Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Visão Eurasiana: do Fim da História a um Novo Começo

A ideia eurasiana é uma ideia aberta. [ASSIM COMO SÃO ABERTOS OS VASTOS ESPAÇOS DAS ESTEPES DA EURÁSIA (*)]. Está aberto tanto para o passado quanto para o futuro – o que acontecerá no futuro depende de como entendemos e interpretamos o passado. Este é um problema muito urgente, pois estamos testemunhando o colapso da atual ordem internacional, uma ordem que não era realmente internacional [e muito menos ordem], mas sim definida pela ordem de “um soberano e um mestre”. Na prática, esta era uma “ordem liberal”, definida por visões e ideias muito específicas em cujos círculos nos movemos inadvertidamente. Agora estamos finalmente livres disso. Podemos respirar ar fresco com os pulmões cheios e recomeçar “do zero”. 

A Visão Eurasiana: do “Fim da História” a um Novo Começo

Fonte: New Dawn Magazine por Boris Nad

{(*)estepe euroasiática é a grande ecorregião de estepe que cobre o centro do supercontinente Eurásia com terras de pasto temperadas, savanas e matagais como biomas característicos. Estende-se da Moldavia através da Ucrânia até à Sibéria, com um enclave importante situado na Hungria chamado Puszta. A estepe liga econômica, política e culturalmente o leste da Europa, a Ásia Central, a China, a Ásia Meridional e o Oriente Médio através de rotas de comércio por terra, especialmente a Rota da Seda que operou durante a Antiguidade e a Idade Média.}

Claro, isso não significa realmente começar do nada. Na década de 1920, as bases para a visão eurasiana foram lançadas pelo trabalho persistente, silencioso e paciente de entusiastas (como Petr Savitsky) e, mesmo antes, nas obras de Danilevsky, Leontiev e Dostoyevsky. Esses pensadores delinearam uma “revolução copernicana da história”: o futuro não é predeterminado e o tempo não corre linearmente. 

Não há pontos privilegiados no globo, nem tempo privilegiado, a menos que adotemos os axiomas da ideologia liberal [do hospício ocidental]. Não há uma direção única e vinculante do desenvolvimento histórico; em vez disso, existem muitas direções divergentes que não podem ser comparadas entre si em termos de estágios no desenvolvimento de um único processo. 

Tomados em conjunto, Danilevsky acreditava que essas direções compõem a riqueza da história e expressam as diferentes possibilidades de desenvolvimento da humanidade. De fato, cada civilização tem seu próprio tempo e desenha seus próprios esquemas ao longo de seu desenvolvimento. Só a totalidade dos caminhos civilizatórios dá o traçado único que é o “desenvolvimento da humanidade”. O novo começo para a ordem mundial a partir desse reconhecimento corresponderia ao “outro começo” de que falava o filósofo Martin Heidegger. 

A ideologia liberal prescreveu até agora o que é “progresso”: é sempre na mesma direção, a única direção permitida. Por trás dessa ideologia está uma potência mundial decadente: os Estados Unidos da América. Existe fundamentalmente apenas um mundo – esse é o ensinamento que eles pregaram, um ensinamento que emergiu do Iluminismo criado na Europa [junto com os Illuminati, na Baviera] e rapidamente se espalhou pelo planeta, predominantemente na Europa, américas e países satélites. 

Mas, se o mundo não é um universo, então é, de fato, um pluriverso: há muitos mundos. Muitos deles foram escondidos sob a ilusão de um mundo: em frente ao Primeiro Mundo durante a Guerra Fria estava o Segundo Mundo (comunista), e por trás disso, em algum lugar nas sombras, estava o Terceiro Mundo (o mundo não alinhado que é hoje chamado de “Sul Global”). 

Essa realidade não era abrangente: a ilusão da “convergência” revelava a realidade de muitos mundos que eram, de fato, muitas civilizações diferentes – o americano, o europeu, o russo, o islâmico, o indiano, o chinês etc. uma verdade absoluta que o [hospício do] Ocidente não conseguiu compreender. Nem entende isso ainda hoje. O Ocidente estava intoxicado por sua vitória na Guerra Fria em 1991, que desmantelou a URSS e deveria ser seguida pelo “fim da história” de que falava Francis Fukuyama. Era isso que o Ocidente queria ouvir no momento… E parecia que toda a humanidade estava obedecendo à sua vontade. 

No entanto, essa obediência era apenas aparentemente voluntária. Foi apoiado pela potência mais forte do mundo com seus onze porta-aviões, cada um comandando uma frota naval capazes de projetar seu poderio militar em “qualquer ponto do planeta”. Depois vieram as mudanças de regime (de “indesejáveis” que compõem o “eixo do mal”): revoluções coloridas, golpes mais ou menos violentos, intervenções militares abertas, ocupação de países inteiros… Este foi, no entanto, apenas o “momento unipolar” na história do mundo. Está terminado agora, ACABOU. 

O fim da hegemonia [do hospício] ocidental

O que aconteceu com o até então hegemônico? O hegemon está “cansado” e não é mais capaz de ditar para toda a humanidade à sua vontade, arrogância, permissividade, corrupção e falência moral. À primeira vista, parece que tudo isso foi feito por um pequeno vírus: o coronavírus. Este, é claro, não é o caso. O vírus foi precedido por uma fadiga prolongada, uma crise intencional que progrediu no próprio Ocidente desde pelo menos a década de 1970. 

Primeiro, houve o “retiro do Ocidente” (que não é uma civilização, mas uma construção ideológica baseada em várias ideias básicas do Iluminismo que atualmente mantêm um certo número de países juntos), e hoje seu colapso está em andamento. O vírus apenas tornou esta crise visível, e não será resolvida por nenhuma medida monetária, nem por intervenções militares sempre novas, como os oligarcas e psicopatas globalistas agora exigem. 

Muitos ainda não estão cientes dessa grande mudança. E eles, estão? Esse não é nosso problema. O importante é compreender que os paradigmas fundamentais para o mundo do futuro estão sendo moldados hoje – ou melhor, seria mais apropriado dizer, para os mundos do futuro, porque em tal mundo obviamente não haverá uma única vinculação. um modelo que seria verdadeiro para todos. 

O “universalismo ocidental” era apenas uma ilusão frágil. Talvez tenha sido doce e atraente para alguns países em que essas ideias se originaram, mas ainda era apenas isso: uma ilusão. Viver em ilusões é desaconselhável. O despertar tinha que vir mais cedo ou mais tarde. Mas se vier muito mais tarde, esse despertar será ainda mais amargo. Hoje, as pessoas estão acordando do “sonho americano” para descobrir que foi um pesadelo bem promovido e que podem viver muito bem sem ele.

Ao mesmo tempo, isso representa um desafio para a gigantesca Eurásia que, após uma breve ausência, está finalmente retornando ao cenário histórico. Como essa transição pode ser feita da forma mais indolor e com o menor número de vítimas possível? Em outras palavras, como dar a conhecer ao hegemon até então que ele não é mais o hegemon (aquele que determina o futuro de toda a humanidade)? Esta não é uma tarefa fácil. 

Hoje, é claro, o hegemon está ameaçando, brandindo e agitando suas armas, mas como é contra o “urso russo”, é apenas retoricamente. Está reunindo forças para o que parece ser um “confronto final” para a “batalha final da história”. Essa batalha decisiva acontecerá? Não tem nada de novo a oferecer. É apenas uma versão mais militante, ligeiramente atualizada do mesmo, com a tolerância ou sua ilusão abolida. Em sua edição atualizada, o decadente e permissivo [satânico] liberalismo está se tornando abertamente totalitário (até então tão dissimulado: “Se você não quer ser um liberal, você será excluído da história” é agora “Todo mundo deve ser um liberal”).

A ascensão da Eurásia

Enquanto isso, novos conceitos e ideias tomaram forma na Eurásia e estão sendo rapidamente transformados em realidade. Um desses importantes projetos é a “Nova Rota da Seda”. Trata-se, de fato, de um projeto muito antigo que agora está sendo revivido, vestido com o novo espírito do nosso tempo, um projeto ao qual o hegemon não oferece nada além de interferência (o mesmo com o gasoduto Nord Stream 2). O hegemon quer brigas, conflitos e guerras entre os povos para, assim, impor seu domínio e vender armas produzidas pelo seu Complexo Industrial Militar. 

Era assim que governava antes. O pensador russo Aleksandr Dugin falou recentemente da necessidade de “internacionalizar os povos” para se opor a essa hegemonia, ou seja, as nações não devem perder de vista o todo maior. Elas têm que olhar para o quadro muito mais amplo. Esta é uma realidade geopolítica fundamental que não podemos esquecer. 

A outra realidade é a da própria Eurásia. Em primeiro lugar, uma aliança entre a China e a Rússia tomou forma. A integração em diferentes formas está ocorrendo em todo o continente eurasiano – integração da qual a América deve ser expulsa. A União Econômica Eurasiática é a forma inicial de tal, sua primeira encarnação, por assim dizer. O termo “primeiro na história”, no entanto, deve ser usado apenas com cautela porque foi precedido pela União Soviética, antes pelo Império Russo e ainda antes pelo império de Genghis Khan. Afinal, todo projeto histórico real tem seu reflexo no passado distante. Permanece a esperança de que, por enquanto, esse “império” ainda em esboço se desenvolva na direção de um Império Eurasiano de pleno direito. 

Este processo poderia encorajar outros em outros continentes. Poderíamos imaginar, por exemplo, um Império brasileiro, soberano e independente, em torno do qual um círculo de países sul-americanos se formaria gradualmente em torno do gigante latino americano. Poderíamos pensar em impérios africanos ou em um califado islâmico (verdadeiro, não falso). E poderíamos, num futuro distante, imaginar um império norte-americano, que não reivindicasse para si a universalidade e que expressasse o modo de auto compreensão característico do povo norte-americano, seu Logos interno. Cada império, de fato, oferece sua própria resposta à questão do que é o ser humano. O povo norte-americano ainda não encontrou uma maneira de se entender (simplesmente não existe o tal de “sonho americano” – talvez exista o “sonambulismo“) e se jogou na escravidão de falsas elites a serviço do “globalismo” [e outras ideias “liberais” como Transgênero, Transhumanismo, Wokism, LGBTQ+, pedofilia, satanismo, etc . . .]

Futuro da Humanidade é um Projeto Aberto

De qualquer forma, o futuro da humanidade é agora um projeto em aberto. Seus futuros atores estão definindo seus lugares. É por isso que é imperativo nos afastarmos do que o filósofo russo Aleksandr Dugin chama de “codificação ocidental da consciência”, que é o costume de olhar o mundo através dos olhos ocidentais. Os modelos culturais, políticos, sociais e econômicos ocidentais estão esgotados ou se tornaram um fardo – um fardo desnecessário, prejudicial e até perigoso. É importante reavaliar esses modelos ou (se necessário) abandoná-los completamente, de uma vez por todas, o mais rápido possível. Os modelos ocidentais de um “futuro obrigatório” devem ser opostos por nossos próprios modelos de um futuro possível e desejável. 

Em primeiro lugar, o conceito de Estado-nação e Estado nacionalista foi superado. Como observou Rodrigo Sobota, “não podemos esquecer o fato de que a cristalização do Estado-nação como uma noção artificial do caráter especificamente ocidental nos dividiu profundamente”. A nação moderna, criada dentro do Estado-nação homogêneo e inspirada pelo etnonacionalismo estreito e exclusivo, não é o mesmo que o povo, a comunidade criada pela história e cultura de longa data, nem o Estado-nação é o único Estado possível. Juntamente com o conceito de Estado-nação, “devemos necessariamente admitir que o antigo mito hegeliano do Estado, cristalizado como ele o viu na venerável Alemanha Imperial, está em declínio terminal”.

No mundo globalizado de hoje, os Estados-nação, o produto indubitável do século XIX, bem como suas fronteiras firmemente fixadas, estão desaparecendo, e novas entidades supranacionais, continentais ou mesmo globais estão sendo criadas. Estes não são apenas processos de “dissolução” inevitável, mas também processos de criação de algo novo – oportunidades para construir novas relações e laços entre os povos. Esses processos costumam ser ambíguos na história: é difícil determinar o que realmente está desmoronando e o que está sendo construído. Nem tudo sai como planejado. Os processos podem ser revertidos em uma direção ou outra. Nas novas condições, tanto o colonialismo quanto o anticolonialismo estão assumindo novas formas. Essas ideias e conceitos, que ao longo dos últimos três ou mais séculos deram impulso ao “Ocidente moderno” e possibilitaram sua supremacia planetária em um breve período histórico, estão agora esgotadas.

Isso é mais claramente visível hoje no próprio Ocidente: o individualismo, o liberalismo e o utilitarismo não garantem mais superioridade – nem mesmo material –, mas estão se transformando em obstáculos. Além disso, são a razão do colapso interno e da rápida desintegração da sociedade ocidental e de toda a sua civilização. Todos eles pertencem à era do Iluminismo como frutos da razão do “homem esclarecido”, “sua majestade o pensador da Europa Ocidental”. É inútil continuar debates infrutíferos sobre “valores” que já estão mortos e pertencem ao passado irreversível. Existe um sinal mais óbvio de “decadência interna” do que isso?

Morte do Velho, Nascimento do Novo

Precisamos construir novas estruturas políticas, civilizacionais e econômicas de proporções continentais. Achamos que os impérios seriam os mais adequados para isso. Quando dizemos “império”, temos em mente o significado mais amplo possível, entidades suficientemente elásticas e robustas (ao mesmo tempo) para proteger seu espaço civilizacional de “intrusão externa”. Isso não significa que as nações existentes irão se desintegrar ou desaparecer dentro delas. Pelo contrário, estando dentro deles, adquirirão as condições para um desenvolvimento normal. 

Quanto a onde esse desenvolvimento os levará, deixe a questão permanecer em aberto. “Humano” no plural é “o povo”, e cada povo tem seu próprio rosto e caráter únicos. Cada povo deve continuar seu próprio desenvolvimento particular, com sua própria língua, tradição, história, cultura e a herança especial que os torna preciosos e diferentes dos outros. Os impérios surgem da busca dessa liberdade. Mas isso não é “liberdade de”, mas “liberdade para”: liberdade para que todos sejam quem são. 

Hoje, vamos repetir, vivemos em uma época de agonia e morte de uma civilizaçãoa ocidental. Este é um tempo de crise, um interregno, sobre o qual o grande filósofo italiano Antonio Gramsci disse: “A crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo não pode nascer; neste interregno aparece uma grande variedade de sintomas mórbidos”. As cãibras agonizantes de uma civilização nos permitem sentir os contornos do mundo futuro. O “novo” muitas vezes vem ao mundo com dores de parto. Não há como silenciar os sons e as vozes disso, por mais que tentem fazê-lo no Ocidente. 

A morte de uma civilização, via de regra, significa o nascimento de uma nova civilização, ou civilizações, que são em parte criadas sobre seu cadáver (neste caso, o cadáver do “Ocidente”) [e de seus “brilhantes psicopatas, oligarcas, elite, maçons, khazares, igreja romana, et caterva]. Os novos estados e novos arranjos não são completamente “novos”, assim como as civilizações “antigas” nunca morrem completa e inteiramente. Algo será assumido ou herdado e terá um novo significado em um contexto completamente diferente, enquanto outras coisas serão condenadas ao esquecimento. Os paradigmas das novas civilizações são construídos sobre velhas fundações. Tanto a União Soviética quanto os Estados Unidos, por exemplo, ressuscitaram misteriosamente o conceito de império e, assim, moldaram o mundo bipolar do século passado.

Cultivando todas as culturas únicas

Em primeiro lugar, isso se aplica à esfera da cultura. A cultura não é mais e não pode mais ser ditada a partir de um centro único. Devemos libertar a cultura, ou melhor, as culturas, de tudo o que é ultrapassado, chato e estereotipado e devolver as culturas ao seu significado original. Cultura e arte não são entretenimento planetário para a hora de dormir; cultura e arte são revelações, despertares, algo que inquieta e nos move a buscar mais o “novo”. 

Em vez de uma cultura planetária, prostituida e mercantilizada, de prazer para as massas, um entorpecente inebriante que traz sempre a mesma marca (“made in USA”), teremos culturas no plural. “Sim” para as culturas chinesa, russa, coreana, grega, francesa, brasileira, finlandesa, sérvia e muitas outras – assim como a verdadeira cultura americana, uma cultura que tem suas próprias raízes profundas. “Não” à cultura dos estereótipos que se resume a imitações sem rosto, repetindo tediosas e sempre os mesmos clichês dilapidados, banais e agora totalmente ultrapassados e corrompidos. Devemos devolver a cultura ao seu significado original criando-a (de novo). E esta é, talvez, nossa principal tarefa no momento. 

Hoje estamos concentrando nossos pensamentos no futuro, no “novo começo”, enquanto olhamos para o passado. Isso é natural e lógico. Não pode ser de outra forma, pois todo novo “é apenas uma nova expressão de um desejo antigo e eterno”, assim como qualquer verdadeiro “outro começo” não é um mero retorno ou imitação do passado, mas um “novo começo, mais primordial”. que o anterior.”

O livro de Boris Nad, The Rewakening of Myth está disponível para compra na PRAV Publishing (www.pravpublishing.com) e em livrarias online. Com agradecimentos a Jafe Arnold pela tradução. Este artigo foi publicado no New Dawn Special Issue Vol 15 No 3 .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. ATACANDO O METANO NA RÚSSIA, JÁ ERA, COM PARTE DA EUROPA JUNTO.

    DIANTE DO TAMANHO DA SUA CLASSE MÉDIA, CORTANDO A COMIDA QUE IMPORTAM, COMERÃO UNS AOS OUTROS.

    O BRASIL, SE NÃO CAIR NAS MÃOS DE COMUNISTAS CORRUPTOS E ENTRAR EM UMA GUERRA CIVIL, SERÁ O MAIOR BENEFICIADO NO FUTURO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *