Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Livro “1984”, a Esperança oculta no aviso de Orwell, quarenta anos depois, em 2024

Quarenta anos já se passaram desde o ano de 1984, o ano em que George Orwell situou a sua sociedade distópica imaginária, em seu livro publicado a 75 anos. O romance de ficção e Distópico Mil Novecentos e Oitenta e Quatro nunca foi concebido para ser uma profecia literal, é claro, mas, durante as primeiras três décadas e meia após a sua publicação em 1949, manteve uma ascendência poderosa na imaginação do público mais consciente, pelo menos e inicialmente na Grã-Bretanha.

LIVRO “1984” – A ESPERANÇA OCULTA NO AVISO DE ORWELL EM 2024, QUARENTA ANOS DEPOIS

Fonte: Winteroak.org.uk

Quando eu era criança, na década de 1970, os quatro algarismos 1984 eram um sinônimo aterrador do futuro totalitário que, de alguma forma, todos sabíamos que estava ao virar da esquina, se não permanecêssemos vigilantes.

Penso que o livro de Orwell, juntamente com o romance Admirável Mundo Novo,de Aldous Huxley, de 1931, ajudou a evitar o advento do tipo de mundo contra o qual ambos nos alertavam, ao deixar bem claro que ninguém, independentemente da filiação política, acolheria com agrado tal futuro tirânico e distópico, que existiu localmente na antiga URSS e na China comunista de Mao.

A data perdeu muito do seu poder, é claro, quando o ano chegou e passou. De repente, 1984 passou a fazer parte da vida cotidiana – foi o ano em que sua namorada o deixou, em que você passou no exame de direção ou em que o Everton venceu o Watford na final da Copa da Inglaterra.

E embora muitos de nós ainda continuássemos preocupados com a perspectiva de um estado do tirânico “Grande Irmão” [Big Brother] fortalecer o seu domínio, já não havia a sensação de fazer uma contagem regressiva sombria para aquele ano fatídico – em vez disso, as pessoas começaram a olhar para o novo e brilhante futuro anunciado pelo Ano Dois Mil, para o novo século XXI.

Agora, porém, a data de 1984 voltou a ser uma condição semiabstrata, especialmente para todos os nascidos depois dessa data, e o título do livro parece muito menos importante do que o conteúdo, que é hoje muito MAIS relevante [porque o seu “roteiro” está sendo implantado lentamente].

É certo que parte da forma externa da história está bastante desatualizada. Relendo-o para os propósitos deste artigo, fiquei impressionado com a forma como Orwell descreve uma Londres do pós-guerra, danificada por bombas, que já havia desaparecido quando nasci e que ele imagina ser habitada por um classe trabalhadora branca (os “proletas”) que agora foi em grande parte deslocada.

A ideia de que “literalmente nunca se via” estrangeiros andando pelas ruas de Londres [1] já teria soado um pouco estranho na vida real em 1984, muito menos hoje!

Também notei uma falha de plausibilidade na trama, pois Winston Smith, tendo tomado tanto cuidado para nunca ser visto conversando com sua amante Julia em público, alegremente a traz com ele para conhecer O’Brien, a quem ele apenas espera está do lado dele.

Ele então deixa escapar, segundos depois de chegar à casa do funcionário: “Somos inimigos do Partido”! [2] e prossegue concordando em “corromper as mentes das crianças”, “disseminar doenças venéreas” e “jogar ácido sulfúrico na cara de uma criança” [3] se solicitado a fazê-lo pela resistência subterrânea conhecida como Irmandade.

“Que tipo de pessoas [da “Irmandade”] controlariam este mundo era igualmente óbvio. A nova aristocracia era composta na maior parte por burocratas, cientistas, técnicos, organizadores sindicais, especialistas em publicidade, sociólogos, professores, jornalistas e políticos profissionais.

“Estas pessoas, cujas origens residem na classe média assalariada e nas camadas superiores da classe trabalhadora, foram moldadas e reunidas pelo mundo árido da indústria monopolista e do governo centralizado”. [4]

O mesmo se aplica à medida em que o seu controle é exercido:

  • “Até a Igreja Católica da Idade Média era tolerante segundo os padrões modernos. Parte da razão para isto foi que no passado nenhum governo tinha o poder de manter os seus cidadãos sob vigilância constante…”
  • “Com o desenvolvimento da televisão e o avanço tecnológico que permitiu receber e transmitir simultaneamente no mesmo instrumento, a vida privada chegou ao fim.”
  • “Todo cidadão, ou pelo menos todo cidadão importante o suficiente para valer a pena ser vigiado, poderia ser mantido vinte e quatro horas por dia sob os olhares da polícia e ao som da propaganda oficial…”
  • “A possibilidade de impor não apenas a obediência completa, mas também a uniformidade completa de opinião em todos os assuntos, existia agora pela primeira vez”. [5]

Alguém realmente estaria fazendo esse controle nos dias de hoje?

Mas estas são pequenas queixas em comparação com a forma estranha como Orwell previu grande parte do controle psicológico e da manipulação que estamos a suportar hoje.

Por exemplo, podemos reconhecer hoje e imediatamente, nas páginas do romance, aqueles que estão atualmente impondo a Grande Reinicialização e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

A agenda Globalista da atual plutocracia corrupta até a medula também está claramente descrita em “1984”:

“Os dois objetivos do Partido são conquistar toda a superfície da terra e extinguir de uma vez por todas a possibilidade de pensamento independente”. [6]

As três zonas [Oceânia, Lestasia e Eurásia] em guerra do mundo multipolar de Orwell têm ideologias que são apenas superficialmente diferentes:

“Na Oceânia [o equivalente ao nosso ocidente], a filosofia predominante chama-se Ingsoc, na Eurásia chama-se Neobolchevismo e na Lestásia é chamada por um nome chinês geralmente traduzido como Adoração à Morte. … Na verdade, as “três filosofias” são pouco distinguíveis, e os sistemas sociais que elas apoiam não são de todo distinguíveis”. [7]

Os tiranos fictícios de Orwell em seu livro até se entregam ao mesmo planejamento a longo prazo relacionado com datas para aumentar o controle, declarando que em 2050:

“Todo o clima de pensamento será diferente. Na verdade, não haverá pensamento, tal como o entendemos agora. Ortodoxia significa não pensar – não precisar pensar. Ortodoxia é inconsciência”. [8]

Eles pretendem abolir a vida humana natural – “todas as crianças deveriam ser geradas por inseminação artificial (artsem, era chamado em Novilíngua, algo como o estúpido movimento ‘Wokism’ dos dias atuais) e criadas em instituições públicas” [9] – e estão orgulhosos do sucesso do seu projeto de distanciamento social – “cortamos os laços entre filho e pai, e entre homem e homem, e entre homem e mulher”. [10]

Paralelamente a isto está a mobilização da juventude doutrinada para impor o dogma oficial. “Era quase normal que pessoas com mais de trinta anos tivessem medo dos próprios filhos. E com boas razões, dificilmente se passou uma semana sem que o The Times não publicasse um parágrafo descrevendo como algum espiãozinho – um ‘herói infantil’ era a expressão geralmente usada – tinha ouvido algum comentário comprometedor e denunciado seus pais à Polícia do Pensamento. . [11]

O mito do Progresso desempenha um papel importante na manutenção da licença social para este regime totalitário fictício no livro 1984.

“Dia e noite as teletelas machucavam seus ouvidos com estatísticas que provavam que as pessoas hoje tinham mais comida, mais roupas, casas melhores, melhores recreação – que viviam mais, trabalhavam menos horas, eram maiores, mais saudáveis, mais fortes, mais felizes, mais inteligentes, mais instruídos, do que as pessoas de cinquenta anos atrás. Nenhuma palavra disso poderia ser provada ou refutada”. [12]

No centro do controle psicológico do Ingsoc sobre a população está a invenção e o desenvolvimento da Novilíngua, um jargão politicamente correto que visa inserir a visão do mundo do Partido no poder nos próprios termos necessários para as pessoas pensar e se comunicarem.

Falar e escrever usando palavras em seu sentido original era considerado Oldspeak [13] e, portanto, doubeplusungood [14] e poderia até levar a uma estadia prolongada em um joycamp . [15] A Novilíngua desempenha um papel importante na criminalização da liberdade pelo regime.

A par do conhecido conceito de crime de pensamento do Ingsoc, existe também o crime facial – “usar uma expressão imprópria no rosto (parecer incrédulo quando uma vitória foi anunciada, por exemplo)”. [16] seria crime.

Orwell acrescenta: “Fazer qualquer coisa que sugerisse um gosto pela solidão, até mesmo dar um passeio sozinho, era sempre um pouco perigoso. Havia uma palavra para isso em Novilíngua: vida própria, como se chamava, significando individualismo e excentricidade”. [17]

Juntamente com as técnicas mentais de duplipensamento e crimestop, que descrevi num artigo anterior, [18] encontramos preto-branco – “uma vontade leal de dizer que o preto é branco quando a disciplina do Partido assim o exige” e também “a capacidade de acreditar que o preto é branco”, e mais, saber que o preto é branco, e esquecer que alguma vez se acreditou no contrário”. [19]

As vacinas “são seguras e eficazes”. As mulheres “podem” ter pênis. O “pensamento crítico” é perigoso.

Mesmo quando as palavras antigas não são realmente abolidas, elas são despojadas do seu significado essencial.

Orwell explica: “A palavra livre ainda existia em Novilíngua, mas só podia ser usada em declarações como ‘Este cão está livre de piolhos’ ou ‘Este campo está livre de ervas daninhas’. Não poderia ser usado no seu antigo sentido de “politicamente livre” ou “intelectualmente livre”, uma vez que a liberdade política e intelectual já não existia nem mesmo como conceitos, e eram, portanto, necessariamente sem nome”. [20]

Esta manipulação tem um impacto real na criação de um espaço social mais seguro e inclusivo, livre de desinformação, discurso de ódio ou qualquer tipo de teoria da conspiração ou negacionismo: “Na Novilíngua, a expressão de opiniões pouco ortodoxas, acima de um nível muito baixo, era quase impossível”. [21]

Uma das frases mais memoráveis ​​do romance é a insistência do Partido em que “quem controla o passado controla o futuro: quem controla o presente controla o passado”. [22] Qualquer conteúdo impróprio que tenha sido publicado anteriormente deve ser jogado no esquecimento, no vazio buraco da memória.

“É intolerável para nós que exista um pensamento errôneo em qualquer parte do mundo”, [23] sublinha O’Brien, membro do Partido Interno, e aprendemos que nenhuma notícia ou qualquer expressão de opinião que entre em conflito com as necessidades do momento é “sempre autorizado a permanecer registrado”. [24]

O resultado é uma população totalmente desorientada. “Tudo se transformou em névoa. O passado foi apagado, o apagamento foi esquecido, a mentira virou verdade”. [25]

“No final, o Partido anunciaria que dois mais dois são cinco, e você teria que acreditar. Era inevitável que, mais cedo ou mais tarde, fizessem essa afirmação: a lógica da sua posição assim o exigia. Não apenas a validade da experiência, mas a própria existência da realidade externa foi tacitamente negada pela sua filosofia. A heresia das heresias era o bom senso”. [26]

As palavras de O’Brien assumem um certo tom pós-modernista quando ele insiste: “Controlamos a matéria porque controlamos a mente. A realidade está dentro do crânio… Nada existe exceto através da consciência humana”. [27]

Acima de tudo, a máfia dominante quer esconder a realidade desagradável do seu controle e manipulação da realidade. “Todas as crenças, hábitos, gostos, emoções, atitudes mentais que caracterizam o nosso tempo são realmente concebidas para sustentar a mística do Partido e impedir que a verdadeira natureza da sociedade atual seja percebida”. [28]

A oposição falsa é outra ferramenta usada pelo Ingsoc para enganar e esmagar dissidentes em potencial, em particular a figura caricatural do arqui-subversivo Emmanuel Goldstein, autor de um livro chamado A Teoria e Prática do Coletivismo Oligárquico , [29] que tem um cheiro definitivo de Karl Marx sobre ele.

Em vez de lhe ser negado o oxigênio da publicidade por parte do regime, como seria de esperar, o seu rosto e as suas palavras são constantemente apresentados nos teletelas como um odiado oposto binário da figura de proa do Ingsoc, o Grande Irmão. A boa e antiga prática do Divide Et Impera, uma “DEI” antiga.

“Goldstein estava proferindo o seu habitual ataque venenoso às doutrinas do Partido – um ataque tão exagerado e perverso que uma criança deveria ter sido capaz de ver através dele, e ainda assim suficientemente plausível para encher alguém com uma sensação alarmada de que outras pessoas, menos sensato do que você mesmo, pode ser enganado por isso”, [30] escreve Orwell.

Embora Goldstein esteja “defendendo a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa, a liberdade de reunião, a liberdade de pensamento”, ele o faz num “discurso rápido e polissilábico que era uma espécie de paródia do estilo habitual dos oradores do Partido, e até continha palavras novilíngua: mais palavras novilíngua, na verdade, do que qualquer membro do Partido normalmente usaria na vida real”. [31]

A inversão deliberada e maligna de significado faz parte tanto da distopia de Orwell como do mundo “acordado” de hoje, principalmente com o slogan do Partido “Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força”. [32]

Diz-se que o Ingsoc e outras ideologias globais semelhantes cresceram a partir de filosofias às quais ainda falam “da boca para fora”, ao mesmo tempo que revertem os seus ideais originais no “objetivo consciente de perpetuar a liberdade e a igualdade”. [33]

“O Partido rejeita e difama todos os princípios que o movimento Socialista originalmente defendeu, e escolhe fazer isso em nome do Socialismo”. [34]

“Mesmo os nomes dos quatro Ministérios pelos quais somos governados exibem uma espécie de atrevimento na sua inversão deliberada dos fatos. O Ministério da Paz preocupa-se com a guerra, o Ministério da Verdade com as mentiras, o Ministério do Amor com a tortura e o Ministério da Fartura com a fome”. [35]

Combinada com esta inversão demoníaca de valores, surge uma obsessão malévola e demoníaca pelo poder absoluto, muito familiar para nós nos dias de hoje.

O’Brien declara: “O Partido procura o poder inteiramente por si mesmo. Não estamos interessados ​​no bem dos outros; estamos interessados ​​apenas no poder… Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de abandoná-lo. O poder não é um meio, é um fim. Não se estabelece uma ditadura para salvaguardar uma revolução; faz-se uma revolução para estabelecer a ditadura. O objeto da perseguição é a perseguição em si mesma. O objeto da tortura é a tortura. O objeto do poder é o poder”. [36]

Noutra das frases arrepiantes pelas quais Mil novecentos e oitenta e quatro é tão conhecido, acrescenta: “Se queres uma imagem do futuro, imagina uma bota a pisar um rosto humano – para sempre”. [37]

É importante para o regime que o seu controle seja tão completo que se torne impossível sequer imaginar que um dia poderá chegar ao fim.

O’Brien diz a Winston: “Se você já acalentou algum sonho de insurreição violenta, deve abandoná-lo. Não há nenhuma maneira pela qual o Partido possa ser derrubado. O governo do Partido é para sempre. Faça disso o ponto de partida dos seus pensamentos”. [38]

O sentimento de impotência imposto pelo Partido parece funcionar em Winston, pelo menos no que diz respeito às perspectivas da sua micro-rebelião pessoal, e ele considera “uma lei da natureza que o indivíduo seja sempre derrotado”. [39]

O fato de ele acabar por trair os seus princípios sob tortura na Sala 101, denunciando a sua Julia e admitindo que ama o Big Brother, pode deixar o leitor com um sentimento pesado e enfraquecedor de derrota e há muito que considero isso um aviso no livro.

Mas um olhar mais atento revela que também há algo mais a acontecer ali, uma profunda contracorrente de esperança que flui contra a maré da repressão totalitária.

Parte dessa esperança é vista por Winston nos 85% da população conhecida como “proles”, embora a sua credulidade e falta de imaginação o frustrem: “Eles só precisavam de se levantar e sacudir-se como um cavalo a sacudir as moscas. Se quisessem, poderiam explodir o Partido em pedaços amanhã de manhã. Certamente, mais cedo ou mais tarde, eles terão que fazer isso? E ainda – -!” [40]

Ele também encontra encorajamento na capacidade de alguém como Julia de ver através das mentiras espalhadas pelo regime, apesar do imponente muro de engano que este construiu em torno das suas atividades políticas.

Ela assusta Winston “ao dizer casualmente que, em sua opinião, a guerra não estava acontecendo. Os foguetes-bomba que caíam diariamente sobre Londres foram provavelmente disparados pelo próprio governo da Oceania, ‘apenas para manter as pessoas assustadas’.” [41]

A capacidade humana de ver a verdade e de permanecer fiel a ela nas situações mais difíceis é fundamental para a variedade de esperança apesar de tudo de Orwell. “Estar em minoria, mesmo em minoria de um, não te deixava louco. Havia verdade e havia mentira, e se você se apegasse à verdade mesmo contra o mundo inteiro, você não está louco”. [42]

Ele também descreve um sentimento inato de certo e errado que nos permite sentir que há algo profundamente errado com a sociedade em que vivemos em pleno século XXI.

Winston, refletindo sobre seu próprio desconforto, reflete: “Não foi um sinal de que esta não era a ordem natural das coisas… Por que alguém deveria sentir que isso era intolerável, a menos que tivesse algum tipo de memória ancestral de que as coisas já foram diferentes?” [43]

É a esta fonte de esperança, para além do indivíduo falível e mortal, que Smith tenta agarrar-se durante o seu interrogatório.

Ele diz a O’Brien: “De alguma forma você irá falhar. Algo irá derrotar você. A vida vai te derrotar… eu sei que você vai falhar. Há algo no universo – não sei, algum espírito, algum princípio – que você [o totalitarismo e a tirania] nunca vai superar”. [44]

Orwell, com a saúde piorando enquanto escrevia o romance, não conseguia projetar nenhuma perspectiva de mudança imediata em sua sociedade fictícia.

No entanto, ele faz Winston dizer a Julia: “Não imagino que possamos alterar nada ainda em nossas vidas. Mas podemos imaginar pequenos nós de resistência surgindo aqui e ali – pequenos grupos de pessoas se unindo e crescendo gradualmente, e até deixando alguns registros para trás, para que a próxima geração possa continuar de onde paramos”. [45]

Estas não são as palavras de um homem que se rendeu ao desespero.

Mas o elemento mais importante nesta contracorrente oculta do otimismo orwelliano é algo que só notei na minha mais recente releitura do seu livro “1984”.

O apêndice, “Os Princípios da Novilíngua”, relembra o período Ingsoc no passado, do ponto de vista de um futuro mais distante, em que o pesadelo do Grande Irmão evidentemente chegou ao fim e em que algum tipo de liberdade e o bom senso foi restaurado.

Observa, por exemplo: “Só uma pessoa profundamente enraizada no Ingsoc poderia apreciar toda a força da palavra barriga, que implicava uma aceitação cega e entusiástica, difícil de imaginar hoje”. [46]

Assim, no horizonte existe um “hoje” em que a “aceitação cega e entusiástica” do totalitarismo não é apenas uma coisa do passado, mas até mesmo “difícil de imaginar”.

Confirmando este ponto, o escritor desconhecido deste relato pseudo-histórico observa que “a adopção final da Novilíngua tinha sido fixada para uma data tão tardia como 2050”. [47]

Estas são as últimas palavras da última página do livro e Orwell diz-nos aqui, mesmo no final do seu relato, que o regime do Ingsoc caiu antes de ser capaz de cumprir a sua agenda de longo prazo de apagar completamente a liberdade humana!

O Partido pode ser derrubado! A bota não pisa para sempre um rosto humano! E como isto foi possível, face ao controle esmagador e abrangente das vidas e mentes das pessoas que Orwell descreve com um efeito tão aterrador?

Só pode ter sido o fato de as pessoas se recusarem a abandonar a verdade e a terem fé no espírito do universo que acabará por impedir que a morte prevaleça sobre a vida, a escravatura sobre a liberdade ou o poder tirânico sobre a humanidade.

Orwell deve ter escrito Mil novecentos e oitenta e quatro por causa da necessidade desesperada e inspirada de desempenhar seu papel na luta contra as forças das trevas que estavam por vir.

Ele fez o melhor que pôde e, como eu disse, durante muitos anos o seu aviso ajudou a conter o avanço da tirania a nível de um governo global. Agora cabe a nós assumir o testemunho do profundo desafio que ele nos tem oferecido ao longo das décadas.

Cabe-nos a nós inspirar-nos na nossa memória ancestral da ordem natural, ver através das mentiras do atual sistema, unir-nos em pequenos grupos e formar nós de resistência que manterão a esfarrapada bandeira da liberdade hasteada orgulhosamente nos próximos anos.

Temos de fazê-lo sem qualquer esperança de que a vitória seja necessariamente alcançada durante as nossas vidas, mas devemos simplesmente ter como objetivo fazer tudo o que for necessário para que, nas palavras de Orwell, “a próxima geração possa continuar onde paramos”.

Por outro lado, quem sabe?

Talvez a queda do sistema esteja chegando mais cedo do que imaginamos.

Orwell fez com que Winston observasse que “a única vitória estava num futuro distante”. [48]

Mas então ele escreveu isso há 75 anos. Talvez esse futuro distante seja o nosso agora !


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.305 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp