Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Índia: a Próxima Frente na Guerra contra os países do BRICS

Há muito mais na atual guerra geopolítica multimodal do que apenas o que está acontecendo na Ucrânia. Este conflito levou a uma miríade de efeitos e movimentos a jusante que são tão importantes quanto o que significa o cerco russo de Bakhmut. Durante anos, o curinga da Aliança BRICS foi a Índia. A rivalidade da Índia com a China, bem como suas complicadas relações com a Rússia e o Ocidente sempre serviram como questões de cunha para separar a aliança e mantê-la sob controle.

Índia: a Próxima Frente na Guerra contra os países do BRICS

Fonte: GoldGoats’nGuns

Durante os anos de Trump, o “I” nos BRICS, na Índia, estava lentamente abrindo caminho sob o comando do primeiro-ministro Narendra Modi de volta à órbita do Ocidente. Isso me levou a pensar que aquele “I” havia sido substituído pelo Irã, especialmente antes do COVID-19.

Hoje com a ascensão de Lula à presidência no Brasil, os BRICS perderam, por enquanto, o “B” em sua aliança. Então, com toda a conversa sobre os BRICS se tornando uma força econômica e política global, a situação está longe de ser resolvida porque o Ocidente e O wef de Davos [o Hospício Ocidental] simplesmente não vão deixar isso acontecer sem luta.

A relação entre a Rússia e a China está dominando as manchetes, com as principais autoridades dos EUA fazendo ameaças significativas à China, em particular, sobre o apoio chinês à Rússia. Essas ameaças são, obviamente, muito reais, vindas de pessoas como a secretária do Tesouro, Janet Yellen, e o secretário de Estado, Antony Blinken.

Ao mesmo tempo, também não são aberturas para negociações reais. Fazer exigências que só prometem a suspensão da vara sem a cenoura não é uma oferta inicial, é uma oferta final. Assim, enquanto Yellen viaja para Kiev para prometer a Zelenskyy apoio ilimitado dos impostos dos contribuintes dos EUA, enquanto o governo (de ‘Dementia’ Joe) “Biden” hesita sobre como lidar com a situação do acidente de trem tóxico em East Palastine, Ohio, nos diz onde estão as prioridades de nossa liderança.

Vencer a guerra geopolítica deve ter precedência sobre tudo o mais, mesmo que não haja mais nenhum ‘país’ real depois que a guerra terminar. Há um ditado de Sun Tsu circulando hoje nas mídias sociais que é totalmente apropriado aqui:

“Um inimigo maligno queimará sua própria nação até o chão para governar sobre as cinzas.” – Sun Tzu

Isso descreve perfeitamente as ações de Yellen, Blinken e seus companheiros de viagem na Europa.  Agora, eu sei que isso não é novidade para ninguém que leu meu trabalho nos últimos anos. Você sabe que eu os vejo como vândalos, não como incompetentes, mas é importante ter isso em mente a cada passo desta marcha rumo a um conflito global.

Porque é assim que a maioria das nações do BRICS e sua crescente lista de simpatizantes e países candidatos a entrar no bloco também veem a situação. A Rússia deixou isso muito claro. Vladimir Putin, seu ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, e o ex-primeiro-ministro Dmitri Medvedev, todos expressaram isso.

Quanto mais tempo esse conflito continua, mais inflexíveis sobre esses pontos eles se tornam. O mesmo pode ser dito para a China e a sua liderança comunista.

A China diz menos do que os russos, mas faz mais com quem eles escolhem para falar e quando. As recentes visitas do ministro das Relações Exteriores Wang Xi a Moscou e Teerã consolidaram ainda mais uma base triangular de apoio. Essas visitas foram contemporâneas à convocação de belicistas na Conferência de Segurança de Munique, há duas semanas. Isso não foi um acidente.

Nem a visita do primeiro-ministro Xi a Riad e às principais cúpulas árabes, onde ele fez aberturas sinceras para recebê-los na esfera econômica pan-asiática em formação. Não pense por um segundo que esses eventos não têm efeitos indiretos e reverberam nas capitais nacionais em todo o mundo.

Vimos uma série de anúncios importantes enfatizando o quão avançado está o projeto BRICS, com ou sem o Brasil. Isso me traz de volta à Índia como curinga. A jornada de Modi de um cara com um pé em duas ilhas (Leste x Oeste) para plantar seus pés firmemente no Oriente foi interessante e vital.

Se não aprendemos mais nada durante o último ano de guerra na Ucrânia, é que a maior parte do mundo não se importa com as ameaças dos EUA pelos países que acabei de discutir. O Irã claramente não se importa. A China entende que se a Rússia cair militarmente, a China é a próxima. A Arábia Saudita e o restante da OPEP+ entendem quem realmente são seus futuros importantes parceiros comerciais.

É por isso que a Índia está agora na mira dos velhos senis, oligarcas e psicopatas do WEF de Davos. Eles são a última grande potência na região a impedir a integração asiática.

No mesmo fim de semana da Conferência de Segurança de Munique, circularam relatórios de que ninguém menos que o megalomaníaco oligarca judeu khazar George Soros estava por trás dos ataques ao primeiro-ministro Modi por meio de um relatório da Hindenburg Research. Eles visaram um dos grandes apoiadores financeiros de Modi, Guatam Adani. William Engdahl cobriu isso em detalhes.

Em janeiro, a Hindenburg tinha como alvo um bilionário indiano, Gautam Adani, chefe do Adani Group e, na época, supostamente o homem mais rico da Ásia. Adani também é o principal financiador de Modi. A fortuna de Adani multiplicou enormemente desde que Modi se tornou primeiro-ministro, muitas vezes em empreendimentos ligados à agenda econômica de Modi.

Desde o  relatório Hindenburg de 24 de janeiro, alegando uso indevido de paraísos fiscais offshore e manipulação de ações, as empresas do Grupo Adani perderam mais de US$ 120 bilhões em valor de mercado. Adani Group é o segundo maior conglomerado da Índia. Os partidos de oposição afirmaram que Modi está ligado a Adani. Ambos são amigos de longa data de Gujarat, na mesma parte da Índia.

Mas Engdahl não para por aí. Ele relaciona isso de maneira muito inteligente com o discurso de George Soros em Munique, você sabe, aquele que ele faltou à conferência WEF deste ano em Davos para comparecer. Soros citou Modi diretamente, dizendo que seus dias estavam contados e que ele não era um ‘democrata’.

Soros está além de ser tímido [e senil] sobre essas coisas. Ele está dizendo a você o que ele próprio está fazendo. A RT publicou uma história semelhante, muito mais focada em Soros e na resposta do ministro das Relações Exteriores da Índia a ele no mesmo dia do artigo de Engdahl:

Soros disse durante a Conferência de Segurança de Munique na quinta-feira que as alegações de fraude contra o conglomerado multinacional, chefiado pelo associado de longa data do primeiro-ministro, Gautam Adani, “enfraqueceriam  significativamente o domínio de Modi sobre o governo federal da Índia… Posso ser ingênuo, mas espero um renascimento democrático na Índia.”

Esses comentários não passaram despercebidos em Nova Delhi, com Jaishankar respondendo no sábado ao bilionário de 92 anos e “ativista político” neoliberal. O ministro das Relações Exteriores descreveu Soros como  “velho, rico, obstinado e perigoso”  porque está disposto a investir seu dinheiro em “moldar narrativas” [e fraudar eleições].

“Pessoas como ele acham que uma eleição é boa se o candidato que eles querem vitorioso vencer e, se a eleição gerar um resultado diferente, dirão que é uma democracia falha”, acrescentou  .

Para outra abordagem sobre o mesmo assunto, recomendo que você leia o artigo de Andrew Korybko do mesmo dia sobre esse assunto, desenterrando a campanha de propaganda contra Modi, começando com o NY Times, passando em seguida pelo documentário da BBC e terminando com o discurso de Soros em Munique.

A necessidade de separar a Índia dos BRICS é agora aguda. A guerra na Ucrânia está chegando à próxima fase, enquanto a Rússia força o que resta do exército ucraniano de Bakhmut, abrindo caminho para a Rússia estabelecer domínio logístico no centro do Donbass.

Por causa disso, há um senso de urgência ainda maior em Davos para “modernizar” não apenas a Ucrânia, mas também iniciar uma nova luta com a China. O relógio está correndo para o velho sistema financeiro, completamente quebrado. O fim da LIBOR está próximo.

Os corpos estão se acumulando na guerra do Fed por uma alavancagem tão alta quanto as do campo de batalha no Donbass. Atores nefastos e malignos como o judeu khazar George Soros ainda podem ter a capacidade de evitar essas coisas, mas, no final, estão mostrando força enquanto, em particular, estão enlouquecendo.

Além disso, a opinião global sobre a potência [??] do Ocidente vista pelas lentes da potência russa mudou de uma forma que torna as decisões da liderança da Ásia em novo cenário geopolítico muito mais fáceis.

O Conflito entre a Rússia e a Ucrânia faz voce pensar que a Rússia está mais forte ou mais fraca do que voce pensava anteriormente? Em percentuais.”

Esses resultados são eles próprios reveladores dos preconceitos dentro das populações pesquisadas, especialmente no Hospício do Ocidente fortemente propagandeado pelas pre|$$tituta$ à serviço do establishment. 

Mas os cidadãos da Turquia e da Índia são impressionantes e confirmam minha crença de longa data de que, uma vez que alguém finalmente enfrentasse os EUA e a Europa e sobrevivesse, isso mudaria radicalmente a psicologia do tabuleiro do jogo geopolítico.

Basta ver como os movimentos do WEF de Davos são cada vez mais descarados, como eles estão inundando a zona com manchetes, crises emergentes e mentiras facilmente desmascaradas para ver o que realmente está acontecendo.

À luz disso, deve-se notar o quão ineficazes foram os movimentos de Davos contra Modi e a Índia. As recentes eleições regionais em três importantes províncias indianas deixaram a clara impressão de que a influência de Modi sobre a política eleitoral ainda está intacta.

Modi fez questão de envolver as províncias do nordeste do país, normalmente ignoradas pela política indiana, para consolidar seu poder na Índia. Este é claramente seu contra-ataque a qualquer coisa que o Ocidente tentaria lançar contra ele.

Não sou especialista em política indiana, mas pelos comentários que vi , isso abre a possibilidade de Modi ganhar uma supermaioria nas eleições do ano que vem. Independentemente de isso ser verdade ou não, o que sabemos agora é que o próximo ano será um campo minado, pois os “caras” de Davos se empenharão para derrubar outro governo que não controlam.

A pergunta que deixo é se esta será outra Hungria [país de origem de Soros que está impedido de ingressar em sua terra natal], onde as pesquisas colocaram Viktor Orban em uma disputa acirrada com a coalizão Qualquer um-menos-Orban de Davos/Soros apenas para ver Orban alcançar sua maior vitória de todos os tempos, ou será o Brasil, onde a campanha contra Bolsonaro só foi forte o suficiente para tirá-lo do poder e colocar um marionete do establishment em seu lugar.

Vamos jogar George [Soros].


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]. – Provérbios 1:20-23


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmos

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *