Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O ‘Colapso do Império’ imposto pela Queda do dólar

O império soviético começou a desmoronar por volta de 1989. O período entre a formação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) no final dos anos 1940 e a retirada da Rússia da Europa Oriental com o eventual colapso do comunismo na URSS é conhecido como o período da Guerra Fria. Houve um confronto de grandes potências na Europa mas que não resultou em guerra direta.

O ‘Colapso do Império’ imposto pela Queda do dólar

Fonte: The Mises Institute – Com autoria de Patrick Barron

Essencialmente, a OTAN liderada pelos EUA manteve-se firme para impedir uma maior expansão soviética do território que ocupava no final da Segunda Guerra Mundial e esperou pelo colapso inevitável do bloco comunista.

Agora, talvez nem todos vissem o colapso do império soviético como inevitável. Mas tudo o que se precisava fazer era ver o império soviético por si mesmo, de perto e pessoalmente, que foi o que fiz no início dos anos 1970 então como um jovem oficial da Força Aérea.

O estado da economia comunista

A economia da URSS naquela época é difícil de descrever. Moscou e Leningrado (São Petersburgo), as chamadas joias da União Soviética, eram deprimentes. Tudo foi mal construído. Havia muito poucos carros nas ruas. Não havia lojas de varejo que merecessem o nome. Filas se formaram no meio da noite aguardando a abertura das poucas padarias. Eu mesmo vi isso da janela do meu hotel na Nevsky Prospekt em Leningrado. A GUM, a “maior loja de departamentos do mundo” perto da Praça Vermelha de Moscou, não vendia nada que se comparasse ao que poderia ser encontrado em qualquer venda de garagem no Ocidente.

Na verdade, isso não deveria ser uma surpresa, já que ao mesmo tempo todos esses produtos de venda de garagem eram comercializáveis. Não visitei Berlim, mas quem visitou disse que cruzar o Portão de Brandemburgo de Berlim Ocidental para Berlim Oriental era chocante. 

A própria ideia de que a economia e o estilo de vida soviéticos eram de alguma forma superiores era ridícula. Foi necessário um poder policial brutal e o infame Muro de Berlim para impedir o êxodo em massa para o Ocidente.

O colapso pacífico do Império Soviético

Tenho certeza de que a vida só piorou nos anos entre minha visita à União Soviética no início dos anos 1970 até seu colapso final. E o colapso ocorreu sem um tiro disparado entre as Grandes Potências. O colapso veio muito rapidamente e sem aviso prévio. A autora  Amity Shlaes  era repórter do Wall Street Journal Europe na época.

Voltando de Berlim para Nova York, Shlaes ligou para seu chefe entre os aviões em Londres e foi avisada para voltar para Berlim. Algo estava acontecendo. Ela disse ao chefe que acabara de sair de Berlim e que nada estava acontecendo. Seu chefe disse a ela para voltar por alguns dias de qualquer maneira. Ela obedeceu e testemunhou o povo alemão destruindo aquele desprezível insulto à humanidade, o Muro de Berlim.

Como os EUA reforçam o Império Americano

O império americano não é reforçado por muros com guardas armados para impedir a fuga de seus cidadãos, mas sim pelo todo-poderoso dólar. Desde a entronização do dólar como moeda de reserva internacional em 1944 [em substituição à libra britânica] na conferência de Bretton Woods e, em seguida, o estabelecimento do petrodólar no início dos anos 1970, quase todo o comércio internacional passou a ser realizado em dólares. 

Assim, os dólares são mantidos pelo banco central de cada país para liquidar os fluxos de comércio internacional. Alasdair Macleod, da  Goldmoney, calcula que os estrangeiros detêm cerca de US$ 31,8 trilhões em títulos e dólares americanos, dos quais US$ 5,8 trilhões estão em mãos de instituições “oficiais”. ( Consulte os números  do US Treasury International Capital)

Mas os EUA abusaram desse “privilégio especial” imprimindo dólares do nada. Ele financiou seu império de centenas de bases militares em todo o mundo com o excesso de dólares. Além disso, impôs o cumprimento de sua política externa expansionista ao congelar contas em dólares mantidas por bancos centrais estrangeiros, empresas estrangeiras e indivíduos estrangeiros de quem não gosta. Ao excluí-los do sistema internacional de mensagens financeiras conhecido como SWIFT, criou grandes dificuldades para as nações consideradas ofensivas para os EUA.

Hoje os papéis estão invertidos

Mas essas nações descobriram o calcanhar de Aquiles da América e estão fazendo algo a respeito. O todo-poderoso dólar repousa sobre uma base de areia conhecida como moeda fiduciária, que não é resgatável em uma mercadoria desejável, como ouro ou prata. Essa característica levou a inflação do dólar nos últimos cinquenta anos a um ritmo cada vez mais acelerado. Essa inflação faz com que o valor de troca do dólar diminuísse.

Desde que o presidente Richard Nixon tirou os EUA do que restava do padrão-ouro no outono de 1971, o valor do dólar em relação ao ouro encolheu 98%. Ninguém acredita que essa degradação vai acabar ou mesmo diminuir. Na verdade, os EUA parecem determinados a acelerar a depreciação do dólar para pagar suas aventuras militares e a expansão de seus programas de bem-estar. 

Combinar a desvalorização do dólar com as sanções comerciais criou uma situação intolerável para aqueles que atualmente estão em más graças da América.

Mas essas nações estão se opondo à hegemonia americana, implantando seu próprio arsenal – não armas nucleares, mas ouro. Como os Estados Unidos e a OTAN durante a Guerra Fria, essas nações estão se mantendo firmes e se armando com uma moeda de reserva alternativa e melhor; ou seja, uma moeda lastreada em ouro e a ser usada pelo menos inicialmente para liquidar o comércio internacional.

A Rússia vem trabalhando na estrutura de uma nova moeda de liquidação comercial há algum tempo, e agora a China e outros – como Irã, Índia, Brasil e África do Sul – estão se juntando ao projeto. Não há nada nefasto per se em estabelecer um sistema alternativo de liquidação comercial. Pode-se chamá-lo de auto-interesse racional.

É um projeto pacífico, mas seus resultados podem ser devastadores para países que dependem de um dólar estável. Quem aderir ao novo sistema não precisará mais guardar dólares. Essa queda na demanda por dólares levará a uma queda inevitável em seu poder de compra, talvez até ao seu colapso total. Isso pode acontecer literalmente da noite para o dia e sem aviso prévio [a não ser o estrondo da quebra dos mercados em Wall Street e na “City de Londres”], assim como a queda do Muro de Berlim.

Cegos [mas ‘acordados’] por ideologias falaciosas

Claro, ninguém em posição de poder nos EUA entende nada sobre dinheiro real e finanças reais. Eles estão cegos pela promessa da economia keynesiana e da teoria monetária moderna, que postula que a criação de demanda agregada (keynesianismo) financiada pela impressão maciça de dinheiro (teoria monetária moderna) é o caminho certo para o progresso econômico. Eles falham em reconhecer que a queda constante do poder de compra do dólar e a ascensão de um sistema alternativo de liquidação de transações comerciais são as consequências inevitáveis ??de sua cegueira.

Não vejo nada que possa impedir a contínua desvalorização do dólar, agora aliada a sanções financeiras arrogantes e prejudiciais, que impeça o estabelecimento pacífico de uma moeda de reserva internacional alternativa ao condenado dólar dos EUA e todas as consequências que isso trará para um mundo [o hospício] ocidental despreparado dominado pelos EUA.


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas ‘acordados’ da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] pela QUEDA DE UM ASTEROIDE estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7, do qual dois marionetes já caíram, os ditosPaíses de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal” e “acordado”}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *