“Eu Prevejo mais Tumultos”

‘I Predict A Riot’ é uma música do grupo de indie rock britânico ‘Kaiser Chiefs’ de meados dos anos 2000. Fiquei triste ao saber no Twitter recentemente que isso agora é “música de gente velha”, mas a mensagem continua moderna o suficiente. Motins eclodiram na França na semana passada após a polícia atirar e matar em um adolescente que havia sido parado e encontrado dirigindo sem carteira. 

“Eu Prevejo um Motim”

Fonte: Zero Hedge – Por Benjamin Picton, macro estrategista sênior do Rabobank

O presidente Emmanuel Macron descreveu o assassinato como “inexplicável e indesculpável”, o que sem dúvida é. O incidente reacendeu tensões sociais latentes na França e levou aos maiores protestos desde as manifestações dos Coletes Amarelos contra o aumento do custo de vida e a desigualdade econômica.

Os relatórios do FT que cerca de 45.000 policiais e vários veículos blindados da força antitterrorista foram mobilizados para conter as manifestações. Isso é quase o dobro da força do Grupo Wagner PMC, que marchou com sucesso a cerca de 200 km dos portões de Moscou há pouco mais de uma semana.

A França tem uma longa tradição de guarnecer as barricadas na luta pela mudança social, mas seria errado pensar que esses últimos protestos são simplesmente uma continuação do amor gaulês por um bom motim. Parafraseando Anna Karenina, de Tolstói: “ Todas as sociedades felizes são iguais; cada sociedade infeliz é infeliz à sua maneira”. 

A maioria dos observadores da política internacional já teria identificado um tema de crescente descontentamento entre grupos desprivilegiados em todo o “mundo desenvolvido” [controlado e manipulado] que têm queixas sobre o agravamento da desigualdade econômica e a percepção de injustiça institucional, mas essas queixas se manifestam de maneiras diferentes. 

Os leitores podem se lembrar da situação nos Estados Unidos após a morte de George Floyd em 2020, onde uma expressão de insatisfação popular foram a criação das zonas autônomas de curta duração em Seattle e Portland, onde os manifestantes ocuparam partes do centro cívico e começaram a estabelecer suas próprias comunas anarco-sindicalistas .

Outra violenta [e muito bem armada] reação popular pode estar a caminho nos Estados Unidos depois que a Suprema Corte na semana passada derrubou o programa de perdão de empréstimos estudantis de [‘Dementia’ Joe] Biden. 

Isso representa um novo ponto crítico social, pois afeta cerca de 40 milhões (a maioria) de jovens com poucos bens preciosos e visões cada vez mais sombrias sobre suas perspectivas futuras em uma era de salários reais em declínio, preços extorsivos de casas e a IA ChatGPT. 

De fato, os estudantes são um grupo particularmente fértil para fomentar a agitação social. A Teoria da Superprodução de Elite de Peter Turchin fornece uma explicação clara de por que esse é o caso, essencialmente afirmando que as sociedades enfrentam problemas quando começam a produzir mais “elites” do que a estrutura de poder pode acomodar. 

Em um podcast recente com a Bloomberg, Turchin observa que os advogados são particularmente problemáticos por causa de sua compreensão das instituições e estruturas de poder. Isso talvez informe as teorias políticas de ‘Dick the Butcher’ em Henrique VI de Shakespeare, que sugere que “primeiro, vamos matar todos os advogados”. Afinal, Vladimir Lenin, Maximilien Robespierre, Marius Pontmercy… Todos eram advogados.

A notícia do bloqueio do programa de perdão de empréstimos deveria ter sido um alívio para os mercados de títulos, onde o custo de US$ 400 bilhões teria aumentado as tensões nos rendimentos do Tesouro dos EUA. Até agora, porém, a ação do preço foi silenciada e o rendimento de 10 anos dos EUA fechou a sessão de sexta-feira pouco alterado em 3,84%. 

Da mesma forma, o euro teve pouca reação aos eventos do fim de semana no início do comércio de hoje, uma vez que se mantém acima do nível de 1,09 que subiu seguindo um número PCE um pouco mais suave nos Estados Unidos na sexta-feira. As ações europeias registraram ganhos saudáveis ??na sexta-feira, com o índice CAC superando a maioria dos pares.

Acrescentar lenha à fogueira da situação na França foi a resposta do sindicato da polícia, que emitiu um comunicado que os líderes de esquerda descreveram como um apelo à guerra civil. Ameaças contra o governo por parte da polícia são uma demonstração alarmante de como a sociedade se tornou profundamente dilacerada e questionam a capacidade institucional do [Hospício do] Ocidente para lidar com problemas sociais desse tipo.

Meu colega Michael Every escreveu extensivamente sobre as tensões entre o globalismo liberal e o nacionalismo conservador em ‘Age of Rage’ (2019) e em outros lugares. Este concurso de ideias está acontecendo em todo o mundo. Trump-Biden, Brexit-Remain, Bolsonaro-Lula ou mesmo as recentes eleições gregas [o uso da velha máxima de Cézar: “Divide et Impera”]. 

As pessoas estão infelizes, a polarização é onipresente e está começando a aparecer mesmo de  maneiras triviais que antes eram impensáveis. Turchin aponta que, ao longo da história, líderes sábios confrontados com esses problemas sociais escolhem a reforma de cima, em vez de serem confrontados com a revolução vindo de baixo. Este foi o caso na Rússia czarista quando Alexandre II emancipou os servos e, ao fazê-lo, atrasou o fervor revolucionário por 60 anos.

Mas as tensões também estão crescendo na Rússia. O controle de Vladimir Putin sobre o poder parece decididamente menos firme do que há quinze dias, mesmo quando as recriminações começam e os supostos mercenários do Grupo Wagner são presos. A estratégia de Putin é um apelo inequívoco ao nacionalismo conservador, mas pode essa abordagem sobreviver à calamidade econômica, aos desafios internos e a uma guerra estagnada contra um país [a Ucrânia] que rejeitou amplamente a visão nacionalista de um estado unificado para os russos étnicos? E o resto do mundo em desenvolvimento, onde um aperto na liquidez do dólar e outras tensões geopolíticas ameaçam a estabilidade?

Parece não haver perspectiva de nenhuma dessas tensões diminuir no curto prazo. Prevejo mais tumultos


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth