Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Meteorologistas e Cientistas Explicam Porque “NÃO HÁ Emergência Climática”

Modelagem falha, [Agenda Oculta] e retórica exagerada abafando a realidade científica em prol da manipulação e controle por dinheiro e pelo poder, dizem especialistas em clima. Não há Nenhuma Emergência Climática. E as mensagens alarmistas promovidas pelas elites globalistas são puramente políticas. Foi o que afirmaram 1.609 cientistas e profissionais informados quando assinaram a  “Declaração Climática Mundial” do Global Climate Intelligence Group.

Meteorologistas e Cientistas Explicam Porque “NÃO HÁ Emergência Climática”

Fonte: The Epoch Times

“A ciência climática deveria ser menos política, enquanto as políticas climáticas deveriam ser mais científicas”, começa a declaração. “Os cientistas deveriam abordar abertamente as incertezas e os exageros nas suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos deveriam contabilizar imparcialmente os custos reais, bem como os benefícios imaginados das suas medidas políticas.”

O grupo é um “vigilante climático” independente fundado em 2019 pelo professor emérito de geofísica Guus Berkhout e Marcel Crok, um jornalista científico. Segundo o seu site , o objetivo da organização é “gerar conhecimento e compreensão das causas e efeitos das mudanças climáticas, bem como dos efeitos da política climática”. E fá-lo através de uma análise objetiva dos fatos e do envolvimento em investigação científica sobre as alterações climáticas e a política climática.

Os signatários da declaração incluem cientistas ganhadores do Prêmio Nobel, físicos teóricos, meteorologistas, professores e cientistas ambientais em todo o mundo. E quando o Epoch Times perguntou a alguns seletos por que assinaram a declaração afirmando que a “emergência climática” é uma farsa, todos afirmaram uma variação de “porque é verdade”[de que é UMA FARSA] .

“Assinei a declaração porque acredito que o clima não é mais estudado cientificamente. Em vez disso, tornou-se um item de fé”, disse Haym Benaroya , ilustre professor de engenharia mecânica e aeroespacial da Universidade Rutgers, ao Epoch Times.

“A Terra aqueceu cerca de 2 graus F desde o final da Pequena Idade do Gelo, por volta de 1850, mas isso dificilmente constitui uma emergência – ou mesmo uma crise – uma vez que o planeta tem estado ainda mais quente ao longo dos últimos milénios”, Ralph Alexander, um físico aposentado e autor do site “Science Under Attack”, disse ao Epoch Times.

“Há muitas evidências de que as temperaturas médias foram mais altas durante o chamado Período Quente Medieval (centrado por volta do ano 1000), o Período Quente Romano (quando uvas e frutas cítricas eram cultivadas na agora muito mais fria Grã-Bretanha) e no início Holoceno (após o término da última Idade do Gelo regular).”

A emergência climática é uma “ficção”, disse ele inequivocamente.

Foram 1.609 cientistas e profissionais informados que assinaram a “Declaração Climática Mundial” do Global Climate Intelligence Group. (The Epoch Times)

A ‘Emergência Climática’

As atividades humanas e os gases com efeito de estufa resultantes são a causa do aquecimento global, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC). Especificamente, o IPCC afirma que em 1750, as concentrações atmosféricas de dióxido de carbono (CO²) eram de 280 partes por milhão (ppm), e hoje, as concentrações atmosféricas de CO² são de 420 ppm, o que afeta a temperatura.

O IPCC é o órgão da ONU que avalia a “ciência relacionada com as alterações climáticas”. Foi criado em 1988 pela Organização Meteorológica Mundial e pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente para ajudar os decisores políticos a desenvolver políticas climáticas.

Edwin Berry, físico teórico e meteorologista consultor certificado, disse que uma das teorias centrais do IPCC é que o CO² natural permaneceu constante em 280 ppm desde 1750 e que o CO² humano é responsável pelo aumento de 140 ppm. Esta teoria do IPCC torna o CO² humano responsável por 33% do nível total de CO² atual, disse ele ao Epoch Times.

Consequentemente, para diminuir as temperaturas, afirma o IPCC, temos de reduzir o CO² causado pelo homem – daí a pressão atual dos legisladores e ativistas climáticos para fazer a transição forçada do uso de derivados de petróleo nos transportes mundiais para veículos elétricos, livrar-se dos combustíveis fósseis e, em geral, reduzir todas as atividades que contribuem para o CO² causado pelo homem. 

Toda essa premissa, segundo Berry, é problemática [e ABSOLUTAMENTE FALSA]. “A percepção pública do dióxido de carbono é que ele vai para a atmosfera e permanece lá”, disse Berry. “Eles acham que isso simplesmente se acumula. Mas isso não acontece desta forma.”

Ele explicou que quando você olha para o fluxo de dióxido de carbono – “fluxo” significa o movimento do carbono de um reservatório de carbono para outro, ou seja, através da fotossíntese, da ingestão de plantas, e de volta através da respiração – um nível constante de 140 ppm requer um fluxo contínuo de 40 ppm por ano de dióxido de carbono, porque, de acordo com o IPCC, o dióxido de carbono tem um tempo de renovação de 3,5 anos (o que significa que as moléculas de dióxido de carbono permanecem na atmosfera durante cerca de 3 anos e meio).

“Um nível de 280 ppm é o dobro disso – 80 ppm de entrada. Agora, estamos dizendo que a entrada de dióxido de carbono [CO²] humano é um terço do total. Até mesmo os dados do IPCC dizem: ‘Não, a entrada de dióxido de carbono humano é de cerca de 5% a 7% do fluxo total de dióxido de carbono na atmosfera'”, disse ele.

Assim, para compensar a falta do necessário fluxo de dióxido de carbono de origem humana para a atmosfera, o IPCC afirma que, em vez de ter um tempo de rotação de 3,5 anos, o CO² humano permanece na atmosfera durante centenas ou mesmo milhares de anos.

“[O IPCC está] dizendo que algo está diferente no dióxido de carbono humano e que ele não pode fluir da atmosfera tão rapidamente quanto o dióxido de carbono natural”, disse Berry. “Bem, os cientistas do IPCC – quando gastaram, o quê, bilhões de dólares? – deveriam ter feito uma pergunta simples: ‘Uma molécula humana de dióxido de carbono é exatamente idêntica a uma molécula natural de dióxido de carbono?’ E a resposta é sim, claro!

“Bem, se as moléculas humanas e naturais de CO² são idênticas, os seus tempos de saída devem ser idênticos. Portanto, toda a ideia de que dizem que está lá há centenas ou milhares de anos está errada”. Berry disse que isso significa que é a natureza – e não as atividades humanas – que causou o aumento do CO². E, consequentemente, as tentativas de diminuir o CO² humano são completamente inúteis.

“A crença de que o CO² humano impulsiona o aumento do CO² pode ser a maior ilusão pública e a fraude mais dispendiosa da história”, disse Berry.

Ele ressaltou que, na ciência, o método científico diz que não é possível provar que uma teoria é 100% verdadeira – apenas que os dados a apoiam – mas é possível provar que ela é falsa. Fornecendo um exemplo, Berry disse que a lei da gravidade de Sir Isaac Newton foi a teoria proeminente por muito tempo, mas então Albert Einstein fez uma correção que refutou a teoria de Newton.

imagem-5490987
Fumaça sobe de uma fábrica de aço na Mongólia Interior, China, em 3 de novembro de 2016. (Kevin Frayer/Getty Images)

“Volte ao método científico: o IPCC propôs uma teoria, e se conseguirmos provar que está errada, vencemos. E eu provei, nesse caso, que a teoria deles está errada”, disse ele. Berry levou sua pesquisa um passo adiante e calculou o ciclo do carbono humano usando os dados do ciclo do carbono do próprio IPCC.

“A previsão do mesmo modelo não dá aos seres humanos uma produção de 140 ppm. Aproxima-se de 30 ppm. O que essencialmente significa que o IPCC está errado”, disse ele. Ele disse que, usando os dados do IPCC, a natureza é responsável por cerca de 390 ppm de CO², e os humanos são responsáveis ​​apenas por cerca de 30 ppm – e não por 140 ppm.

“Agora, alguém poderia perguntar: ‘Bem, os dados do IPCC estão corretos?’ Minha resposta é: ‘Não sei’. Mas não preciso saber porque o IPCC usou esses mesmos dados para enganar o mundo. Quero mostrar que a lógica deles está incorreta usando os seus dados”, disse ele. “O IPCC não foi criado como uma organização científica.”

O Sr. Berry disse que o IPCC não se envolve em ceticismo em relação às suas teorias e, portanto, ao método científico que rege toda a ciência.

“Eles foram criados como uma organização política para convencer especificamente o público de que o dióxido de carbono estava a nos causar problemas”, disse ele.

Quando questionado sobre por que há uma pressão para declarar uma “emergência climática”, Berry disse que tudo se resume a dinheiro e controle

“Essa é a única razão real para isso. Não há emergência climática”, disse ele.

Berry disponibiliza ao público todas as suas pesquisas, bem como as pesquisas e correspondências de colegas que tentam refutar suas teorias .

A Política e os Modelos Climáticos

Tal como Berry, Alexander diz que a ciência se tornou mais política do que científica. “Simplesmente não é verdade que o clima da Terra esteja ameaçado. Essa afirmação é muito mais política do que científica”, disse ele.

“A ciência baseia-se em evidências observacionais, juntamente com a lógica, para dar sentido às evidências. Existem muito poucas evidências, ou nenhuma, de que as emissões humanas de CO² causem o aumento das temperaturas. Existe uma correlação entre os dois, mas a correlação não é particularmente forte: a Terra arrefeceu, por exemplo, entre 1940 e 1970, enquanto o nível atmosférico de CO² continuou a subir. Os modelos climáticos computacionais são tudo o que liga o aquecimento global ao CO².”

Quando questionado por que o CO² foi apontado como a causa da emergência climática, Alexander disse que isso remonta a James Hansen, astrofísico e chefe do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA de 1981 a 2013, e um ambientalista fervoroso.

Pessoas participam da 48ª sessão do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) em Incheon, Coreia do Sul, em 1º de outubro de 2018. (Jung Yeon-je/AFP via Getty Images)
Pessoas participam da 48ª sessão do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) em Incheon, Coreia do Sul, em 1º de outubro de 2018. (Jung Yeon-je/AFP via Getty Images)

“Hansen desenvolveu um dos primeiros modelos climáticos computacionais e começou a fazer previsões altamente exageradas sobre o aquecimento futuro, nenhuma das quais se concretizou”, disse Alexander. “Isso incluiu o testemunho que ele deu numa audiência no Senado em 1986, testemunho considerado como tendo desencadeado a subsequente narrativa antropogênica do aquecimento global.”

Apesar das suas previsões não terem sido concretizadas, os esforços do Sr. Hansen contribuíram para a fundação do IPCC, disse Alexander.

“Embora aparentemente o IPCC seja um órgão científico, as descobertas dos seus cientistas são frequentemente distorcidas e alardeadas pelo governo e pelos burocratas das ONG que dominam a organização”, disse ele. “Os burocratas desempenharam um papel importante no exagero das conclusões científicas dos sucessivos relatórios do IPCC e na escalada da retórica dos seus pronunciamentos oficiais. Daí as recentes proclamações do secretário-geral da ONU sobre uma Terra ‘em ebulição’.”

No dia 27 de julho, o Secretário-Geral António Guterres disse :

“ As alterações climáticas estão aqui. É assustador. E é apenas o começo. A era do aquecimento global terminou; a era da ebulição global chegou. O ar é irrespirável. O calor é insuportável. E o nível de lucros dos combustíveis fósseis e a inação climática são inaceitáveis.”

Alexander disse que uma resposta honesta ao que está causando o aquecimento da Terra é: “Simplesmente não sabemos neste momento”, mas isso não significa que os cientistas estejam com falta de ideias.

“As chances do CO² ser o principal culpado são muito pequenas. O CO² sem dúvida contribui, mas há vários ciclos naturais que provavelmente também contribuem”, disse ele. “Isso inclui a variabilidade solar e os ciclos oceânicos, ambos ignorados nos modelos climáticos – porque não sabemos como incorporá-los – ou mal representados. Embora os ativistas climáticos lhe digam o contrário, a ciência climática ainda está na sua infância, e há uma muita coisa que ainda não entendemos sobre o nosso clima.”

Ele disse que um exemplo é um artigo de pesquisa recente que estimou que mudanças na produção solar poderiam explicar 70 a 80 por cento do aquecimento global. Pesquisas como essa não ganham muita força porque o IPCC está comprometido com a ideia de que o CO² humano é a causa do aquecimento global.

Como crítica adicional, Alexander disse que John Christy, climatologista e professor de ciências atmosféricas na Universidade do Alabama em Huntsville e diretor do Earth System Science Center, demonstrou claramente que os modelos climáticos exageram o aquecimento futuro de curto prazo de dois para três vezes.

Para encontrar medições mais precisas, Christy e Roy Spencer,  climatologista , ex-cientista da NASA e agora principal cientista pesquisador da Universidade do Alabama em Huntsville, desenvolveram um conjunto de dados de temperatura global a partir de observações de satélites de microondas.

Eles iniciaram seu projeto em 1989, analisaram dados que remontam a 1979 e descobriram que, em geral, desde 1979, a temperatura da Terra aumentou continuamente 0,23 graus Fahrenheit a cada 10 anos, de acordo com dados globais de satélite, disse Spencer em seu relatório. site .

Quanto ao motivo pelo qual os modelos climáticos são tão imprecisos, o Sr. Alexander disse: “As simulações de computador são tão confiáveis ​​quanto as suposições sobre as quais o modelo de computador é construído, e há muitas suposições que entram nos modelos climáticos. entender completamente requer aproximações”.

“Todas essas aproximações em grande e pequena escala são incorporadas ao modelo na forma de parâmetros numéricos ajustáveis ​​- frequentemente chamados de ‘fatores de correção’ por cientistas e engenheiros. O famoso matemático John von Neumann disse certa vez: ‘Com quatro [ajustáveis] parâmetros, posso encaixar um elefante e, com cinco, posso fazê-lo mexer a tromba.'”

O que o Sr. Neumann disse significa que as pessoas não deveriam ficar impressionadas quando um modelo complexo se ajusta a um conjunto de dados porque, com parâmetros suficientes, você pode ajustar qualquer conjunto de dados.

Benaroya repetiu as críticas do Sr. Alexander, mas foi mais longe em relação à modelagem climática.

“Todas as previsões do modelo climático estavam erradas”, disse Benaroya ao Epoch Times. “É importante compreender que um modelo computacional da atmosfera é inerentemente impreciso. Isto não é culpa dos investigadores.

“Isso se deve à enorme complexidade do clima – química; mecânica dos fluidos; transferência de calor; efeitos da radiação solar; efeitos da Terra; a modelagem dos oceanos, que podem reter enormes quantidades de calor; e os efeitos das nuvens … Nenhum modelo matemático colocado em um formato para ser analisado por um computador pode explicar todos esses efeitos. Muitos desses efeitos não são totalmente compreendidos. Também não é compreendido como esses efeitos são acoplados uns aos outros.”

Um supercomputador no Centro Alemão de Computação Climática (DKRZ) em Hamburgo, Alemanha, em 7 de junho de 2017. O DKRZ fornece computação de alto desempenho e serviços associados para institutos de pesquisa climática no país.  (Morris MacMatzen/Getty Images)
Um supercomputador no Centro Alemão de Computação Climática (DKRZ) em Hamburgo, Alemanha, em 7 de junho de 2017. O DKRZ fornece computação de alto desempenho e serviços associados para institutos de pesquisa climática no país. (Morris MacMatzen/Getty Images)

Benaroya disse que, além de não compreendermos totalmente a complexidade do clima, os dados disponíveis estão incompletos ou, em alguns casos, SÃO manipulados para se adequarem a uma narrativa.

“Houve vários relatos sobre a manipulação dos dados para garantir resultados que apontam para o próximo desastre climático”, disse ele. “Todas as previsões estavam erradas. Quero que o clima seja apolítico na ciência. As políticas devem basear-se na ciência. É nas políticas que entra a política, não nos fatos.”


Estamos executando o nosso blog com as doações de nossos leitores. Como a receita de anúncios foi  “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site. Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante. Disponibilizamos nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288. Pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)”.


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz.  Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]”. – Provérbios 1:20-23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *