Israel x Gaza: O que Acontecerá primeiro, a invasão de Rafah ou a ‘Queda’ de Netanyahu?

Enfrentando a pressão interna e internacional extrema e inédita, pelo ataque de Israel aos palestinos em Gaza apoiado pelos EUA, governo americano parece preparado para atirar Netanyahu para debaixo do ônibus na primeira oportunidade. Em Gaza, surgiu um cenário metafórico de “reféns”, centrado no primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, cujo futuro político está “refém” da atual situação palestina, por ele mesmo criada, a um preço político exorbitante e que transformou Israel num estado Pária. 

Israel x Gaza: O que Acontecerá primeiro, a invasão de Rafah ou a ‘Queda’ de Netanyahu?

Fonte: The Cradle

Embora não esteja fisicamente detido [AINDA], Netanyahu tem estado acorrentado/refém a uma situação complexa desde a Operação Inundação de Al-Aqsa, do Hamas em 7 de Outubro, quando grupos de resistência palestinos levaram centenas de soldados e civis cativos como moeda de troca. 

Essa operação e o subsequente ataque brutal de Israel a Gaza enredaram Netanyahu num atoleiro político e estratégico, complicando diariamente a sua posição e minando os seus objetivos de guerra e transformando a imagem de Israel, cuidadosamente elaborada, em frangalhos.

A nível internacional, a imagem cuidadosamente construída de Israel desde a sua criação atingiu o estatuto de pária, à medida que acusações de “genocídio”, “crimes de guerra” e “apartheid” voam liberalmente em torno dos edifícios da capital global e em protestos de rua em massa pelos países do ocidente. Esta é uma linguagem que sinaliza uma enorme derrota estratégica para os judeus khazares sionistas em Tel Aviv – e não a “vitória militar” de um exército “invencível” que Netanyahu prometeu aos seus eleitores e aliados. 

Consequências, Demissões e Repercussões 

Após sete meses de agressão grosseiramente desproporcional contra os civis palestinos em Gaza, majoritariamente mulheres e crianças na densamente povoada região, as perspectivas do primeiro-ministro israelita de obter benefícios estratégicos de novas ações militares estão virando pó. 

Mesmo as suas tentativas de se orientar para conquistas políticas – como acordos de cessar-fogo e grandes acordos – estão repletas de riscos consideráveis ​​para a sua instável e espúria coligação governamental. 

Hoje, a ameaça de Netanyahu de invadir Rafah, a área mais meridional de Gaza, onde mais de um milhão de palestinos deslocados procuram ajuda, poderá afundá-lo ainda mais na crise ou precipitar a sua definitiva queda política e até mesmo a sua prisão em decorrência de processos legais em andamento por corrupção.

As más notícias continuam chegando de todas as direções. A demissão, na semana passada, do chefe da Inteligência Militar de Israel, Aharon Haleva, devido aos fracassos relacionados com a invasão do Hamas de 7 de Outubro, sinaliza uma crise nacional mais ampla prestes a desenrolar-se. Relatórios do Yedioth Ahronoth  sugerem que também se espera que outros altos funcionários militares e de segurança   renunciem.

“O efeito dominó da demissão do chefe da inteligência militar poderá ocorrer em breve, incluindo também a demissão do Chefe do Estado-Maior”, informou o diário hebraico. Trump diz que primeiro-ministro Netanyahu é o culpado por 7 de outubro: ‘Tive uma experiência ruim com Bibi’.

Apesar do seu entusiasmo pelo grande derramamento de sangue palestino, a opinião pública israelita, tal como refletido em várias pesquisas nos últimos meses, responsabiliza esmagadoramente Netanyahu e a sua administração pelos agora óbvios fracassos da guerra. Este sentimento é agravado pela incapacidade do outrora alardeado “exército invencível” do “povo eleito” de garantir a libertação de qualquer um dos prisioneiros israelitas detidos em Gaza pela resistência palestina. 

O escritor e historiador israelita e conselheiro de Klaus Schwab do WEF, o ativista LGBTQ+ casado com outro homem, Yuval Harari argumenta num artigo recente  do Haaretz que “a política ruinosa do governo de Netanyahu após o 7 de Outubro colocou Israel em perigo existencial.

Com as eleições nos EUA à porta, o Presidente Joe Biden procura assumir a postura de um “pacificador” que evitou uma catástrofe maior em Gaza – redimindo-se do apoio militar e político descarado de Washington ao genocídio, forçando uma trégua frágil em Rafah. 

A guerra de Tel Aviv em Gaza deixou feridas em toda a administração Biden e nos seus aliados ocidentais europeus. Calculam agora que uma invasão de Rafah não produzirá resultados diferentes das invasões de Israel no norte e centro de Gaza.

Rota de colisão com os EUA 

À medida que a contagem regressiva eleitoral começa nos Estados Unidos, os já baixos índices de votação de Biden são ainda mais corroídos por imagens de  protestos estudantis em massa  em prestigiosas universidades americanas em todo o país – quase 80 campi universitários estavam em polvorosa no momento em que este artigo foi escrito. 

Tal como aconteceu com os movimentos de oposição estudantil em grande escala dos EUA durante a Guerra do Vietnam e as eras do apartheid sul-africano, estas universidades têm uma longa tradição de desafiar as políticas do Estado Profundo.

Essencialmente, as escolhas de Biden são reduzidas a duas: o presidente dos EUA pode usar a pressão da diplomacia internacional para impactar a política israelita e, ao mesmo tempo, aliviar as pressões internas, ou pode concentrar-se na manutenção da sua viabilidade eleitoral no meio da escalada da dissidência interna.

A primeira abordagem exige a tomada de uma posição firme contra a iminente invasão israelita de Rafah, só possível exercendo uma pressão significativa sobre Netanyahu, o que provavelmente irá prejudicar as alianças deste último no seio da coligação de extrema-direita de Israel. 

Líderes proeminentes da extrema direita, o Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, e o Ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, já indicaram a sua disponibilidade para desestabilizar o governo de coligação devido a divergências. Isto poderia desencadear disputas entre facções dentro do partido Likud, particularmente com facções extremistas como os partidos Poder Judaico e Sionismo Religioso.

As tensões estão enraizadas nos acordos de coligação que Netanyahu garantiu para formar o seu governo em Dezembro de 2022, que incluíram reformas judiciais controversas e políticas agressivas de colonização na Cisjordânia ocupada. 

Hoje, a hesitação de Netanyahu em prosseguir com uma ofensiva em grande escala em Rafah e a sua abertura à trégua e às negociações políticas – impulsionadas por Washington e apoiadas por muitos estados ocidentais e alguns países árabes – poderão alienar os elementos da linha dura no seu governo. Mas também pode ser a sua única opção para evitar um “golpe” apoiado pelos EUA que o veria substituído por um primeiro-ministro mais receptivo às perspectivas de Washington e à fazer a paz com os palestinos.

O ‘modelo Shamir’

A administração Biden está sinalizando uma mudança potencial na sua abordagem ao apoio militar irrestrito a Israel, particularmente no que diz respeito a quaisquer incursões em Rafah. O colunista do New York Times, Thomas Friedman, observa que Washington pode considerar limitar as vendas de armas a Tel Aviv se prosseguir em Rafah sem a coordenação com os EUA.

Friedman sugere que Israel só poderia redobrar os seus outros fracassos em Gaza se invadir Rafah, citando um responsável norte-americano não identificado que apontou que Tel Aviv já tinha bombardeado Khan Yunis em busca de líderes do Hamas, mas não conseguiu localizá-los. 

A administração Biden alertou Israel desde o início do seu ataque a Gaza para evitar os mesmos erros que os EUA cometeram no Iraque após os ataques de 11 de Setembro de 2001. Tal como o atoleiro de Washington no Iraque, ficou claro para as autoridades dos EUA que Tel Aviv não tem um plano pós-guerra em Gaza. Mas os apelos de autoridades, especialistas e militares dos EUA aos seus homólogos israelitas foram largamente ignorados. 

Se a história servir de indicação, Tel Aviv raramente procurou soluções políticas para a questão palestina sem uma pressão significativa de Washington. De acordo com  a revista Foreign Policy, o secretário de Estado do presidente dos EUA, George HW Bush, James Baker, teve de ameaçar reter garantias de 10 bilhões de dólares em empréstimos dos EUA ao primeiro-ministro israelita, Yitzhak Shamir, para impedir novos colonatos na Cisjordânia. 

Essa posição enfrentou forte oposição de grupos de lobby pró-Israel dentro dos EUA como o AIPAC em 1992, com acusações de anti-semitismo dirigidas a Bush pai, que se manteve firme e insistiu que “não cederia um centímetro”.

Na altura, Baker teve um confronto interessante com Netanyahu – então vice-ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel – que começou a zombar da posição da Casa Branca. O secretário de Estado dos EUA ordenou ao seu Departamento de Estado que bloqueasse a entrada do novato israelita no edifício.

O resultado final desta extraordinária pressão dos EUA foi que o partido Likud de Yitzhak Shamir foi deposto nas eleições israelitas – como resultado direto da recusa de Baker em fornecer a garantia de empréstimo de 10 bilhões de dólares – e o líder do Partido Trabalhista, Yitzhak Rabin, que estava mais aberto a negociar uma “ fórmula de terra pela paz”, foi empossado. 

A liderança de Netanyahu encontra-se hoje numa posição igualmente precária e isolada em seu sanguinário fanatismo. Enfrentado por todos os lados – internos e do exterior – acredita-se que o primeiro-ministro procura a continuação do conflito em Gaza para evitar as muitas consequências políticas e jurídicas que o aguardam no final do seu mandato

O resultado de tal cenário dependerá provavelmente não apenas das estratégias militares e das manobras políticas dentro de Israel, mas também das pressões diplomáticas internacionais exercidas por aliados como os EUA e pela comunidade internacional.

A questão hoje é se ocorrerá uma invasão de Rafah antes da destituição de Netanyahu do cargo, com a sua consequente e posterior prisão. É apenas uma questão de TEMPO.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth