Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Jovens do Sul Global voam para a ‘isolada’ Rússia para participar no Festival Mundial da Juventude

Por qualquer métrica, o Festival Mundial da Juventude, que aconteceu no território federal de Sirius (Sochi, no sul da Rússia), de 1 a 7 de março, é uma conquista impressionante: uma espécie de Operação Cultural Especial (OCS) que abrangeu a juventude do Sul Global. Começa com o cenário incomparável – o parque de ciência e arte dos Jogos Olímpicos de 2014, aninhado entre as montanhas nevadas e o Mar Negro.

Jovens do Sul Global migram para a Rússia ‘isolada’ para participar no Festival Mundial da Juventude

Fonte: Sputnik International – por Pepe Escobar

Até às estrelas do espetáculo: mais de 20.000 jovens líderes de mais de 180 nações, de toda a Rússia, e principalmente asiáticos, africanos e latino-americanos, bem como diversos dissidentes do “jardim” [Hospício} ocidental obcecado por sanções, guerras, ideologias LGBTQ+, Transgênero, ‘Wokism’, e Agendas Verdes das Mudanças Climáticas.

Entre eles estavam dezenas de educadores, doutores, ativistas do setor público ou da cultura, voluntários de caridade, atletas, jovens empreendedores, cientistas, jornalistas cidadãos, bem como adolescentes de 14 a 17 anos, pela primeira vez o foco de um programa especial, “Juntos no futuro”. Estas são as gerações que construirão o nosso futuro comum.

O Presidente Putin foi mais uma vez bastante incisivo: enfatizou como se aplica uma distinção clara entre os cidadãos do mundo – incluindo o Norte Global – e a intolerante e extremamente agressiva plutocracia ocidental. A Rússia, um Estado-civilização multinacional e multicultural, por princípio acolhe todos os cidadãos do mundo.

Festival Mundial da Juventude de 2024, que se realizou sete anos depois do último, renova uma tradição que remonta ao Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes de 1957, quando a URSS acolheu todos em ambos os lados da Cortina de Ferro durante a Guerra Fria.

A ideia de uma plataforma aberta para pessoas jovens, empenhadas e muito organizadas, atraídas pelos valores conservadores/familiares russos, permeia todo o festival – em nítido contraste com as relações públicas artificiais e obcecadas pela cultura da “sociedade aberta”, vendidas incessantemente pelas habituais fundações hegemônicas.

Cada dia do festival foi dedicado a um tema principal. Por exemplo, o dia 2 de Março foi sobre “responsabilidade pelo destino do mundo”; O dia 3 de março foi pela “unidade e cooperação entre as nações”; O dia 4 de março foi para “um mundo de oportunidades para todos”.

Nada menos que 300 mil jovens de todo o mundo se inscreveram para participar do festival. Obviamente, selecionar um pouco mais de 20.000 foi uma grande façanha. Após o festival, 2.000 participantes estrangeiros viajaram para 30 cidades russas para intercâmbio cultural. Exatamente o que o camarada Xi Jinping define como “trocas entre pessoas”.

Não é de admirar que os organizadores do festival, Rosmolodezh, a agência federal russa para assuntos juvenis, o chamem de “o maior evento juvenil do mundo”. A diretora Ksenia Razuvaeva observou: “estamos destruindo o mito de que a Rússia está isolada” pelo ocidente.

As armadilhas da “multipolaridade assíncrona”

O festival tem tudo a ver com networking entre grupos de jovens, laços interculturais/comerciais que vão desde o nível comunitário sustentável até ao nível geopolítico mais amplo.

Tive a enorme honra e responsabilidade de me dirigir a um público verdadeiramente multi-global do Sul no pavilhão do oblast de Belgorod, convidado pela Russia Knowledge Foundation, ao lado de um consultor de Hyderabad, na Índia.

A sessão de perguntas e respostas foi fantástica: perguntas extremamente contundentes desde o Irã à Sérvia, do Brasil à Índia, da Palestina ao Donbass. Um verdadeiro microcosmo do Jovem Sul Global multicultural, ansioso por saber tudo sobre o atual Grande Jogo geopolítico, bem como os governos nacionais podem facilitar a cooperação cultural e científica internacional entre os jovens.

O Valdai Club realiza um programa diário particularmente atraente no fórum, O Mundo em 2040 .

Um workshop no domingo, por exemplo, focado em “O Futuro de um Mundo Multipolar”, ancorado pelo excelente Andrey Sushentsov, reitor da Escola de Relações Internacionais do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, indiscutivelmente a melhor escola de relações internacionais do planeta.

A discussão sobre a “multipolaridade assíncrona” foi particularmente útil para o público (uma sólida presença chinesa, na sua maioria doutorandos), e suscitou questões extremamente contundentes por parte de investigadores da Sérvia, Ossétia do Sul, Transnístria e, claro, da China.

Srikanth Kondapalli, professor de estudos sobre a China na Universidade Jawaharlal Nehru, da Índia, elaborou o conceito chave da “multipolaridade asiática” – as muitas Ásias dentro da Ásia, algo que confunde totalmente as categorizações ocidentais simplistas. Após a sessão tivemos uma excelente troca de ideias sobre o assunto.

No entanto, nada no fórum se compara a ir de sala em sala lotada, ter um vislumbre das discussões aprofundadas e depois passear pelos pavilhões em modo de rede total. Fui abordado por todos, do Sudão ao Equador, da Nova Guiné a um grupo de brasileiros, de indonésios a um funcionário do Partido Comunista dos Estados Unidos.

E ainda há o prêmio especial: as arquibancadas das diversas repúblicas russas. É aí que você tem a chance de mergulhar em um ritual do chá Yamal; receber informações em primeira mão sobre a Região Autônoma de Nenets; ou discutir o procedimento para embarcar numa viagem num navio quebra-gelo nuclear na Rota do Mar do Norte – ou Rota da Seda Ártica: o canal de conectividade do futuro. Mais uma vez: a Rússia multipolar em vigor.

Agora compare esta reunião pacífica, e pan-global focada em todas as formas de programas comunitários sustentáveis, encharcada de esperanças e sonhos, com o lançamento da OTAN de um exercício massivo de belicismo de duas semanas denominado “Resposta Nórdica 2024”, realizado pela Finlândia, Noruega e países recém-chegados, na Suécia a menos de 500 km das fronteiras russas.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *