Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Mídia de Israel afirma que a Invasão em Gaza foi adiada por receio de Ataque Total do Hezbollah pelo Norte

Parecia absolutamente claro na quinta-feira: a contra-invasão das FDI em Gaza começaria na sexta ou no sábado. As FDI deram certos prazos para os palestinos evacuarem o norte de Gaza, com os prazos expirando ao meio-dia de sexta-feira. A batida dos tambores da guerra em direção a uma invasão havia começado já entre domingo e segunda-feira e estava ficando cada vez mais alta, com a Força Aérea já tendo preparado o caminho com vários dias de bombardeios fulminantes.

Por que é que a invasão terrestre de Gaza foi adiada desde sexta-feira? Estaria o Hezbollah esperando Israel atacar Gaza até que suas forças estejam num atoleiro? – análise.

Fonte: Jerusalém Post

No entanto, agora já chegamos ao final da segunda-feira e, na verdade, os sinais (que também podem ser uma guerra psicológica) são de que a invasão da FDI está mais distante e ainda não é iminente.

O que mudou?

Uma série de fatores parecem ter causado o atraso, mas fontes disseram ao The Jerusalem Post que um fator tem sido uma preocupação crescente de que o Hezbollah esteja aguardando o momento em que a maioria das forças terrestres das FDI se comprometam com Gaza para abrir uma frente completa com ataques ao norte de Israel pela fronteira com o Líbano.

Nesta narrativa, o fato de o Hezbollah não ter participado no início da guerra no sábado de manhã e ter mantido os seus ataques a Israel num limiar bastante baixo não prova que esteja dissuadido, mas faz parte de uma elaborada falsificação para atrair as FDI com uma falsa sensação de segurança, semelhante à que o Hamas conseguiu no sul. 

Como alimento para tais suspeitas, as fontes observariam que a inteligência israelita e o escalão político devem ter um novo nível de humildade sobre as suas avaliações das intenções do inimigo depois de perderem o barco completamente em relação ao Hamas no sul. 

Isto não impedirá as FDI de invadir Gaza, mas pode ter causado um atraso na melhor verificação dos sinais relativos às intenções do Hezbollah, bem como no reforço adicional das forças do Norte, caso o pior acontecesse.

Há também um reconhecimento cada vez maior nas FDI e a nível político, de que as Forças de Defesa de Israel não fazem nada parecido há décadas, e que apressar-se despreparado, simplesmente para satisfazer mais rapidamente a sede de vingança da população em geral, pode ser um grande erro. .

Nesta perspectiva, a invasão terrestre da Segunda Guerra do Líbano em 2006 foi uma confusão completa, com o poder aéreo a ser a parte bem-sucedida, sendo as invasões de Gaza de 2008-9 e 2014 mais simbólicas. Por outras palavras, com todas as muitas “rondas” de conflito, as FDI não devem ter excesso de confiança no seu talento na condução de grandes operações de invasão de terras.

Estratégia contra o Hamas

Embora fosse impossível conseguir uma “surpresa” estratégica, dado que o Hamas iniciou esta guerra, as FDI também gostariam de conseguir pelo menos uma surpresa táctica contra o Hamas, o que requer planeamento.

Uma série de outros factores de atraso poderão ser a pressão dos EUA para evitar vítimas civis, as preocupações internas sobre os reféns israelitas em Gaza e a concessão de mais tempo para a evacuação dos palestinianos.

Outro fator é a resposta dos EUA e do mundo até à presente data. Atualmente, Israel sente um enorme apoio e gostaria de ter mais tempo para trabalhar para lidar com o Hamas. Uma questão que surge neste momento é se os principais líderes das FDI e civis estão avaliando mal o relógio.

Soldados israelenses vistos em uma área de preparação perto da fronteira sul de Israel com Gaza, 12 de outubro de 2023. (crédito: Chaim Goldberg/Flash90)

De acordo com os números do Hamas, já existem alguns milhares de palestinos mortos e muitos mais feridos. Em 2014, quando 2.000 palestinos foram mortos, pelo menos metade eram civis, apesar das tentativas das FDI de evitar vítimas civis.

Essa é a “névoa” da guerra. No momento em que esses números aumentarem, o que provavelmente acontecerá quando a invasão começar de forma real, haverá uma poderosa pressão dos EUA e do mundo para parar. Além disso, o Jerusalém Post confirmou a partir de muitas fontes que ninguém ainda decidiu o que acontecerá a Gaza depois que as FDI supostamente derrubarem o governo do Hamas.

Isto e todos os outros fatores acima mencionados deixaram os altos funcionários israelitas a bufar e a bufar em busca de novos superlativos para o que farão ao Hamas… embora ainda basicamente tenham feito muito pouco de novo durante cerca de mais de uma semana.

Só depois da guerra saberemos se este tempo extra foi gasto sabiamente na elaboração de um plano de invasão e pós-invasão mais inteligente e eficaz, ou se o atraso será encarado como uma perda de dias preciosos para “mudar a realidade em Gaza” e evitar futuros ataques do Hamas a curto prazo.


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus ender eços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *