browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

“Houve um confronto militar entre os EUA e a China” no Mar da China Meridional, declarou uma fonte militar dos EUA

Posted by on 20/10/2021

Submarinos que se enfrentam nas profundezas do oceano e que dão vida a verdadeiras batalhas marítimas. Este não é o enredo de um romance de espionagem nascido da mente de Tom Clancy ou um cenário que ocorreu na época da guerra fria, quando submarinos soviéticos e americanos se enfrentavam periodicamente pelo controle dos mares do mundo. Desta vez é um confronto que teria acontecido de verdade e que teria envolvido diretamente os Estados Unidos de um lado e a China do outro. Para entender melhor o ocorrido, devemos citar um episódio recentemente comentado nas crônicas de jornais internacionais. Uma fonte altamente qualificada do Pentágono entrou em contato com este blog e contou o que realmente aconteceu.

“Houve um confronto militar entre os EUA e a China” no Mar da China Meridional, declarou uma fonte militar dos EUA anonimamente

Fonte: La Cruna dell’Ago – por Cesare Sacchetti

Na verdade, foi relatado recentemente [pela midia pre$$titute$] que um submarino nuclear americano, o USS Connecticut, teria atingido um objeto não identificado nas águas do Mar do Sul da China. O acidente teria ferido pelo menos onze marinheiros americanos a bordo do submarino e gerou protestos em Pequim, que emitiu uma nota oficial de protesto acusando o homólogo americano de “irresponsabilidade”.

A China pediu mais detalhes sobre o ocorrido e perguntou se a colisão com esse misterioso objeto levou à dispersão de material radioativo nas profundezas do mar. Washington não deu nenhuma explicação sobre o assunto, mas essa versão dos acontecimentos aparentemente seria apenas o que no jargão das chancelarias internacionais é conhecido como “reportagem de cobertura [encobrimento]”.

Uma fonte altamente qualificada do Pentágono entrou em contato com este blog e contou o que realmente aconteceu. Segundo essa fonte, o submarino americano não teria atingido nenhum objeto no trecho de mar em questão, mas os danos recebidos seriam consequência direta de um verdadeiro confronto militar ocorrido naquela área entre os Estados Unidos e a China no noite entre 2 e 3 de outubro.

Disputas territoriais em torno do Mar da China Meridional

Antes de prosseguirmos, no entanto, com o que foi revelado pela fonte militar qualificada do Pentágono, devemos traçar um breve contexto geopolítico e histórico sobre este território marinho do Mar da China Meridional em disputa para entender o quão importante é e ao mesmo tempo tremendamente disputado pelos países limítrofes.

As Ilhas Spratly são uma miríade de pequenos atóis ao largo do mar em questão, e seu status territorial tem sido objeto de inúmeras disputas entre os países da área. Esses atóis são disputados por vários países do Sudeste Asiático, como China, Filipinas, Vietnã, Taiwan e Malásia. Cada uma dessas nações mais ou menos reivindica para si o controle das pequenas ilhas, bem como de todo o trecho marinho.

A China sustenta que quase toda a área está sob sua competência territorial exclusiva com base no chamado princípio do que tem sido chamado de “linha dos nove traços”, ou uma espécie de demarcação estabelecida pela própria Pequim em 1947. Por meio dessa delimitação arbitrária, a ditadura comunista chinesa praticamente atribuiu a si mesma a posse de uma grande parte do Mar do Sul da China.

Os outros países vizinhos contestaram repetidamente o que parecia ser uma demarcação puramente arbitrária e não baseada nos princípios do direito internacional. Na verdade, episódios de tensão entre a China e seus vizinhos não são raros. Nesse sentido, lembramos o confronto ocorrido em 1974 entre a China e o Vietnã do Sul pelo controle das ilhas Paracelso, sempre no mesmo trecho costeiro, que custou a vida de 18 marinheiros chineses e 53 outros vietnamitas e levou a China ao controle das ilhas em questão.

A situação nunca foi realmente resolvida, mesmo nos anos que se seguiram a este confronto militar, tanto que em 1988 houve outra batalha marítima mais uma vez entre a China e o Vietnã para assumir o controle de Johnson South Reef, um pequeno atol pertencente às ilhas Spratly.

Nesta ocasião, o número de mortos foi ainda mais pesado do que no confronto de 1974. Desta vez, foram 70 marinheiros vietnamitas que perderam a vida, enquanto a China, por sua vez, viu as perdas humanas reduzidas ao mínimo com apenas um marinheiro morto.

Também nesta circunstância Pequim saiu vitoriosa e conseguiu assumir o controle de outra parte das Ilhas Spratly. Estamos, portanto, a falar de uma área marinha que pode sem dúvida ser definida como a mais disputada e contestada do mundo. As razões para este conflito residem também na importância comercial deste território. Por aqui passa o transporte marítimo de um terço dos bens mundiais e ter o controle do Mar da China Meridional praticamente atribui um peso enorme em termos geopolíticos ao país que controla este centro fundamental para o tráfego marítimo internacional.

Outra razão para as acirradas disputas entre os países do Sudeste Asiático é que no fundo do mar desta área se pensa que existem enormes campos de petróleo e gás natural que dariam uma enorme vantagem competitiva ao país que os pudesse agarrar em termos de independência em energia.

No entanto, a jurisprudência internacional tentou colocar ordem no caos de reivindicações cruzadas de países que disputam esta área, e a recente decisão de 2016 emitida pela corte do Tribunal Internacional Permanente de Arbitragem de Haia parece ter trazido mais clareza. O tribunal em questão decidiu em um julgamento entre as Filipinas e a própria China que as reivindicações territoriais dos comunistas de Pequim sobre todo o Mar do Sul são infundadas.

A chamada linha arbitrária de nove traços da China viola todas as convenções sobre o direito marítimo internacional e excede em muito o limite de 12 milhas náuticas de águas territoriais estabelecido pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

O Deep State de Washington construiu o poderio econômico da China intencionalmente

Ao longo dos anos, os Estados Unidos assumiram uma postura mais relaxada em relação à China comunista em relação a esses conflitos no Mar da China Meridional. A partir da década de 1990, as relações entre Washington e Pequim têm sido quase idílicas porque os Estados Unidos praticamente permitiram que a China atingisse seu enorme crescimento econômico e comercial praticamente sem sofrer obstáculos, muito pelo contrário..

O chamado Estado -Deep State- Profundo de Washington, que é o aparato dos lobbies globalistas que durante décadas representou o verdadeiro e oculto governo dos Estados Unidos, de forma alguma se opôs ao crescimento do gigante chinês.

Pelo contrário, o coração das finanças internacionais de Wall Street desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento da economia chinesa. As finanças anglo-saxãs eram o principal financiador da China e isso não aconteceu por mero acaso, FOI INTENCIONAL.

As grandes potências globalistas queriam dar vida ao poder econômico da ditadura comunista economista chinesa para iniciar a globalização [e implantar a Nova Ordem Mundial, com base no estilo de governo totalitário da China]. A globalização se baseia no princípio do comércio sem obstáculos, especialmente de países onde o custo da mão de obra é insignificante em comparação com o do mundo ocidental.

A ideia dos círculos dos oligarcas psicopatas de Davos e do Clube de Roma é realizar uma desindustrialização sem precedentes no mundo ocidental para deslocar toda a cadeia produtiva para a China e outros países asiáticos, onde a mão de obra beira à escravidão.

Desse modo, chegamos diretamente ao fim do trabalho como o conhecemos e os cidadãos ocidentais, para sobreviver, seriam forçados a aceitar a renda universal, a esmola do governo [central] que seria dada apenas e somente àqueles que aceitassem entrar numa sociedade autoritária global estilo NWO-Nova Ordem Mundial.

Esta é a razão pela qual as chamadas lutas pseudoambientais são promovidas principalmente na Europa e nos Estados Unidos, enquanto China e Índia, que são os países com maior impacto poluidor, não são minimamente tocados pelas críticas de ativistas do clima como os zumbis do establishment Greta e Thunberg que, nesta perspectiva, desempenham o papel de idiotas úteis nas mãos dos oligarcas psicopatas de Davos e outros grupos globalistas et caterva.

É por isso que os EUA na época do governo do marionete fantoche Bill [pedófilo] Clinton democrata não se opuseram de forma alguma à entrada da China na Organização Mundial do Comércio, e é por essa mesma razão que os Estados Unidos sob sucessivas administrações nunca assumiram uma postura verdadeiramente hostil em relação ao crescimento de Pequim. A China já foi escolhida, há muito tempo, pelas grandes famílias de oligarcas das finanças internacionais como os Warburgs, os Rothschilds e os Rockefellers como o país “modelo” para ser usado para implantação da Nova Ordem Mundial.

No entanto, como apontamos em contribuições anteriores, essa relação está se rompendo porque a China não parece tão interessada em promover o domínio dessas grandes famílias, mas em sentar-se no trono de um império econômico global e os seus comunistas governarem o planeta inteiro com mão de ferro. No entanto, o governo Trump pôs fim aos planos do Deep State, das famílias de oligarcas, aos planos dos Illuminati, et caterva, ao idílio existente entre a China e os marionetes, como Clinton e Obama, e os Estados Unidos, conforme explicado pelo próprio  acadêmico chinês Di Dongsheng em um vídeo que circulou pela rede nos últimos anos.

Di Dongsheng declarou: “Temos pessoas leais à China no topo do Círculo de Poder da América”:

Donghsheng é vice-reitor da Escola de Relações Internacionais da Universidade Renmin, da China. No decorrer de um de seus discursos públicos, o professor chinês explicou substancialmente como os lobbies financeiros que controlam os Estados Unidos há algum tempo realmente contribuem para garantir os interesses da própria China em detrimento dos interesses dos norte americanos.

O verdadeiro poder oculto governante da América, portanto, trabalhou muito duro para construir a superpotência econômica de Pequim. Essa condição chegou ao fim após a eleição de Donald Trump para a Casa Branca em 2016.

A nova doutrina de “tornar a América grande novamente” separou os EUA da esfera de controle das potências globalistas, e a América sob o governo Trump fez o que seus predecessores nunca fizeram e por isso mesmo Trump foi atacado por todos os lados. Trump protegeu os interesses nacionais dos EUA e reafirmou o princípio da inviolabilidade da soberania nacional em face dessas potências que usaram a América como nação servindo aos interesses privados dos lobbies financeiros transnacionais.

O confronto entre Estados Unidos e China nem mesmo parou sob o chamado governo Biden por uma série de razões que parecem ter a ver com a assinatura de Trump da lei contra as insurgências ocorrida por volta de janeiro passado, antes dele sair da presidência dos EUA, entregando o governo “de fato e de jure” aos militares dos EUA.

Por meio desse ato, Trump teria efetivamente congelado a administração do marionete senil Joe Biden no cargo e entregue o poder aos militares enquanto esperava os relatórios eleitorais para permitir que Trump voltasse oficialmente ao cargo e, assim, cancelar a enorme fraude eleitoral que levou à eleição ilegítima do candidato democrata , o senil e débil mental Joe Biden. Uma das inúmeras confirmações que temos neste sentido é a que vem da [ausência de] política externa de Biden que, em vez de afrouxar as relações com a ditadura comunista chinesa, as tornou ainda mais tensas.

O que aconteceu nas ilhas Spratly seria apenas mais uma confirmação do fato de que Joe Biden não é o homem que está conduzindo a administração presidencial dos EUA, sendo até mesmo incapaz para tal tarefa, nem os poderes globalistas que permitiram e ajudaram na sua “eleição”. Biden não está respondendo aos comandos, é um mero fantoche senil. Alguém está liderando esta administração. Alguém que não tem intenção de seguir as diretrizes do Estado Profundo de Washington.

Essa explanação de real geopolítica foi indispensável para nos permitir contextualizar melhor o confronto entre os Estados Unidos e a China nas ilhas Spratly.

A missão secreta do submarino nuclear USS Connecticut: destruir um alvo militar chinês

Segundo a fonte do Pentágono citada anteriormente, a história do acidente envolvendo o USS Connecticut seria completamente diferente da oficial divulgada. A tripulação do submarino americano seria designada para uma missão militar ultrassecreta. A de identificar e destruir uma base militar chinesa em um dos atóis em questão.

Portanto, não teria havido colisão com um objeto misterioso. O USS Connecticut teria atingido a costa próxima às ilhas Spratly e teria lançado um míssil para sabotar o sistema de comunicações da base chinesa em questão. A operação, segundo a fonte militar americana, teria sido bem-sucedida, mas não sem sofrer danos de contra ataque chinês.

Os chineses teriam respondido ao ataque e os danos sofridos pelo submarino USS Connecticut seriam a consequência direta da resposta comunista. No entanto, parece que a tecnologia furtiva com a qual este submarino da marinha dos EUA está equipado teria limitado muito os danos.

A reação da China não demoraria muito e seria furiosa. O estado-maior chinês foi colocado em alerta máximo e também pronto para tomar medidas de retaliação ainda mais enérgicas contra os Estados Unidos. Apenas um telefonema de Pequim, aparentemente dos principais líderes do governo chinês, teria restaurado a calma e evitado um confronto militar direto e aberto entre os Estados Unidos e a China com consequências imprevisíveis de escalada.

A reportagem veiculada pela mídia pre$$titute$ seria, portanto, apenas um disfarce para ocultar o ocorrido e evitar que o episódio se tornasse público, provavelmente para conter a possibilidade de uma escalada militar entre os dois países. Toda essa situação seria relatada em um relatório confidencial entregue na sede da OTAN em Bruxelas.

Washington e Pequim, portanto, nunca teriam estado tão perto de um confronto militar e provavelmente não é nada arriscado dizer que uma situação tão tensa entre as superpotências mundiais não era registrada desde a guerra fria entre os EUA e a URSS.

Porém, essas revelações já sensacionais seriam superadas pelo que aconteceu nos dias seguintes. Vimos nos últimos dias um apagão sem precedentes das redes sociais de Mark Zuckerberg. A explicação oficial fornecida pela empresa é que haveria um “problema de configuração”. De acordo com a mesma fonte do Pentágono, o Facebook supostamente sofreu um ataque cibernético massivo realizado pela China em retaliação ao que aconteceu alguns dias antes nas ilhas Spratly.

Se essa reconstrução estiver correta, Pequim não teria danificado diretamente os militares leais a Trump e aos EUA, mas sim uma rede social que o Deep State de Washington teria tentado atacar independentemente desse ataque cibernético. A chamada denunciante do Facebook Frances Haugen, que está testemunhando no Congresso nestes dias contra a rede social americana, está diretamente ligada a grupos de poder do Partido Democrata.

Os homens dos escalões superiores do globalismo não estão nada satisfeitos com a forma como Zuckeberg está gerenciando a rede social que, segundo eles, foi praticamente dada a ele pela CIA para gestão. Nesse sentido, George Soros, judeu khazar e oligarca peso-pesado nas finanças especulativas internacionais, deixou claro no ano passado que o Facebook precisava ser retirado da liderança de Zuckerberg porque o empresário não estava fazendo um bom trabalho de censura de conteúdo indesejável ao único pensamento globalista.

Se esse cenário geral estiver correto, tudo isso apenas reforçaria o que vimos em outras ocasiões. Há uma batalha clandestina travada entre a grande potência globalista, a China comunista, e o aparato militar que responde a Donald Trump e os interesses reais dos EUA.

Essa batalha é o que afeta o que acontece na superfície. O que vemos emergindo na superfície é apenas a menor parte do que acontece nas profundezas intestinas do sistema.

Esta batalha é travada todos os dias longe das telas dos meios de comunicação de propaganda do regime que têm a tarefa de descrever um mundo imaginário que não existe na realidade real do mundo nos bastidores que nunca é contado ao grande público, a grande massa de zumbis ignorantes presos mentalmente ao medo.

Honoré de Balzac argumentou que havia dois tipos de histórias. Uma era a forjada fornecida ao público, a grande massa de zumbis ignorantes controlados mentalmente em geral. A outra era aquela mantida escondida, secreta, que determina as verdadeiras causas dos acontecimentos.

O que está acontecendo recentemente no período histórico em que nos encontramos é mais uma confirmação de que ele estava realmente certo.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.