maiores mercados mundiais de aço, vidro, plástico e borracha, até gasolina, diesel, construção de rodovias em escala continental, oficinas mecânicas e drive-ins, até toda a panóplia da cultura que conhecemos como subúrbio. O século XX foi o século do automóvel. A infraestrutura que os Estados Unidos construíram para tornar isso possível foi a principal razão — pelo menos economicamente — pela qual os Estados Unidos lideraram o mundo durante a maior parte daquele século.

A China agora propõe fazer o mesmo para a Ásia no século XXI, mas em uma escala e num território muito maior. Ela está liderando uma construção de infra-estrutura que vai superar o sistema de rodovias interestaduais de Eisenhower. Ele atenderá a maioria dos cinco bilhões de pessoas na Eurásia, trinta vezes mais do que os 150 milhões de pessoas que o projeto de Eisenhower ajudou.

Sabiamente, a China garantiu que todas as mais de 100 nações que aderiram ao BRI fossem enriquecidas por sua participação, seja construindo-se internamente ou estendendo seu alcance internacional. É o maior, mais atraente, geograficamente extenso, nacionalmente inclusivo e mutuamente enriquecedor empreendimento econômico da história do mundo. E os EUA-Europa não fazem parte disso, os loucos do hospício ocidental foram deixados de fora.

Finalmente, há a questão do dólar. Desde o Acordo de Bretton Woods de 1944, a economia global tem usado o dólar como a principal moeda do comércio internacional. Isso deu aos EUA um “privilégio exorbitante” no sentido de que podem essencialmente emitir um fluxo ilimitado de cheques quentes para o mundo, porque os países precisam de dólares para poder conduzir o comércio internacional. Os EUA “vendem” dólares a eles emitindo dívida do Tesouro, que é um meio de troca internacional universalmente tangível.

Uma das consequências desse arranjo é que ele permitiu que os EUA gastassem muito além de suas possibilidades, acumulando US$ 32 trilhões em dívidas desde 1980, quando sua dívida nacional era de apenas US$ 1 trilhão. Os EUA usam essa dívida para, entre outras coisas, financiar suas forças armadas gigantescas com suas quase 800 bases militares em todo o mundo, que usam para fazer coisas como destruir países como a Sérvia, Líbia, Iraque, Afeganistão, Síria, Somália e uma série de depredações menores. em outros países. Todo o mundo vê isso e sente repulsa por isso.

O mundo vê como a hegemonia do dólar garante a capacidade dos EUA de realizar ou tentar golpes em Honduras, Venezuela, Peru, Bolívia, Cazaquistão, Paquistão, Mianmar, Belarus, Egito, Síria e, é claro, Ucrânia, entre outros. E estes são apenas os das últimas duas décadas.

A mesma hegemonia do dólar subscreveu as depredações dos EUA na última parte do século XX contra o Irã, República Dominicana, Guatemala, Vietnã, Nicarágua, Cuba, Chile, Congo, Brasil, Indonésia e dezenas de outros países. Mais uma vez, o resto do mundo vê isso. Cidadãos americanos, arrebatadamente inconscientes em sua bolha de mídia hermeticamente fechada, não viam.

O mundo viu como os EUA roubaram $ 300 bilhões de fundos russos que estavam em bancos ocidentais, parte de seu regime de sanções contra a Rússia por seu papel na guerra da Ucrânia. Eles viram como os EUA realizaram roubos semelhantes contra fundos denominados em dólares da Venezuela, Afeganistão e Irã. O mundo vê como o aumento das taxas de juros pelo Federal Reserve para atender às necessidades dos EUA faz com que o capital flua para fora de outros países e como isso faz com que suas moedas caiam, forçando a inflação sobre elas. Nem um único país no mundo é deixado intocado.

O impacto cumulativo desses fatos é que muitos países preferem não ser mais reféns das consequências negativas implícitas e explícitas da hegemonia do dólar. Eles também querem remover o “privilégio exorbitante” que eles acreditam que os EUA tenham abusado em seu detrimento individual e coletivo.

Eles começaram — novamente, liderados pela Rússia e pela China — a construir um sistema financeiro e comercial internacional que não dependa de dólares, que use as moedas locais dos países, ouro, petróleo, commodities ou outros ativos para negociar. Isso recebeu um impulso especial no ano passado, quando a Arábia Saudita anunciou que começaria a aceitar o yuan chinês em troca de seu petróleo. O petróleo é a commodity mais valiosa do mundo, negociada internacionalmente, então a percepção é de que uma barragem está começando a se romper.

Levará anos até que um substituto igualmente funcional para o dólar seja criado, mas o que começou há alguns anos como um gotejamento ganhou força e urgência como consequência das ações dos EUA na Ucrânia. Quando o dólar não for mais a moeda de reserva internacional do mundo e as nações não precisarem de dólares para negociar umas com as outras, os EUA não poderão mais financiar seu enorme orçamento e déficits comerciais assinando cheques quentes. A retirada será agonizante e limitará em muito o papel dos EUA como o hegemon global.

As ações dos EUA na Ucrânia, e por último a destruição dos gasodutos Nord Stream 1 e 2, num verdadeiro ato de guerra, uniram seus dois maiores adversários, Rússia e China. Eles, acompanhados por Índia, Turquia, Arábia Saudita, Irã e dezenas de outros países, estão realizando uma integração eurasiana temida por Mackinder que deixará os EUA fora do maior e mais dinâmico bloco comercial do mundo.

O fracasso militar dos EUA anunciou, mais uma vez (depois do Iraque e do Afeganistão), a relativa impotência das soluções militares dos EUA. Sim, ainda pode destruir países pequenos e indefesos como Sérvia, Líbia, Afeganistão e Iraque. Mas contra um concorrente de mesmo nível mas com o maior arsenal nuclear do mundo, que optou por enfrentá-lo, os EUA, francamente, foram derrotados, EM TODAS AS FRENTES. O mundo inteiro pode vê-lo.

Os eventos também mostraram o vazio dos sistemas econômico e financeiro liderados pelos EUA, especialmente em comparação com a China. O desempenho econômico da China ultrapassou em muito o dos EUA. Tirou mais pessoas da pobreza mais rapidamente do que qualquer outro país na história do mundo. Seu crescimento tornou a maior economia do mundo em termos de paridade de poder de compra. Enquanto a renda média ajustada pela inflação nos EUA é um pouco maior do que há 50 anos, a renda na China aumentou mais de 10 vezes no mesmo período. E tem feito isso sem brutalizar e pilhar outras nações que se recusam a se curvar à sua vontade hegemônica.

E a guerra traiu, como nada mais poderia, o isolamento diplomático dos EUA, com a grande maioria da população mundial se recusando a implementar as sanções exigidas pelos EUA contra a Rússia. A destruição do gasoduto Nord Stream é reconhecida como o maior ato de terrorismo patrocinado pelo Estado na história, superando facilmente o 11 de setembro em termos de centenas de milhões de pessoas que ferirá. E isso, para um de seus supostos aliados, a Europa. Imagine o que acontece com seus inimigos.

Este é o túnel no fim da luz, um mundo multipolar em oposição a um mundo unipolar. Significa aumentar o isolamento dos EUA do resto do mundo, fechar as opções, estreitar as oportunidades, perder a primazia estratégica que outrora agraciou a maior potência da história do mundo. 

Isso significará poder e influência dramaticamente reduzidos em relação aos adversários estratégicos dos EUA e capacidade marcadamente limitada de operar militar, econômica e financeiramente no mundo, com o talão de cheques quente em breve sendo retirado se não extinto de vez.

Em menos de vinte anos, os EUA ainda serão uma potência regional, talvez como o Brasil na América do Sul, o Irã na Ásia Ocidental ou a Nigéria na África. Mas não será a hegemonia global que já foi, capaz de projetar e infligir poder e terror no mundo como fez no século passado. 

Os Estados Unidos mais do que abusaram de sua unção providencial como nação excepcional. Esse abuso foi reconhecido, denunciado e agora está sendo combatido pela maioria das outras nações do mundo. 

O futuro será muito diferente para os EUA do que foi nos últimos 80 anos, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, quando se elevou sobre o resto do mundo como um gigante entre os pigmeus. A Ucrânia provará ter sido o ponto de virada nesta transformação, o túnel no fim da luz, onde o Hospício Ocidental e seus psicopatas finalmente encontrarão a dissolução de todos os seus esquemas de controle e manipulação.

[Nota de Thoth: Os EUA são os dedos de barro da estátua do sonho de Nabucodonosor, representa os estertores de um sistema de controle imperial desde os tempos da Roma de Júlio Cézar que FINALMENTE esta chegando ao fim. Uma Nova Era se avizinha no horizonte para toda a humanidade . . .]

From Common Dreams: Nosso trabalho é licenciado sob Creative Commons (CC BY-NC-ND 3.0). Sinta-se à vontade para republicar e compartilhar amplamente.


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. Excelente análise de conjuntura.
    É necessário ampliar e aprofundar em análises objetivas, para contrapor as “eufóricas” e falaciosas “notícias” e comentários impostos pela Ideologia Ocidental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.329 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth