Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Não é um ‘Impasse’: o Colapso da Linha de Frente ucraniana

Continuam a acumular-se provas, através de relatórios vazados, de um colapso generalizado nas linhas de frente ucranianas. Anteriormente, concentramo-nos na situação da frente sul de Zaporozhye. Agora vamos nos concentrar em Kharkov, no nordeste. A cópia do documento ucraniano anexo, totalmente verificado quanto à autenticidade, é um relatório de julho da situação ao Chefe do Estado-Maior do grupo operacional-tático “Sumy”.

O Colapso da Linha de Frente ucraniana não é um ‘Impasse’, é generalizado

Fonte: Strategic-Culture.su

O relatório diz essencialmente que é impossível retirar dois terços da unidade A7383 do campo de batalha para recuperar a prontidão de combate porque o terço restante é incapaz de sustentar a frente – que se estende por 55,5 km.

Paralelamente, o recrutamento de novos soldados progredia muito lentamente.

Há quatro meses, a 127ª brigada de defesa territorial separada em Kharkov ainda estava equipada com 72% do seu pessoal – 2.392 soldados e 256 oficiais. No entanto, o que é crucial é que a condição moral-psicológica da unidade era crítica – tal como no caso anterior em Zaporozhye.

Portanto, esqueçam a recuperação da prontidão para o combate: este é mais um caso de uma brigada – agora em Kharkov – que não consegue lutar adequadamente. O caso anterior estava longe de ser uma exceção à regra atual.

A conclusão é dura: com brigadas inteiras em estado crítico, toda a linha da frente ucraniana pode estar prestes a cair.

O desastre dos cem dias

Os fatos no terreno apontam para que as Forças Armadas Russas (FAR) tomem a iniciativa ao longo de todas as linhas da frente da guerra. Isto é reconhecido até pelos serviços de informação polacos e estônios. As principais batalhas estão sendo travadas na linha Avdeevka-Marinka no DPR e na linha Kupyansk-Svatovo no LPR.

Os russos tem mão de obra e armas suficientes para manter os ucranianos num estado de desespero 24 horas por dia, 7 dias por semana. Os objetivos permanecem os mesmos: capturar todo o DPR [Donbass] e LPR [Luhansk] dentro das suas fronteiras administrativas.

Paralelamente, o sempre ligado Dmitri Medvedev, Vice-Presidente do Conselho de Segurança Russo, anunciou um aumento maciço na produção de armas e equipamento militar. Medvedev sublinha constantemente que as capacidades da indústria de defesa russa atingiram um nível sem precedentes – e muito mais rapidamente do que o esperado.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, por seu lado, faz eco do que o Ministro dos Negócios Estrangeiros Lavrov tem vindo a detalhar há meses: Kiev – e os seus manipuladores da NATO – devem perceber que não podem e não vão “vencer” no campo de batalha.

Medvedev sempre gosta de aumentar a aposta: “O Ocidente deve admitir que não só Donbass e a Crimeia não são mais a Ucrânia, mas também Odessa, Nikolaev, Kiev e praticamente tudo o resto”.

Esta foi uma resposta contundente ao antigo secretário-geral da OTAN, Anders “Fogh of War” Rasmussen, que disse que a Ucrânia poderia ser aceita na OTAN “sem os territórios perdidos”, referindo-se à Crimeia e ao Donbass.

Isso deixou Medvedev entusiasmado: “O que então deveríamos admitir à OTAN, você pergunta? Bem, podemos aceitar a cidade de Lemberg e os seus arredores [a região de Lviv] se eles realmente insistirem nisso.”

Esta análise centra-se “no que os russos estão fazendo com a sua ‘ofensiva na época da lama’ em curso na Ucrânia, na verdade uma coleção de ataques locais ao longo da linha da frente” – com exceção de Kherson.

Estrategicamente, a Rússia não comprometeu nenhuma das suas enormes reservas enquanto as Forças Armadas da Ucrânia (AFU) são pressionadas ao longo de todas as linhas da frente – e os russos preparam silenciosamente um golpe surpresa noutro local.

Uma tempestade perfeita de financiamento, armamento e “apoio” ocidental cada vez menor obscureceu o horizonte de Kiev, enquanto os desastres em série na Ucrânia são tão óbvios que estão até sendo captados pelos principais meios de comunicação ocidentais.

Isto não é um “impasse”.

A análise anterior é apenas uma entre muitas que corresponde ao colapso das brigadas ucranianas nas linhas da frente – consistindo “em grande parte de unidades já atacadas na sua desastrosa Ofensiva dos Cem Dias”. A Ofensiva dos Cem Dias deveria antes ser qualificada como o Desastre dos Cem Dias da OTAN.

O desastre é a principal razão pela qual a administração do “combo Biden” está agora tentando desesperadamente impor um cessar-fogo: uma estratégia para salvar as aparências tão crucial como atirar o ator palhaço Zelensky de camiseta suada em Kiev para debaixo de um ônibus de dois andares.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *