Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

‘Hospício Ocidental quer a 3ª Guerra Mundial’: Sunak recua depois que Chefe Militar do R.U. queria enviar tropas britânicas para a Ucrânia

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, foi forçado a rapidamente esclarecer a posição do Reino Unido sobre o envio de soldados britânicos para a Ucrânia, depois que o recém-nomeado secretário de Defesa, Grant Shapps, revelou “discussões em andamento” sobre a expansão do programa de treinamento liderado pelo Reino Unido para tropas ucranianas e o potencial envio de instrutores britânicos de volta à Ucrânia, ao mesmo tempo que ofereceria a Kiev apoio naval não especificado no Mar Negro, um quintal da Rússia.

“Esses idiotas estão nos empurrando para a 3ª Guerra Mundial”: Sunak recua depois que o chefe da defesa do Reino Unido deseja enviar tropas britânicas para a Ucrânia.

Fonte: Zero Hedge

Depois de uma visita ao campo de treinamento de Salisbury Plain na sexta-feira, Shapps disse ao The Telegraph que “eu estava falando hoje sobre eventualmente aproximar o treinamento e realmente fazê-lo também na Ucrânia”.

Durante a sua viagem a Kiev no início desta semana, o novo chefe da defesa britânica, que assumiu o cargo após uma remodelação governamental há um mês, aparentemente viu uma “oportunidade” de trazer mais coisas “para a Ucrânia”. Shapps explicou que ele quis dizer “não apenas treinamento”, mas também fabricação de armas, e elogiou a gigante britânica de armas BAE Systems por seus planos de localização na Ucrânia.

“Estou ansioso para ver outras empresas britânicas fazerem a sua parte também, fazendo a mesma coisa. Então acho que vai haver um movimento para conseguir mais formação e produção no país”, acrescentou.

Nas suas discussões com o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, Shapps também teria dito que a Marinha britânica poderia desempenhar um papel na “defesa dos navios comerciais” no Mar Negro, segundo o The Telegraph.

“A Grã-Bretanha é uma nação naval, por isso podemos ajudar e aconselhar, especialmente porque a água é água internacional”, disse ele, sem detalhar que tipo de ajuda ofereceu a Zelensky. Não demorou muito para que duas coisas rapidamente acontecessem após as declarações do “pequeno tirano” britânico: 

  • i) a Rússia condenando a proposta e alertando que ela aceleraria a 3ª Guerra Mundial, e
  • ii) o retrocesso imediato do Reino Unido através do seu Primeiro Ministro.

No domingo, o ex-presidente russo Dmitry Medvedev, que atualmente atua como vice-chefe do Conselho de Segurança da Rússia, sugeriu que os soldados britânicos que treinam tropas ucranianas na Ucrânia seriam alvos legítimos para as forças russas, assim como as fábricas alemãs que produzem mísseis Taurus caso o forneçam a Kiev. 

Medvedev, que é vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia e se tornou uma das figuras mais agressivas e antiocidentais na política russa, disse que tais medidas tomadas pelo Ocidente estavam aproximando a eclosão da Terceira Guerra Mundial.

Numa publicação no Telegram, Medvedev criticou primeiro a proposta de Shapps de enviar instrutores militares para a Ucrânia, além de treinar forças armadas ucranianas na Grã-Bretanha ou noutros países ocidentais, como acontece atualmente.

“(Isso) transformará seus instrutores britânicos em alvos legítimos de nossas forças armadas”, escreveu Medvedev no Telegram. “Compreendendo perfeitamente que serão destruídos impiedosamente. E não como mercenários, mas nomeadamente como especialistas britânicos da OTAN.”

Medvedev voltou então a sua atenção para a Alemanha, difamando aqueles que querem que Berlim forneça à Ucrânia mísseis de cruzeiro Taurus que poderiam atingir o território russo e tentar limitar o fornecimento de Moscou ao seu exército.

“Eles dizem que isto está de acordo com o direito internacional. Bem, nesse caso, os ataques às fábricas alemãs onde estes mísseis são fabricados também estariam em total conformidade com o direito internacional”, disse Medvedev.

“Esses idiotas estão nos empurrando ativamente para a Terceira Guerra Mundial”, disse Medvedev.

Percebendo que provavelmente não quer que seu governo termine em uma nuvem de cogumelo sobre a Inglaterra, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak rapidamente voltou atrás e, durante uma visita a Burnley no domingo, disse que queria deixar a situação “absolutamente clara”, explicando que Shapps não se referia que soldados britânicos seriam destacados para a Ucrânia durante o conflito com a Rússia, alegando que houve “alguns relatos incorretos” [!!??] dos comentários do secretário da Defesa Shapps, que apresentou a ideia; no entanto, ele disse que o Reino Unido vem treinando soldados ucranianos em solo britânico “há muito tempo”.

De acordo com o primeiro-ministro, o secretário da Defesa quis dizer, na verdade, que “talvez seja possível, um dia, no futuro, realizarmos parte desse treino na Ucrânia” [Ahhh, bem….].

“Mas isso é algo para o longo prazo, não para o aqui e agora, não há soldados britânicos que serão enviados para lutar no conflito atual. Não é isso que está acontecendo”, insistiu. Londres continua a fornecer treino militar aos ucranianos, mas “está a fazê-lo aqui no Reino Unido”, assegurou Sunak.

A congressista republicana dos EUA, Marjorie Taylor Greene, também expressou alarme sobre os aparentes planos da Grã-Bretanha de enviar tropas para a Ucrânia, escrevendo no X (antigo Twitter):

“Eles vão começar a Terceira Guerra Mundial” e que “os EUA não podem participar” em tal implantação. , sublinhando: “Não há tropas americanas [“oficialmente”]” na Ucrânia.

Desde o início da sua operação militar na Ucrânia, em Fevereiro de 2022, Moscou tem argumentado repetidamente que o fornecimento de armas, a partilha de informações e o treino das tropas de Kiev já significa que as nações ocidentais se tornaram de fato partes no conflito ucraniano [a terceira guerra começar é apenas uma questão de semântica, pois o ocidente em peso apoia de diferentes formas a Ucrânia].


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *