browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Nave espacial (antigravidade) desenvolvida por Otis Carr, discípulo de Nikola Tesla (1)

Posted by on 04/07/2019

Ralph Ring é um brilhante técnico inovador que, como jovem, no final dos anos 1950 e início dos anos 1960, trabalhou de perto com Otis T. Carr. Com a ajuda de sua pequena equipe, Carr, que era ele próprio um protegido do grande inventor Nikola Tesla, construiu uma série de discos voadores, que funcionavam … antes de sua experimentação ser forçosamente terminada por agentes do governo. Em um experimento dramático, Ring co-pilotou um disco de 45 pés a uma distância de dezesseis quilômetros, chegando ao seu destino instantaneamente.  Ring, agora com 71 anos, conta sua história – a primeira vez em que ela foi relatada.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Aquamarine Dreams: Ralph Ring e Otis T. Carr – Las Vegas, August 2006

Fonte: http://projectcamelot.org/ralph_ring.html

O Projeto Camelot tem o privilégio de ter sido apresentado a Ralph Ring, um talentoso técnico intuitivo que, no final dos anos 1950 e início dos anos 1960, trabalhou em estreita colaboração com Otis T. Carr, um protegido do grande inventor Nikola Tesla. Antes de conhecer Carr, Ralph ajudou o famoso oceanógrafo francês Jacques Cousteau a desenvolver o Aqua-Lung, e depois passou um período trabalhando com uma organização de pesquisa financiada pelo governo chamada Advanced Kinetics.  Bill Ryan conversou com Ralph por mais de doze horas em sua primeira reunião, em março de 2006. Ele foi genial, carismático, gentil, atraente e alegre durante seus 71 anos. A história que ele contou era cativante.


– “Você deve sempre trabalhar com a Mãe Natureza (O Princípio feminino da FUSÃO). A FORÇA nunca é necessária. As leis do universo físico são realmente muito simples”.
• Ralph Ring, entrevistado por Kerry Cassidy, agosto de 2006

– “Eu trabalhei neste projeto por 12 anos e às vezes me chamo de burro porque tento comparar a arte com a nossa tecnologia. Fazer isso é burrice, já que todos os que trabalharam na nave ao longo dos anos entenderam.”
• Físico dos Laboratórios Nacionais de Los Alamos, citado em Exempt from Disclosure, por Robert Collins

O projeto do veículo de Otis Carr, o OTC X-1

– “Os pilotos … sabiam que estavam indo muito rápido, mas foi tão rápido que viram as coisas paradas a tempo … No começo nossos pilotos não conseguiam interagir com a nave. O Alien Life Form (UM EXTRATERRESTRE) corrigiu o problema com (COLOCANDO) três dedos no painel do globo (comando SIMBIÓTICO). Então a onda se formou e a nave começou a cooperar e gerar sustentação … “
• James Jesus Angleton (CIA), citado em Exempt from Disclosure , por Robert Collins

– “O veículo era simplesmente uma extensão de suas próprias (mentes e) corpos porque estava ligado a seus sistemas neurológicos …”
• Col. Philip J. Corso, “O dia depois de Roswell

– “Minha máquina voadora não terá asas nem hélices. Você pode vê-la no chão e você nunca imaginaria que seria uma máquina voadora. No entanto, será capaz de se mover à vontade pelo ar em qualquer direção com perfeita segurança.” 
Nikola Tesla, entrevistado no The New York Herald Tribune , em 15 de outubro de 1911


Em essência, a história é a seguinte. Carr e um pequeno grupo de engenheiros e técnicos, um dos quais era Ralph, construíram um disco voador, acionado por eletromagnetos rotativos em conjunto com vários engenhosos dispositivos semelhantes a capacitores chamados “Utrons”. Uma série de protótipos foram construídos, variando em tamanho, de modelos experimentais a poucos metros de diâmetro, até um veículo de transporte de passageiros com 45 pés (13,68 metros) de diâmetro. Os discos menores voaram com sucesso – um até desapareceu completamente e foi permanentemente perdido – e o próprio Ralph testemunha ter co-pilotado, com outros dois homens, a nave grande a uma distância de cerca de dez milhas, percorrendo essa distância instantaneamente.

Carr estava seriamente decidido a levar a sua espaçonave ofício para a Lua. No entanto, duas semanas após a experiência dramática de Ralph, o laboratório foi fechado à força por agentes do governo e todos os arquivos e documentos foram confiscados. O grupo foi forçado a se separar e o projeto nunca foi concluído. Desanimado e frustrado, Ralph depois comprou algumas terras no Arizona, onde construiu uma casa em forma de disco futurista que ele disse ser surpreendentemente eficiente em termos de energia e, o que mais tarde percebeu, décadas à frente de seu tempo.

O trabalho de Carr foi gravado em vários lugares, mas os detalhes são relativamente escassos. Um físico altamente respeitado, pesquisando sistemas de energia alternativa com o apoio de uma organização substancial, disse a Bill Ryan que “nunca investigou Otis Carr porque suas alegações pareciam muito estranhas”. Mas poucos pesquisadores sabem que um dos engenheiros da equipe ainda está vivo. O Projeto Camelot tem orgulho de contar a história de Ralph Ring e lançará uma entrevista em vídeo com ele nas próximas semanas.

Protótipo da nave OTC X-1, projetada por Otis Carr

Ao relembrar os inebriantes acontecimentos do final dos anos 50, trabalhando dia e noite com Carr, Ring repetidas vezes ressaltou que a chave era trabalhar com a natureza. “Ressonância”, ele enfatizaria repetidamente. “Você tem que trabalhar com a (as forças da) natureza, não contra ela.”  Ele descreveu como quando os modelos dos discos foram ligados e atingiram uma velocidade de rotação específica…

“… o metal tornou-se para um estado ‘gelatinoso’. Você podia empurrar o dedo diretamente através dele. Ele deixou de ser sólido. O metal se transformou em outra forma do estado da matéria, que era como se não mais estivesse inteiramente aqui nesta realidade (3D). Essa é a única maneira que eu posso tentar descrevê-lo. Foi estranho, uma das sensações mais estranhas que eu já senti. “

Como foi trabalhar com Carr? 

“Ele era um gênio inquestionável. Tesla reconheceu sua qualidade imediatamente e lhe ensinou tudo o que sabia. Ele era inspirado e – como Tesla – parecia saber exatamente o que fazer para fazer algo funcionar. Ele era um homem privado e também muito metafísico em seu pensamento. Eu acho que o fato de que ele não era formalmente treinado em física o ajudou. Ele não era limitado por quaisquer idéias preconcebidas (do “establishment científico”). Tão louco como parece agora, ele estava determinado a voar para a Lua e realmente acreditava que isso poderia ser feito. Eu acreditei. Todos nós acreditamos. “

A nave voou? “Voar não é a palavra certa. Percorreu certa distância. Parecia não ter tempo (para se deslocar de um ponto A para um ponto B). Eu estava com outros dois engenheiros quando pilotamos a nave de 45 pés cerca de dezesseis quilômetros. Achei que não havia mudado de local – achei que tinha falhado. Fiquei completamente surpreso quando percebemos que havíamos retornado com amostras de rochas e plantas de nosso destino, foi um sucesso dramático, foi mais como uma espécie de teletransporte (da nave e dos seus ocupantes).

“O que é mais interessante, o tempo foi distorcido de alguma forma. Nós sentimos que estivéramos na espaçonave por cerca de quinze ou vinte minutos. Fomos informados depois que tínhamos sido cuidadosamente cronometrados como tendo estado na nave não mais do que três ou quatro minutos. Eu ainda não tenho uma ideia completa de como tudo funcionava, apenas construímos exatamente de acordo com as instruções de Carr. Tudo tinha que ser perfeito … tudo tinha que ser assim, ou ele disse que não funcionaria: uma espécie de estado (mental) simbiótico entre o homem e a máquina.

“O Utron foi a chave para tudo isso. Carr disse que acumulou energia por causa de sua forma, e enfocou-o, e também respondeu às nossas intenções conscientes. Quando nós operamos a máquina, nós não acionamos ou usamos nenhum controle. Nós entramos em um tipo de estado meditativo e todos nós três focamos nossas intenções no efeito que queríamos alcançar. Parece ridículo, eu sei. Mas foi o que fizemos, e foi o que funcionou. Carr tinha entrado em algum princípio que não é entendido ainda hoje, em que a consciência combina com engenharia para criar um efeito, você não pode descrever isso em equações, eu não tenho idéia de como ele sabia que iria funcionar Mas isso aconteceu.

“Eu perdi a conta do número de pessoas que se recusaram a acreditar no que aconteceu. Eu não falo mais sobre isso. Não é divertido ser ridicularizado e ridicularizado. Mas eu descrevi exatamente como ocorreu. Um dia alguém vai construír o disco da mesma forma que fizemos e eles terão a mesma experiência. Todos os projetos e desenhos ainda existem. No dia de hoje, tudo seria feito com circuitos de estado sólido e digital – nenhuma peça móvel seria necessária.

“Ouvi dizer que os alienígenas usam o mesmo princípio para operar s suas naves. Sua física parece trabalhar no controle de sua consciência. A nave amplifica o poder de suas mentes. Elas não funcionam sem os pilotos. Ouvi dizer que é por isso que não podemos operar as espaçonaves extraterrestres (recuperadas) – ou, pelo menos, não podemos operá-las da maneira que eles fazem. Nós simplesmente não somos adaptados mental e espiritualmente o suficientemente (não temos CONSCIÊNCIA). Então, há dois segredos para fazer os discos funcionarem. Uma é a engenharia avançada, e a outra é a capacidade mental e espiritual dos pilotos. Podemos ter duplicado, feito engenharia reversa de algumas espaçonaves, mas podemos estar muito longe da segunda possibilidade ainda”.

Ralph King e Bill Ryan

Bill Ryan deixou Ralph prometendo colocar a informação nas mãos de alguém que pudesse entender e duplicar as experiências dramáticas conduzidas por Carr e sua equipe. Ralph e Bill Ryan concordaram em trabalhar juntos para ver o projeto até a sua realização. Pouco depois dessa entrevista, Ralph foi ao hospital para uma operação rotineira de substituição da articulação do joelho. Ele acidentalmente recebeu o tratamento errado e quase morreu três vezes. No momento em que escrevo (julho de 2006), ele acaba de emergir, muito frágil, dos cuidados intensivos sobre sua saúde – mas está determinado a contar sua história. Antes disso, ele gozava de perfeita saúde com 71 anos.

É exatamente para isso que o Projeto Camelot existe.


Material sobre Otis Carr atualmente em domínio público:

Segundo Otis Carr, “Qualquer veículo acelerado a uma rotação de eixo relativa à sua massa inercial atrativa, imediatamente se torna ativado pela energia de espaço livre e atua como uma força independente (da gravidade planetária circundante) … Mostramos que um corpo carregado, acelerado a um eixo rotação em relação a esta massa inercial atrativa, indica polaridade em uma determinada direção”.

“A agulha de imersão aponta, digamos, em direção ao topo do corpo. Mas monte isso enquanto gira o corpo, com seu eixo, em outra plataforma e gire essa plataforma em um eixoo, então se a contra-rotação for maior que a inércia rotação para a frente do corpo, uma agulha na segunda plataforma apontará para baixo enquanto a primeira agulha aponta para cima, indicando a completa relatividade da polaridade. Quando a contra-rotação exata coincide com a rotação para frente, o corpo perde sua polaridade completa e imediatamente torna-se ativado pela energia livre (tensores no espaço) e atua como uma força independente … A montagem acima descrita da massa (do veículo) com contra-rotação torna a sem peso e ela escapará à atração imediata das forças gravitacionais planetária.”

O motor de Carr tinha apenas duas partes móveis – como dois piões em cima um do outro, cada um girando em uma rotação diferente. Carr afirmou que “quando a contra rotação coincide com a rotação para a frente, um corpo perde sua polaridade … e cria um tipo de força independente. Isso faz com que a massa contra-giratória do objeto escape do efeito pleno da influência gravitacional”.

Resultados semelhantes, relativos às aparentes propriedades antigravitacionais de objetos rotativos, foram mostrados por uma variedade de diferentes pesquisadores – mais notavelmente, o eminente engenheiro britânico Professor Eric Laithwaite, que demonstrou uma aparente perda de peso em um sistema lacrado contendo um arranjo de giroscópios giratórios e convidou a comunidade científica para pesquisar o fenômeno. Curiosamente, a descrição “gelatinosa” do estado alterado do metal sólido, obtido sob condições específicas e incomuns, também foi relatada pelo pesquisador John Hutchison e faz parte do folclore do Philadephia Experiment.

De acordo com Carr, o seu projeto de veículo auto propulsionado foi realmente terminado em 1947, mas na época ele foi incapaz de gerar qualquer interesse nele. Carr afirmou que o núcleo de sua nave espacial seria uma enorme bateria que giraria à velocidade da nave externa e que seria recarregada por seu próprio movimento. Carr continuou declarando que tal bateria, construída em qualquer tamanho, poderia ser projetada para alimentar a maior usina de geração de eletricidade, operar um automóvel, aquecer uma casa ou alimentar qualquer máquina ou dispositivo concebível.

Em 15 de abril de 1959, um evento de lançamento foi realizado em Oklahoma City com centenas de pessoas convidadas, tendo sido informadas de que um disco protótipo se elevaria de 400 a 600 pés  (12 a 18 metros) do chão de uma pedreira. Após várias horas de atraso, foi anunciado que o lançamento estava sendo adiado devido a um rolamento mal projetado. Contudo, subseqüentemente surgiu a história de que Carr tinha sido internado no hospital por oito dias com uma hemorragia pulmonar, além de que, em um teste pré-voo preliminar, o acumulador tinha desenvolvido um vazamento que havia pulverizado mercúrio sobre o mecanismo interno.

As reivindicações de Carr começaram a atrair a atenção do governo dos EUA no final dos anos 50. O major Wayne Aho, ex-oficial de inteligência de combate do Exército durante a Segunda Guerra Mundial, anunciou que levaria a embarcação para a Lua em 7 de dezembro de 1959, que a viagem duraria 5 horas e que permaneceria em órbita sete dias antes, retornando depois. O ofício de 45 pés de diâmetro que ele usava pesava cerca de 30 toneladas e “era movido pelo motor Utron”.

Em 2 de junho de 1960, Carr disse a uma platéia de cerca de 300 pessoas que era uma “distorção traiçoeira do fato dizer ou inferir que nós [a OTC Enterprises] estamos indo para a Califórnia para arrecadar dinheiro em vendas de ações”. A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA colocou uma liminar contra Carr, ordenando-lhe que deixasse de vender ações não registradas. A publicidade negativa começou a aparecer em várias publicações e havia indícios de impropriedade, embora nunca com qualquer prova. A imprensa mainstream começou a se voltar contra ele.

Em janeiro de 1961, o Procurador Geral de Justiça de Nova York, Louis J. Lefkowitz, declarou que Carr tinha fraudado US$ 50.000 e, mais tarde naquele ano, a True Magazine. rotulou-o de fraudador. Até então, seu laboratório havia sido invadido e destruído, e o grupo de engenheiros foi ordenado a se dispersar e parar o contato um com o outro. Não se sabe o que aconteceu ao próprio Carr ou a sua nave … mas eles nunca mais voaram novamente. Carr é relatado para ter sofrido de má saúde, um homem quebrado. Ele faleceu em Gardnerville, Nevada, em 2005.


O design do veículo de Otis Carr, o OTC X-1:

Clique na imagem para AMPLIAR

Por favor, clique na imagem para ver em alta resolução.


Entrevista: “Long John” Nebel (Rádio WOR, NY) com Otis Carr e Norman Colton (29 de outubro de 1957):

LJ (“Long John” Nebel): De acordo com o cronograma aqui, o preço a ser pago na entrega total, sem compromissos prévios exigidos, e incluindo todos os poolings, e outras despesas indiretas o custo total é de $ 20 milhões de dólares. Unidades idênticas adicionais estão no mesmo cronograma para $ 4 milhões de dólares cada nave. Isto é muito dinheiro! Meu nome é Long John e chamamos isso de “a linha do partido”.

Eu penso que você imagina o que eu estou falando por $ 20 milhões de dólares. Bem, eu tive alguns patrocinadores e vendemos algumas coisas, mas eu não tenho a OTC Enterprises Inc. de Baltimore, Maryland como patrocinadora, mas eles têm algo para vender. Principalmente, uma nave espacial circular que está disponível por $ 20 milhões de dólares. Nós falamos sobre discos voadores no programa muitas vezes. Mas esta noite parece-me que temos dois cidadãos muito sólidos que representam as OTC Enterprises e de acordo com todas as brochuras, todos os folhetos, tudo o que temos à nossa frente e acreditamos que temos uma pilha de coisas à nossa frente, incluindo modelos de trabalho em miniatura e com todo esse material eu sou levado a acreditar nesses homens e acredito que há algo nos seus discos voadores.

E os homens aos quais eu estou me referindo são Otis. T. Carr, presidente e Norman Evans Colton, diretor de engenharia de vendas. Esses senhores estão associados à OTC Enterprises, e estaremos conversando com eles hoje à noite sobre a possibilidade de fazer uma espaçonave que possa ir a Vênus, que possa ir até a Lua, que pode ir até Marte, que custa $ 20 milhões de dólares. E depois que tivermos a primeira nave, o restante não custará muito, cerca de $ 4 milhões de dólares cada. Temos com a gente esta manhã Ben Isquith e Mel Saloney. Eles terão muitas conversas com muitas pessoas e eu espero que você chame alguns de seus amigos e vizinhos e diga que se eles estiverem interessados ​​em discos voadores, esta é uma noite em que eles devem estar conosco, nos ouvindo.

Sr. Carr, há algum tempo atrás, um dos nossos ouvintes enviou-me uma brochura publicada pela OTC Enterprises. É uma brochura muito bonita; é certamente muito inspirador, e quando eu li esta oferta sobre uma espaçonave que seria disponibilizada por $ 20 milhões de dólares, eu quase me assustei e falei no ar, e evidentemente alguém contatou seu Diretor de Engenharia de Vendas, Sr. Colton. e ele entrou em contato conosco e é por isso que você está aqui esta manhã como nosso entrevistado. Antes de falarmos sobre essa espaçonave espacial que você pretende fabricar, gostaria de fazer algumas perguntas: 

Você acredita na possibilidade de os discos voadores virem até este planeta, o planeta Terra, de outros planetas?

OTC (Otis T. Carr): Acreditamos que existem objetos voadores não identificados no ar. Nós vimos três em três ocasiões separadas.

LJ: Você diz que viu três, Sr. Carr? Você os viu no ar? Eles estavam pairando acima de um determinado local?

OTC: No ar, eles estavam indo em grande velocidade e eles estavam definitivamente carregados eletricamente porque temos trabalhado no mesmo princípio por muitos anos e reconhecemos o que vimos.

LJ: Bem, quando você diz eletrificado, que outro tipo, se podemos usar a palavra disco esta manhã porque muitos de nossos ouvintes entendem que tipo de disco voador poderia haver outros que não são eletrificados, poderia haver gás ou algo assim, senhor? 

OTC: poderia haver se seguíssemos os princípios agora conhecidos em nossa atmosfera. Há muitas maneiras em que uma embarcação redonda (circular) pode ser usada, como no helicóptero e nos jatos na área próxima à fuga, a borda de ataque (de uma asa). Mas nos três diferentes incidentes que vimos em 1951 e 1952, eles eram definitivamente elétricos e estavam muito próximos do que já havíamos projetado.

LJ: Você disse o sistema ‘Helo’?

OTC: Isso mesmo. Bem, qualquer sistema de rotação circular que possa usar uma força motriz como a propulsão a jato produziria numa nave aérea.

LJ: De que maneira a sua invenção é diferente dos objetos voadores não identificados que você viu?

OTC: Não sabemos, naturalmente, não tendo sido capazes de examinar os objetos que vimos devido à grande velocidade, não podemos dizer com certeza que eles são semelhantes aos nossos, mas sentimos que o princípio é o mesmo. Nosso design utiliza gravidade, eletromagnetismo e força eletromotriz e um campo relativo para obter sua operação funcional.

LJ: Eu não entendi uma única palavra da sua última frase. Sem ficar nada técnico, você poderia torná-lo um pouco mais fácil (para um leigo)?

Wayne Aho (esquerda) e Otis T. Carr (segundo da esquerda terno escuro). Os dois homens à direita são desconhecidos.

OTC: Nós usamos esta declaração que usamos um transmissor eletrificado. É um núcleo de força central. Agora isso é o que chamamos de ”acumulador”. Em um sentido vernacular, é uma usina. É uma célula de armazenamento, um acúmulo de células de armazenamento que fornecem uma força eletromotriz da mesma maneira que qualquer bateria conhecida produz uma força eletromotriz.

LJ: É isso que você está segurando na sua mão?

OTC: Isso mesmo.

LJ: Você pode descrever isso?

OTC: Este é um objeto dimensional. Foi projetado com as dimensões do próprio espaço. Dizemos que é verdadeiramente a forma geométrica do espaço, porque é completamente redonda e completamente quadrada. Agora, nessa superfície, eles estão em toda parte, mas quando mostramos dessa maneira, as superfícies são quadradas. Já foi comprovado em laboratórios científicos que a menor unidade de massa já fotografada no microscópio eletrônico é quadrada. Isso só foi descoberto nos últimos dois meses. Sabemos disso há anos e aplicamos esse princípio em um sistema eletrificado, que é o núcleo de força de nosso veículo espacial. Agora, o que torna isso diferente e único e original a partir de uma bateria é o fato de que esta é uma peça de maquinaria em movimento que gira. Nossa bateria média de armazenamento é um objeto inanimado em um ponto inercial e então a força eletromotriz é conduzida por fios dessa bateria para animar algum objeto.

LJ: Deixe-me interromper um momento, vou tentar descrevê-lo ainda mais. Bem, parece que duas casquinhas de sorvete são colocadas juntas nas extremidades largas, mas o ângulo é muito mais largo do que o das casquinhas de sorvete. Há uma série de cordilheiras que parecem engrenagens. Isso está correto?

OTC: Não, esses são, de certo modo, ‘princípios das turbinas’. Eles são ‘canais reativos’. E onde há atmosfera, um fluxo de ar ajuda a rotação.

LJ: Bem, então, esse é um dos componentes da unidade de força, essa é a bateria?

OTC: Este é o núcleo central de força.

LJ: Isso gera eletricidade?

OTC: Isso está certo. Esta é uma célula de armazenamento de energia elétrica. Em operação, gera eletricidade ao mesmo tempo em que elimina a força eletromotriz. Este é o sistema de energia central para a nossa nave espacial.

LJ: Eu posso dizer isso, que abriu e parece estar oco por dentro, muito, eu diria …. bem, é circular, o interior, quando as duas partes são colocadas uma sobre a outra e eles se encaixam no lugar, a cavidade dentro é circular.

OTC: É uma esfera, sim. E cada unidade é um hemisfério. Nós chamamos o centro disto, esta dimensão grande como o equador e claro que contrai e se expande a um ponto em cada lado. É a união de duas seções cônicas, é o que é. Duas seções de ângulo reto, e dizemos que são as dimensões do espaço e mostramos como isso acontece.

LJ: Esta é uma manhã de terça-feira, dia 29 de outubro de 1957 … Aqui está um parágrafo que você enviou cópias de sua brochura delineando seu sistema de propulsão que você desenvolveu para o Presidente Eisenhower e o Gabinete e a Comissão de Energia Atômica. Você recebeu uma resposta deles?

OTC: Houve reconhecimento deles receberem o material.

LJ: Além disso, eles deram algum juízo de valor sobre o que você contribuiu?

OTC: Não, não recebemos nenhum julgamento de valor.

LJ: Você não acha que isso é um pouco estranho?

OTC: Sim, eu penso assim.

LJ: Existe alguma maneira de explicar isso?

OTC: Eu tenho minhas próprias idéias sobre isso. Claro que não há como fundamentar essas idéias. Para dar minha opinião pessoal, pois temos (desenvolvido) um veículo verdadeiramente seguro que não é descartável, não queima sua energia em poucos segundos, produz e carrega a energia com ele, pode deixar a atmosfera da Terra e devolver seus tripulantes de volta, também pode ser usado dentro da atmosfera do planeta. Pode fazer uma viagem tão facilmente como outros sistemas de transporte aéreos daqui para Baltimore ou daqui para a Lua. Agora é barato, certamente não custa tanto quanto os sistemas em expansão de foguetes (à combustão, sistema de fissão da matéria). O abastecimento é muito menos dispendioso e se a nossa oferta está ou não entrando em um quadro econômico que não é viável neste momento, não sabemos. Esta é uma das nossas opiniões.

Ben Isquith: Sr. Carr. Eu tenho olhado para a literatura que você nos forneceu. Eu estive passando por isso e há uma fórmula matemática que surge aqui que me intriga, menos zero dividido por mais zero igual a zero. A primeira vez que vi um zero negativo está em uma equação matemática no trabalho de Einstein. Eu me pergunto se você pode me contar mais sobre isso e como você tropeçou nessa ideia.

OTC: A equação é produzida pela forma do nosso acumulador elétrico Utron, este é o nome dado ao nosso sistema de (geração de) energia central. Em nossa operação de modelos de trabalho e na verificação de experimentos, tivemos que encontrar a fórmula que se encaixasse no motivo da ação e reação que estávamos obtendo. Assim, ao explorar a natureza e estudar o grande trabalho inspirador do dr. Einstein sobre a relatividade, encontramos essa fórmula de correlação linear. E quando estudamos a correlação linear na forma geométrica, temos que ter um ponto de partida e esse é o ponto. E daí se expande pela cruz e pelo círculo. E a matemática, a única maneira de expressá-la, está no simbolismo de zero X (ou 0x) e essa fórmula nos leva a isso.

Ben: O que eu me pergunto é como você foi levado ao conceito de menos zero (-0).

OTC: Em um estudo mais aprofundado do grande trabalho de inspiração do Dr. Einstein, e nos correspondemos com ele e tivemos a grande sorte de sermos aconselhados por ele em um momento, aprendemos que todas as medidas de tempo e espaço tinham que ser consideradas em relação ao observador e, portanto, nunca houve uma equação fixa, devido a que o observador pode interagir com sua consciência (com o fato observado), como eu o entendo, o próprio observador sendo um pouco o fator negativo e, portanto, você não pode ter qualquer quantidade fixa de qualquer número. Agora na forma física, isso é outra coisa novamente. Nós trabalhamos por um tempo considerável com o grande cientista e inventor Nikola Tesla e tivemos muitas conferências com ele e sua avaliação da onda senoidal e princípios elétricos e o verdadeiro valor da corrente alternada e sistemas hidroelétricos foram desenvolvidos pelo grande gênio deste homem. Mais inspirações vieram até nós e, finalmente, a partir desse conhecimento e continuando a nossa busca por soluções, encontramos essa fórmula.

Ben: Você chegou à essa fórmula, Sr. Carr?

OTC: Eu a encontrei com a ajuda do Sr. Colton na avaliação. O Sr. Colton pesquisa muito fortemente em todo o trabalho que eu faço e colaboramos muito de perto. Também o Sr. Shea colabora comigo na pesquisa.

LJ: Sr. Carr, quando a OTC foi incorporada?

OTC: … 1955

LJ: E quanto tempo antes do ano de 1955 você estava associado ao Sr. Shea e ao Sr. Colton?

OTC: Não antes disso, eles estão comigo desde então.

LJ: Você estava interessado nisso antes de 1955?

OTC: Nós começamos, eu uso o editorial ‘nós’, esse desenvolvimento em 1937. Nossas investigações começaram em 1937. Estávamos produzindo modelos em 1938. Em 1942, tínhamos desenvolvido os princípios básicos.

LJ: Em outras palavras, 18 anos antes deste ano, você tinha em mente que possivelmente algum tipo de embarcação poderia ser desenvolvida com o qual você pudesse ir para o espaço? Isso esta certo?

OTC: Isso é verdade.

LJ: Você espera que com esta nave, se você for capaz de fabricá-la, que você possa visitar outros planetas com ela?

OTC: Escapar da atração gravitacional imediata da Terra mais a atmosfera pesada da Terra nos permite, assim como nossos satélites estão fazendo agora, nos conectar a um sistema de energia livre universal (e NATURAL). Eles têm (os satélites) uma velocidade agora de 18.000 milhas (28.962 km) por hora, mais ou menos, sem qualquer gasto de energia e combustível. Agora, qualquer energia anexada a isto imediatamente os lançaria em uma órbita de velocidade mais alta que os expandiria ainda mais no espaço … Isto é extremamente fácil de fazer. Nós sentimos que nossa nave possível e gradualmente escapará da atmosfera da Terra e então poderemos lidar com velocidades quase inimagináveis ​​ao alcançar outros sistemas de gravidade (outros planetas) e a Lua não deve estar a mais de cinco horas de distância.

Protótipo da nave OTC X-1, projetada por Otis Carr

LJ: Apenas Cinco horas longe de Baltimore, Maryland.

OTC: Isso mesmo.

LJ: Quantas pessoas você pode por nesta espaçonave?

OTC: A que temos na prancheta de design que tem 45 pés (13,68 metros) de diâmetro, a cabine acomodaria três pessoas para ficar confortável.

LJ: E com o tipo de equipamento você terá a bordo deste ofício?

OTC: Nesta embarcação os tripulantes podem viajar do mesmo modo que em um avião de passageiros pressurizado. Nós não temos o problema de um escudo térmico.

LJ: E quanto a alta velocidade?

OTC: Nós não temos um problema de barreiras térmicas porque o sistema eletromagnético configura um escudo protetor em nossa nave que nos permite superar essa barreira sem qualquer desconforto aos ocupantes dentro da espaçonave. E podemos nos elevar muito lentamente e, uma vez que estamos fora da atmosfera e gravidade da Terra, podemos acelerar a tremendas velocidades até a velocidade da própria luz.

LJ: Eu estou muito interessado no método de aterrissar esta nave se você fosse capaz de chegar à Lua. Vamos esquecer a Lua por um minuto, se você pegar a nave deste planeta do aeroporto para Baltimore, como ela aterrissaria lá?

OTC: Em Baltimore?

LJ: Sim.

OTC: Muito simplesmente, poderemos voar a uma velocidade muito lenta de 100 pés (30,4 metros) por minuto ou menos e podemos sentar-nos tão gentilmente quanto uma pena, porque parte da operação de nossa nave a conecta com sistemas universais. Esta é uma velocidade relativa da massa inercial atrativa, torna-se sem peso no que diz respeito a esta atração inercial. Individualmente, não é sem peso, tem o mesmo peso de antes, mas quando atinge a posição relativa, torna-se um sistema independente, assim como um planeta é um sistema independente.

LJ: Existe alguma atração gravitacional neste momento senhor?

OTC: Nenhuma.

LJ: O que acontece com os ocupantes da nave espacial?

OTC: Eles estão perfeitamente confortáveis.

LJ: Quero dizer, as cabeças deles estão no teto?

OTC: Não, de modo algum. Eles terão a mesma sensação de pressão ou peso que têm agora porque manteremos a espaçonave o mais próximo possível da pressão atmosférica da Terra no nível do mar dentro da nave.

LJ: Isso é bastante técnico para mim, Sr. Carr, por favor, aceite minhas desculpas por ser um tanto estúpido e ignorante na minha linha de questionamentos. Tenho a impressão de que a única razão pela qual sou capaz de me sentar nesta cadeira é por causa da atração gravitacional.

OTC: Nós temos isso (essa força NATURAL) em torno de 14 libras por polegada quadrada dentro da nossa atmosfera. Nós fomos capazes de ser selados longe de tal condição e assim artificialmente com pressão atmosférica a pressão na cabine é mantida. Nós o temos muito bem em submarinos. O mesmo pode ser usado em nossa nave.

LJ: Em outras palavras, debaixo das águas do mar, onde um submarino pode estar, não há atração gravitacional, é isso que você está dizendo?

OTC: Existe uma atração gravitacional em todos os momentos, mas estamos falando sobre a atmosfera dos ocupantes particulares dentro de uma unidade selada (de transporte).

LJ: É necessário manter os ocupantes na posição que eles desejam.

OTC: Absolutamente, porque no vácuo eles estão à mercê de qualquer velocidade.

LJ: O que aconteceria, senhor, se houvesse algum tipo de instrumento que você pudesse ligar e eliminar a atração gravitacional que estava nessa sala?

OTC: Você, de certo modo, se tornaria flutuante e isso não é em si uma novidade, mas certamente não tem nenhum efeito desastroso sobre a humanidade.

LJ: Eu permaneceria nessa posição?

OTC: Você poderia, mas qualquer movimento poderia tirá-lo de sua posição.

LJ: Os objetos, o microfone, permaneceriam em posição?

OTC: Até que eles foram levados para qualquer outro movimento. Qualquer movimento os faria flutuantes.

LJ: Eu tenho um lápis, se eu segurá-lo no ar e solta-lo de meus dedos, ele cairia por causa da atração gravitacional.

OTC: Isso é verdade.

LJ: Se tivéssemos essa outra condição que você tão habilmente descreveu há pouco, se eu soltasse meus dedos, o lápis permaneceria no ar?

OTC: Isso é verdade, ficaria lá, flutuando.

LJ: Eu acredito que o que você está dizendo é que você estaria criando um campo gravitacional artificial dentro e ao redor do corpo (da MASSA) da espaçonave e ainda assim não haveria nenhuma gravidade do lado de fora?

OTC: Exatamente correto.

LJ: E isso é feito pela bateria que eu tentei descrever, girando e produzindo sua própria influência (CAMPO) gravitacional?

OTC: Sim, este é o começo de uma resposta à sua pergunta: temos placas de capacitores e eletroímãs como parte deste sistema. Agora, isso é contra-rotativo, os eletroímãs giram em uma direção e o acumulador, as baterias giram em outra. As placas do capacitor giram em conjunto com a bateria para que tenhamos uma rotação no sentido horário e no sentido anti-horário. Agora o terceiro sistema é a cabine que mantém a tripulação. Isso não gira, é fixo porque os dois corpos estão girando no sentido horário e no sentido anti-horário. Portanto, o sistema faz com que a nave escape da força da gravidade. A própria nave devido a este sistema ainda tem gravidade interna porque ainda tem o mesmo peso que tinha no começo.

Vídeo de uma espaçonave aterrissando em uma base militar nos EUA:

LJ: O que carrega essa bateria?

OTC: Isso começa eletroquimicamente o mesmo que outras baterias, mas nós temos um sistema de regeneração que é muito original. Podemos, aqui, pela primeira vez, usar a eletricidade atmosférica (natural) como um sistema de recarga. Isso é feito como parte do princípio operacional da nave.

LJ: Você diz que usa eletricidade atmosférica. O que acontece quando você usa a atmosfera e não há atmosfera?

OTC: Temos sistemas eletroquímicos para nos fornecer toda a energia que precisamos e ter um sistema de regeneração na forma de uma bobina regenerativa que recarrega essa bateria, da mesma maneira que a bateria de armazenamento no automóvel é recarregada agora, por um gerador.


Aqui esta o LINK para o PDF de uma patente concedida pelos EUA de uma espaçonave chamada de ROTATING ELECTROSTATIC PROPULSION SYSTEM que funciona com os mesmos princípios da espaçonave de Otis Carr.


LJ: O que você fez foi a primeira máquina de movimento perpétuo.

OTC: Não há nada perpétuo na nossa máquina. As energias que a fazem operar é que são perpétuas (e LIVRE).  Você não pode destruir a matéria, você não pode destruir a energia. O fluxo molecular é perpétuo e foi comprovado em laboratório. Está provado que a eletricidade em si é imortal. Quando tiramos a resistência, podemos configurar uma faísca de eletricidade e ela continuará a operar, portanto, temos energia perpétua. Nenhuma máquina que possamos conceber feita pelo homem seria perpétua, mas A ENERGIA É LIVRE. É auto-energizante e, desde que todas as partes funcionem e não se desgastem, esta é verdadeiramente uma máquina auto-energizante.

Ben: Sobre esta fórmula, você estava usando métodos algébricos convencionais?

OTC: Não, nós não estávamos, somos parcialmente convencionais, mas estávamos nos juntando a formulas espaciais reais. Chegamos a equações satisfatórias para nós mesmos que podem ser demonstradas.

Ben: As leis da Física sobre as quais sua invenção funciona são expressas em termos matemáticos?

OTC: Possivelmente, mas não diria que eu seja qualificado (para fazê-lo). Estamos satisfeitos com esta fórmula.

Ben: Bem, é como dizer mais 4 dividido por menos 4 é igual a 4.

OTC: Às vezes, essas soluções nem sempre são o que parecem. Como sabemos, em sinergia, sabemos que um mais um é igual a três.

Ben: Um mais um é igual a três? Como?

OTC: Porque duas condições sempre produzem um terceiro.

Ben: A terceira condição é 2 não é?

OTC: Não necessariamente …

Ben: Você poderia superar essas condições?

OTC: Se uma condição funciona de uma maneira e outra opera de outra forma, e quando eles se juntam você tem outra condição e a soma deles é 3.

Ben: Bem, isso é um pouco acima da minha mente, eu estive olhando para este protótipo que você tem aqui e notei uma moldura de madeira ou andaimes, você tem um modelo maior de ….. que você tem em uma turbina e em torno dele esta um anel de madeira e parece estar cheio de eletroímãs.

OTC: Isso mesmo, este é um modelo de madeira do modelo operacional. O que temos aqui são os cones – nosso acumulador elétrico Utron – que é o sistema de (geração de) energia. Esse sistema ativa os eletroímãs e, por sua vez, ativa …

Ben: O sistema – a coisa dentro – ativa os eletroímãs do lado de fora?

OTC: Isso é verdade. Fazemos isso contatando este fio dos pólos positivo e negativo dessas baterias aos eletroímãs e, em seguida, temos disjuntores desses eletroímãs e temos contra-rotação. Esses eletroímãs girarão no sentido anti-horário enquanto a área interna estiver girando no sentido horário.

Ben: Os carretéis de arame no próprio modelo são magnetizados também?

OTC: As bobinas de fio dentro do anel são bobinas regenerativas, são bobinas de força eletro-motriz e auxiliam na recarga da bateria. Porque são laços de arame trazidos através de um campo magnético que estabelece uma força eletromotriz. Esses outros são placas capacitoras e estas também são ativadas pelo núcleo de energia central; mas estas placas, que podem aceitar uma carga muito alta em condutância neutra também através do processo de ionização, utilizam a eletricidade atmosférica.

Ben: Quero dizer, se você virar essa coisa … Eu não vejo como você pode obter um quadrado.

OTC: Dimensionalmente é, é quadrado nestas dimensões e quando esta rotação começa e se acumula até uma certa velocidade, esta forma é muito importante porque temos a equação total de ação e reação. Agora isso é feito por um sistema de enrolamento da bobina onde começamos em um ponto, expandimos para um equador, continuamos nosso enrolamento até outro ponto. Com esta expansão física e contração, é um campo eletromagnético. Onde a gravidade entra na figura na forma dessa rotação relativa. Quando a rotação relativa atinge a massa inercial efetiva, é uma questão de dimensão. Então, se a Terra, como dissemos, tiver 8.000 milhas de diâmetro, sabemos que sua rotação fixa é de 1 em 24 horas. Se tivéssemos 1 milha de diâmetro, sua rotação seria de 8.000 em 24 horas.

Ben: 580 rpm por minuto, não é muito rápido, não é?

OTC: Bem, se você disser que um carrossel vai atingir 580 rpm por minuto, que seria bastante rápido.

Ben: Se suas modelos chegarem a 580 rpm por minuto, elas decolarão?

OTC: Este modelo foi girado a 40.000 rpm por minuto e quando ele estabeleceu um padrão de pressão de 1.000 toneladas, a leitura de potência era um pouco acima de 700. Seis engenheiros verificaram isso. Agora, a rotação relativa deste modelo seria de cerca de 68.000 rpm por minuto e, quando atingir essa rotação, decolaria imediatamente.

LJ: Sam Vanderburt é o fotógrafo que tirou fotos aqui esta manhã. Eles aparecerão na edição da Argosy Magazine de abril de 1958.

LJ: Uma pergunta de um telegrama – O fator tempo estaria envolvido com esta espaçonave?

OTC: No nosso sistema solar, o fator tempo estaria envolvido, sim. Nós avaliamos o tempo na velocidade da luz e em certos sistemas, se excedermos a velocidade da luz, inquestionavelmente o tempo diminuiria.

Ben: Sua espaçonave pode exceder a velocidade da luz?

OTC: Nós não dizemos isso, eu digo em outros sistemas.

Ben: Eu pensei que nada poderia fazer isso, eu pensei que era um fator constante, um dos fatores de Einstein.

OTC: Possivelmente no nosso sistema, mas não necessariamente seja verdade em outros sistemas.

Ben: Qualquer coisa que se aproxime da velocidade da luz se torna energia pura.

OTC: energia pura, mas em outros sistemas isso pode mudar.

Ben: Que outros sistemas?

OTC: Em outros sistemas solares, somos completamente controlados pelo nosso sistema e aqui a velocidade da luz é o nosso padrão e o nosso padrão e a nossa nave é concebida em torno destas leis locais …

Ben: Você não perturba um dos princípios básicos do universo.

Mel Salomey: Einstein não diz que qualquer medida é relativa?

Ben: Exceto esta, é o primeiro axioma.

Mel: O que é um axioma?

Ben: Uma verdade evidente.

Mel: Obrigado. Einstein não estava teorizando, ele não estava apenas assumindo?

OTC: No entanto, temos que voltar ao que foi realizado. Nós inventamos um sistema eletrificado que possibilita que um sistema de propulsão ponha em operação uma nave que possa transportar seres humanos, com um sistema de (sem) combustível que não é descartável e os leva ao espaço exterior, trazendo-os de volta nesta mesma espaçonave. Se eu tivesse as ferramentas agora, e essas ferramentas estivessem disponíveis em grandes instalações industriais. Se essas ferramentas estivessem disponíveis para mim, poderíamos ter esta embarcação na Lua em seis meses a partir desta data.

CONTINUA …


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE)“A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. “Mas até que nós consigamos  salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações,leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

One Response to Nave espacial (antigravidade) desenvolvida por Otis Carr, discípulo de Nikola Tesla (1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.