browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mudança de regime na Rússia há anos tem sido o objetivo dos EUA

Posted by on 30/03/2022

Por toda a patética tentativa de controle de danos que se seguiu à observação de Biden ‘Putin não pode permanecer no poder’, é exatamente isso que [o Deep State de] Washington deseja . . . há muito tempo. Foi o evento culminante de uma viagem de quatro dias planejada no último minuto com o objetivo de reunir a Europa para a causa de enfrentar a incursão militar da Rússia na Ucrânia. Falando diante de uma grande e entusiasmada multidão na capital polonesa de Varsóvia, o presidente dos EUA, o marionete senil Joe Biden, concluiu seu discurso “saindo do roteiro”

Mudança de regime na Rússia há anos, com a remoção de Vladimir Putin, tem sido o objetivo dos EUA

Fonte: Rússia Today

Depois de condenar o que chamou de “brutalidade” de seu colega russo Vladimir Putin na Ucrânia, Biden pronunciou nove palavras que, em um piscar de olhos, tornaram discutível o que mais havia sido realizado nesta viagem: “Pelo amor de Deus, este homem [Putin] não pode permanecer no poder”.

Biden saiu do local e foi direto para o Air Force One, que estava de prontidão para levá-lo de volta aos EUA. Antes que seu avião pudesse decolar, a Casa Branca estava lutando para conter os danos causados ​​pela gafe mais recente do senil Biden. “O argumento do presidente”, explicou à imprensa um funcionário não identificado da Casa Branca, “é que Putin não pode exercer poder sobre seus vizinhos ou a região. Ele não estava discutindo o poder de Putin na Rússia ou a mudança de regime”.

Quando Biden voltou aos EUA, foi perguntado se ele estava, de fato, pedindo uma mudança de regime em Moscou. Biden ofereceu uma resposta concisa de uma palavra : “Não”.

Mas a declaração improvisada continuou a assombrar Biden, que mais tarde foi obrigado a oferecer uma explicação mais detalhada para sua explosão, dizendo à imprensa : “Eu estava expressando a indignação moral que senti … , [sobre Putin] ”,  disse Biden . “Eu não estava, nem estou agora, articulando uma mudança de política.”

Biden mais tarde acrescentou que “Ninguém acredita que eu estava falando sobre derrubar Putin. Ninguém acredita nisso.”

Aparentemente, pessoas suficientes estavam preocupadas com essa mesma questão para levar diplomatas nos EUA e na Europa a se esforçarem para explicar o contrário. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, declarou que os EUA “repetidamente” afirmaram que “não temos uma estratégia de mudança de regime na Rússia – ou em qualquer outro lugar. Para nós, não se trata de mudança de regime” , explicou. “O povo russo tem que decidir quem quer que o lidere.”

Josep Borrell, diplomata-chefe da UE, também se manifestou para explicar os comentários de Biden. “[Na UE] não estamos atrás de uma mudança de regime, isso é algo para os cidadãos russos decidirem, se é claro que podem decidir isso.”

Infelizmente para Blinken e Borrell, as evidências parecem sugerir o contrário. De acordo com o jornalista britânico Niall Ferguson, um alto funcionário do governo Biden foi citado como tendo dito , antes do lapso de língua de Biden, que após a incursão militar russa na Ucrânia: “O único fim do jogo agora é o fim do regime de Putin. Até lá, enquanto Putin ficar, [a Rússia] será um estado pária que nunca será bem-vindo de volta à comunidade das nações”.

Nem o sentimento (ou seja, Putin tem que sair) nem o mecanismo de mudança de regime (que o povo russo o forçará a sair) representam um novo pensamento em termos da abordagem do Ocidente ao atual governo russo. Na verdade, ambos são bem conhecidos na Rússia. De acordo com Michael McFaul, embaixador dos EUA na Rússia de 2012 a 2014, o presidente russo Vladimir Putin acredita que os EUA trabalham duro para promover mudanças de regime em todo o mundo, inclusive na Rússia, por meio das chamadas “revoluções coloridas” ou massivas revoltas civis como na Ucrânia em 2014, patrocinada pelo Departamento de Estado, a CIA e George Soros.

Em 2005, o próprio McFaul escreveu um artigo inteiro sobre os esforços dos EUA na mudança de regime na ex-URSS. Essa foi uma das razões pelas quais a decisão do presidente Barack Obama de mandá-lo para Moscou se mostrou tão impopular com o lado russo.

O Kremlin acusou os EUA de se envolverem em tal ação na Rússia após a eleição da Duma russa em dezembro de 2011, vencida por pouco pelo partido do então primeiro-ministro Putin. Em uma reunião da Organização para Segurança e Cooperação na Europa, a ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton após a eleição da Duma em 2011, expressou sua  “séria preocupação com a condução das eleições” e pediu uma “investigação completa de todos os relatórios de fraude e intimidação”, acrescentando : “O povo russo, como as pessoas em todos os lugares, merece o direito de ter suas vozes ouvidas e seus votos contados. E isso significa que eles merecem eleições livres, justas e transparentes e líderes que prestem contas a eles.”

Putin, por sua vez, acusou Clinton de dar “o sinal” aos líderes da oposição para realizar distúrbios em massa para minar as eleições russas. “[Os líderes da oposição] ouviram o sinal e, com o apoio do Departamento de Estado dos EUA, começaram a trabalhar ativamente”,  disse Putin após os comentários de Clinton . “Somos todos adultos aqui. Todos entendemos que os organizadores estão agindo de acordo com um cenário bem conhecido e em seus próprios interesses políticos mercenários”.

McFaul ressaltou a preocupação por parte de Putin quando se tratou dos comentários de Clinton. “Ele estava genuinamente preocupado com essa mobilização contra ele”,  disse McFaul mais tarde , “e foi aí que ele se voltou contra nós. Para Putin, isso estava confirmando sua teoria da política externa dos EUA”.

McFaul saberia, dado que ele foi o arquiteto da chamada política de “reinicialização da Rússia” empreendida pelo governo do presidente Barack Obama em 2009 pelo empoderamento do presidente Dmitry Medvedev, o ex-primeiro-ministro que trocou de lugar com Putin em 2008 devido à Constituição russa limitar Putin a dois mandatos consecutivos (a Constituição foi alterada desde então), para substituir Putin permanentemente como presidente. 

Sob a influência de McFaul, a Casa Branca limitou o contato com Putin, concentrando toda a sua atenção em Medvedev. Essa pressão de Washington para impedir o retorno de Putin ao Kremlin como presidente se estendeu a Joe Biden, que na época era vice-presidente de Obama.

Durante uma viagem a Moscou em março de 2011, Biden supostamente pediu a Putin que não buscasse a reeleição, dizendo a um grupo de líderes da oposição russa que seria melhor para a Rússia se Putin não concorresse à reeleição no próximo ano. “No final da reunião”, Boris Nemtsov, uma importante figura da oposição assassinada em Moscou em 27 de fevereiro de 2015, observou em seu blog“Biden disse que no lugar de Putin ele não concorreria à presidência em 2012 porque isso ser ruim para o país e para si mesmo”.

Putin, é claro, ignorou o “conselho” de Biden e voltou a assumir a presidência nas eleições de março de 2012.

O governo russo há muito sustenta que os serviços de inteligência ocidentais estão usando a “promoção da democracia” como fachada para organizar a oposição política a Putin com o objetivo de removê-lo do cargo – ou seja, mudança de regime. Um dos aspectos mais públicos desse esforço foi a descoberta pela Rússia de uma chamada “pedra espiã” usada pela agência de inteligência britânica, MI6, para se comunicar com seus agentes em Moscou. Ao mesmo tempo em que este objeto (na realidade, um dispositivo eletrônico secreto usado para facilitar as comunicações) estava em operação, os serviços de inteligência russos acusavam os britânicos de financiar secretamente grupos de oposição política russa.

Incidentes como o ‘spy rock’ levaram o governo russo a reprimir organizações não governamentais (ONGs) financiadas por estrangeiros, primeiro aprovando leis que obrigavam grupos que recebem financiamento estrangeiro e são considerados envolvidos em atividades políticas a se registrarem como agentes “estrangeiros”, antes de proibir completamente as ONGs se forem consideradas uma ameaça à ordem constitucional, à defesa ou à segurança da Rússia. A lista de organizações proibidas incluía a USAID, levando o governo Obama a se retirar do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil da Comissão Presidencial Bilateral EUA-Rússia.

Thomas Melia, co-presidente americano do grupo, observou que “As medidas recentes tomadas pelo governo russo para impor restrições à sociedade civil… Seus sentimentos foram ecoados pela porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, que disse à imprensa que “o grupo de trabalho não estava promovendo a causa da sociedade civil na Rússia”.

Não foi dita a realidade de que o que os EUA chamavam de “avançar a causa da sociedade civil na Rússia” era visto pela Rússia como pouco mais do que esforços mal disfarçados de mudança de regime por meio de “revolução colorida” financiada por estrangeiros.

Enquanto os esforços abertos e secretos dos EUA e seus aliados ocidentais para minar e derrubar o governo Putin, facilitando a oposição política interna dentro da Rússia, entraram em hiato durante os quatro anos do governo Trump, a “eleição” de Joe Biden em 2020 e o advento da atual crise na Ucrânia, levou ao reengajamento do governo Biden para tentar enfraquecer o poder de Putin e, em última análise, para remover o presidente russo de longa data do cargo.

O governo Biden usou o artifício de falar diretamente ao povo da Rússia para fomentar a agitação interna dentro da Rússia. “Sabemos que muitos de vocês não querem fazer parte desta guerra”, disse recentemente o secretário de Estado Antony Blinken , dirigindo-se ao povo da Rússia. “Vocês – como os ucranianos, como os americanos, como as pessoas em todos os lugares – querem as mesmas coisas básicas: bons empregos, ar e água limpos, a chance de criar seus filhos em bairros seguros, mandá-los para boas escolas, dar-lhes uma vida melhor do que você tinha. Como no mundo a agressão não provocada do presidente Putin contra a Ucrânia o ajuda a alcançar qualquer uma dessas coisas?”

Não foi dito o que Blinken esperava que o povo russo fizesse a respeito.

Os comentários de Blinken seguiram os feitos por Joe Biden nos dias que antecederam a incursão militar russa na Ucrânia, quando, em 15 de fevereiro, o presidente dos EUA dirigiu-se diretamente ao povo russo : “Para os cidadãos da Rússia: você não é nosso inimigo”, Biden disse. “E eu não acredito que você queira uma guerra sangrenta e destrutiva contra a Ucrânia – um país e um povo com quem você compartilha laços tão profundos de família, história e cultura.”

O Departamento de Estado passou a enviar tuítes em russo incentivando manifestações públicas contra a guerra. “O protesto aberto dos russos contra o presidente Putin e sua guerra é um ato muito corajoso”, declara um desses tweets . “Como disse o presidente Biden, o povo da Rússia não é nosso inimigo. Culpamos esta guerra ao presidente Putin, não a eles.”

O governo Biden se esforçou para garantir que seu programa de comunicação direta com o povo russo para promover o descontentamento doméstico na Rússia seja parte integrante de uma estratégia geral para remover Putin do cargo. O próprio Biden enfatizou em seus comentários de 15 de fevereiro que “não buscamos desestabilizar a Rússia”.

Mas alguns na elite do poder dos EUA estão, de fato, pedindo a remoção de Putin do poder. “Existe um Brutus na Rússia?” O senador Lindsey Graham, um republicano (da Carolina do Sul) conhecido por seu sentimento anti-Putin, escreveu em um tweet de 3 de março“Existe um coronel Stauffenberg mais bem-sucedido nas forças armadas russas? A única maneira disso terminar é alguém na Rússia acabar com esse cara. Você estaria prestando ao seu país – e ao mundo – um grande serviço.”

E NÃO SE ESQUEÇAM de que Joe Biden está tão senil que admitiu, diante das câmeras, em uma falha bizarra em seu discurso [talvez pela sua senilidade galopante] que os democratas produziriam “a mais ampla organização de fraude eleitoral da história da política americana”. Você pode vê-lo admitindo isso aqui, ESTA GRAVADO:

We’re in a situation where we have put together, I think, the most extensive and exclusive voter fraud organization in the history of american politics. [Estamos em uma situação em que montamos, creio eu, a organização de fraude eleitoral mais ampla e exclusiva da história da política americana.]

Quando chamado por seu tweet, Graham dobrou“Ele [Putin] precisa ser tratado pelo povo russo”, disse Graham. “Não estou pedindo para invadir a Rússia para eliminá-lo. Não estou pedindo para enviar forças terrestres americanas à Ucrânia para combater o exército russo. Estou pedindo ao povo russo que se levante e acabe com esse reinado de terror”.

A Casa Branca de Biden foi rápida em reagir ao tweet de Graham em 3 de março. “Não, não estamos defendendo a morte do líder de um país estrangeiro ou uma mudança de regime”,  observou o porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki . “Essa não é a posição do governo dos Estados Unidos e certamente não é uma declaração que você ouviria da boca de alguém que trabalha neste governo.”

Então Joe Biden, o presidente dos Estados Unidos, expressou esse mesmo sentimento durante seu discurso em Varsóvia: “Pelo amor de Deus, este homem [Putin] não pode permanecer no poder”.

Simplesmente não há outra maneira de girar essa afirmação. Falada ou não, está claro para todos que a política oficial dos Estados Unidos é, e tem sido desde 2009, a mudança de regime em Moscou, usando as forças da chamada “reforma democrática” (ou seja, agitação em massa, comandada por agentes infiltrados da CIA) para derrubar o Presidente Putin.

Infelizmente para Biden, Blinken, Graham e seus companheiros de mudança de regime, uma pesquisa de opinião da Levada (reconhecida como agente estrangeiro na Rússia) mostrou que o índice de aprovação do líder russo era superior a 71%. As chances de sua fantasia de mudança de regime se tornar realidade neste estágio do jogo são exatamente zero.

Foto mostra ‘folha de dicas’ para o senil Biden sobre Putin

Os detratores do presidente questionaram repetidamente a sua aptidão mental

Depois de aparecer publicamente pedindo a deposição de seu colega russo Vladimir Putin, o presidente dos EUA, Joe Biden, leu um ‘cheat sheet’ pré-preparado, na segunda-feira, na tentativa de garantir aos repórteres que ele não estava realmente sugerindo uma mudança de regime em Moscou. .

No entanto, Biden, cuja saúde cognitiva e mental os republicanos dizem estar em declínio, acabou dobrando suas observações originais. Falando a repórteres na Casa Branca, o presidente disse que sua declaração na Polônia na semana passada de que Putin “não pode permanecer no poder” não foi um pedido de mudança de regime em Moscou.

“Eu não estou retrocedendo nada”, disse Biden. “Quero deixar claro: eu não estava, nem estou agora, articulando uma mudança de política. Eu estava expressando “indignação moral” que sinto e não peço desculpas por isso.”

Fotos da coletiva de imprensa mostram Biden carregando um pequeno cartão, intitulado “Tough Putin Q&A Talking Points”, no qual o presidente foi instruído a responder a essa pergunta da seguinte forma:

“Eu estava expressando a indignação moral que sentia pelas ações desse homem. Eu não estava articulando uma mudança na política.”

Apesar de seguir o que foi instruído a dizer, Biden saiu do roteiro [novamente] mais tarde no briefing. “É mais uma aspiração do que qualquer coisa. Ele não deveria estar no poder. Não há… quero dizer, pessoas assim não deveriam ser governantes de países, mas eles são” , disse ele, antes de dizer a outro repórter que não acredita que a Rússia interpretaria tal declaração como uma declaração de política.

“Ninguém acredita… que eu estava falando sobre derrubar Putin. Ninguém acredita nisso”, disse Biden.

A aparente confusão de Biden já levantou as sobrancelhas de Washington várias vezes nos últimos dias. Durante sua visita à Polônia, o presidente aparentemente disse aos soldados americanos que eles seriam enviados em breve para a Ucrânia, antes que seus funcionários recuassem da declaração, dizendo: “O presidente deixou claro que não estamos enviando tropas dos EUA para a Ucrânia e não há mudanças nessa posição”.

Da mesma forma, apesar da vice-presidente de Biden, do conselheiro de segurança nacional, do secretário de Estado e do secretário de imprensa todos retratarem as sanções dos EUA à Rússia como um impedimento para Putin, Biden  declarou na semana passada que “sanções nunca funcionam”.

Biden confiou em cartões de resposta impressos ao lidar com a imprensa antes e também chamou repórteres durante coletivas de imprensa de listas preparadas, mencionando em uma dessas ocasiões em novembro que “eles me deram uma lista das pessoas para quem eu devo ligar.”

Os republicanos apontaram esses incidentes, bem como exemplos de Biden perdendo sua linha de pensamento no meio de respostas e aparecendo visivelmente perdido e confuso, como indicadores do declínio das habilidades cognitivas do presidente. 

O índice de aprovação de Biden caiu para um novo mínimo de 40% em uma pesquisa da NBC News publicada no domingo, com apenas 29% dos entrevistados expressando “muito” ou “bastante” confiança na capacidade do presidente de lidar com a crise na Ucrânia. Uma pesquisa da ABC News realizada no mês passado descobriu que 54% dos americanos achavam que ele não tinha a “agudeza mental necessária para servir efetivamente como presidente”.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.