browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Itália e o Caos do último Decreto Covid: o regime Draghi [Dragões] está em Colapso

Posted by on 10/01/2022

A crônica desse dia 5 de janeiro pode ser definida como a crônica do início do fim do regime de [MAIS um marionete] o PM Mario Draghi. A véspera da Befana [06 de janeiro] não foi de forma alguma um dia comum como todos os outros. Nas semanas anteriores, o aparato terrorista da mídia do regime alimentou ao máximo os foles do medo. Ao longo da temporada de férias, a mídia pre$$titute$ italiana despejou as ameaças mais duras sobre o povo italiano já severamente julgado pela exaustiva operação terrorista em nome da pandemia de coronavírus.

Itália: O Caos do último Decreto Covid: o regime Draghi [Dragões em italiano] está em Colapso (mais um sinal das mudanças)

Fonte: La Cruna dell’Ago, Itália, por Cesare Sacchetti

Os italianos foram levados a acreditar pela “propaganda” da mídia pre$$titute$ que em 5 de janeiro haveria a repressão final, aquela que fecharia qualquer vislumbre residual de liberdade ainda aberto. Eles foram levados a crer que o regime de Draghi daria origem a uma obrigação generalizada de vacinação acompanhada pela extensão do certificado do PASSE COVID a todos os trabalhadores de todas as categorias e idades na Itália.

Junto com a propaganda da mídia pre$$titute$ do regime, o falso aparato de contra-informação também se juntou a essa estratégia de aterrorizar os italianos. Na verdade, há semanas, vários chats do Telegram têm sido literalmente assombrados por agentes de desinformação cuja tarefa específica é semear o medo e criar o pânico por toda parte e trombetear os cenários mais catastróficos e absurdos.

  • Eles virão buscá-los em suas casas no dia 23 de dezembro, enquanto vocês comem o panetone junto com seus entes queridos para deportá-los e inoculá-los à força com o soro experimental de oxido de grafeno.
  • Você vai acordar no dia 1º de janeiro do ano novo sob o céu da ditadura militar como um indivíduo misterioso no WhatsApp, que imitava a voz de outro jornalista, estava tentando fazer de conta.
  • E, novamente, eles vão tirar seu dinheiro de sua conta corrente ou suspender sua aposentadoria se você não receber a vacina.

O que testemunhamos nas últimas semanas, e infelizmente também nos últimos meses, é uma operação artificial de desestabilização psicológica [intencionalmente criada] das massas. São aquelas operações de guerra psicológica que são estudadas e concebidas nas salas escuras para dobrar a resistência daqueles que ainda não cederam e não inocularam a venenosa droga experimental.

Neste momento, nem mesmo os órgãos oficiais da grande mídia de propaganda à serviço do sistema, que há muito perderam a capacidade de influenciar a opinião pública, desempenham um papel absolutamente importante nesta campanha de terror.

Eles são os chamados canais alternativos. As massas agora entenderam que o papel impresso nas mãos de alguns oligarcas, como os Elkanns ligados à família Rothschild, ou Urbano Cairo, um homem [marionete] de George Soros, não é confiável. Os arquitetos do caos, portanto, mudaram sua estratégia. Se as massas não acreditam mais no que dizem e apregoam nos jornais tradicionais, devemos assumir uma nova forma.

Devemos falar ao povo através das plataformas que frequentam neste momento em busca das verdades escondidas pelos meios de comunicação nacionais. A ordem, portanto, foi inundar as plataformas alternativas e quebrar a resistência psicológica das pessoas, fazendo-as acreditar que não há mais nada a ser feito, que tudo está perdido.

RELACIONADO: Uso de ‘Formação de Psicose das Massas’ por governos como ferramenta de ‘Controle Populacional’

Por outro lado, o que aconteceu em 5 de janeiro revela que algo no aparato do governo do PM Mario Draghi rachou-se definitivamente e nunca mais voltará ao seu lugar. Na manhã da véspera da Epifania [06 de janeiro], Giancarlo Giorgetti foge de Roma, um dos homens que foi um dos principais arquitetos da descida do homem Rothschild ao Palazzo Chigi como PM.

A República dos Elkann vaza uma história de fundo descrevendo a eminência parda da Liga profundamente irritada e irritada com as intenções de Draghi de prosseguir para um “aperto pandêmico” ainda maior sobre o povo italiano. Giorgetti expressou toda a sua oposição para se criar um certificado reforçado para a massa de trabalhadores pelo simples fato de ter plena consciência de que o país corre assim o risco de final e definitivamente falir.

Na verdade, nem isso é tanto o que preocupa Giorgetti. Seu papel era apoiar os interesses dos homens do Estado Profundo italiano que desindustrializou e enfraqueceu o país nas últimas décadas. Sua maior preocupação no momento é ser esmagado pelas consequências da desintegração de todo o sistema político italiano.

O tecido produtivo nacional já foi bastante dilacerado pela primeira fase da operação terrorista do coronavírus, aquela em que foi o ex-primeiro-ministro Conde quem deu início à desertificação econômica final do país.

Porque o poder globalista enviou Draghi [DRAGÕES] para Roma

Mario Draghi assumiu a batuta desta operação porque os círculos do poder exercido nas sombras lhe confiaram a missão de levar a cabo o assassinato econômico e moral da Itália que começou há décadas. A história mais recente da Itália pode ser definida como uma história de traições perpetradas pela infinitamente corrupta classe política italiana contra esta nação.

A morte do país já havia sido decretada há muitos anos quando um dos círculos mais influentes da arquitetura da Nova Ordem Mundial, o Clube de Roma, fundado pela família Rockefeller, decretou a desindustrialização italiana no início dos anos 1970. A Itália estava se tornando muito poderosa e sua indústria, especialmente a pública na época nas mãos do falecido I.R.I. [Istituto per la Ricostruzione Industriale], um dos maiores grupos industriais do mundo, estava sendo desmontado e leiloado.

Ao longo das décadas, assistimos ao declínio lento e inexorável de uma potência econômica, não porque não tenha sido capaz de realizar as reformas estruturais reivindicadas pelos profissionais da desinformação à serviço da agenda da NWO.

O declínio da Itália foi a consequência direta da traição de sua corrupta classe política dominante que, ao invés de servir aos interesses desta nação, serviu aos interesses dos poderes ocultos que desejam prosseguir com o estabelecimento de uma Nova Ordem Mundial.

Década após década, todo o arcabouço econômico do Estado empreendedor que havia tornado a Itália uma potência foi desmantelado e destruído, sobretudo, graças a uma fórmula econômica que não via o Estado no mero papel de espectador como quer a doutrina oligárquica neoliberal, mas sim de um ator ativo nos processos econômicos.

Então veio a temporada de Romano Prodi, mais um lacaio e marionete e um dos representantes privilegiados da alta finanças na Itália, que meticulosamente começou a matar o pulsante coração industrial da Itália guardado na época pelo IRI. Depois veio Mario Draghi, o homem que mais do que tudo na Itália representa o interlocutor mais influente daquele mundo maçônico e financeiro que tanto odeia este grande país.

Quando Mario Draghi embarcou no Britannia em 1992 [Em 2 de junho de 1992, o então chefe do Tesouro da Itália, Mario Draghi, subiu a bordo do iate da Rainha Elizabeth II, Britannia, ancorado perto de Roma], não o fez para representar o Ministério da Economia e o Estado italiano ao qual serviria. Ele o fez para cumprir a agenda do Clube de Roma, que já havia decretado a sentença de morte para a Itália.

Draghi respeitou aquele mandato e toda a força industrial que construiu o milagre econômico do pós-guerra desapareceu na infame noite subversiva de 2 de junho de 1992, na qual o judiciário nunca lançou luz. Na época, como então, o judiciário estava empenhado em cumprir a agenda dos poderes que compartilhavam o tesouro da Itália.

Assim, o coração da indústria italiana foi arrebatado e entregue ao preço de venda em uma bandeja de prata para as finanças anglo-saxônicas representadas por seus maiores expoentes, como Goldman Sachs, Rothschild, JP Morgan e Morgan Stanley.

A carreira de Draghi decolou nos anos seguintes como uma recompensa direta pelo “seu trabalho” realizado no iate da Rainha Elizabeth. Draghi foi então primeiro contratado pelo Goldman Sachs, depois mudou-se para o Banco da Itália e, finalmente, ocupou o trono daquele BCE, que não é outro senão o banco central nas mãos dos poderes financeiros servidos pelo homem Rothschild da Grã-Bretanha.

A missão confiada a Draghi hoje é precisamente completar o que começou em 1992 e que foi decidido décadas antes, por a Itália de joelhos. As várias lojas maçônicas italianas ordenaram a chegada de Draghi, como orgulhosamente afirmado por um de seus expoentes italianos , Gioele Magaldi, e decidiram apertar o laço definitivo em torno da Itália.

E tinha de ser ele a cumprir esta missão: Mario Draghi. O regime de Draghi em comparação com o de Conte apenas mudou o eixo geopolítico e econômico do país da China comunista para a França de Macron, por sua vez nas mãos dos Rothschilds, um nome que é constantemente recorrente durante a devastação econômica da Itália [e de todos os demais países industrializados].

A expropriação do país tinha que continuar, mas os poderes transacionais decidiram em 2020 que isso tinha que ser feito sob o chapéu das elites europeias e não do Partido Comunista Chinês. O Pacto Quirinal, neste sentido, pode ser definido como a sublimação dessa decisão.

A França já começou a adquirir os recursos estratégicos da Itália por meio de suas multinacionais Suez e Veolia. É por esta razão que a Itália hoje está na esfera colonial francesa e foi o próprio Draghi quem a conduziu para essa condição.

Há um ano e meio atrás observamos como tudo isso já estava decidido. Também dissemos que Draghi arrastaria o país para a mais completa desestabilização.

O regime de Draghi em caos: Giorgetti foge de Roma

Hoje chegamos exatamente a esse ponto, ou melhor, ao ponto sem volta em que Mario Draghi arrastou a Itália. Giorgetti devia estar perfeitamente ciente de tudo isso. Ele tomou conhecimento de evidências que são tão simples quanto inequívocas.

Seguir o plano de Davos, de outros clubes globalistas, de Londres até o fim é equivalente a um suicídio político. Quando um dos homens mais influentes do corrupto e nefasto Estado Profundo italiano chega a essa conclusão, isso significa que o ponto de ruptura já foi alcançado.

Giorgetti foge de Roma no dia do Conselho de Ministros e se retira para Varese por alegados motivos familiares. Os outros dois gregários ministros da Liga, Garavaglia e Stefani, continuam com o jogo a menos, que não poderão impedir o que Giorgetti mais temia.

A criação do “Certificado de Reforço Vacinação” para trabalhadores com mais de 50 anos passa mesmo que já surjam dúvidas sobre a sua aplicação efetiva porque muitos trabalhadores do setor público e do setor privado puderam voltar a recorrer à obstrução por férias e doenças como já aconteceu a 15 de Outubro quando foi lançado. o “Passe Verde” básico.

Há dúvidas de que a máquina pública estatal, e mesmo as empresas privadas, possam suportar a falta de pessoal diante dos já numerosos problemas de comparecimento ao trabalho dos funcionários. Giorgetti teme exatamente esse cenário e por isso não quer associar seu nome ao desastre iminente que vai levar à paralisação da produção no país.

Na manhã do dia 5, a Ansa chega a relatar que tudo está prestes a explodir porque sua ausência da equipe de governo corre o risco de não se aprovar as novas medidas draconianas [não resisti]. Draghi é descrito como “surpreso” e “desapontado” pela reação de um dos homens mais próximos a ele porque pela primeira vez ele deve ter adquirido o conhecimento de que nem todos estão dispostos a ficar com ele a bordo do afundamento do Titanic, por ele mesmo afundado.

Muitos dos corruptos políticos italianos não contam com a grande cobertura transacional do ex-governador do BCE, e muitos já começam a pensar em seu destino já bastante comprometido por terem participado de um executivo, além do anterior, que foi manchado com uma quantidade monstruosa de ofensas civis e criminais.

À tarde, no Palazzo Chigi, a sede do [des]governo o caos continua a reinar. Os rascunhos são filtrados e se contradizem. Primeiro é considerada a extensão do certificado reforçado para maiores de 60 anos, depois passa para maiores de 50 anos. Posteriormente, surge a hipótese de que os funcionários de repartições públicas podem ser dispensados ​​da apresentação do certificado reforçado, mas essa possibilidade, tal como foi apresentada, repentinamente desaparece das páginas dos jornais.

Em seguida, é dito que não haverá penalidades para os desempregados vacinados com mais de 50 anos sujeitos à obrigação. Na verdade, no projeto original não há vestígios de sanções para os não vacinados. Até a Ansa escreve . Depois, à noite, faz-se uma nova reviravolta e fala-se em multas de 100 euros para maiores de 50 anos e não vacinados.

O caos não acabou porque se diz que para ir ao banco ou aos correios será necessário apresentar um passe interno e também aqui nos perguntamos como será possível verificar dezenas e dezenas de pessoas na fila, especialmente à luz. do fato de que muitos funcionários não quererem assumir, com razão, um fardo que não é deles.

A confusão reina suprema e este efeito é provavelmente desejado pelo Palazzo Chigi. Se todos começarem a pensar que não poderão mais ir a lugar nenhum sem esse tipo de certificado racial de vacina, muitos correrão para obter a vacina, pensam os “refinados” estrategistas do [des]governo. Provavelmente acontecerá o oposto, porque no engano geral muitos continuarão a fazer exatamente as coisas que faziam antes, sem apressar-se para ser vacinados.

Vir em socorro do regime de Draghi, no entanto, é mais uma vez a falsa informação alternativa que até circula as histórias mais absurdas no Telegram, como aquelas que não vão dar aposentadoria a quem não for vacinado ou que vai suspender o NASPI por mais de 50 anos aos que não são vacinados.

Tudo mentira, claro, mas o jogo sujo dos meios de comunicação corruptos até seu âmago de um lado, e o da contra-informação, de outro, parte do princípio de que no final alguém se exasperou e finalmente aceita a vacina. Alguns definem incorretamente essa estratégia como a do “sapo cozido” ou o método Juncker.

Esta estratégia se baseia no princípio da erosão progressiva dos direitos fundamentais do cidadão para então chegar ao aperto totalitário tirânico definitivo. No entanto, este não é o caso. A técnica do sapo cozido é implementada com uma abordagem científica e de cálculo precisa.

Essa estratégia prevê que gradativamente o poder do autocrata [ou marionete] de plantão aumente gradativamente com a aprovação de medidas cada vez mais repressivas e autoritárias até o aperto final. O [pseudo] autocrata ou o ditador, por mais culpado que seja dos piores crimes, permanece sempre no controle firme e absoluto da sociedade e de suas instituições políticas.

Nesse caso, entretanto, estamos testemunhando o fenômeno inverso. O poder de Draghi não se expande. Ele encolhe e esta caótico. A polícia e as forças armadas em revolta há meses vão sair às ruas no dia 15 de janeiro EM PROTESTO. É uma situação sem precedentes. O mal-estar dos policiais italianos manifestou-se no último dia 15 de dezembro, quando eclodiu um incêndio no quartel dos carabinieri Salvo D’Acquisto , local onde. . . se guardavam as vacinas.[sutil incêndio]

O dia 16 de dezembro não foi um dia comum. Foi o dia em que entrou em vigor a obrigação de vacinação para os homens da polícia. A mídia servil pre$$titute$ tentou ignorar o incêndio e nem mesmo tentou questionar as causas do incêndio. A ordem que veio de cima foi ignorar o que aconteceu. A mensagem, no entanto, chegou àqueles que deveriam chegar.

A mensagem desse “vento” é de que há cada vez mais homens uniformizados que não estão mais dispostos a cumprir as ordens de um regime que está arruinando toda a Itália. Três dias depois do incêndio, estourou o protesto de médicos que, na assembléia da Ordem em Roma, denunciaram a ilegitimidade das suspensões dos não vacinados.

Tampouco é melhor no que diz respeito à aplicação diária dessas medidas restritivas. Existem hoje milhares de bares e restaurantes que não pedem nenhum certificado de “Pase Verde” PARA NINGUÉM, em aberta desobediência. Os chamados “controles” são agora uma raridade, exceto nas telas de televisão onde as esquetes usuais criadas pela mídia são mera propaganda colocadas para fazer as pessoas acreditarem que o olho do irmão mais velho de Draghi está assistindo em toda parte.

Na realidade, muitos não seguem mais essas medidas idiotas, malucas e tirânicas. O povo ESTA FARTO. Algo mudou definitivamente e os esforços do aparato terrorista da propaganda do medo da corrupta mídia italiana para trazer de volta todos debaixo dos tacões da operação terrorista do coronavírus em março de 2020 parecem completamente em vão.

Quase dois anos se passaram desde então e o estado mental da população mudou completamente. Na época, as pessoas cantavam bovina e obedientemente nas varandas como idiotas, convencidas de que tudo ficaria bem. Hoje choramos pelos efeitos adversos que as vacinas estão causando e pela desertificação econômica do pais que está chegando ao apogeu sob Draghi.

Só nos últimos dias outra joia da empresa italiana, o hotel Danieli em Veneza , acabou nas mandíbulas de Bill Gates. A Itália está em leilão e mais uma vez o especialista liquidatário do Britannia, Mario Draghi, o colocou lá. Ao final dessa história, será necessário pensar seriamente em uma reconstrução do Estado empreendedor e do IRI para devolver à Itália o que foi roubado.

Mas essa é outra história. Agora ainda estamos na fase de decadência, a última e mais aguda. Para ter entendido que estes são os últimos dias de Pompéia do regime Draghi está até mesmo a mídia à serviço do regime. É impossível continuar assim por muito tempo. Nesse ponto, o ponto de vista de Draghi e de quem puxa seus cordões nem é tanto o de dar vida a uma Grande Reinicialização Global.

A Grande Reinicialização para ter sucesso teria que ver uma participação coletiva de governos ao redor do mundo, especialmente nos países mais influentes. Nesta fase, estamos testemunhando justamente o fenômeno inverso. A Grã-Bretanha anuncia o fim das restrições . A Dinamarca declara o fim da farsa pandêmica por meio de seu oficial de saúde em breve.

O presidente da Rússia, Putin, durante anos o líder dos patriotas e nacionalistas que resistiram ao plano de um governo mundial, fala de uma “mudança agradável” em seu discurso de fim de ano. Até mesmo um dos principais arquitetos desta crise pandêmica, o psicopata multibilionário Bill [Hell’s] Gates, é forçado a reconhecer em suas reflexões no final do ano que os governos já perderam o consentimento de seus respectivos povos.

Realizar a agenda da oligarquia dos psicopatas de Davos nestas condições é praticamente impossível, sobretudo porque não podemos prosseguir com a militarização que a família Rockefeller esperava no seu documento sobre a pandemia emitido há dez anos.

A militarização de diversos países na realidade segundo os planos originais de Davos deveria ter ocorrido em março de 2021. Não aconteceu e NÃO ACONTECERÁ. Os planos iniciais falharam. Assim como o plano de Sorgi nas colunas do La Stampa para militarizar a Itália em outubro de 2021 fracassou .

A militarização também implica que quase todas as forças armadas se alinhem com o tirano em serviço e esta não é a condição dos governos ocidentais, especialmente o de Draghi que tem que lidar com uma revolta interna dos militares que é cada vez mais difícil de conter. Nesse ponto, a abordagem de Draghi é colocar fogo na casa, causar o máximo de dano possível ao país tão desejado pela Maçonaria e, assim, agradar seus mestres que vivem na “City” de Londres.

Se as coisas piorarem, Draghi provavelmente acredita em seu coração que pode ter outras oportunidades para missões no exterior nas instituições financeiras às quais serviu fielmente durante todas essas décadas. Se, por outro lado, Draghi fosse ao Quirinale imediatamente como recompensa por seu “trabalho”, os planos das elites se complicariam de qualquer maneira.

Se Draghi se tornar Chefe de Estado dentro de um mês, ele deve abandonar o Palazzo Chigi e deixar seu “trabalho” inacabado. Parece difícil que o ex-governador do BCE seja substituído por outro que tenha as mesmas credenciais em instituições financeiras globalistas e internacionais.

As partes voltariam a lutar para se sentar nas poltronas e para terem o papel exclusivo de garçons marionetes da oligarquia por trás da Nova Ordem Mundial. A partida do Quirinale, portanto, parece incerta, mas mesmo se Draghi se tornasse presidente imediatamente, seria difícil definir essa subida como um prêmio.

Que recompensa pode ser sentar-se em um sistema político tão frágil e desorganizado?

A segunda República nascida do golpe judicial Clean Mani está morrendo e com ela a mesma mentira da República de 1948 nascida da subjugação ao Estado Profundo de Washington e da ocupação da OTAN, o exército da ditadura mundial. A Itália se encontra em um momento único em sua história. Este país caminha para o fim de um ciclo de grande decadência que parece indispensável completar para poder sair de uma vez por todas deste pântano de corrupção POLÍTICA e desordem moral e econômica.

E foi o próprio Mario Draghi quem provavelmente deu a aceleração definitiva desse processo. Provavelmente foi ele quem deu o impulso definitivo ao colapso de seu próprio regime. Giorgetti deve ter entendido perfeitamente que o homem da Grã-Bretanha levou a Itália a um ponto sem volta em 5 de janeiro.

O ponto sem volta é o ponto de caos e tumultos gerais que este frágil governo é incapaz de lidar porque a dissidência e resistência popular está se tornando endêmica em todos os níveis da sociedade, incluindo as instituições políticas. O futuro da Itália passa, portanto, precisamente a partir de 2022. O futuro do país passa por esta fase política, histórica e institucional muito delicada.

Este ano de 2022 será a provável encruzilhada da história desta grande nação. Serão meses de grande turbulência porque a corrupta e SERVIL classe política da Segunda República não pensará em administrar a dramática situação do país. Eles vão pensar em se salvar e se proteger da ferocidade popular. O lema dos próximos meses nas salas de aula do Montecitorio e do Palazzo Madama será em nome do sim e ninguém pode.

Esta é precisamente a fase em que os italianos livres da prisão do CONTROLE MENTAL, que agora aumentam a cada dia, são obrigados a manter os nervos ainda mais fortes e não se desesperar. O renascimento da nação não pode deixar de passar do fim deste poder corrupto e de suas elites de políticos fantoches de interesses escusos que parasitaram a Itália por muitos anos.

Para renascer, a Itália [ASSIM COMO MUITOS OUTROS PAÍSES] deve primeiro se livrar dos corpos estranhos e dos parasitas que a atormentam e a infestam, de uma vez por todas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“Você não é deste mundo. Você não é este corpo que habita. Você não é essas emoções, esses pensamentos, esse ego com o qual se identifica. Você nem mesmo é sua vida ou morte. Quando você é capaz de se distanciar dessas coisas, então o verdadeiro você, o você gnóstico, entra no foco de sua cognição. Mais puro que o éter, mais radiante que o sol, mais puro que a neve acumulada, cheio de vida e retirado do contexto da morte, este é o eu que você é. Para ajudá-lo a saber disso, Jesus e Buddha e todos os outros grandes mensageiros de luz vieram a este mundo, fazendo o sacrifício de vir da plenitude para o vazio para trazer isso a você. Você deve saber disso, e deve fazer isso, porque sem ele você não está realmente vivo, não está realmente consciente, mas com ele, você é todas as coisas, você tem todas as coisas, e o Tudo se tornou você. Esta é a mensagem da Gnose! ”  – Richard, Duc de Palatine (1916–1977)


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to Itália e o Caos do último Decreto Covid: o regime Draghi [Dragões] está em Colapso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.