Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Império em Pânico tenta fazer uma ‘Oferta Irrecusável à Rússia’ para salvar a face do Hospício Ocidental

Percebendo que a guerra dos EUA-OTAN com a Rússia provavelmente terminará de forma desfavorável, os EUA estão testando uma oferta de saída do buraco. Mas por que Moscou deveria levar a sério as propostas indiretas, especialmente às vésperas de seu novo avanço militar e enquanto está na cadeira vencedora? Aqueles psicopatas atrás do Trono nunca são mais perigosos do que quando estão de costas para a parede.

Império em Pânico tenta fazer uma ‘Oferta à Rússia que não pode Recusar’ para salvar a face do Hospício Ocidental

Fonte: The Cradle – Por Pepe Escobar

Seu poder está se esvaindo rapidamente: militarmente, por meio da humilhação progressiva da OTAN na derrota iminente da Ucrânia; Financeiramente, mais cedo do que mais tarde, a maior parte dos países do Sul Global não vai mais querer ter nada a ver com a moeda [dólar] de um gigante desonesto, falido;  politicamente, a maioria global está tomando medidas pensadas para deixar de obedecer a uma minoria gananciosa, desacreditada, e de fato demente.

Portanto, agora aqueles psicopatas [Deep State] por trás do trono estão planejando pelo menos tentar impedir o desastre que se aproxima na frente militar. Conforme confirmado por uma fonte de alto escalão do doentio “establishment” norte americano, uma nova diretriz sobre a OTAN contra a Rússia na Ucrânia foi retransmitida ao secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken. Blinken, em termos de poder real, não passa de uma transportador da agenda dos neocons, neoliberais e judeus khazares que realmente dirigem a política externa dos EUA e controlam o senil marionete presidente (‘Dementia’ Joe) Biden.

O secretário de Estado foi instruído a transmitir a nova diretriz – uma espécie de mensagem ao Kremlin – por meio das pre$$tituta$ da grande mídia impressa, que foi inspirada para ser publicada pelo  Washington Post .

Na divisão de trabalho da propaganda da elite das pre$$tituta$ da grande mídia americana, o New York Times é muito próximo do Departamento de Estado. e o Washington Post à CIA. Neste caso, porém, a diretriz era muito importante e precisava ser retransmitida pelo papel de registro na capital imperial, Washington DC. Foi publicado como um Op-Ed (atrás do paywall) .

A novidade aqui é que, pela primeira vez desde o início da Operação Militar Especial (SMO) da Rússia em 24 de fevereiro de 2022 na Ucrânia, os americanos estão realmente propondo uma variação da clássica “oferta que você não pode recusar”, incluindo algumas concessões que podem satisfazer os imperativos de segurança da Rússia.

Crucialmente, a oferta dos EUA ignora totalmente os seus marionetes e o presidente palhaço em Kiev, mais uma vez certificando que esta é uma guerra contra a Rússia conduzida pelo Império e seus lacaios da OTAN – com os ucranianos como meros proxies expansíveis e descartáveis.

‘Por favor, não faça uma ofensiva’

O correspondente da velha escola do Washington Post em Moscou, John Helmer, prestou um serviço importante, oferecendo o texto completo da oferta de Blinken, é claro, amplamente editado para incluir noções fantasistas como “as armas dos EUA ajudam a pulverizar a força de invasão de Putin” e uma explicação digna de pena: “Em outras palavras, a Rússia não deveria estar pronta para descansar, reagrupar e atacar.”

https://i0.wp.com/media.thecradle.co/wp-content/uploads/2023/01/Russia-Ukraine-war-2.jpg?resize=417%2C197&ssl=1
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acha que um mero editorial das pre$$tituta$ do Washington Post levará o chefe das Forças Armadas russas, Valery Gerasimov, a adiar sua planejada ofensiva militar na Ucrânia?

A mensagem de Washington DC pode, à primeira vista, dar a impressão de que os EUA admitam o controle russo sobre a Crimeia, e as regiões recentemente anexadas do Donbass, Zaporozhye e Kherson – “a ponte terrestre que conecta a Crimeia e a Rússia”como um fato consumado.

A Ucrânia teria um status desmilitarizado, e a implantação de mísseis HIMARS e tanques Leopard e Abrams seria confinada ao oeste da Ucrânia, mantida como um “empecilho contra novos ataques russos”.

O que pode ter sido oferecido, em termos bastante nebulosos, é na verdade uma exclusividade da Ucrânia, incluindo a zona desmilitarizada, em troca do cancelamento da ofensiva do Estado-Maior russo em algum momento de 2023, ainda de data desconhecida, que pode ser tão devastadora quanto cortar o acesso de Kiev ao Mar Negro e/ou cortar o fornecimento de armas da OTAN através da fronteira polonesa.

A oferta dos EUA se define como o caminho para uma “paz justa e duradoura que defende a integridade territorial da Ucrânia”. Bem, na verdade não é assim. Simplesmente não será uma Ucrânia repulsiva, e Kiev pode reter aquelas terras ocidentais que até a Polônia está morrendo de vontade de devorar.

A possibilidade de um acordo direto Washington-Moscou sobre “um eventual equilíbrio militar” pós guerra também é evocado, incluindo a não adesão da Ucrânia à OTAN após o final do conflito. Quanto à própria Ucrânia, os americanos parecem acreditar que será uma “economia forte e não corrupta com adesão à União Europeia”.

O que quer que reste de valor na Ucrânia já foi engolido não apenas por sua oligarquia monumentalmente corrupta, mas principalmente por investidores e especuladores da variedade dos judeus khazares da BlackRock. 

Vários abutres corporativos simplesmente não podem se dar ao luxo de perder o controle dos portos de exportação de grãos da Ucrânia, bem como os termos do acordo comercial acordado com a UE antes da guerra. E estão apavorados com a possibilidade de uma ofensiva russa capturar Odessa, o principal porto marítimo e centro de transportes no Mar Negro – o que deixaria a Ucrânia sem litoral com o Mar Negro.

Não há nenhuma evidência de que o presidente russo, Vladimir Putin, e todo o Conselho de Segurança da Rússia – incluindo seu secretário Nikolai Patrushev e o vice-presidente Dmitry Medvedev – tenham motivos para acreditar em qualquer coisa vinda dos psicopatas por trás do trono dos EUA, especialmente através de meros lacaios como Blinken e o Washington Post

Afinal, o stavka  – um apelido para o alto comando das forças armadas russas – considera os americanos “capazes de não cumprir o que acordarem”, mesmo quando uma oferta é feita por escrito. Isso anda e fala como uma desesperada aposta dos EUA para proteger e apresentar algumas cenouras a Moscou na esperança de atrasar ou mesmo cancelar a sua ofensiva final para os próximos meses.

Mesmo os operativos dissidentes da velha escola de Washington – não ligados à galáxia neocon judeu lhazar – apostam que a aposta será um hambúrguer : no modo clássico de “ambigüidade estratégica”, os russos continuarão em seu esforço declarado de desmilitarização, desnazificação e deseletrificação , e irá “parar” seu exército a qualquer hora e em qualquer lugar que acharem adequado a leste do rio Dnieper.  Ou muito além.

O que o Deep State realmente quer

As ambições de Washington nesta guerra essencialmente da OTAN contra a Rússia vão muito além da Ucrânia. E nem estamos falando sobre impedir uma união euro-asiática entre a Rússia-China-Alemanha ou um pesadelo de concorrentes pares; vamos nos ater a questões prosaicas no campo de batalha ucraniano.

As principais “recomendações” – mortais, fatais, políticas, diplomáticas – foram descritas em um  documento de estratégia do Atlantic Council no final do ano passado. E em outro paper, sob “Cenário de guerra 1: A guerra continua em seu ritmo atual”, encontramos a política neoconservadora khazar straussiana totalmente explicitada.

Está tudo aqui: desde “apoio de organização e transferências de assistência militar para Kyev suficientes para capacitá-lo a vencer” para “aumentar a letalidade da assistência militar para incluir aeronaves de caça que permitiriam à Ucrânia controlar seu espaço aéreo e atacar as forças russas nele; e tecnologia de mísseis com alcance suficiente para atingir o território russo”.

Desde treinar os militares ucranianos “para usar armas ocidentais, guerra eletrônica e capacidades cibernéticas ofensivas e defensivas, e integrar novos recrutas no serviço” para fortalecer “defesas nas linhas de frente, perto da região de Donbass”, incluindo “treinamento de combate focando na guerra irregular”.

Além de “impor garantias secundárias a todas as entidades que fazem negócios com o Kremlin”, chegamos, é claro, à Mãe de Todos os Saqueadores: “Confiscar os US$ 300 bilhões bloqueados que o estado russo detém em contas no exterior nos Estados Unidos e na UE e usar o dinheiro compreendido para fundos de reconstrução da Ucrânia”.

A reorganização do SMO, com Putin, o Chefe do Estado-Maior Valery Gerasimov e o General “Armageddon” em seus novos papéis aprimorados em conjunto com os mísseis russos está descarrilando todos esses planos elaborados por mentes doentias do império.

Os straussianos judeu khazares estão agora em profundo pânico. Até mesmo a número dois de Blinken, a fomentadora de guerra russofóbica, a khazar Victoria “Foda-se a UE” Nuland, admitiu ao Senado dos EUA que não haveria tanques Abrams no campo de batalha antes da primavera (realisticamente, apenas em 2024). Ela também prometeu “aliviar como satisfatório” se Moscou “retornar às conversações profissionais”. Esses resultados foram frustrados pelos próprios americanos em Istambul na primavera de 2022.

Nuland também pediu aos russos que “retirassem suas tropas”. Bem, isso pelo menos oferece algum alívio cômico em comparação com o pânico que escorre da “oferta que você não pode recusar” de Blinken. Fique atento à resposta de não resposta da Rússia ao hospício ocidental e seus psicopatas.

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *