Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Novas Emendas da OMS para Criar uma Tirania Global usando a Saúde Pública

Desde a sua criação, em abril de 1948, a Organização Mundial da Saúde (OMS) assumiu o papel de entidade consultiva no domínio da saúde internacional. Desde 2005, a OMS estabeleceu o Regulamento Sanitário Internacional (RSI) como a principal ferramenta de ‘conformidade’ para garantir que as emergências de saúde pública sejam tratadas rapidamente pelos países afiliados. A pandemia de COVID ilustra perfeitamente o quão poderosa a OMS já é. Mas ela quer muito MAIS.

Novas Emendas da OMS para Criar um Regime Global usando a Saúde Pública como instrumento

Fonte: The Epoch Times – Por Dr. Sean Lin e Jacky Guan

No entanto, um novo conjunto de emendas (pdf) proposto por estados membros da OMS foi publicado no final de 2022, buscando aumentar o poder da OMS sob o disfarce do RSI. 

Isso, além da criação de um recém-proposto Órgão Intergovernamental de Negociação (INB) (pdf) e a adição de uma cláusula de prevenção, preparação e resposta pandêmica (OMS CA+) (pdf) no INB, levanta várias bandeiras vermelhas sobre a mudança de paradigma que o A OMS está buscando em deixar de desempenhar o papel de órgão consultivo internacional de saúde para se tornar um regime global agindo em nome da saúde, acima de todos os governos de seus países afiliados!

De relacionamento médico-paciente a poderoso conglomerado de saúde

Ao longo da história humana, as pessoas contaram com conexões com amigos, familiares e vizinhos para manter uma vida social saudável. Isso é importante não apenas para o bem-estar, mas também para construir a confiança sobre a qual repousa a base dos relacionamentos. Assim como é vital nas relações com familiares e amigos, no que diz respeito à saúde, a confiança é vital nas relações médico-paciente.

Médicos em muitos países e diversas regiões têm uma infinidade de métodos diferentes para tratar algo tão simples quanto um resfriado. Alguns podem lhe dar uma vacina contra a gripe, alguns podem prescrever alguns medicamentos menores e alguns podem até dizer para você tomar uma sopa quente e descansar bastante. 

Também pode haver um remédio desconhecido da América Latina ou do Sudeste Asiático que funcione tão bem quanto algo que você pode comprar em uma farmácia nos Estados Unidos. Isso tudo para dizer que médicos bem treinados sabem o que estão fazendo, dados os métodos disponíveis e às suas formações acadêmicas.

A relação médico-paciente individual tem sido tradicionalmente a maneira comprovada de estabelecer um sistema de saúde em qualquer sociedade. Mesmo sob a medicina baseada em evidências, os conselhos dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA ou de outras agências de saúde servem como recomendações não vinculativas aos médicos que lhes dão o direito de tomar suas próprias decisões com base no seu conhecimento do paciente.

As pessoas tomam suas próprias decisões finais relacionadas à saúde; portanto, os médicos precisam do consentimento de seus pacientes para tratamentos ou cirurgias. A confiança que as pessoas depositam em seus médicos é sagrada e exige que os médicos pratiquem a medicina com base na ética e no conhecimento, habilidades e experiência médica genuína – tudo o que a maioria dos médicos ainda possui.

Não obstante o que tem sido a norma por gerações, o avanço da medicina moderna e da biotecnologia tornou os campos da saúde, farmacologia e da medicina grandes indústrias. Como resultado, a qualidade dos cuidados de saúde tornou-se cada vez mais dependente da alocação de recursos e distribuição de riqueza.

Os conglomerados farmacêuticos da Big Pharma, agências de saúde poderosas e empresas de seguros de saúde dominantes estão todas interligadas, formando um tremendo conglomerado de poder. Em nome da [pseudo] proteção do povo, essa manifestação de poder atingiu um nível sem precedentes, que se manifestou durante a pandemia covid-19 na forma de bloqueios, mandatos, imposição de remédios e vacinas, aplicação forçada de testes PCR, apólices de seguro determinando diagnóstico, etc.

Um regime global em nome da saúde?

Depois, temos organizações internacionais como a OMS com um papel que muitas pessoas consideram arbitrário demais para considerar um elemento eminente em suas vidas. Foi criado nas Nações Unidas e historicamente desempenhou um papel de coordenação em questões e recursos globais de saúde, ajudando com ameaças à saúde pública como poliomielite, AIDS e COVID. No entanto, sua última reforma proposta levanta uma séria preocupação sobre se a OMS está se transformando em um quase-regime global.

As mudanças mais recentes que a OMS está enfrentando são emendas ao acordo do Regulamento Sanitário Internacional. A Assembléia Mundial da Saúde adotou o RSI pela primeira vez em 1969 para cobrir seis doenças e, desde então, foi revisado várias vezes. Uma versão totalmente atualizada foi implementada em 2005 após o surto de SARS na China em 2003, depois que o Partido Comunista Chinês (PCC) se recusou a manter a transparência durante o surto. Esta edição de 2005 do RSI agora enfrenta mudanças drásticas.

O RSI exige que as nações da OMS detectem, avaliem, relatem e respondam adequadamente em relação a emergências de saúde pública que podem se espalhar em escala internacional. Durante a pandemia de COVID-19, especialmente em seu início, a China demonstrou aptidão para a desinformação e falta de transparência com a comunidade internacional no que diz respeito ao compartilhamento de dados, permitindo uma investigação sobre as origens do vírus e questões envolvendo os mais recentes e  inéditos picos de infecções e mortes depois que o país suspendeu suas tirânicas restrições de COVID zero.

Não sem relação com essas incidências internacionais, a OMS publicou uma série de emendas ao RSI que fortalecerão consideravelmente o poder da OMS em relação às emergências de saúde globais. Por exemplo, a OMS terá o poder de agir sobre emergências potenciais, e não reais, e permitir que o diretor-geral da OMS controle sobre a produção de medicamentos que podem ser alocados conforme ele julgar adequado.

Uma preocupação é que a OMS terá autoridade para anular as decisões sobre medidas de saúde tomadas por governos de nações individuais e conceder à organização a capacidade de censurar o que considera desinformação, caso as emendas sejam adotadas. Esta é uma séria ameaça à soberania de todos os países membros da OMS.

Outra mudança surpreendente foi a remoção do “respeito pela dignidade, direitos humanos e liberdades fundamentais das pessoas” no Artigo 3 do RSI, substituído pelos termos equidade” e “inclusividade.

Ao mesmo tempo, as novas emendas da OMS mudam a natureza consultiva do RSI para a de lei, o que significa que a organização terá tanto poder – se não mais – em comparação com um órgão governamental com jurisdição juridicamente vinculativa e capacidades de execução.

As mudanças acima mencionadas, e muitas outras, são preocupantes porque as emendas são vagas por natureza e deixam muito espaço para interpretação. Por exemplo, as emendas não especificam a quantidade de financiamento que os países precisam contribuir, o que poderia levar a uma escalada da corrupção nos países subdesenvolvidos.

Um Sistema Global de Certificação de Saúde com Múltiplos Riscos

Durante a pandemia, vários sistemas de certificados de saúde foram criados em algumas partes da América do Norte, Europa e outros países, mas nenhum foi tão difundido e fortemente aplicado quanto o sistema de código QR de saúde na China. 

Ao longo dos três anos de medidas extremas de zero-COVID na China, a cor de um código em seu telefone decidia se você tinha permissão para deixar a sua comunidade, comer em restaurantes ou até mesmo ser internada em um hospital para dar à luz à seus filhos.

O sistema de código QR é capaz de rastrear seus movimentos e usar um algoritmo para determinar se você era considerado em risco de ser infectado. Se você estivesse em risco, seu código ficaria amarelo e as autoridades arbitrariamente o enviariam para um campo de quarentena às suas próprias custas. Esse sistema de código QR também foi anexado à sua conta bancária pessoal para que sua quarentena obrigatória em um hotel pudesse ser paga antes de você chegar.

Implementados por um regime [comunista chinês] que tem pouco respeito pelos direitos humanos, os códigos teriam sido amarelos ou até vermelhos (indicando infecção) para os cidadãos que reclamaram das medidas estritas da pandemia. Tal sistema invasivo tem imenso potencial para abolir a privacidade e a autodeterminação, cancelar as liberdades forçando os moradores a viver sob um regime de tirania orwelliano.

A intenção superficial do sistema de certificados de saúde é benigna, mas pode ser uma ferramenta conveniente para conduzir o estabelecimento de um governo global abrangente. Poderia ser um componente integral para alcançar uma agenda globalista sem exigir o apoio das massas.

Os certificados de saúde não são a única coisa que a OMS deseja adicionar ao governo mundial. A agência também exige um Organismo de Negociação Internacional (INB) com o poder de prevenção, preparação e resposta à pandemia incorporado às suas atribuições.

O INB pode ser outra desculpa para MAIS controle

Citando o “fracasso catastrófico da comunidade internacional em mostrar solidariedade e equidade em resposta à … pandemia” em seu preâmbulo, o rascunho zero para o INB iniciado em 2022 e revisado em fevereiro de 2023 exige uma organização internacional com autoridade superior a alguns, se não a maioria, governos em todo o mundo que são capazes de agir em resposta à próxima emergência global de saúde.

Ao mesmo tempo, o INB também inclui a iniciativa “One Health”, atualmente um plano de cinco anos  que visa combater as epidemias zoonóticas em todo o mundo. Pode-se interpretar que a INB seria o braço interino da “superpotência” da OMS, enquanto o RSI forneceria a base legal para o governo arbitrário. O financiamento para essas medidas, conforme propostas, viria do banco mundial.

Enquanto a OMS se prepara para aumentar seu poder com essas emendas, uma pergunta pede uma resposta: as pessoas ficaram satisfeitas com a forma como a organização lidou com a pandemia covid? A opinião pública global parece estar dividida sobre esse assunto. Enquanto as nações desenvolvidas da Europa e da América do Norte [ou seja, o Hospício Ocidental] parecem apoiar os esforços da OMS, alguns países asiáticos, como Japão e Coréia do Sul, estão expressando sua insatisfação.

Enquanto isso, as políticas que a OMS está tentando adotar também são fontes de forte tensão e divisão social. Muitos parecem estar divididos entre aprovar um passaporte de saúde privado e um passaporte de saúde operado pelo governo que pode ser usado como prova de vacinação ou por motivos semelhantes.

Como qualquer bom governo com freios e contrapesos, a OMS também não precisa de uma avaliação pós-COVID objetiva antes que as emendas sejam adotadas? Isso traz à tona questões sobre a que tipo de entidade supervisora ??a OMS se enquadra e se existem mecanismos legais para que a OMS possa ser responsabilizada caso não consiga lidar com uma crise crítica de saúde pública. Essas questões precisam ser abordadas antes que qualquer mudança que leve a mais tirania em pandemias seja adotada.

Portanto, uma das questões mais urgentes aqui pode ser a falta de transparência da OMS e as medidas de responsabilidade propostas. A linguagem usada no documento de emenda é extremamente vaga e deixa muito espaço para interpretação [e manipulação à posteriori]. Ao mesmo tempo, parece haver uma falta preocupante de freios e contrapesos dentro da nova ordem proposta.

Todas as 194 nações afiliadas à OMS devem votar as emendas e finalizar o novo INB até  maio de 2024 , o que pode trazer mudanças radicais para a subsistência das gerações vindouras. 

  • As pessoas foram bem informadas e educadas sobre essas mudanças? 
  • Não deveria haver mais debates públicos e abertos para mais transparência para mostrar o que está por vir se as emendas forem adotadas? 
  • Por que a grande mídia não está divulgando isso?

E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *