Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Mais de 1.600 cientistas assinam declaração de que “Não há Emergência Climática”!

Cientistas internacionais assinaram conjuntamente uma declaração rejeitando a existência de uma crise climática e insistindo que o dióxido de carbono [CO²] é benéfico para a Terra, contrariamente à narrativa alarmista dos globalistas. “Não há emergência climática”, afirmou o Grupo Global de Inteligência Climática (CLINTEL) na sua Declaração Climática Mundial ( pdf ), tornada pública em agosto. 

Mais de 1.600 cientistas assinam declaração de que “Não há Emergência Climática”

Fonte: The Epoch Times

“A ciência climática deveria ser menos política, enquanto as políticas climáticas deveriam ser mais científicas. Os cientistas deveriam abordar abertamente as incertezas e os exageros nas suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos deveriam contabilizar imparcialmente os custos reais, bem como os benefícios imaginados das suas medidas políticas.”

Um total de 1.609 cientistas e profissionais de todo o mundo assinaram a declaração, incluindo 321 assinantes dos Estados Unidos. A coligação destacou que o clima da Terra tem variado desde que existe, com o planeta a passar por várias fases frias e quentes. A Pequena Idade do Gelo só terminou em 1850, disseram eles.

Portanto, não é surpresa que estejamos agora vivendo um período de aquecimento”, afirma a declaração.

O aquecimento está acontecendo “muito mais lentamente” do que o previsto pelos cientistas do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas-IPCC.

Os modelos climáticos têm muitas deficiências e não são nem remotamente plausíveis como ferramentas políticas”, afirmou a coligação, acrescentando que estes modelos “exageram o efeito dos gases com efeito de estufa” e “ignoram o fato de que enriquecer a atmosfera com CO2 é benéfico”. Por exemplo, embora os alarmistas climáticos caracterizem o CO2 como prejudicial ao ambiente, a coligação salientou que o gás “não é um poluente”.

O dióxido de carbono é “essencial” para toda a vida na Terra e é “favorável” para a natureza. O CO2 extra resulta no crescimento da biomassa vegetal global, ao mesmo tempo que aumenta o rendimento das culturas agrícolas em todo o mundo.

A CLINTEL também rejeitou a narrativa de que o aquecimento global está ligado ao aumento de desastres naturais como furacões, inundações e secas, sublinhando que “não há provas estatísticas” para apoiar estas afirmações.

Não há emergência climática. Portanto, não há motivo para pânico e alarme. Opomo-nos veementemente à política prejudicial e irrealista de “emissões líquidas zero de CO²” proposta para 2050. Opte pela adaptação em vez da mitigação; a adaptação funciona sejam quais forem as causas”, afirmou.

“Acreditar no resultado de um modelo climático é acreditar no que os criadores do modelo colocaram nele [a “agenda”]. Este é precisamente o problema da discussão climática de hoje, para a qual os modelos climáticos são centrais. A ciência climática degenerou numa discussão baseada em crenças e não numa ciência sólida e autocrítica. Não deveríamos libertar-nos da crença ingênua em modelos climáticos imaturos?”

Modelos climáticos e reflexão da luz solar

Entre os signatários do CLINTEL estão dois ganhadores do premio Nobel – os físicos John Francis Clauser, dos Estados Unidos, e Ivan Giaever, um norueguês-americano.

Clauser fez um acréscimo significativo aos modelos climáticos para descartar a narrativa do aquecimento global: a luz visível refletida pelas nuvens cúmulos que, em média, cobrem metade da Terra.

Os atuais modelos climáticos subestimam enormemente este aspecto da reflexão das nuvens cúmulos, que desempenha um papel fundamental na regulação da temperatura da Terra. Clauser disse anteriormente ao presidente Joe Biden que discordava de suas políticas climáticas.

Em maio, Clauser foi eleito para o conselho de administração da CO2 Coalition, um grupo que se concentra nas contribuições benéficas do dióxido de carbono no meio ambiente.

“A narrativa popular sobre as alterações climáticas reflete uma perigosa corrupção da ciência que ameaça a economia mundial e o bem-estar de bilhões de pessoas”, disse Clauser numa declaração de 5 de Maio.

A ciência climática equivocada transformou-se em pseudociência jornalística de choque massiva. Por sua vez, a pseudociência tornou-se um bode expiatório para uma ampla variedade de outros males não relacionados“. [imposição de agendas ocultas]

“Ele foi promovido e ampliado por agentes de marketing empresarial, políticos, jornalistas, agências governamentais e ambientalistas igualmente equivocados. Na minha opinião, não existe uma crise climática real.”

Falsas previsões do Juízo Final, uma questão presidencial

A declaração de CLINTEL contra a narrativa das alterações climáticas contraria a propaganda espalhada pelos alarmistas climáticos que há muito previram cenários apocalípticos desencadeados pelo aquecimento global – nenhum dos quais alguma vez se tornou realidade.

Em 1970, alguns cientistas climáticos previram que a Terra entraria numa nova era glacial no século XXI. O especialista em poluição James Lodge previu que “a poluição do ar pode destruir o sol [??!!] e causar uma nova era glacial no primeiro terço do novo século”, segundo o jornal The Boston Globe.

Em maio de 1982, Mostafa Tolba, então diretor executivo do programa ambiental das Nações Unidas, disse que se o mundo não mudasse de rumo, enfrentaria uma “catástrofe ambiental que testemunharia uma devastação tão completa e irreversível como qualquer holocausto nuclear”… em 2000.

Em junho de 2008, James Hansen, diretor do Instituto Goddard de Ciências Espaciais da NASA, disse que dentro de cinco a 10 anos, o Ártico não teria mais gelo no verão. À medida que os alarmistas climáticos, à serviço de seus senhores, continuam a espalhar propaganda sobre o aquecimento global, o tema tornou-se um problema na corrida presidencial de 2024, com vários candidatos a rejeitá-lo abertamente.

Numa publicação de 13 de julho no Tweeter, o candidato presidencial democrata Robert F. Kennedy Jr. disse que as alterações climáticas “estão sendo usadas para nos controlar através do medo”.

“A liberdade e os mercados livres são uma forma muito melhor de acabar com a poluição. Os poluidores enriquecem fazendo o público pagar pelos danos que causam”, disse ele.

Durante o primeiro debate presidencial do Partido Republicano em 2024 , o candidato Vivek Ramaswamy chamou as alterações climáticas de uma “farsa”.

“A realidade é que a agenda anticarbono é o cobertor molhado sobre a nossa economia. E a realidade é que morrem mais pessoas devido a más políticas de alterações climáticas do que devido às alterações climáticas reais”, disse ele.

Altas temperaturas, repressão aos eletrodomésticos de Biden

Os ativistas climáticos [zumbis] têm insistido que o aquecimento global é responsável pelo aumento das temperaturas nos Estados Unidos, alegando mesmo que as temperaturas estão a atingir níveis recordes.

Numa entrevista recente ao Epoch Times, John Christy, climatologista e professor de ciências atmosféricas na Universidade do Alabama em Huntsville, rejeitou a narrativa de altas temperaturas recordes.

“Regionalmente, o Oeste registou o maior número de registos de verão quente nos últimos 100 anos, mas o Vale do Ohio e o Alto Centro-Oeste estão a registar o menor número”, disse ele. “ Para os Estados Unidos como um todo, os últimos 10 anos produziram apenas um número médio de registros. A década de 1930 ainda é a campeã [de calor].”

As políticas relativas às alterações climáticas têm sido utilizadas para justificar mudanças radicais no estilo de vida nos Estados Unidos pelo Departamento de Energia, como a restrição de uso de eletrodomésticos e, por vezes, até mesmo a sua proibição total.

Em Junho, o Departamento de Energia propôs regras que exigiriam que os ventiladores de teto se tornassem mais eficientes em termos energéticos, um desenvolvimento que poderia levar os fabricantes a desembolsar $ 86,6 milhões de dólares por ano em “aumento dos custos dos equipamentos”.

Em Fevereiro, o DOE propôs regras de eficiência energética destinadas aos fogões a gás que afetariam metade de todos os novos modelos desses fogões vendidos nos Estados Unidos, ao mesmo tempo que tornariam a maioria dos existentes não conformes.

Em Julho, a Comissão de Segurança dos Produtos de Consumo dos EUA propôs uma política que retiraria do mercado quase todos os geradores de gás portáteis existentes. A administração Biden já implementou a proibição de lâmpadas incandescentes, que entrou em vigor em 1º de agosto.


Estamos executando o nosso blog com as doações de nossos leitores. Como a receita de anúncios foi  “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site. Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *