browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mundo caminha para a ‘Pior Recessão’ em 150 anos

Posted by on 17/04/2020

O mercado de ações teve outro grande momento em 14/04, estimulado pelas maciças e recentes injeções de liquidez do Fed, o pseudo “Banco [privado] Central” dos EUA. Mas você realmente não deveria se surpreender muito com esses rallys de sobe e desce no preço das ações. Até os piores mercados em baixa têm retornos substanciais. E você pode esperar que o mercado devolva todos os seus ganhos recentes nos próximos meses, à medida que as conseqüências econômicas dos bloqueios e quarentenas se tornarem MUITO aparentes [Como o DESEMPREGO nos EUA, que ultrapassou os 22 milhões de americanos nas últimas quatro semanas].

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A Pior recessão em 150 anos

Fonte:  https://dailyreckoning.com/worst-recession-in-150-years/

Este mercado de estilo urso [ora levanta, ora abaixa] tem um longo e tortuoso caminho a percorrer. E, na verdade, poderemos estar olhando para a pior recessão dos últimos 150 anos, se um economista estiver correto. Vamos desempacotar isso …

Meus leitores regulares sabem que tenho uma opinião crítica da maioria dos “economistas acadêmicos”, aqueles que você encontra no Fed, no FMI, BIS, Bco Mundial, e na grande mídia Pre$$titute das “análises” financeiras.

O problema não é que eles não têm formação; eles têm Ph.Ds e QIs altos de “gênios” para provar o contrário. Eu conheci muitos deles e posso dizer que eles não são idiotas. O problema é que eles são reduzidos em seu alcance na análise das situações. Eles aprendem muitas teorias e modelos econômico-financeiros que não correspondem à realidade de como as economias e os mercados de capitais realmente funcionam.

Pior ainda, eles continuam criando novas teorias que enlameiam ainda mais as águas turvas de Wall Street. Por exemplo, “conceitos” como a Curva de Phillips (uma relação inversa entre inflação e desemprego) são empiricamente falsos.

Outras “idéias”, como “vantagem comparativa”, atraem a atenção dos professores e “eruditos” acadêmicos, mas não funcionam no mundo real por muitas razões, incluindo o fato de que as nações criarem vantagens comparativas do nada com subsídios do governo e demandas mercantilistas [e o mercado financeiro global não passar de um mero cassino e um prostíbulo para prostitutas – as do mercado financeiro – da pior espécie].

Não é mais o início do século XIX

Não estamos mais no início do século XIX, quando as teorias econômico-financeiras se desenvolveram. Por exemplo, naquela época, uma nação especializada em produtos de lã como suéteres (Inglaterra) talvez não produzisse os melhores produtos de couro como sapatos (Itália). Se você deixasse a Inglaterra produzir blusas e a Itália fabricar sapatos, todo mundo estaria melhor no final do dia. É um exemplo simples, mas você o entendeu.

Mas no mundo altamente integrado e globalizado de hoje, inundado por um “sem número” de teorias econômico-financeiras, onde você pode simplesmente realocar uma fábrica de um país para o outro, para reduzir CUSTOS, a vantagem comparativa tem muito menos significado. Você pode produzir suéteres e sapatos na China tão facilmente quanto na Inglaterra e na Itália hoje (além de conseguir fazê-lo muito mais barato).

Existem muitos outros exemplos de análises “dogmáticas e preguiçosas” entre “economistas ordinários”, que são muitos para listar. No entanto, existem algumas exceções à regra. Alguns economistas desenvolveram teorias que são apoiadas por evidências concretas e fazem um ótimo trabalho ao explicar o comportamento do mundo real. Um desses economistas é Ken Rogoff, de Harvard.

A pior recessão em 150 anos

Com sua colaboradora, Carmen Reinhart e outros, ele mostrou que índices de dívida / PIB superiores a 90% negam o multiplicador keynesiano por meio de funções de resposta comportamental. Com baixos índices de endividamento, um dólar emprestado e um dólar gasto podem produzir US$ 1,20 do PIB. Mas, em proporções elevadas, um dólar emprestado e um dólar gasto produzirão apenas US$ 0,90 do PIB.

Esta é a realidade por trás da frase “Você não pode pedir [MAIS] dinheiro emprestado para sair de uma crise da dívida”. É isso é verdade.

Enquanto isso, a relação dívida / PIB dos EUA era de cerca de 105% antes da crise da pandemia [a dívida do tesouro dos EUA esta em US$ 23 trilhões]. E ela só está crescendo, de cara em mais 10%, com a aprovação do pacote de US$ 2,3 trilhões de resgate da economia dos EUA aprovado pelo congresso. Estamos apenas cavando um buraco mais profundo para nós mesmos.

Então, quando Ken Rogoff fala (ou escreve), eu ouço. Em seu último artigo, Rogoff oferece uma previsão terrível para a recuperação da Nova Depressão resultante da pandemia do COVID-19. Ele escreve:

“O colapso de curto prazo … agora em andamento já parece passível de rivalizar ou exceder o de qualquer recessão nos últimos 150 anos”.

Isso obviamente inclui a Grande Depressão e muitas outras crises econômicas. Isso é algo que você realmente deve considerar antes de decidir que a costa está limpa e que é hora de voltar aos negócios com ações. Citamos como argumento o fato de que nas últimas quatro semanas de crise da pandemia, cerca de 22 MILHÕES de norte americanos perderam seus empregos e estão na fila para receber auxílio desemprego, números que excedem, de longe, qualquer índice de desemprego anterior na história dos EUA

Sistemas complexos colidem

Reduzindo um pouco o zoom e, como argumentei antes, a pandemia é um excelente exemplo de sistemas complexos colidindo entre si …

Investidores e cidadãos comuns estão focados em como a pandemia do COVID-19 (um sistema dinâmico complexo) está entrando na economia comum (outro sistema dinâmico complexo) e influenciando o processo político e as próximas eleições presidenciais dos EUA (ainda outro sistema dinâmico complexo).

Analisar as operações de um sistema dinâmico complexo é bastante difícil; a maioria dos analistas não pode fazer isso porque está usando os paradigmas errados. A análise se torna muito mais desafiadora quando vários sistemas complexos interagem entre si e produzem loops de feedback. É aí que residem os verdadeiros “cisnes negros”.

E essa crise é o cisne mais negro que a maioria das pessoas hoje já viu, especialmente se a visão de Rogoff estiver correta – 150 anos é muito tempo.

Isso não minimiza de maneira alguma eventos recentes como o 11 de setembro ou a crise financeira de 2008. Ambos foram devastadores. Mas nenhum deles levou a um bloqueio virtual de toda a economia GLOBAL como estamos vendo agora. A crise atual É GLOBAL e simplesmente não tem precedentes na história da humanidade. O que estamos vendo é um contágio global completo em todos os setores e países.

Contágios Biológicos e Financeiros

Vamos discutir a palavra “contágio” por um minuto, porque se aplica às populações humanas e aos mercados financeiros – e de várias outras maneiras do que você poderia esperar. Há uma razão pela qual especialistas financeiros e gerentes de risco usam a palavra “contágio” para descrever um pânico financeiro e a consequente corrida aos bancos e a quebra e colapso do sistema.

Obviamente, a palavra contágio se refere a uma epidemia ou pandemia. No campo da saúde pública, uma doença pode ser transmitida de humano para humano através de tosse, agulhas compartilhadas, comida compartilhada ou contato envolvendo fluidos corporais. Um portador inicial de uma doença (“o paciente zero”) pode ter muitos contatos contaminando-os antes que a doença apareça em si mesmo.

Algumas doenças têm um período de latência de semanas ou mais, o que significa que o paciente zero pode infectar dezenas, centenas antes que os profissionais de saúde estejam cientes da doença. Então essas centenas podem infectar milhares ou até milhões antes de serem identificadas como portadoras.

Em casos extremos, como a pandemia de “gripe espanhola” de 1918 a 2020, envolvendo o vírus influenza H1N1, o número de infectados poderia ter chegado a 500 milhões e o número de mortos pode ter ultrapassado os 100 milhões de vítimas.

Uma dinâmica semelhante se aplica a pânico financeiro. Pode começar com a falência de um banco ou uma corretora como resultado de um colapso do mercado (um “paciente financeiro zero”). Mas a angústia financeira se espalha rapidamente aos bancos que negociaram com a entidade falida e, em seguida, aos acionistas e depositantes desses outros bancos e assim por diante, até que o mundo inteiro esteja sob um pânico financeiro, como aconteceu em 2008.

Ainda assim, a comparação entre pandemias médicas e o pânico financeiro é muito mais do que uma metáfora.

O contágio de doenças e o contágio financeiro funcionam da mesma maneira. A matemática não linear e a dinâmica do sistema são idênticas nos dois casos, embora o “vírus” seja um problema financeiro e não um vírus biológico.

Mas o que acontece quando essas duas funções dinâmicas interagem? O que acontece quando um vírus biológico se transforma em vírus financeiro? Estamos vendo esses efeitos agora, na atual crise.

Preparem-se para a Desordem Social em massa

No entanto, mesmo essa análise de três sistemas que acabei de descrever (pandemia> economia> política) não vai longe o suficiente. A próxima fase foi pouco notada e menos discutida. Envolve desordem social. Um colapso econômico é mais do que econômico. Isso leva rapidamente a um colapso social que envolve saques, violência aleatória, fraude e comportamento decadente e a ruptura do tal “tecido social”.

Os anos de 1920 do rugido nos EUA (com banhos de Al Capone e Champagne) e na Alemanha de Weimar (com distúrbios e cabarés) são bons exemplos. Saques, roubos e violência em meio a um estado de emergência são a forma do que está por vir.

O verniz da civilização é fino como papel e rasga-se facilmente. A maioria das pessoas não percebe o quão frágil é o tal “tecido social”. Mas eles vão aprender essa lição, receio, em breve. Esperem que a desordem social piore muito antes de melhorar, quando os sistemas falirem, um após outro, como uma queda de dominós: é inevitável.

Saudações-= Jim Rickards, para The Daily


“E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome”. – Apocalipse 13:15-17

“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores”. – Mateus 24:6-8

 

One Response to Mundo caminha para a ‘Pior Recessão’ em 150 anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.