Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Manipuladores de ‘Dementia’ Joe Biden se preparam para o Fracasso na Ucrânia

A portas fechadas, os manipuladores do governo se preocupam com o que a Ucrânia “pode realizar”. O [des]governo de ‘Dementia’ Joe Biden está se preparando discretamente para a possibilidade de que, se a contra-ofensiva da primavera da Ucrânia ficar aquém das expectativas, os críticos em casa e os aliados no exterior argumentarão que os Estados Unidos [a agenda do Deep State] também ficarão aquém.

Manipuladores de ‘Dementia’ Joe Biden se preparam para o Fracasso na Ucrânia

Fonte: Politico

O [des]governo do marionete senil presidente dos EUA, ‘Dementia’ Joe Biden, está “se preparando discretamente para a possibilidade” de que a tão anunciada ofensiva da Ucrânia não proporcione a “vitória total” que Kiev desejava, informou o Politico na segunda-feira, citando várias autoridades anônimas.

Embora o apoio público do governo dos EUA à Ucrânia seja “inabalável”, as autoridades expressaram temores em particular de que a Casa Branca possa ser pega em um fogo cruzado de críticas caso o ataque fique aquém das expectativas, disse a agência. Os ‘falcões’ da guerra alegariam que os EUA e seus aliados não deram à Ucrânia armas e munições suficientes, enquanto os ‘pombos’ veriam isso como uma prova de que Kiev não pode vencer.

“Se a Ucrânia não pode ganhar dramaticamente no campo de batalha, inevitavelmente surge a questão de saber se é hora de uma parada negociada para a luta”, disse Richard Haass, presidente do Conselho de Relações Exteriores, ao Politico. “É caro, estamos ficando sem munição, temos outras contingências ao redor do mundo [China] para as quais nos preparar.”

Uma autoridade, que pediu anonimato, disse que os EUA “enviaram” armas e equipamentos para a Ucrânia e “quase concluíram” tudo o que Kiev havia pedido. Mas a portas fechadas, os EUA estão  “preocupados com o que a Ucrânia pode realizar”.

Os militares dos EUA acreditam que o conflito está atolado em uma guerra de trincheiras, sem que nenhum dos lados seja capaz de avançar muito ou muito rápido. O Politico informou originalmente que a Ucrânia havia sofrido baixas de 100.000 soldados mortos, mas depois mudou isso para se referir ao total de baixas, incluindo os feridos. 

A agência também observou que as forças de Kiev passaram por “quantidades históricas sem munição e armamento” e que “mesmo a produção prodigiosa do Ocidente” foi incapaz de atender às suas necessidades [de fazer frente ao poderio bélico da Rússia].

O Pentágono agora duvida que a Ucrânia possa atingir seu objetivo de chegar à Crimeia, embora os militares dos EUA ainda esperem que isso possa “atrapalhar” as linhas de abastecimento russas.

Uma trégua negociada com a Rússia seria vendida ao público ocidental e ucraniano como um cessar-fogo temporário, “deixando a porta aberta para a Ucrânia recuperar mais de seu território em uma data futura”, disseram algumas autoridades americanas ao Politico. 

Isso já foi feito antes, com o Acordo de Minsk de 2015 – de acordo com as recentes admissões dos líderes alemães e franceses na época – embora o veículo não tenha mencionado isso.

As autoridades americanas também propuseram adoçar o acordo com “garantias de segurança semelhantes às da OTAN” para Kiev, mais dinheiro da UE e ainda mais armas para os militares ucranianos, enquanto “reencontram a China” para pressionar a Rússia a negociar.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *