‘Inverno’ na Europa Central, e pelo dólar

Neste artigo, examino o estado atual da luta pelo controle hegemônico entre os EUA, de um lado, e a Rússia e a China, do outro. Esta guerra está sendo travada em duas frentes. A Ucrânia, que está à vista, está prestes a passar por um rigoroso inverno sem energia, água potável e comida suficiente, levando potencialmente a uma grave crise humanitária. A outra frente nesta guerra é econômico-financeira, com os EUA enfrentando um ataque coordenado da Rússia e da China à hegemonia do dólar, em retaliação à sua “política externa” imperialista. 

‘Inverno’ na Europa Central, e pelo dólar

Fonte: GoldMoney.com

Os russos estão planejando uma moeda de liquidação comercial substituta que, se for bem-sucedida, poderá desencadear uma enxurrada de venda de papeis em dólares de propriedade estrangeira nas principais bolsas estrangeiras.

Não temos como saber o quão avançado esse plano está, mas as indicações apontam talvez para uma moeda digital baseada em ouro. Moscou estabelecendo uma nova bolsa de ouro, bancos centrais asiáticos acumulando reservas adicionais de ouro e a Arábia Saudita buscando pagamentos não em dólares para vendas de petróleo são evidências circunstanciais, mas muito fortes.

Além desses planos, houve uma mudança subjacente de uma gigantesca bolha financeira de longo prazo, com a perspectiva de níveis mais altos de taxas de juros com o passar do tempo. As razões para países comprarem dólares fiduciários estão diminuindo, e uma nova moeda comercial asiática bem-sucedida só aumentará os problemas do dólar.

Essa pressão poderia obrigar os Estados Unidos a desescalar a sua participação na guerra da Ucrânia e as sanções contra a Rússia? O argumento para fazer isso tornou-se muito convincente. É também uma forma de baixar os preços da energia, dando aos bancos centrais o espaço necessário para manobrar as taxas de juros. 

A Rússia vai aproveitar ao máximo o seu rigoroso inverno

As evidências de que a Rússia pretende quebrar a vontade do povo ucraniano estão aumentando. À medida que a neve começa a cair, a Rússia está eliminando a geração de energia necessária para manter os ucranianos aquecidos e vivos. É uma variação moderna do cerco medieval. Mas, em vez de cercar uma cidade ou castelo e submeter os residentes à fome, tornando as condições impossíveis, os russos esperam que os ucranianos saiam em protestos às ruas.

Quase oitenta por cento da população desse infeliz país é ucraniana, em oposição à russa. Mas isso é baseado em fronteiras nacionais oficialmente reconhecidas e não é ajustado para as regiões que a Rússia conquistou no leste, incluindo a Crimeia, em 2014 e posteriormente as repúblicas do Donbass. Isso deixa um potencial problema de refugiados de 34 milhões de ucranianos fugindo de condições de vida impossíveis pela falta de energia com comida escassa enquanto o inverno rigoroso e cruel avança.

São necessários dois lados para fazer uma guerra por procuração. Você não acreditaria na mídia ocidental pre$$tituta$, mas Putin teve o cuidado de não escalar a situação para uma guerra oficial e levar a OTAN a um confronto direto. Em vez disso, ele está usando a constituição ucraniana que protege os ucranianos étnicos, mas não as minorias, incluindo os falantes de russo. Efetivamente, eles têm direitos humanos negados e dão a Putin a desculpa para resgatá-los.

Essa etnia legal na constituição da Ucrânia é incomum hoje, uma característica compartilhada com a Alemanha nazista. A situação permite que a máquina de propaganda russa acuse o regime ucraniano de ser um estado nazista. As “operações especiais” da Rússia foram para resgatar russos étnicos de acordo com a lei internacional e explicam por que eles ofereceram a eles passaportes russos e passagem segura de Donbass e Kherson. 

Após atos como o carro-bomba em Moscou que matou Darya Dugina, filha de um importante aliado de Putin, e o bombardeio da ponte de Kerch, Putin acusou a Ucrânia de atos terroristas pelos quais a Rússia busca vingança. Mais uma vez, a atividade antiterrorista é um dispositivo para evitar uma declaração de guerra, ao mesmo tempo em que justifica novas ações.

À medida que o inverno avança, 34 milhões de ucranianos enfrentarão a escolha de se tornar refugiados em outros países ou morrer de frio e fome. Agora que a neve chegou, os russos começaram a atacar os suprimentos de energia da Ucrânia. O momento não é acidental e os líderes da UE podem agora prever as prováveis ??consequências. Mas ao confiar na OTAN para sua proteção final, o establishment de Bruxelas não vê as mudanças políticas da OTAN como sua responsabilidade e, portanto, ao seguir a liderança americana, eles negligenciaram os seus próprios interesses.

Mas os americanos agora parecem entender o perigo iminente do inverno sem energia. Sem dúvida, foi isso que levou William Burns, o diretor da CIA, a se encontrar com seu vice-chefe da inteligência russa em Ancara, há duas semanas. A história oficial era que Burns estava lá para alertar os russos para não recorrerem a armas nucleares e para levantar a questão dos prisioneiros americanos. [i] Mas há pouca dúvida de que esta reunião de back-channel foi para explorar compromissos antes que a América se torne uma parte do sacrifício cruel da população ucraniana em uma guerra por procuração.

As negociações não serão fáceis

No grande jogo da estratégia geopolítica, trazer os americanos para a mesa de negociações pode ser considerado uma vitória para os russos. Mas não se trata apenas de uma guerra por procuração em solo ucraniano. Tanto a Rússia quanto os Estados Unidos têm objetivos prioritários. Os russos querem proteger suas fronteiras ocidentais, o que significa pelo menos a retirada militar americana de todas as nações fronteiriças – Lavrov mencionou 300 milhas como sendo o alcance do míssil. 

Os EUA sem dúvida resistirão a essas exigências, porque desistir efetivamente de seu papel pós-guerra como [um pseudo] ‘protetor’ da Europa por meio da OTAN seria uma admissão aberta de derrota no cenário mundial. Isso significaria o fim da hegemonia global dos EUA, à qual os americanos estão se agarrando desesperada e inutilmente. Além disso, é uma derrota que aumentaria o poder da Rússia não apenas na arena da Europa Ocidental,

Do ponto de vista dos EUA, as negociações com a Rússia provavelmente acabarão sendo um exercício de limitação de danos – como a retirada do Afeganistão. Ela precisa chegar à mesa antes que a situação se deteriore ainda mais para os interesses dos EUA, Quanto aos interesses da Ucrânia . . . bem . . . Além da situação na Ucrânia, eles têm três problemas urgentes a considerar:

  • Não há dúvida de que os problemas da UE vão aumentar muito neste inverno, com escassez de energia, preços exorbitantes dos alimentos, inflação alta e custos de produção disparados, provavelmente o próximo inverno será o teste mais severo com o qual a UE já teve de lidar. Chega em um momento em que o sistema do euro enfrenta uma instabilidade que pode derrubar os principais bancos e expor o próprio sistema do euro como insolvente. O risco sistêmico quase certamente se traduziria em uma ameaça existencial ao sistema bancário dos EUA.
  • Os EUA estão lutando não com um, mas com dois grandes jogadores na Rússia e na China, que se uniram para formar uma nova ordem global baseada na Ásia com grandes produtores de commodities e matérias-primas em todo o mundo. Apenas com base na população, uma Ásia em rápida industrialização com seus interesses associados na Organização de Cooperação de Xangai, a União Econômica da Eurásia, os BRICS, toda a África e grandes áreas da América do Sul superam em número os norte-americanos, [os lacaios] membros da OTAN, Japão, Coréia do Sul, e alguns aliados menos certos dos EUA em pelo menos seis para um.
  • O núcleo desta parceria sino-russa e o sul global está determinado a dispensar o dólar para liquidação comercial, tanto quanto possível. Como uma das duas partes por trás da criação do petrodólar, os sauditas estão se realinhando com o bloco comercial asiático. Novos movimentos nessa direção certamente minarão ainda mais a hegemonia do dólar, a principal fonte de poder dos Estados Unidos sobre outras nações.

A dimensão da UE

Você pode dizer que a dissensão agora é evidente na UE, com a UE acusando os americanos de lucrar com a guerra da Ucrânia. Isto foi publicado no Politico no início desta semana:

“ O fato é que, se você olhar com seriedade, o país que mais lucra com essa guerra são os Estados Unidos porque estão vendendo mais gás e a preços mais altos e porque estão vendendo mais armas”, disse um alto funcionário da UE ao POLITICO . [ii]

O artigo continua:

“Os comentários explosivos – apoiados em público e em privado por funcionários, diplomatas e ministros de ‘outros lugares’ – seguem-se à crescente raiva da população na Europa sobre os subsídios americanos que ameaçam destruir a indústria europeia. O Kremlin provavelmente receberá bem o envenenamento da atmosfera entre os aliados ocidentais. ”Estamos realmente em uma conjuntura histórica”, disse o alto funcionário da UE, argumentando que o duplo impacto da interrupção comercial dos subsídios dos EUA e dos altos preços da energia corre o risco de virar a opinião pública contra o esforço de guerra na Ucrânia e a aliança transatlântica. ”A América precisa perceber que a opinião pública está mudando em muitos países da UE.’

Realisticamente, os Estados Unidos só podem manter seus principais aliados da UE do lado de sua agenda imperialista se abordarem essas preocupações. Atribuído quase inteiramente às sanções contra a Rússia a pedido dos Estados Unidos e às reações de Putin a elas, o aumento dos preços está criando pressões políticas no terreno, o que provavelmente forçará os políticos a buscar um fim imediato das sanções. A este respeito, o tempo e o clima estão completamente do lado da Rússia.

Mas não é apenas na UE que essas pressões surgiram. A nova tendência global de alta de preços está afetando a UE mais do que a maioria, tendo o Banco Central Europeu mantido suas taxas de depósito em território negativo por um período considerável de tempo. Como outros banqueiros centrais, as autoridades do BCE falharam em planejar uma rota de saída da supressão da taxa de juros e estão mais equivocadas do que a maioria dos bancos centrais. Foi uma política que encorajou os bancos comerciais a entrar em território de risco.

As margens de empréstimo comprimidas forçaram os principais bancos comerciais a manter os lucros alavancando seus balanços a níveis recordes. A mão morta das taxas negativas, representando um imposto sobre as reservas mantidas no sistema do euro, foi um fardo para o desempenho dos bancos.  Embora o aumento das taxas tenha sido inicialmente uma bonança de lucro para os bancos, eles agora estão expostos a perdas de valores de ativos em declínio e empréstimos inadimplentes. E com a taxa de depósito do BCE ainda em apenas 1,5% quando a inflação dos preços oficiais está acima de 10%, taxas de juros muito mais altas são inevitáveis. A menos que de alguma forma a inflação de preços possa ser reduzida significativamente, as consequências serão a criação de enormes perdas para os bancos de ativos financeiros, tanto no balanço quanto na forma de garantias – perdas que acabarão com o capital dos acionistas.

O problema da inflação crescente agora se manifesta em uma crise energética decorrente das sanções contra a Rússia. Para evitar que todo o sistema do euro seja desestabilizado, a solução óbvia de curto prazo é um tratado com a Rússia. A remoção dessa fonte de aumento de preços, por sua vez, reduziria as perspectivas para as taxas de juros do euro, estabilizando todo o sistema do euro. Podemos ter certeza de que o BCE e sua rede de bancos centrais nacionais apontarão isso para os seus políticos.

De fato, o fim das sanções daria aos mercados de ações e aos preços dos títulos um grande impulso, em um momento de crescentes preocupações com uma recessão global. Que não haja dúvidas: as políticas do Ocidente e as sanções contra a Rússia são nada menos que suicidas [conduzidas por idiotas e psicopatas]. E os políticos em Bruxelas seriam cegos se não o percebessem.

O conflito entre os EUA e as dois gigantes asiáticos está aumentando

Do ponto de vista da Rússia, a retirada precipitada dos Estados Unidos do Afeganistão e a substituição de um imprevisível presidente Trump por um [marionete senil ‘Dementia’ Joe] Biden envelhecido, conhecido dos russos por sua experiência em relações exteriores dos Estados Unidos, confirmou que a influência global dos Estados Unidos estava falhando. Para a Rússia, com a Grã-Bretanha fora da UE, era um bom momento para escalar as tensões entre os Estados Unidos e a Europa Ocidental para afastar os Estados Unidos da Europa.

Putin demonstrou habilidades de alto nível como operador político – ele precisava delas para navegar com sucesso pela bagunça deixada por Yeltsin até uma posição de poder supremo. Antes de escalar a situação na Ucrânia, podemos ter certeza de que ele antecipou as sanções lideradas pelos americanos e calculou sua resposta. O fato de os americanos terem sinalizado provisoriamente que agora estão preparados para negociar confirma o sucesso da estratégia de Putin para a Ucrânia. Agora, com o início do inverno, ele pode esperar. E quanto mais ele espera, maior o aperto na Ucrânia e na UE [e nos EUA].

A América está forçando à mão contra esse jogo de poder em duas frentes: Rússia e China. Ela não pode ser muito agressiva contra a China porque os EUA ainda dependem fortemente de sua economia. Os EUA estão recorrendo a proibições seletivas de tecnologia e não muito mais. Tendo exportado cadeias de produção de suprimentos de manufatura para a China e o Sudeste Asiático, as grandes corporações dos EUA não podem se dar ao luxo de ver suas cadeias de suprimentos prejudicadas por políticas externas agressivas. A China, intencionalmente ou não, já está pressionando as empresas americanas com sua política de bloqueio zero covid.

Nunca podemos ter certeza absoluta das intenções chinesas, particularmente com o enigmático presidente Xi Jinping. Com os protestos em massa dos chineses contra os bloqueios, a mídia ocidental retrata a administração de Xi como quase voltando às políticas maoístas, uma reversão da recente marcha da China para o capitalismo. O tratamento dado aos uigures pelos comunistas ateus chineses nos ofende. Mas sabia-se que a reforma das políticas de zero covid estava a caminho e, na terça-feira, o anúncio foi feito pela Comissão Nacional de Saúde da China, dando novas orientações às administrações locais, que devem aliviar os bloqueios, claro para “aliviar” os protestos populares. 

O problema subjacente para o governo da China é que sua economia está sofrendo uma ressaca de dívidas de décadas de superinvestimento em construção doméstica, garantida por uma taxa de poupança interna excepcionalmente alta. Se a economia fosse deixada por conta própria, de acordo com a teoria clássica, uma crise da dívida destruiria os maus investimentos e realocaria o capital para um uso mais produtivo. Mas, com os grandes bancos comerciais chineses sob o controle dos comunistas do Estado, é mais provável que a política passe pela transição da realocação de capital, seja qual for o custo.

O efeito de uma crise de crédito é aumentar a urgência de investimentos dirigidos pelo estado em outras áreas, particularmente a integração com outras nações asiáticas. Embora não devamos esquecer que existem diferenças políticas e culturais significativas entre a China e a Rússia, a hegemonia americana, as sanções à Rússia e as políticas comerciais serviram apenas para estreitar os laços entre eles, de modo que o investimento transfronteiriço entre os dois gigantes é uma prioridade óbvia.

As consequências econômicas imediatas são prejudiciais para a China, com uma economia que se tornou em declínio do seu crescimento. Embora este seja um fator negativo para toda a região, poderia acelerar a integração pan-asiática para limitar os danos econômicos e afastar ainda mais nações como a Índia, os africanos e agora todo o Oriente Médio do controle hegemônico dos EUA. Os aliados americanos no Sudeste Asiático também estarão reexaminando suas políticas externas e alianças.

Olhando para as perspectivas imediatas de uma recessão global, podemos ver que o velho mundo de economias estagnadas está sendo separado de um novo mundo de industrialização, cooperação e desenvolvimento. Nações em desenvolvimento independentes estão sendo atraídas para o campo progressista, deixando um rastro de nações falidas vivendo no passado.

Até agora, uma confirmação do fim da hegemonia dos EUA foi vista na mudança da política comercial da Arábia Saudita, que se realinhou com a Rússia e a China, confirmando sua intenção de ingressar na organização BRICS. Com outros estados árabes seguindo a liderança saudita, isso confirma que os estados do Golfo veem seu futuro vinculado à parceria russa e chinesa. É provável que isso seja seguido por nações do Sudeste Asiático, que no momento estão em cima do muro. Mas a recente recepção da reunião do G20 pela Indonésia mostrou que os anfitriões pareciam estar mais preocupados em perturbar os russos e chineses do que a aliança ocidental liderada pelos Estados Unidos.

Os estados membros da União Européia estão começando a enfrentar o mesmo dilema. Eles aceitaram e concordaram cegamente com as políticas da OTAN sem questioná-las. O fracasso das guerras da OTAN no Oriente Médio e no Afeganistão e as conseqüências da derrubada de Gaddafi da Líbia levaram aos problemas dos refugiados na Europa. Agora, o sacrifício econômico do alinhamento da OTAN é evidente.  Os líderes da UE estão murmurando sombriamente sobre como os americanos estão lucrando com a Ucrânia enquanto a Europa está pagando o preço. 

A hegemonia do dólar também está ameaçada

Sabemos por anúncios oficiais que a parceria russo-chinesa, especificamente por meio de sua adesão à União Econômica da Eurásia, está planejando criar uma nova moeda de liquidação comercial. Devido às sanções monetárias contra a Rússia, um senso de urgência foi transmitido ao projeto, com outras nações da Ásia percebendo que reter moedas ocidentais em suas reservas do banco central traz risco de sanções. Esses riscos não se restringem apenas à imobilização de reservas em moedas ocidentais [dólar e euro], mas também restringem o comércio. As consequências da política de sanções forçaram os governos asiáticos a repensar também a sua segurança comercial.

Nesta fase, tudo o que podemos fazer é reunir alguns fios para determinar a forma provável da nova moeda de liquidação comercial proposta por Sergei Glazyev, o alto funcionário russo encarregado do projeto. Uma declaração oficial datada de 16 de junho do comitê que ele preside incluía a seguinte declaração:

“Sergei Glazyev informou sobre a apresentação em um futuro próximo do conceito de formação do mercado de câmbio comum da EAEU, que, em particular, envolveria a unificação dos sistemas de informação das bolsas e a indicação de preços nas moedas nacionais. “A agenda inclui a transição para uma nova moeda de liquidação internacional estável com base em uma cesta de moedas nacionais e produtos [commodities] negociados em bolsa, bem como a criação de nosso próprio sistema de preços estável. Tais princípios devem ser aplicados no trabalho não apenas dentro da EAEU, mas também em toda a SCO”, concluiu o Ministro da EEC.” [iii]

O objetivo urgente aqui é que o dólar seja substituído como meio de liquidação do comércio intranacional. E a ideia é que essa nova moeda de liquidação comercial esteja aberta para a adesão de outras nações. Se esse projeto for bem-sucedido, o dólar perderá seu status de moeda de reserva internacional para as nações participantes do novo arranjo sem a presença dos países do Hospício Ocidental. 

Conforme descrito acima, o projeto é impraticável, parecendo ser uma declaração política destinada a obter apoio inicial para o projeto. Em outros lugares, vemos propostas para estabelecer uma nova bolsa de ouro em Moscou, supostamente para substituir o acesso ao mercado de metais preciosos de Londres agora negado à Rússia e suas refinarias do minério. Mas, novamente, vemos que a luz em movimento é o mesmo Sergei Galzyev, desta vez nos dizendo que a demanda vem da indústria de ouro da Rússia.

Se for para funcionar, a proposta original de Glazyev aos estados da Eurásia não pode prosseguir. A inclusão de moedas nacionais em algum tipo de fixação diária não garante estabilidade, e toda vez que outro membro da SCO decidir ingressar, todo um exercício de reequilíbrio teria que ocorrer. As mesmas considerações se aplicam a “produtos negociados em bolsa”, que de outras declarações podemos tomar para se referir a commodities negociadas entre membros do novo acordo.

De um movimento inerentemente defensivo contra a hegemonia do dólar americano, a confirmação subsequente das intenções sauditas de mudar os pagamentos de dólares para moedas asiáticas não especificadas muda as prioridades. Ao convencer um círculo de estados da Eurásia, o prêmio de Glazyev é persuadir os sauditas e outros fornecedores de energia do Golfo a aceitar o novo meio de liquidação comercial. Apenas uma moeda baseada em ouro se encaixa nessa conta. Com suas raízes beduínas em moedas físicas, uma moeda de liquidação comercial baseada em ouro aceitável para os sauditas teria a vantagem adicional de desferir um golpe significativo contra o dólar. 

Quanto mais se considera a situação, só se pode concluir que o ouro é a base lógica para tal esquema, e o envolvimento de Glazyev na nova bolsa de ouro de Moscou sugere que ele chegou a uma conclusão semelhante. Se for esse o caso, será necessário apoiar um esquema de fixação de ouro de forma que os participantes possam reter com confiança os saldos na nova moeda, mesmo que quase certamente seja digital.

Supondo que o esquema avance para a fruição com o ouro representando transações baseadas em commodities em geral, a exigência de retenção de saldos em dólares desaparecerá. O impacto sobre o dólar deve ser nosso próximo tópico.

Os saldos em dólares estrangeiros são ainda enormes, mas caindo

Gráfico, gráfico de linhas Descrição gerada automaticamente

Conforme ilustrado no gráfico acima, a propriedade estrangeira de ativos financeiros, incluindo depósitos bancários, totaliza quase US$ 30 trilhões, uma queda de mais de US$ 4 trilhões desde dezembro passado. Parte disso se deve a flutuações nas avaliações de portfólio, mas claramente o apetite estrangeiro por manter dólares está diminuindo. Se o bloco asiático Rússia/China apresentar uma moeda de liquidação comercial viável, tanto a propriedade oficial quanto a propriedade privada de dólares serão menos necessárias, e a propriedade de dólares por estrangeiros diminuirá ainda mais. 

Dólares serão vendidos para compras de outras moedas, para comprar ouro ou para formar estoques de commodities duráveis. O desejo global de vender dólares para outras grandes moedas fiduciárias foi atingido na cabeça pelas sanções monetárias contra a Rússia. E podemos ter certeza de que a mensagem sobre manter ienes, euros ou libras esterlinas é amplamente recebida em todas as nações asiáticas. 

Portanto, as sanções monetárias lideradas pelos EUA contra a Rússia provavelmente sairão pela culatra.  Com o dólar sendo vendido e trocado por ouro e commodities, o valor dos dólares em relação ao ouro e commodities obviamente diminuirá o que causará um aumento no custo das importações dos EUA. Será uma tendência prontamente compreendida pelos detentores estrangeiros, provavelmente levando o dólar a uma queda mais rápida do que se poderia esperar. 

Pode ser que o processo já tenha começado. Até agora neste ano, o dólar ganhou em relação a outras moedas importantes devido ao fato de o Fed ter levado outros bancos centrais a taxas de juros mais altas na tentativa de conter a inflação de preços. Outros bancos centrais agora estão respondendo tardiamente com suas políticas revisadas de taxas de juros e, consequentemente, a tendência de alta no índice ponderado pelo comércio do dólar rompeu com sua tendência de alta anterior. O gráfico abaixo ilustra o movimento do dólar até agora.

Gráfico, gráfico de linhas Descrição gerada automaticamente

Para agravar os problemas do dólar estão as suspeitas do mercado de que o Fed será forçado a um pivô de política à medida que a evidência de uma recessão aumenta. Embora tenha suavizado ligeiramente sua linha, o Fed ainda a nega, presumivelmente por medo de encorajar preços ainda mais altos ao consumidor. Os mercados estão apostando que é apenas uma questão de tempo até que o Fed seja forçado a interromper os aumentos das taxas de juros e reintroduzir a flexibilização quantitativa [QE]. O rendimento da nota do Tesouro dos EUA de 10 anos caiu de 4,4% para 3,63%, enquanto o aumento do IPC desacelerou para 7,7% em outubro. 

Os aumentos nos preços das commodities e da energia induzidos por sanções obscureceram uma tendência mais ampla que emergiu do final dos quarenta anos de financeirização [o cassino] das principais economias ocidentais – o fim de uma prolongada e gigantesca bolha de tudo. Déficits intratáveis ??dos governos estão levando à degradação das moedas em relação aos valores das commodities. Uma nova guerra fria financeira entre os hegemons está minando a lógica das cadeias de suprimentos em várias jurisdições. O gerenciamento de estoque just-in-time tornou-se mais arriscado e ineficiente devido aos problemas de logística. E embora as dificuldades da cadeia de suprimentos tenham diminuído recentemente, as perspectivas comerciais se deterioraram, a reforma da cadeia de suprimentos está em jogo e o crédito dos bancos comerciais está atrasado há muito tempo em sua desaceleração cíclica de 10 anos. 

Gerenciando a liquidação do dólar estrangeiro

Supondo que os governos estrangeiros atuem como vendedores diretos em uma base líquida, em vez de meramente proteger posições existentes, os compradores do excesso de doláres serão o Fed, no caso de instituições oficiais que vendem, ou bancos comerciais. 

Quando o Fed compra dólares, ele reduz o lado passivo de seu balanço, ou reaplica dólares repatriados comprando ativos. E como estamos considerando a venda líquida por estrangeiros, esses ativos serão denominados em dólares na economia doméstica dos EUA. Se o Fed reduz seu balanço ou compra ativos domésticos é uma questão de política econômica e monetária.

Os bancos comerciais atuarão principalmente para compradores domésticos dos EUA, caso em que não haverá redução em seus passivos de depósitos agregados porque a propriedade dos depósitos meramente muda. No entanto, se eles não estiverem agindo para compradores domésticos, mas para si mesmos e os depósitos estiverem sendo retirados, eles devem reduzir seus ativos de balanço para igualar. Eles podem fazer isso vendendo ativos financeiros, se os tiverem em seu balanço, ou solicitando empréstimos. No entanto, sabemos pelos números TIC do Tesouro dos EUA que os bancos comerciais limitaram a exposição a empréstimos em moeda estrangeira (ou seja, ativos de balanço – em junho, eram US$ 687 bilhões [iv]) e com outras moedas sendo fracas, é improvável que tenham passivos de ativos financeiros em moeda estrangeira não cobertos no balanço em qualquer quantidade. Portanto, a maior parte do envolvimento do setor privado é extrapatrimonial e, portanto, o efeito sobre o crédito pendente dos bancos comerciais será limitado.

Portanto, parece ser principalmente um problema para o Fed, e o impacto sobre o dólar das vendas externas só será atenuado pela expansão do balanço do Fed. O gráfico abaixo dá uma ideia de quais serão os impactos relevantes.

Gráfico, gráfico de linhas Descrição gerada automaticamente

Verificamos que os bancos comerciais não comprarão dólares de estrangeiros em quantidades suficientes para afetar materialmente seus balanços. Em vez disso, se os estrangeiros decidirem que o mundo está se afastando do dólar, o balanço do Fed atualmente em US$ 8,6 trilhões ficará exposto a uma montanha de dólares estrangeiros em contração de até US$ 30 trilhões. Há um fator de alavancagem nisso que pode ser substancial.

Um outro problema para as autoridades monetárias é que elas esperam cada vez mais uma recessão, ainda que ela pareça demorar a chegar. Uma recessão é uma contração no crédito bancário comercial, contra a qual o Fed esperaria compensar pela combinação de uma expansão de seu balanço patrimonial e o governo aumentando seu déficit orçamentário. 

Em outras palavras, depois de cinquenta e um anos em que o dólar foi totalmente fiduciário [sem nenhum valor real como lastro], e o dólar vendo a demanda com base no fato de ser a única moeda de reserva, o fim desse período em um momento em que a economia dos EUA está entrando em recessão é o pior combinação de eventos possível.

Esta é provavelmente a razão mais convincente para o governo dos EUA tentar diminuir as tensões sobre a Ucrânia e desmantelar as sanções contra a Rússia. Isso estaria ou deveria estar na mente de William Burns, da CIA, quando ele discretamente encontrou o seu colega russo em Ancara quinze dias atrás.

Notas de rodapé:


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth