Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Hegemonia Ocidental está chegando ao Fim: o mundo está prestes a entrar em um ‘Período Muito Perigoso’

Por 500 anos, o mundo foi administrado desde a Europa e/ou dos EUA: isso está prestes a mudar e ninguém sabe ao certo como será a sua substituição. O aspecto mais dramático e único do atual estado das coisas na política internacional é que não podemos contar com a capacidade de um único estado, ou um grupo de países suficientemente poderosos, para desempenhar um papel de liderança no futuro.

Hegemonia ocidental está chegando ao fim: o mundo está prestes a entrar em um período muito perigoso

Fonte: Rússia Today

“Cristo, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá”. – Mateus 12:25

Isso significa que é difícil para nós imaginar quem será capaz de forçar os Estados a cumprir as regras de conduta em sua política externa e como essas restrições podem ser aplicadas.

De fato, a questão de por que os indivíduos, ou neste caso os países, devem cumprir os regulamentos é a mais fundamental na filosofia política. E apesar de todas as imperfeições do método do poder, a humanidade ainda não inventou nenhuma outra forma de atingir tais objetivos, mesmo em quantidades mínimas, a não ser pela força.

Ao longo dos últimos 500 anos, as regras da comunicação internacional foram criadas dentro da estreita comunidade dos países ocidentais, primeiro na Europa, antes que no século 20 os EUA se juntassem, fornecendo o poder necessário para fazer cumprir o sistema.

No início, isso foi feito através do equilíbrio de poder dos principais estados europeus, aos quais se juntou a Rússia em 1762. Depois que a ordem internacional surgida em meados do século XVII foi atacada pela França revolucionária de Napoleão, o controle das regras tornou-se uma questão para um pequeno grupo de grandes impérios. 

Eles, liderados pela Rússia e Grã-Bretanha, derrotaram Napoleão e em 1815 criaram uma ordem que tinha em seu coração um acordo geral de que o motim nos assuntos internacionais era inaceitável.

No final do século XIX, a política tornou-se global, mas as potências europeias, incluindo a Rússia, ainda podiam controlar o resto através da força bruta e sua colossal superioridade militar-industrial. Os dramáticos acontecimentos de 1914-1945 colocaram o início dos EUA na vanguarda da política global, como líder da comunidade ocidental em escala global.

Instituições internacionais, começando com as Nações Unidas, foram estabelecidas com o objetivo primordial de preservar a posição de monopólio do Ocidente. Isso, no entanto, exigiu o surgimento de instituições formais de justiça na forma de direito internacional, ou a participação no mais alto órgão da ONU, o Conselho de Segurança, da União Soviética e da China, que eram inerentemente hostis aos interesses dos EUA e da Europa Ocidental.

A forma institucional de dominação do poder ocidental tornou-se arrogante e a principal questão agora é se ela pode ser preservada. Portanto, o colapso das posições de poder dos EUA e da Europa Ocidental na política internacional implica não apenas uma mudança de liderança, mas uma revisão das próprias instituições e regras existentes em nível global.

Em outras palavras, toda a ordem internacional formal que surgiu após a Segunda Guerra Mundial (e na realidade ao longo dos últimos séculos) deixará de existir, pois esta entrando em colapso

Baseava-se em um sistema especial de direitos e privilégios para um grupo limitado de grandes potências e, posteriormente, cuja ilusão de justiça foi criada por instituições internacionais lideradas pela ONU. Foi esse sistema que desempenhou o papel de principal princípio legitimador da ordem mundial existente, embora na prática tenha sido muitas vezes substituído pela capacidade do Ocidente de exercer uma influência decisiva e coercitiva nos assuntos mundiais.

Assim, o colapso das instituições políticas internacionais muito provavelmente será consequência do desaparecimento de sua base de poder, cuja presença não foi contestada por vários séculos. Assistimos agora à destruição da base formal e real da atual [des]ordem internacional. Com toda a probabilidade, esse processo não pode mais ser interrompido.

O próximo período será um momento de definição da nova base de poder global, e é difícil dizer ainda quais atores, e em que medida, farão parte dela.

O importante é que os principais estados da atualidade – EUA, Rússia, China e Índia – não estão próximos uns dos outros, especialmente em termos de valores e compreensão dos princípios básicos das regras internacionais. O maior problema até agora é o comportamento dos EUA e de alguns países da Europa Ocidental, que, por motivos internos, seguem uma política agressiva em relação ao mundo exterior.

Esses estados embarcaram em um caminho muito preocupante de mudanças qualitativas nas coisas básicas que compõem as estruturas sociais, de gênero e, consequentemente, políticas da sociedade. Para a maioria das outras civilizações, esse caminho é um desafio e esta sendo rejeitado.

Também não sabemos em que medida o desenvolvimento interno do Ocidente depende da difusão de “seus ideais”, como ocorreu em períodos anteriores. No caso de as tendências emergentes no Ocidente, como a França revolucionária, o regime bolchevique ou a Alemanha nazista, exigirem não apenas o reconhecimento de outros, mas a expansão global, o futuro se tornará muito preocupante. 

Já podemos ver que o conflito entre os valores defendidos pelo Ocidente e os fundamentos da legitimidade interna em vários países está se tornando um terreno para relações políticas agravadas.

Seria, no entanto, um erro esperar que as outras grandes e médias potências que enfrentam o Ocidente estejam completamente unidas em sua compreensão dos fundamentos da justiça no nível doméstico.  Mesmo que Rússia, Índia, China ou Brasil demonstrem agora um entendimento comum dos princípios básicos de uma ordem mundial “adequada”, isso não significa que eles tenham a mesma visão de uma ordem interna melhor.

Isso é ainda mais verdadeiro para os estados do mundo islâmico e outros grandes países em desenvolvimento. Seus valores conservadores estão frequentemente em conflito com os do Ocidente, mas isso não significa que eles possam criar unidade entre si.

Em outras palavras, a nova ordem internacional ficará, pela primeira vez, sem um vínculo confiável com as ambições domésticas das principais potências, e esta é, de fato, uma mudança qualitativa em comparação com todas as épocas históricas que discutimos. Tal fenômeno parece muito importante porque não temos experiência de entender como as relações entre os estados se desenvolverão sob tais condições.

A força bruta pode se tornar a única base relativamente tangível para afirmar a ordem, mas isso pode não ser suficiente para tornar sustentáveis ??as condições por ela impostas, mesmo no curto prazo.

Outra característica única da situação revolucionária de hoje é que a revisão da ordem internacional não está sendo realizada por uma ou algumas potências – agora se tornou o negócio de interesse da maioria do mundo. Os países que representam cerca de 85% da população mundial estão, de uma forma ou de outra, já não preparados para conviver com as condições criadas sem o seu envolvimento direto. Dito isto, sua resistência é muitas vezes expressa sem intenção direta e depende das capacidades de poder do poder em particular.

O que do ponto de vista da Rússia ou do Irã parece falta de determinação em lidar com os EUA pode parecer um grande desafio para o Cazaquistão ou outro jovem país soberano – afinal, todo o seu sistema socioeconômico foi criado para explorar uma oredm em um mundo “liberal” .

Os estados frágeis da África, ou o antigo espaço soviético, são muito menos capazes de se comportar de forma consistente do que as monarquias prósperas do Golfo Pérsico. A China, embora agora a segunda potência econômica mais poderosa, também está ciente de suas fraquezas. Mas tudo isso não muda a coisa mais importante – mesmo que a destruição do status quo existente tome a forma de sabotagem branda em vez de ação militar decisiva, ela não reflete simplesmente um descontentamento geral com o autoritarismo e liberalismo ocidental, mas cria uma nova ordem, e as características básicas disso ainda são indeterminadas.

Nos próximos anos, a maioria dos países do mundo procurará aproveitar ao máximo o enfraquecimento da base de poder da política internacional em seu próprio interesse. Até agora, essas ações constituem um conflito construtivo, pois prejudicam objetivamente um sistema baseado em uma injustiça fantástica.

No entanto, com o passar do tempo, o bloco EUA-UE enfraquecerá e se trancará, e a Rússia ou a China nunca serão fortes o suficiente para tomar seu lugar. E na perspectiva dos próximos 10 a 15 anos, a comunidade internacional enfrentará o problema de substituir o monopólio de poder do Ocidente por novos instrumentos universais de coerção, cuja natureza e conteúdo ainda nos são desconhecidos.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

{Nota de Thoth: Em breve haverá um novo papa, será um francês, e será o ÚLTIMO  . . .  A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7 [do qual dois marionetes já caíram, Mario Draghi e Boris Johnson], os ditos “Países de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal“}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *