browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

‘Meu trabalho é ajudar mulheres a dar à luz, mas fui proibida de usar a palavra ‘MÃE’ e ‘MULHER’

Posted by on 16/01/2022
MULHERES dão à Luz e, somente MÃES podem amamentar ….

Com a [idiotice da] “linguagem neutra” em termos de gênero se tornando obrigatória agora até para as parteiras, nós falamos com uma atendente de parto domiciliar que já teve o suficiente da “aquisição ‘TRANS’ orwelliana distópica” e acredita que JÁ é hora de enfrentá-la. “Dissociar-se do seu corpo e negar o que ele é, e então enquadrá-lo como algum tipo de “estado iluminado”… é realmente [muito] distorcido.”

Sanatório Geral, Enfermeira desabafa que: ‘Meu trabalho é ajudar mulheres a dar à luz, mas fui proibida de usar a palavra ”MÃE”

Fonte: Rússia Today

Palavras fortes que vão soar com muitos da parteira em casa Isabella Malbin , que é uma entre um número crescente de parteiras, doulas e enfermeiras falando sobre o que elas veem como uma “aquisição trans” do mundo do parto.

Uma conta de Twitter sediada no Reino Unido recentemente lançada, Sex Not Gender Nurses and Midwives, forneceu um fórum para transmitir seu ponto de vista. Mas a realidade para muitos profissionais de saúde é que falar publicamente é difícil, por medo de ser condenado ao ostracismo ou de ir contra sua formação.

Para se ter uma ideia das pressões que enfrentam, conversamos com Isabella, que acredita firmemente que a “ideologia TRANS” deve ser combatida. Ironicamente, seus pontos de vista passaram por uma grande transformação desde que ela começou seu treinamento de doula em 2016 em sua cidade natal, Nova York.

Ela disse: “Como a maioria das mulheres que entram na área do trabalho de parto e saúde da mulher, tenho um desejo muito sincero de melhorar a vida das mulheres, meninas e crianças. Ninguém entra em um espaço tão politizado onde há tanto trabalho que precisa ser feito. Entrei naquele espaço com a intenção de melhorar a vida de mulheres e crianças, desde o nascimento.”

Com 24 anos e ansiosa para abraçar a modernidade, Malbin não se surpreendeu que a primeira parte de sua formação não fosse focada em questões médicas, e em vez disso fosse chamada de ‘Competência Cultural’. Isso significava que ela e seus colegas foram ensinados a apagar as palavras ‘mãe’ e ‘mulher’ de seu vocabulário profissional. As substituições foram: ‘corpos de parto’, ‘pessoas de parto’, ‘menstruadora’, ‘pessoas que sangram’ e ‘amamentadora’.

Malbin refletiu: “Sou de Nova York, estudei arte… você não precisava dizer muito mais; Eu estava a bordo. Na época, eu não conseguia entender como isso machucaria alguém. Eu realmente não consegui pensar em nenhum raciocínio ou exemplo de por que isso tiraria alguma coisa de mim como mulher ou mulheres [em geral] usar essa linguagem.”

Como ela estava tão empenhada em tentar ser a melhor doula possível, Malbin não questionou essas instruções. Na verdade, o tom deixou claro como as objeções seriam formuladas. “Foi entregue como: ‘se você não está a bordo, você tem algum “trabalho interno” a fazer’” , disse ela. 

“Naquela época, algumas parteiras mais velhas escreveram uma carta sobre o perigo da linguagem neutra em termos de gêneroMinha treinadora mencionou isso como uma coisa horrível e vergonhosa que aconteceu no mundo do parto, que havia esse grupo de parteiras se opondo a esse ‘novo discurso’.  Imediatamente eu soube que qualquer oposição… era desaprovada.”

Malbin obteve sua qualificação e começou a ministrar sessões de treinamento para casais que esperavam filhos, usando a linguagem que lhe haviam dito para usar. Seu site e materiais profissionais não continham as palavras ‘mãe’ ou ‘mulher’.

Agora ela reflete sobre o que seus clientes devem ter sentido ao evitar essas palavras nas suas aulas. “Eu estava em uma sala com 12 casais vindo até mim para educação sobre o parto e nenhuma mulher na sala pensava que ela era um homem – mas eu continuaria a usar linguagem como ‘parto de pessoas’. Foi realmente inacreditável e eu fiz isso por três anos” , explicou ela.

“Se eles achavam estranho – como tenho certeza que a maioria deles achava – ninguém nunca me disse nada. Eu imagino que se eles acharam isso estranho, eles não queriam me ofender ou criar uma discórdia dentro do nosso relacionamento.”

Finalmente, houve uma rachadura na barragem e Malbin questionou a política linguística quando uma cesariana foi chamada de ‘parto de barriga’.

Ela disse: “É orwelliano [distópico] e não faz sentido; todo mundo sabe que uma cesariana não é apenas um parto de barriga. Quem estamos tentando proteger aqui? Isso é uma coisa de marketing que vejo apenas beneficiando os hospitais que estão vendendo esses partos de barriga”.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é TRANSGENERO-LGBTQzyxmtohlgkfbvy-controle-reptiliano-grey.png

“Qualquer mulher que fez cesariana sabe que é uma grande cirurgia abdominal, e qualquer mulher que teve um parto vaginal após uma cesariana sabe que não é a mesma coisa. Então, por que estamos fingindo que eles são? A quem serve fazer constantemente essas concessões [estupidez] com nossa língua?”

A partir de então, Malbin decidiu voltar a usar a linguagem que ela pessoalmente achava correta e abandonou a ‘Competência Cultural’ de seu treinamento. Isso teve um custo, pois em um curso de treinamento posterior ela foi expulsa por se recusar a ignorar os termos ‘mãe’ e ‘mulher’, apesar de explicar que aceitava se outros alunos pensassem de forma diferente.

Ela disse: “Fui denunciada como ‘insegura’ ao líder de um programa que convocou um fórum de gênero. [Então] um psicólogo fez uma encenação de um homem que pensa que é uma mulher me implorando para deixá-lo entrar no meu círculo de mulheres.”

“Eu disse: ‘Lamento muito saber que você está lidando com todas essas coisas, mas você não é uma mulher e este é um espaço ‘só para mulheres’, então obtenha a ajuda que você precisa, mas você não é bem-vindo aqui’ . Isso soa muito duro para muitas pessoas e é insano que seja o caso.”

Segundo Malbin, essa é uma situação comum – em que profissionais de saúde femininas envolvidas em partos não podem expressar uma opinião que discorde da ideologia TRANS. Colegas e outros online descrevem isso como não ter para onde ir.

“Eles não são livres para falar, eles não têm um fórum aberto, eles são arrancados mais rápido do que você pode dizer ‘ideologia TRANS’”, disse Malbin.

“Recebo mensagens e e-mails de mulheres de todo o mundo regularmente me dizendo que não podem falar ou que foram condenadas ao ostracismo. Não há nenhum tipo de espaço democrático ou espaço matizado onde as mulheres possam falar sobre essas questões. Essa ideologia é autoritária e se você questionar uma parte, você é instantaneamente considerado transfóbico.”

Juntamente com as parteiras, doulas e parteiras domiciliares, mães (e pais) também são impactadas pelo uso de linguagem neutra em termos de gênero. A maioria chega aos hospitais ou centros de parto felizes em aceitar a liderança dos profissionais. Portanto, é provável que cause um problema se eles forem atingidos por serem chamados de ‘menstruater’ [menstruadora] ou ‘chestfeeder’ [alimentadora de peito].

Mulheres vêm até mim e dizem: ‘Não sinto uma conexão com minha parteira porque ela acredita nessa ideologia’”, disse Malbin.

“O que já estamos lidando no parto é uma experiência muito desindividualizada onde a mulher é uma entre muitas. É como uma esteira rolante… ela entra, ela sai. Então você é incapaz de nomear suas partes ou se sente envergonhada ou hesitante em reivindicar seu corpo como uma mulher por medo de provocar alguém.”

Há também a realidade de que algumas mulheres podem se sentir desconfortáveis ​​ao serem examinadas por um homem. Eles podem se surpreender quando alguém com um nome feminino chega ao lado de sua cama, mas na verdade é um homem se identificando como mulher.

Malbin continuou : “Eu também acho que é um problema ter profissionais médicos que são homens fingindo ser mulheres, inserindo-se literalmente no interior do corpo das mulheres.

“Eu já discordo de ginecologistas e homens que se autodenominam parteiras e doulas, mas, além disso, se você adicionar um homem que está convencido de que é uma mulher e tem implantes mamários e está em uso de estrogênio por 10 anos, isso é um outro nível [de loucura].

“Já tive mulheres que compareceram a consultas ginecológicas e obstétricas pensando que vão ver uma mulher e é um homem. Imagine estar em um quarto sozinha com esse homem[!!!], e você não quer ofender, e já tirou as calças. Está acontecendo.”

O momento esta definitivamente com aqueles que apoiam à ideologia trans. E Malbin acredita que isso é uma preocupação para futuras parteiras ou doulas, pois elas precisam engolir quaisquer opiniões pessoais opostas ou potencialmente encontrar uma nova carreira.

Ela disse: “Se você quer aprender com uma faculdade de parteiras e eles estão fingindo não saber o que é uma mulher, é realmente alguém com quem você quer aprender ALGO? O que mais eles estão promovendo? As chances são de que eles também estejam promovendo a fala dupla de outras maneiras.

“Pergunte a si mesmo: você quer fazer parte de uma organização que está sendo intimidada? Quer acreditem ou não no que estão fazendo, você quer ser liderado por alguém que sucumbiu ao bullying da máfia TRANS? Existem alguns programas ainda por aí que permaneceram fortes e se recusaram a cumprir esse absurdo, mas são raros.

Chris Sweeney é um jornalista, autor e colunista que escreveu para jornais como The Times, Daily Express, The Sun e Daily Record, juntamente com várias revistas de venda internacional. Siga-o no Twitter @Writes_Sweeney


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to ‘Meu trabalho é ajudar mulheres a dar à luz, mas fui proibida de usar a palavra ‘MÃE’ e ‘MULHER’

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.