Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Monarquia do Oriente Médio pede fim do “Domínio” Ocidental

A Velha Ordem Mundial injusta (Imperialista) dominada pelo Ocidente precisa acabar, disse o príncipe herdeiro de Omã, Theyazin bin Haitham Al Said, na quinta-feira, enquanto falava com o presidente russo, Vladimir Putin durante Fórum ‘Russia Calling’ organizado pelo VTB Bank em Moscou. Em seus comentários iniciais, Putin descreveu a globalização como um fenômeno usado pelos EUA e pelo Ocidente coletivo para explorar seus aliados e a “periferia global” em vez de dar a cada nação uma oportunidade de se desenvolver e prosperar.

Monarquia do Oriente Médio pede fim do “Domínio” Ocidental

Fonte: Rússia Today

A atual, caótica e injusta [des]ordem mundial dominada pelo Ocidente precisa acabar, disse o príncipe herdeiro de Omã, príncipe Theyazin bin Haitham Al Said, na quinta-feira, enquanto falava com o presidente russo, Vladimir Putin. em Moscou

O Príncipe Theyazin esteve em Moscou para o Fórum ‘Russia Calling’ organizado pelo VTB Bank e reuniu-se com o líder russo à margem da conferência de investimentos.

 O príncipe herdeiro de Omã, Theyazin bin Haitham Al Said, e o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou, 7 de dezembro de 2023. ©  Vyacheslav Prokofyev/pool/ Sputnik

“Ouvi com muita atenção seu discurso de abertura”, disse o príncipe a Putin, de acordo com comentários traduzidos e publicados pelo Kremlin. “Eu compartilho todas as suas avaliações da atual situação internacional, principalmente no que diz respeito à necessidade de acabar com a atual [des]ordem mundial injusta e o domínio do Ocidente, bem como de construir uma nova ordem mundial justa e relações económicas sem duplos padrões.”

Em seus comentários iniciais, Putin descreveu a globalização como um fenômeno usado pelos EUA e pelo Ocidente coletivo para explorar seus aliados e a “periferia global” em vez de dar a cada nação uma oportunidade de se desenvolver e prosperar. Esse sistema está atualmente passando por mudanças  “radicais e irreversíveis” para uma ordem mais democrática e multipolar, disse o líder russo.

O Príncipe Theyazin disse que era necessário criar novos mecanismos para o comércio e as relações internacionais que não “impusessem quaisquer ideologias” e desenvolvessem novos centros econômicos de África e da Ásia. O Oriente Médio está estrategicamente posicionado para desempenhar um papel promissor em projetos estratégicos de infraestruturas, acrescentou.

Omã está localizado na ponta sudeste da Península Arábica, na foz do Golfo Pérsico, vindo do Irã. O seu governante de longa data, o sultão Qaboos bin Said Al Said, morreu em 2020 sem deixar filhos – deixando o reino para o seu primo Haitham bin Tariq. Seu filho, o príncipe Theyazin, atualmente atua como ministro da juventude, cultura e esportes de Omã.

Até meados do século XIX, Omã era um entreposto de escravos e armas. Com o fim da escravidão em 1970, a região perdeu muito de sua prosperidade, e a economia ficou reduzida à agricultura, ao comércio de camelos e caprinos, à pesca e o artesanato tradicional. Hoje, graças ao petróleo, a economia tem apresentado grande desenvolvimento nos últimos 30 anos.

O governo prossegue com a privatização de serviços públicos e com o desenvolvimento de leis  comerciais que facilitem o investimento externo e organizem o orçamento do país. O Omã continua a liberalização de seu mercado para se adequar às regras da Organização Mundial do Comércio. Para reduzir o desemprego, o governo vem encorajando a substituição de mão de obra estrangeira por trabalhadores do próprio país. Cursos de tecnologia de informação, técnicas de administração e língua inglesa para cidadãos do país apoiam este objetivo.

Em 1986, foi criada a primeira universidade do Omã, a Universidade do Sultão Cabus. A partir de então, outras instituições de ensino superior e técnico também surgiram no país, como a Universidade de Nizua e a Escola Superior de Tecnologia. Há, ainda, outras seis faculdades de tecnologia, seis faculdades de ciências aplicadas, uma faculdade de economia e estudos financeiros, um instituto de ciências da Xaria, e vários institutos de enfermagem. Cerca de 200 bolsas são concedidas a cada ano para estudantes omanenses no exterior.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *