browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Militares da USNAVY e seu testemunho do caso UFO-Nimitz Encounter

Posted by on 31/12/2019

O que exatamente os pilotos da Marinha do porta aviões USS Nimitz  (CVN-68) encontraram 15 anos atrás na costa sul da Califórnia, quando pilotos de caça avistaram e perseguiram vários OVNIs ? Esses homens também estavam lá … e é hora de contar o seu lado dessa história que foi mantida [como sempre] em sigilo enquanto eles estavam em serviço na Marinha. Os cinco homens compartilham um relacionamento fácil, em brincadeiras e piadas enquanto também comunicam um profundo senso de respeito mútuo. É claro que todos compartilham o vínculo de terem servido nas forças armadas. No entanto, para Gary Voorhis, Jason Turner, P.J. Hughes, Ryan Weigelt e Kevin Day – reunidos em um bate-papo em grupo privado da  Popular Mechanics -, algo muito maior os une além de simplesmente servir na Marinha dos EUA.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

As Testemunhas militares do fenômeno OVNI no caso UFO-Nimitz Encounter

Por 

Esses homens também compartilham uma conexão de serem testemunhas de um dos casos de OVNIs mais convincentes da história moderna: os Encontros de OVNIs do Porta Aviões USS Nimitz (CVN-68), um evento que a Marinha  confirmou recentemente de fato envolveu ” fenômenos aéreos não identificados“.

Em grande parte ofuscados por um vídeo granulado em preto e branco e por uma testemunha ocular de um ex-piloto de caça estilo Topgun, esses veteranos oferecem novos e intrigantes detalhes sobre o que ocorreu com a frota naval  Navy Strike Carrier Group-11, enquanto navegava cerca de 160 quilômetros ao largo da costa sul da Califórnia em 2004 – detalha que um ex-agente de inteligência de carreira [Luis Elizondo] que investigou o UFO-Nimitz Encounter enquanto estava no Pentágono não pode confirmar, negar ou mesmo discutir o caso com a Popular Mechanics.

As “testemunhas” aqui apresentadas do USS NIMITZ UFO Encounter. da esquerda para à direita: Patrick “PJ” Hughes, Dave Beaty, Kevin Day, Gary Voorhis e Jason Turner. DAVE BEATY

Por fim, esses cinco homens – os “outros” testemunhos do porta aviões Nimitz – podem ser essenciais para entender um evento que um dos principais especialistas em defesa da aviação diz que o objeto filmado pelos radares e visto pela tripulação da marinha “provavelmente não era um dos nossos”.

Então, façamos a pergunta: de quem era?

A INTERCEPTAÇÃO

Estacionado no USS Princeton , um cruzador da classe Ticonderoga de mísseis teleguiados, enquanto a frota naval  liderada pelo porta aviões USS Nimitz (CVN-68) começou a operar no início de novembro de 2004 para um exercício de treinamento de rotina, essa seria a última vez que o então oficial de terceira classe Gary Voorhis embarcaria em um navio da Marinha dos EUA.

Depois de quase seis anos de serviço na Marinha, incluindo duas turnês de combate, Voorhis estava pronto para mudar para a vida civil fora do mundo sem paixão dos cascos de metal cinza e dos vastos mares agitados.

“O grupo naval seria implantado em alguns meses e havia vários novos sistemas, como o radar Spy-1 Bravo”, disse Voorhis à Popular Mechanics . “Era realmente sobre tirar todas as arestas do sistema.”

Enquanto conversava com alguns técnicos de radar de Princeton , Voorhis diz que ouviu que eles estavam capturando “faixas fantasmas” e “desordem” nos radares. Para Voorhis, o único técnico de sistemas de radar do cruzador USS  Princeton para o CEC (Cooperative Engagement Capability) de ponta e o AEGIS Combat System, as notícias sobre esses sistemas possivelmente com mau funcionamento foram especialmente preocupantes.

Temendo que o novo sistema de radar passivo AN / SPY-1B do navio estivesse com defeito, Voorhis diz que os sistemas de controle de ar foram desativados e recalibrados em um esforço para limpar – o que se supõe serem os falsos sinais de retornos de radar.

“Depois que terminamos toda a recalibração e a recuperamos, as faixas ficaram mais nítidas e claras”, diz Voorhis. “Às vezes os objetos na tela estavam a uma altitude de 80.000 [24 mil metros] ou 60.000 pés [18 mil metros]. Outras vezes, eles chegavam a 30.000 pés [9 mil metros], indo a 100 nós [185,2 km/hora]. Suas seções transversais do radar não combinavam com nenhum sinal de aeronave conhecida; eles eram 100% vermelhos.  Sem nenhum som, sem IFF (Identificação Amigo ou Inimigo).”

Sentado no Combat Information Center (CIC) [Centro de Informações de Combate] do cruzador USS Princeton, o  chefe especialista de operações Senior Kevin Day recebeu a tarefa do papel crítico de proteger o espaço aéreo em torno do grupo naval de ataque. “Meu trabalho no navio era controlar os radares e identificar tudo o que voava nos céus nas proximidades”, disse Day no documentário The Nimitz Encounters.
image

O USS Princeton Command Information Center e suas inúmeras telas de radar [Centro de Informações de Combate] . PIXEL-PUSHRFLICKR

Por volta de 10 de novembro de 2004, a cerca de 160 quilômetros da costa de San Diego, na Califórnia, Day começou a perceber estranhos rastros de radar perto da área da ilha de San Clemente. “A razão pela qual eu digo que eles são estranhos [é] porque eles estavam aparecendo em grupos de cinco a dez por vez e estavam bem próximos um do outro. Em altitude de 28.000 pés [8.400 metros]  voando em velocidade de cem nós seguindo para o sul”, disse Day no documentário.

Em outro clipe do YouTube, Ryan Weigelt, então segundo oficial e especialista em sistemas de propulsão do  helicóptero SH-60B “Seahawk” , lembrou o tom a bordo do cruzador de mísseis USS Princeton da época. “O Chefe Sênior, seu nome Day, estava sendo chamado pelo sistema de comunicações, sem dúvida, a cada dois minutos.” Weigelt disse. “Lembro-me de ouvir algo, como se estivesse acontecendo um grande cenário do mundo real, mas eu simplesmente não entendi.”

Enquanto o Chefe Sênior Day e os controladores de tráfego aéreo do USS Princeton continuavam monitorando os estranhos retornos do radar, Voorhis diz que começou a aproveitar a oportunidade de usar os novos e avançados sistemas de rastreamento do navio para vislumbrar o que eram esses objetos.

“Quando eles apareciam no radar”, diz Voorhis, “eu pegava o rumo indicado e depois corria para a ponte e olhava através de um par de binóculos muito ampliados na direção em que os retornos estavam vindo”. Descrevendo o que ele viu durante o dia, Voorhis diz que os objetos estavam longe demais para se distinguir qualquer característica distintiva com binóculos; no entanto, ele podia ver claramente algo se movendo erraticamente à distância.

“Eu não conseguia entender os detalhes, mas eles estavam pairando por lá, e de repente, em um instante, eles disparavam para outra direção e paravam novamente”, diz Voorhis. “À noite, eles emitiam uma espécie de brilho fosforescente e eram um pouco mais fáceis de ver do que durante o dia.”

image

Um resumo executivo não oficial do encontro com UFOs da frota naval capitaneada pelo porta aviões USS Nimitz. WIKIMEDIA COMMONS

Em 14 de novembro, os estranhos retornos nos radares já estavam aparecendo fazia quase uma semana. Com um exercício de defesa aérea programado para aquela manhã, Day convenceu seu comandante a deixá-lo direcionar as aeronaves para tentar interceptar esses retornos anômalos do radar. A decisão de Day levou o comandante do esquadrão aéreo VFA-41, David Fravor, a bordo do porta aviões USS Nimitz (CVN-68) a encontrar o que um resumo executivo não oficial” descreveu mais tarde como “um ovo alongado ou um formato cilíndrico com um eixo horizontal na linha média discernível” com aproximadamente 46 pés [cerca de 14 metros] de comprimento.

Com a interceptação muito distante, mesmo para binóculos de alta potência, Voorhis, Day e o resto da tripulação do cruzador USS  Princeton só podiam ouvir as conversas ao vivo, pois a aeronave não identificada evitava a aproximação dos dois aviões de combate sem nenhum esforço, demonstrando “uma aerodinâmica e capacidade de propulsão e aceleração avançadas. Derrotados em sua tentativa de interceptação por um objeto que é coloquialmente conhecido por sua forma “cilindrica” [tic-tac], Fravor e seu ala retornaram em seus aviões ao porta aviões USS  Nimitz.

Em um voo subsequente de outro caça F/A-18 E Super Hornet, graças ao moderníssimo pod ATFLIR [Advanced Targeting Forward-Looking Infrared] de ponta, o tenente Chad Underwood capturaria com sucesso o vídeo do   “Veículo Aéreo Anômalo” ou “AAV“.  Por 13 anos, essa incrível história de uma frota naval completa da Marinha dos EUA, capitaneada pelo porta aviões nuclear USS Nimitz, sendo assediada e amplamente superada pelos OVNIs ficou completamente desconhecida pelo grande público. 

No entanto, em dezembro de 2017, depois da criação da To the Stars Academy of Arts & Science – um think tank UFO de nome verbal, fundado pelo ex-líder do Blink-182, Tom DeLonge e por Luiz Elizondo, [ex funcionário  agente de inteligência de longa carreira, sua experiência inclui trabalhar no Exército dos EUA, no Departamento de Defesa (DoD) e no National Counterintelligence Executive, e passou um tempo como Director of National Intelligence] – e do New York Times publicar um clipe de 1:16 do vídeo da ATFLIR, o mundo de repente tornou-se muito consciente e familiarizado com o caso USS Nimitz Enconters”.

 

O que não foi discutido, no entanto, é o que as testemunhas alistadas à bordo dos navios da frota do porta aviões nuclear USS Nimitz dizem que aconteceu após a agora famosa interceptação com o UAP em forma de “cilindro”. O testemunho deles levanta muitas mais perguntas, debates e até gerou alguma controvérsia.

O MISTÉRIO

Como muitos outros marinheiros a bordo do cruzador USS Princeton, o ex-oficial de terceira classe Jason Turner sabia que algo estava acontecendo, mas não sabia exatamente o que estava acontecendo dentro do Combat Information Center (CIC). Foi apenas durante um encontro casual ao entregar suprimentos ao Signal Exploitation Space Center [Espaço de Exploração de Sinais] da embarcação que Turner se viu sendo outra testemunha involuntária do evento OVNI do grupo naval do porta aviões USS Nimitz .

Um vídeo reproduzido em um dos monitores do console imediatamente chamou a atenção de Turner. Nele, o UFO “Tic Tac” realizou várias manobras aparentemente impossíveis, não vistas no breve clipe lançado em 2017. Turner descreveu o que viu no documentário Nimitz Encounters:

“Essa coisa estava ficando louca, como se conduzia. É incrível a quantidade de forças g que isso colocaria no corpo de um ser humano. Ele fez uma manobra, como se eles estivessem perseguindo-a diretamente, estava indo com eles, então essa coisa parou de girar, simplesmente se foi. Num instante. O vídeo que você vê agora, é apenas um pequeno trecho no início de todo o vídeo. Mas essa coisa foi muito mais do que você vê neste vídeo que saiu ao público”.

Mesmo agora, Turner ainda parece visivelmente perturbado com o que viu naquele dia. “Perguntei a um bom amigo meu que trabalhava nessa área. É este o treinamento que estamos passando?”, Ele diz à Popular Mechanics.   “Não”,  respondeu o meu amigo. “Isto é vida real.”

Igualmente por acaso, durante o momento da famosa interceptação, depois de ser chamado para conversar com outro destacamento, Ryan Weigelt se viu dentro do Combat Information Center (CIC) do USS Princeton. Segundo Weigelt, um vídeo de um caça F/A-18 E Super Hornet tentando capturar o indescritível “Tic Tac” estava sendo exibido nos monitores. Como Turner, Weigelt diz que o vídeo que ele viu também era muito mais longo do que o breve clipe lançado em 2017.

“Eu fiquei lá por um bom tempo e ficou na tela o tempo todo. Não sabia por quanto tempo, mas estava rodando quando entrei no Combat Information Center (CIC) e quando saí ”disse Weigelt em uma entrevista no YouTube.

Dois Super Hornets da Marinha dos EUA F / A-18E do porta aviões USS NImitz voam em patrulha de combate. SSGT. AARON ALLMON WIKIMEDIA COMMONS

Voorhis disse à Popular Mechanics que ele também viu uma versão muito mais longa e clara do vídeo da ATFLIR através da rede LAN Top Secret do navio. “Definitivamente, vi vídeos com cerca de 8 a 10 minutos de duração e muito mais claros”, diz Voorhis.

O que ele viu se parecia com algum tipo de aeronave convencional?

“Umm, não!” Ele diz com uma risada. “No vídeo que eu vi, eu tive uma boa noção de como o piloto estava tendo dificuldades para acompanhar essa coisa. Continuava fazendo curvas apertadas e em ângulo reto – algo impossível para nossa atual tecnologia. A afirmação mais chocante que esses veteranos da Marinha fazem é o que dizem ter acontecido com todas as fitas de dados dos vários sistemas que registraram esses eventos UFO naquele momento.

 

OS VISITANTES

A milhas de distância de Voorhis, Day, Turner e Weigelt, no convés do porta aviões USS Nimitz, o suboficial Patrick “PJ” Hughes não tinha conhecimento dos objetos não identificados com os quais o grupo decaças F/A-18 E Super Hornet estava lidando nos últimos dias. Em vez disso, como técnico em aviação, um dos trabalhos de Hughes era proteger os gravadores de dados do disco rígido da aeronave de alerta aéreo, a aeronave E-2 Hawkeye .

“Nós os chamamos de tijolos, mas eles contêm o software para operar o avião e também registram ou podem gravar muitos dados que a tripulação vê durante o voo”, disse Hughes em uma entrevista no YouTube.

Em 14 de novembro, enquanto Hughes realizava essa tarefa rotineira, ele não sabia que os discos rígidos do E-2 que estava protegendo em um cofre classificado acabavam de chegar da aeronave Hawkeye que o Chefe Sênior Day tentou primeiro usar para interceptar os misteriosos OVNIs.

Pouco depois de proteger os blocos de dados, Hughes disse que foi visitado por seu comandante e dois indivíduos desconhecidos. “Eles não estavam no navio mais cedo e eu não os vi chegar. Não tenho certeza de como eles chegaram lá”, disse Hughes dos dois homens.

Segundo Hughes, seu comandante disse-lhe para entregar os discos rígidos recentemente garantidos. “Nós os colocamos nas sacolas, ele as levou e depois ele e os dois homens anônimos foram embora”, disse Hughes.

O cruzador USS Princeton (CG 59) estaciona ao lado da USNS Bridge (T-AOE 10) para um reabastecimento em andamento (UNREP). FOTO MARINHA DOS EUA: ESPECIALISTA EM MASS COMMUNICATION SEAMAN JOSHUA CASSATT WIKIMEDIA COMMONS

Dentro do Cruzador USS Princeton, Voorhis teve um encontro semelhante. “Esses dois caras aparecem em um helicóptero, o que não era incomum, mas logo depois que eles chegaram, talvez 20 minutos, minha cadeia de comando me disse para entregar todas as gravações de dados do sistema AEGIS”, diz Voorhis.

Além de entregar suas fitas de dados, Voorhis diz que foi informado por essa cadeia de comando que precisava recarregar os gravadores do avançado Combat Engagement Center (CEC) do navio USS Princeton porque ele também havia sido limpo, junto com as unidades ópticas com todos os as comunicações de rádio. “Eles até me disseram para apagar tudo o que estava na loja do navio – até as fitas em branco.” Voorhis diz que a única outra vez que ele se lembra de ter que entregar as fitas assim foi depois de um acidente de avião durante uma de suas missões de combate.

No convés de voo do cruzador USS Princeton (CG-59) , Weigel diz que os dois homens chegaram inicialmente ao cruzador por helicóptero, vestindo trajes genéricos. Segundo Weigelt, os homens embarcaram em um dos helicópteros SH-60B Seahawk de seu destacamento e voaram por um tempo antes de retornar com “um monte de sacolas”. Weigelt diz que os dois homens se retiraram para os “aposentos do almirante” no USS Princeton e um guarda estava de plantão do lado de fora da porta.

O “CÉTICO”

Um helicóptero SH-60B Seahawk prestes a lançar um nadador de busca e salvamento.

Em uma entrevista em janeiro no The Fighter Pilot Podcast, o piloto comandante David Fravor disse ao colega piloto aposentado do caça F/A-18E Super Hornet e ao apresentador Vincent Aiello que as fitas de vídeo dos aviões do esquadrão da interceptação do UAP “Tic Tac” [cilíndrico] desapareceram misteriosamente. Fravor disse acreditar que é provável que as fitas tenham sido gravadas inadvertidamente.

“Você sabe como é quando você vai e volta de uma missão”, disse Fravor. “Alguém diz: ‘O que são essas? Ei, eles parecem fitas em branco de 8 mm. Vamos apenas usá-las”.

Em uma entrevista à Popular Mechanics, Aiello detalhou os processos para garantir fitas de vôo, como Fravor mencionou. Embora esses materiais sejam classificados, vários funcionários qualificados do esquadrão teriam acesso ao cofre onde as fitas teriam sido mantidas.

“É muito comum, mesmo para as fitas que você marcou e deseja salvar, inadvertidamente serem recolocadas em circulação, distribuídas e gravadas”, diz Aiello. “Eu acho que o comandante. A opinião de Fravor sobre como as fitas desapareceram é a explicação mais plausível. No entanto, muitos funcionários do esquadrão têm acesso a esses materiais, de modo que deixa a porta aberta para que alguém possa tê-las sumido intencionalmente”.

Embora Fravor tenha reconhecido o desaparecimento dos registros de dados, a testemunha mais conhecida do  porta aviões USS Nimitz recuou igualmente em algumas das histórias dos marinheiros alistados. Falando no festival de OVNIs de McMenamin em maio passado, Fravor admoestou alguns dos relatos de “outras testemunhas”, dizendo que apenas os quatro pilotos envolvidos viram pessoalmente o UAP “Tic Tac”, que ninguém foi convidado a assinar acordos de não divulgação [NDA] , e que “homens de terno” nunca apareceram nos navios.

Durante uma aparição em outubro no podcast de Joe Rogan, Fravor disse: “Ainda existem grupos de pessoas inventando coisas, como se alguém aparecesse e estivesse falando sobre o assunto, ele é como, eu vi o vídeo inteiro, o vídeo inteiro tem 10 minutos de duração e estava fazendo tudo isso. Isso é treta.”

Fravor disse a Rogan que ele era um dos 20 membros do ranking mais alto da frota do USS Nimitz, e se houvesse qualquer tipo de investigação formal, ele saberia disso.

Comparação entre o objeto [UAP] voador não identificado e uma das aeronaves da marinha dos EUA que “tentaram” persegui-lo sem sucesso.

“Ok, eu vou lhe dar crédito, se eles fizeram, por que eles não apareceram e conversaram com os caras que testemunharam, perseguiram e com um dos caras mais graduados do grupo de batalha?”, Perguntou Fravor.

Voorhis afirma que, nos dias anteriores à interceptação, ele testemunhou objetos indistintos distantes. Mas com relação à interceptação de Fravor, ele diz: “Sua interceptação? Não, estávamos muito distantes, mais eu não saberia sobre isso ou o rumo. Só que estava acontecendo”.

“EU APENAS SABIA QUE ELES ESTAVAM LÁ POR UMA RAZÃO, PARA FAZER ALGO QUE ELES TINHAM QUE FAZER, E EU DEVIA APENAS FICAR FORA DO CAMINHO DELES.”

Nenhuma das testemunhas com quem a Popular Mechanics falou alegou ter visto a intercepção de Fravor do objeto desconhecido.

No documentário The Nimitz Encounters , Hughes disse que um amigo e membro da tripulação de uma das aeronaves E-2 Hawkeye disse que ele teve que assinar um documento de acordo de não divulgação [NDA] sobre o incidente. Como os aviões E-2 estariam no esquadrão VAW-117 (“The Wallbangers”) da Carrier Wing Nine, e não no esquadrão de caça sob o comando de Fravor, existe a possibilidade de que o comandante do esquadrão do E-2 possa ter emitido um NDA para sua equipe sem o conhecimento de Fravor. No entanto, a Popular Mechanics não verificou o que Hughes foi informado. Nenhuma das testemunhas com quem conversamos afirmou ter assinado um NDA.

image

Da esquerda: Piloto Comandante David Fravor, o cineasta Jeremy Corbell, e o 1º “denunciante da Área-51”, o físico Bob Lazar. TWITTER / Jeremy Corbell

As testemunhas alistadas pelo Nimitz sustentam suas alegações de que dois oficiais desconhecidos apareceram logo após os incidentes com OVNIs. No entanto, eles não os descrevem como sendo os sinistros  “Homens de Preto”, como Fravor sugeriu.

Segundo Weigelt, não era incomum haver pessoas indo e vindo que não estavam estacionadas nos navios. Para ele, foi somente quando ele ouviu os relatos de Voorhis e Hughes que a chegada dos dois indivíduos no USS Princeton pareceu se relacionar com os eventos ufológicos.

“Eu simplesmente sabia que eles estavam lá por uma razão, para fazer algo que eles tinham que fazer e que eu devia apenas ficar fora do seu caminho”, disse Weigelt.

“Normalmente, a tripulação do esquadrão não seria notificada se o radar do navio ou outras informações estivessem sendo usadas para uma investigação”, diz Guy Snodgrass, ex-piloto de F/A-18 Super Hornet, instrutor de pilotos da Topgun e diretor de comunicações do ex-secretário de Defesa. general James Mattis.

Embora Snodragss não comentasse diretamente sobre o evento OVNI, ele disse que serviu ao lado do oficial de sistemas de armas dentro do avião de Fravor durante a interceptação.

“Ele é um talentoso oficial de sistemas de armas (WSO) que se dedicou à profissão de aviação naval”, diz Snodgrass sobre o piloto, que nunca falou publicamente e a Popular Mechanics está optando por não citar seu nome, pois ainda está servindo na Marinha dos EUA. “Ele também tem a perspicácia de caracterizar corretamente qualquer coisa fora do comum que ele possa ter visto, então eu gostaria de dar mais peso à conta dele, não menos”.

OS DEFENSORES

Ao investigar essas alegações, a Popular Mechanics conseguiu localizar e falar com uma testemunha anteriormente desconhecida que estava com o grupo naval do porta aviões USS Nimitz em 2004. Desconhecendo alguns de seus colegas companheiros de embarcação que se apresentaram anteriormente e devido a preocupações relacionadas a juramentos de segurança, a testemunha concordou em falar apenas sob a condição de anonimato.

“Lembro-me muito bem dos eventos de 2004”, diz a testemunha, que na época era especialista em operações a bordo do USS Princeton . “Foi tomada a decisão de enviar dois caças para investigar. Pelo que os pilotos descreveram, o movimento do OVNI estava desafiando as leis da física.”

A Popular Mechanics não forneceu à testemunha nenhuma das informações descritas anteriormente.

“O que realmente tornou esse incidente alarmante foi quando um helicóptero Blackhawk pousou em nosso navio e retirou todas as nossas informações das salas secretas”, diz a testemunha, sem que tenhamos fornecido essa informação. “Ficamos todos muito chocados e era uma regra tácita não falar sobre isso, porque tínhamos autorizações secretas e não queríamos prejudicar nossas carreiras”.

O mais incrível [e o mais embaraçoso para a marinha dos EUA] é que o evento NIMITZ UFO ENCOUNTER deixou claro que apesar de todo poderio militar [convencional] dos EUA, o grupo naval naquele momento ficou completamente impotente e exposto a um ataque dos objetos que os caças sequer conseguiam acompanhar em suas manobras !!!

Quanto à existência ou não de uma gravação originalmente maior do que a editada interceptação de OVNI, Aiello diz que isso é “inteiramente possível”.

“PELO QUE OS PILOTOS DESCREVERAM, OS MOVIMENTOs DO OVNI ESTAVA DESAFIANDO AS LEIS DA FÍSICA CONHECIDAS.”

“As fitas de 8 mm em uso na época tinham duas horas de tempo de gravação e não era incomum que as tripulações deixassem a peça ligada durante a maior parte do voo”, diz Aiello. “É plausível que eles simplesmente gravem um pequeno segmento das fitas no CIC, mas que o restante das fitas esteja disponível … até que sejam gravadas ou o que aconteceu”.

Aiello, que estava no porta- aviões Nimitz em 2004, mas foi designado para outro esquadrão de combate, diz que não tem nenhuma informação direta sobre o incidente, mas está disposto a oferecer sua opinião com base em sua experiência por mais de 20 anos como piloto militar.

As testemunhas alistadas dizem que é decepcionante ouvir Fravor sugerir que alguns de seus relatos são imprecisos. No entanto, todos mantêm suas experiências e apoiam igualmente o relato de Fravor. Para eles, eles dizem que a única razão pela qual eles revelaram sua história foi apoiar Fravor e seus colegas marinheiros. “É assim que sempre acontece desde o primeiro dia”, diz Turner.

Mas mesmo que Fravor não esteja comprando as histórias das testemunhas, isso não significa que os outros não acreditem.

“A combinação do depoimento desses aviadores, dos operadores do Radar Aegis do cruzador USS Princeton e a equipe do avião E-2 me convenceu além de qualquer dúvida da veracidade da história”, diz Paco Chierici, ex-piloto do F-14, autor de Lions of the Sky , e a pessoa que recebeu o primeiro compartilhamento das notícias do evento  UFO-Nimitz em um artigo de 2015 da Fighter Sweep 

“Conheço essas pessoas e como esse mundo funciona. Não há como ele ter sido fabricado ou mal interpretado. ” (Fravor não respondeu a vários pedidos de entrevista.)

Para deixar claro, a única testemunha de Nimitz que Chierici conhece pessoalmente é Fravor. “Mas”, ele diz, “eu conheço essas pessoas. Trabalhei e morei com eles por 20 anos, operando em ritmos e níveis de estresse muito altos. São todos, desde os operadores de radar alistados, até os COs do esquadrão, incrivelmente profissionais e competentes. Os melhores absoluto no que eles fazem. ”

A VERDADE…

Pelos relatos das “outras” testemunhas do porta aviões USS Nimitz , há evidências impressionantes para sugerir que alguém esteve muito interessado nesse evento quando ele ocorreu. Como nenhuma das testemunhas ou pilotos envolvidos disse que alguma vez foi entrevistada na época, parece que a preocupação mais significativa das testemunhas foram a captura dos dados eletrônicos do navio. O que esses dados revelam, no entanto, permanece um mistério.

A Mecânica Popular falou com o homem que afirma ter investigado OVNIs enquanto trabalhava no Escritório do Subsecretário de Defesa da Inteligência: Luis Elizondo. Quando perguntado sobre a existência de um vídeo mais longo do que o que foi divulgado publicamente, Elizondo – que agora atua como diretor de segurança global e programas especiais da To the Stars Academy – diz: “Infelizmente, neste momento não posso comentar sobre o que está na posse do governo dos EUA”.

Elizondo se desviou de perguntas adicionais sobre os dados eletrônicos ausentes, dizendo apenas: “Foi realizada uma investigação abrangente, incluindo várias fontes de dados, nas quais as conclusões permanecem na providência do governo dos EUA”. Sobre se outras fontes que não são da Marinha foram usadas ou não durante esta investigação, Elizondo diz que “não conseguiu confirmar ou negar qualquer informação relacionada à coordenação com outros elementos do governo dos EUA”.

Quanto a saber se outras fontes de dados (que podem ou não existir) ajudaram a influenciar a posição pública da Marinha de que esses objetos ainda são “não identificados”, Elizondo é tímido. “É certamente plausível”, diz ele, “além de outros numerosos relatórios de pilotos da Marinha dos EUA”.

E, no que diz respeito ao motivo pelo qual outros dados podem estar sendo retidos do lançamento público, Elizondo diz que isso pode ter mais a ver com o que foi usado do que com o que foi realmente gravado. “Muitos dos sistemas e a maneira como os dados são coletados permanecem classificados para proteger táticas, técnicas e procedimentos”, diz Elizondo. “Não tenho liberdade para discutir nenhum desses sistemas.”

The Hunt for Zero Point: Inside the Classified World of Antigravity Technology

Elizondo diz que “absolutamente” encorajaria outras testemunhas militares a apresentar seus relatos. “Muitos de nossos membros de serviço são observadores altamente treinados”, diz ele. “Os dados obtidos por esses tipos são sempre considerados observações válidas, embora as nuances possam não ser imediatamente conhecidas.”

Nick Cook, ex-editor de aviação da Jane’s Defense Weekly , diz que existem várias razões pelas quais o pessoal pode ter embarcado em navios e apreendido dados eletrônicos. “Isso pode significar informações sensíveis”, diz ele. “Isso pode significar que foi um exercício.”

Com relação à última possibilidade – que esse foi algum tipo de teste militar secreto -, Cook, jornalista de defesa de carreira, diz que, na sua opinião, era improvável que fosse um teste classificado. “Não é impossível, mas não acho provável. Seria tão contrário à norma da minha experiência com a forma como o “mundo negro” conduz os testes. 

Depois de ter passado uma década a investigar o potencial de segredo na área de tecnologia aeroespacial avançado e altamente classificado, e publicar esses esforços no seu livro “The Hunt for Zero Point: Inside the Classified World of Antigravity Technology” , Cook foi cauteloso na oferta de quaisquer conclusões definitivas quanto ao que o grupo naval do porta aviões USS Nimitz tinha encontrado. Cook diz que é possível, mas não provável, que o “Tic Tac” fosse algum “tipo de drone” classificado.

“Eu procurei por 10 anos e nunca encontrei nenhuma evidência convincente de que esse tipo de tecnologia existe”, diz Cook. “[Isso] não significa que ainda não poderia existir … eu nunca encontrei nenhuma “Gun Smoke” [algo definitivo] para isso.”

Mas, quando pressionado, o jornalista especializado em aviação diz com sobriedade: “No balanço das probabilidades, não acho que seja ‘nosso'”.


A Matrix , o SISTEMA de CONTROLE MENTAL: “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando  despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio  sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações sobre CROP CIRCLEs, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.