Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Colapso do “Modelo de Negócios” [o Cassino] do Ocidente

Os historiadores do futuro, caçando ‘agulha em palheiro’ sobre suas fogueiras, traçarão a queda da civilização ocidental na década de 2020 até a alucinação da dissolução do que foi chamado de ‘mercado financeiro’. Ele foi um organismo parasita fantasma que prosperava nas costas de uma economia real baseada em fazer bem e fazer coisas derivadas do mundo natural, turbinadas por combustíveis fósseise com valor tangível, real.

O colapso do “Modelo de Negócios” [o Cassino] do Ocidente

Fonte: Dailyreckoning.comJames Howard Kunstler

“Grande parte da história social do mundo ocidental, nas últimas três décadas, tem sido uma história de substituição do que funciona pelo que parece bem.” —Thomas Sowell

A orgia de produzir e fazer bens durou mais de duzentos anos. Mesmo com as “recessões” cíclicas, o produzir-e-fazer sempre aumentou de forma agregada, enquanto seus produtos se tornaram cada vez mais abundantes, elaborados e complexos.

O parasita financeiro fantasma agarrado às suas costas se acostumou com esse “crescimento” e também desenvolveu maneiras cada vez mais engenhosas de sugar a vida de seu organismo hospedeiro, até que se tornou uma entidade maior que o próprio hospedeiro, quebrando definitivamente as suas costas.

Quando você não consegue distinguir o parasita do hospedeiro

Todo este capítulo no longo projeto humano teve efeitos estranhos nas mentes humanas que não mudaram muito desde os primórdios dos últimos dias de caça e coleta. Após os primeiros cem anos de abundância de combustível fóssil, os humanos tiveram dificuldade em distinguir entre o hospedeiro e o parasita.

Ambos pareciam prosperar igualmente. A economia real produzia comida e coisas úteis e a economia financeira produzia dinheiro, que podia comprar comida, abrigo, vestimentas e coisas úteis.

As pessoas faziam coisas incessantemente, especialmente ferramentas e motores cada vez melhores. Isso permitiu que as pessoas produzissem mais alimentos e produzissem coisas mais úteis que proporcionassem conforto e conveniência. A economia [mercado] financeira [o parasita] ganhava cada vez mais dinheiro. Também produziu uma miríade de novas maneiras de se representar o dinheiro.

A princípio, essas coisas, como ações e títulos (de propriedades e empréstimos com juros), estavam firmemente ligadas às atividades da economia real — ou seja, eram sugadas diretamente das atividades e ações das costas do hospedeiro.

Mais tarde, as coisas que representavam o dinheiro tornaram-se mais numerosas e mais separadas do produzir-e-fazer real, ficaram, digamos, mais abstratas, mais baseadas em promessas, esperanças e desejos [apostas] do que em coisas reais e tangíveis derivadas da natureza.

Ou seja, essas “novas representações” do dinheiro tendiam cada vez mais para um reino do surreal. Depois de algum tempo, tornou-se muito difícil distinguir entre coisas monetárias reais e irreais. A economia financeira forneceu muita mistificação para misturar os dois. Essa confusão gerou muitas fraudes, um comércio vigoroso na irrealidade que produziu vencedores e perdedores.

O lento colapso de um modelo de negócios

Toda história tem começo, meio e fim, é claro. À medida que o suprimento de combustível fóssil se aproximava do fim e se afastava do longo e feliz período intermediário de abundância, o modelo de negócios para produzir-e-fazer começou a estremecer e rachar. Não desmoronou de uma só vez, mas tirou muitos criadores e executores do mercado.

Eles pararam de produzir-e-fazer. À essa altura, a economia financeira era um parasita fantasma colossal que tornava seu hospedeiro um anão doente em estado terminal. Estava carregado de tanta irrealidade, de tantas obras dissociadas da natureza, que não podia mais fingir ser outra coisa senão um vírus, um parasita mortal.

Para manter o hospedeiro vivo, vomitava um pouco do que havia sugado dele, adulterado com dinheiro baseado em promessas, apostas, prostituição, falsas esperanças e sonhos irreais. Isso se transformou cada vez mais em um jorro de dinheiro tão degradado por promessas, esperanças e sonhos quebrados que o produzir-e-fazer praticamente parou completamente.

Foi quando o parasita fantasma das finanças começou a se dissolver e os humanos começaram a encará-lo como uma alucinação que havia desaparecido, dissolvido em névoa. O que restou foram muitos humanos embutidos na natureza.

E esse é o lugar onde os humanos da civilização ocidental se encontram na década de 2020. A civilização ocidental foi a primeira região do mundo a entrar na orgia dos combustíveis fósseis e agora é a primeira região forçada a sair dessa fase da história. Mesmo quando a alucinação financeira se dissolver no ar, haverá muitas coisas reais por aí que foram feitas antes que a grande era do produzir-e-fazer terminasse.

Um momento de “transição de época”

A condição de nosso país [os EUA e seus aliados europeus] é tão grave agora que a disputa atual não é entre personalidades políticas que desfilam diante de nós, mas entre o colapso econômico e a guerra civil.

Nesta última corrida haverá um vencedor e um vice-campeão, e parece que o colapso econômico já está bem avançado. A inflação está esmagando a classe média e todo tipo de atividade comercial – exceto talvez o tráfico de drogas – pois está entrando em coma.

Mas os humanos são animais engenhosos, empreendedores e resilientes, embora certamente haja menos de nós por perto. Esses poucos humanos provavelmente serão mais saudáveis, trabalhando mais diretamente na e com a natureza e não mais comprometidos pelos subprodutos perniciosos de todo o produzir-e-fazer do passado.

Vamos descobrir como usar as sobras de coisas úteis para tirar comida da natureza e continuar fazendo outras coisas úteis. O novo produzir-e-fazer não acontecerá em nada parecido com o tom ou escala da fase anterior, que esta desmoronando.

Pode representar um tempo limite da experiência perdida dos velhos, cada vez mais elaborados e complexos sistemas de produzir-e-fazer. Depois de um tempo, os humanos podem descobrir uma nova maneira de obter mais da natureza. Ou talvez não.

É só a vida . . . que segue

Ah, a propósito, quase esqueci de mencionar: mencionei a guerra civil acima. Você está ciente, sem dúvida, da situação na fronteira mexicana. Daqui a alguns dias, muitas dezenas de milhares de pessoas de terras estrangeiras esperando lá serão conduzidas ilegalmente através do Rio Grande por agentes do Departamento de Estado dos EUA trabalhando com um monte de ONGs e as Nações Unidas para permitir essa corrida de imigrantes ilegais para a entrada nos EUA [é intencional].

A entrada de migrantes continuará indefinidamente. A operação tem a bênção do demente regime de [”Dementia“ Joe] Biden”, e todos sabem disso também. Meu palpite é que é isso que vai desencadear uma nova guerra civil: quando os cidadãos dos estados fronteiriços eventualmente pegarem em armas contra essa invasão e nosso [des] governo tentar impedi-los de defender seu próprio país.

Enquanto isso, alojados como estamos no presente, no momento desta transição de época, a ansiedade assedia muitos milhões de mentes. Não poucas mentes ficaram desordenadas vendo tudo isso acontecer ao seu redor, temendo a jornada de uma disposição de coisas para outra.

Alguns se tornaram desagradáveis. Deixe-os fazer o que quiserem até que se cansem. Mantenha suas próprias mentes bem ordenadas nas tarefas à frente, seus próprios feitos e ações dentro dos limites do que é real. Reserve um tempo para fazer música.

Ainda existem muitos bons instrumentos por aí e você sempre pode cantar. Prepare uma refeição com seus amigos e entes queridos e cante e dance.

Está tudo bem, mãe , Bob cantou há muito tempo, É a vida e apenas a vida … que segue.

O autor James Howard Kunstler talvez seja mais conhecido por seu livro de 2005 The Long Emergency , que previu o colapso financeiro e as implicações do problema do pico do petróleo. Seu livro de 1993, The Geography of Nowhere , sobre o fiasco dos subúrbios, é um clássico cult entre os estudantes de arquitetura e planejamento urbano. Foi seguido por uma sequência, Home from Nowhere , e um livro complementar chamado The City in Mind . O Sr. Kunstler também é autor de 10 romances, incluindo seu último livro, World Made by Hand, uma história ambientada no futuro pós-petróleo da América. Ele também mantém um podcast de áudio, o KunstlerCast, oferecendo comentários honestos e urbanos semanalmente. Seus artigos foram publicados no The New York Times, The Washington Post, Rolling Stone e The Atlantic Monthly.


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *