Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Parceria Rússia-China está destruindo o Império dos EUA

O Conselho de Estado da China lançou um documento político crucial intitulado “Uma Comunidade Global de Futuro Partilhado: Propostas e Ações da China” que deve ser lido como um roteiro detalhado e abrangente para um futuro pacífico e multipolar. Isto se o hegemon tirânico – claro, fiel à sua configuração como Guerra S/A – não arrastar o mundo para o abismo de uma  guerra híbrida que se tornou quente e com consequências incandescentes.

A Parceria Rússia-China está destruindo o Império dos EUA

Fonte: sputnikglobe.com – Por Pepe Escobar

Em sincronia com a parceria estratégica Rússia-China em constante evolução, o Livro Branco observa como “o Presidente Xi Jinping levantou pela primeira vez a visão de uma comunidade global de futuro partilhado ao discursar no Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou em 2013”.

Isto foi há dez anos, quando o ambicioso projeto das Novas Rotas da Seda – ou Iniciativa Cinturão e Rota (BRI) – foram lançadas: esse tornou-se o conceito abrangente de política externa da era Xi. O Fórum do Cinturão e Rota, no próximo mês, em Pequim, celebrará o 10º aniversário da BRI e relançará uma série de projetos da BRI.

“Comunidade [Global] de Futuro Partilhado” é um conceito virtualmente ignorado [pelos psicopatas] em todo o [Hospício do] Ocidente coletivo – e em vários casos perdido na tradução em todo o Oriente. A ambição do livro branco é apresentar “a base teórica, a prática e o desenvolvimento de uma comunidade global de futuro compartilhado”.

Os cinco pontos-chave incluem a construção de parcerias “nas quais os países se tratem como iguais”; um ambiente de segurança justo e equitativo; “desenvolvimento inclusivo”; intercâmbios entre civilizações; e “um ecossistema que coloca a Mãe Natureza e o desenvolvimento verde em primeiro lugar”, como detalhou Xi na Assembleia Geral da ONU de 2015.

O Livro Branco desmascara vigorosamente a falácia da “Armadilha de Tucídides”: “Não existe uma lei férrea que determine que uma potência em ascensão irá inevitavelmente procurar a hegemonia. Esta suposição representa o pensamento hegemónico típico e baseia-se em memórias de guerras catastróficas entre potências hegemónicas no passado.”

Embora critique o “jogo de soma zero” ao qual “certos países” ainda se apegam, a China alinha-se completamente com o Sul Global/maioria global, como nos “interesses comuns de todos os povos ao redor do mundo. Quando o mundo prospera, a China prospera e vice-versa.”

Bem, essa não é exatamente a “ordem internacional baseada em regras” em jogo.

É tudo uma questão de harmonia

Quando se trata de construir um novo sistema de relações internacionais, a China dá prioridade à “ampla consulta” entre iguais  e ao “princípio da igualdade soberana” que “atravessa a Carta das Nações Unidas”. A história e a realpolitik, porém, ditam que alguns países são mais iguais do que outros.

Este livro branco vem da liderança política de um estado-civilização. Assim, promove naturalmente o “aumento dos intercâmbios entre civilizações para promover a harmonia”, ao mesmo tempo que observa elegantemente como uma  “bela cultura tradicional resume a essência da civilização chinesa”.

Aqui vemos uma mistura delicada de taoísmo e confucionismo, onde a harmonia – elogiada como “o conceito central da cultura chinesa” – é extrapolada para o conceito de “harmonia dentro da diversidade”: e essa é exatamente a base para abraçar a diversidade cultural de diferentes países.

Em termos de promoção do diálogo de civilizações, estes parágrafos são particularmente relevantes:

“O conceito de uma comunidade global de futuro compartilhado reflete os interesses comuns de todas as civilizações – paz, desenvolvimento, unidade, coexistência e cooperação vantajosa para todas as partes. Diz um provérbio russo: “Juntos podemos resistir à tempestade”.

“O escritor suíço-alemão Hermann Hesse propôs: ‘Servir não à guerra e à destruição, mas à paz e à reconciliação.’ Um provérbio alemão diz: “O esforço de um indivíduo é uma adição; o esforço de uma equipe é uma multiplicação”. Um provérbio africano afirma: “Um único pilar não é suficiente para construir uma casa”. Um provérbio árabe afirma: ‘Se quiser caminhar rápido, caminhe sozinho; se quiser caminhar longe, caminhe junto.’

“O poeta mexicano Alfonso Reyes escreveu: ‘A única maneira de ser lucrativamente nacional é ser generosamente universal.’ Um provérbio indonésio diz: “A cana-de-açúcar e o capim-limão crescem em touceiras densas”. Um provérbio mongol conclui: “Os vizinhos estão profundamente ligados e partilham um destino comum”. Todas as narrativas acima manifestam a profunda essência cultural e intelectual do mundo.”

Caravana BRI continua

A diplomacia chinesa tem sido muito veemente na necessidade de desenvolver um “novo tipo de globalização econômica” e de se empenhar no “desenvolvimento pacífico” e no verdadeiro multilateralismo.

E isso leva-nos inevitavelmente à iniciativa BRI, que o Livro Branco define como “um exemplo vívido de construção de uma comunidade global de futuro compartilhado e de um bem público global e de uma plataforma de cooperação fornecida pela China ao mundo”.

É claro que, para s psicopatas tirânicos do Hegemon e os seus vassalos lacaios do Ocidente, a BRI nada mais é do que um enorme mecanismo de armadilha da dívida desencadeado pela “China autocrata”.

O livro branco observa, de fato, como “mais de três quartos dos países do mundo e mais de 30 organizações internacionais” aderiram ao projeto BRI, e refere-se ao amplo e em constante expansão quadro de conectividade de seis corredores, seis rotas, uma série de portos, oleodutos e conectividade no ciberespaço, entre outros através da Nova Ponte Terrestre Eurasiática, do Expresso Ferroviário China-Europa (uma “frota de camelos de aço”) e do Novo Corredor Comercial Terra-Mar que cruza a Eurásia.

Um problema grave pode envolver a Iniciativa de Desenvolvimento Global da China, cujo objetivo fundamental, segundo Pequim, é “acelerar a implementação da Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável”.

Bem, esta agenda foi concebida pelas autodenominadas elites e oligarcas do WEF de Davos e conceitualizada em1992 pelo protegido de Rockefeller, Maurice Strong. O seu sonho inato é impor a Grande -Great Reset – Reinicialização – completada com uma absurda  agenda verde de carbono zero .

Melhor ouvir o aviso de Medvedev

Os psicopatas khazares neocons do tirânico hegemon já está preparando as próximas fases da sua guerra híbrida contra a China – embora permaneça profundamente enterrada numa  guerra quente por procuração de fato contra a Rússia na Ucrânia.

A política estratégica russa, em essência, alinha-se completamente com o Livro Branco Chinês, propondo uma Grande Parceria Eurasiática, um impulso concertado em direção à multipolaridade e a primazia do Sul Global/maioria global na forja de um novo sistema de relações internacionais.

Mas os psicopatas neoconservadores [judeus khazares] responsáveis ​​pela política externa da hegemonia continuam a aumentar as apostas. Portanto, não é de admirar que, após o recente ataque ao QG da Frota russa do Mar Negro em Sebastopol, um novo relatório do Conselho de Segurança Nacional conduza a um aviso ameaçador do Vice-Presidente do Conselho de Segurança, Dmitry Medvedev:

“A OTAN  transformou-se num bloco abertamente fascista semelhante ao Eixo de Hitler, só que maior  (…) Parece que a Rússia está ficando com pouca escolha a não ser um conflito direto com a OTAN (…) O resultado seriam perdas muito mais pesadas para a humanidade do que em 1945.”

O Ministério da Defesa russo, entretanto, revelou que a Ucrânia sofreu um número impressionante de 83.000 mortes no campo de batalha desde o início da – fracassada – contra-ofensiva há quatro meses .

E o Ministro da Defesa, Shoigu, quase desistiu em termos de estratégia de longo prazo, quando disse: “a implementação consistente de medidas e planos de atividades até 2025 permitir-nos-á alcançar os nossos objetivos”. Portanto, o SMO não será finalizada antes de 2025 – aliás, muito depois das próximas eleições presidenciais dos EUA. Afinal de contas, o objetivo final de Moscou agora é o fim da OTAN.

Confrontado com uma humilhação cósmica da OTAN no campo de batalha, o combo Biden não tem saída: mesmo que declarasse um cessar-fogo unilateral para reequipar as forças de Kiev para uma nova contra-ofensiva na primavera/verão de 2024, a guerra continuaria a ressoar sobre todos e no caminho para as eleições presidenciais dos EUA.

Não há absolutamente nenhuma maneira de algum intelecto aguçado na Beltway de Washington DC ler o livro branco chinês e ser “infectado” pelo conceito de harmonia. Sob o jugo dos psicopatas neoconservadores [judeus khazares], não há perspectivas de uma détente com a Rússia – para não mencionar a Rússia-China.

Tanto a liderança chinesa como a russa sabem muito bem como funciona o establishment (complexo militar-industrial-congresso-inteligência-mídia-academia-think tank) definido por Ray McGovern.

O aspecto cinético do establishment tem tudo a ver com a proteção dos interesses globais dos grandes bancos, fundos de investimento/hedge e corporações multinacionais dos EUA [em sua maioria judeus khazares]. Não é uma coincidência que o monstro do establishment, a Lockheed-Martin seja propriedade majoritariamente dos fundos de investimentos khazares Vanguard, BlackRock e State Street

A OTAN é essencialmente uma rede de proteção da máfia controlada pelos EUA e pelo Reino Unido que nada tem a ver com “defender” a Europa da “ameaça russa”. O verdadeiro sonho molhado do establishment judeu khazar e da sua extensão da OTAN é enfraquecer e desmembrar a Rússia para controlar os seus imensos recursos naturais.

Guerra contra o novo ‘Eixo do Mal’

A humilhação explícita da OTAN na Ucrânia é agora agravada pela ascensão inexorável dos BRICS+6 – que encarna uma ameaça letal à geoeconomia hegemônica. Não há quase nada que o establishment judeu khazar possa fazer relativamente a isso, a não ser uma guerra nuclear – exceto turbinar múltiplas instâncias de Guerra Híbrida, revoluções coloridas e diversos esquemas de dividir para governar. O que está em jogo é nada menos que uma implosão completa do neoliberalismo “acordado e verde”.

A parceria estratégica Rússia-China de verdadeiros soberanos tem estado em coordenação a tempo inteiro.

Paciência estratégica é a norma. O Livro Branco revela a faceta magnânima da economia número um do mundo através de PPP: esta é a resposta da China à noção infantil de “redução de riscos”.

A China está a “desarriscar” geopoliticamente quando se trata de não cair nas provocações em série do Hegemon, enquanto a Rússia exerce um controle ao estilo taoísta para não arriscar uma guerra cinética total.

Ainda assim, o que Medvedev acabou de dizer traz a implicação de que a hegemonia na linha do desespero poderia até ser tentada a lançar a Terceira Guerra Mundial contra, de fato, um novo “eixo do mal” de três nações BRICS+6 – Rússia, China e Irã.

O secretário do Conselho de Segurança Nacional [russo], Nikolai Patrushev, não poderia ter sido mais claro :

“Nas suas tentativas de manter o seu domínio, o próprio Ocidente destruiu as ferramentas que funcionavam melhor para ele do que a máquina militar. Trata-se da liberdade de circulação de bens e serviços, corredores de transporte e logística, um sistema unificado de pagamentos, divisão global do trabalho e cadeias de valor. Como resultado, os [psicopatas] ocidentais estão a isolar-se do resto do mundo a um ritmo rápido.”

Se ao menos pudessem juntar-se à comunidade do futuro compartilhado – esperançosamente numa data posterior, não nuclear.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *