Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Fim da Dominação Ocidental (Satânia)

As sanções ocidentais contra a Rússia, decididas unilateralmente pelos psicopatas de Washington DC, são apresentadas como uma punição justa pela agressão contra a Ucrânia. Mas, sem mencionar sua ilegalidade sob o direito internacional, todos podem ver que as sanções não atingiram seu objetivo. Na prática, os Estados Unidos estão isolando ainda mais o [Hospício algo-saxão do] Ocidente, do “resto do mundo”, na esperança de manter sua hegemonia sobre os seus aliados, lacaios obedientes.

O Fim da Dominação do Hospício Ocidental (Satânia)

Fonte: Voltairenet.org

Os Estados Unidos, que participaram tardiamente das Guerras Mundiais e não sofreram perdas em seu território, saíram vitoriosos dos conflitos mundiais. Herdando o controle dos falidos impérios europeus, desenvolveu um sistema de dominação global que o tornou o “xerife do mundo”. 

No entanto, sua hegemonia era frágil e não resistiu ao desenvolvimento das grandes nações. Já em 2012, os cientistas políticos começaram a descrever a “armadilha de Tucídides” por analogia com a explicação do estrategista grego sobre as guerras entre Esparta e Atenas. Segundo eles, a ascensão da China ao poder também tornou inevitável o confronto com os Estados Unidos. Observando que, se a China havia se tornado a primeira potência econômica mundial, a Rússia havia se tornado a primeira potência militar, então os psicopatas em Washington decidiram combatê-los um após o outro.

É neste contexto que ocorre a guerra na Ucrânia. Washington o apresenta como “agressão russa”, adota sanções e obriga seus aliados [lacaios] a adotá-las também. A primeira coisa que me vem à mente é que os Estados Unidos, sabendo que são militarmente inferiores hoje, mas economicamente superiores, decidiram escolher seu campo de batalha. No entanto, uma análise das forças envolvidas, das medidas tomadas e o resultado apresentado até aqui, desmente essa leitura dos eventos.

O SISTEMA ECONÔMICO MUNDIAL

O sistema econômico global foi criado pelo Acordo de Bretton Woods em 1944. Eles visavam estabelecer uma estrutura para o capitalismo além da crise de 1929, para a qual o nazismo não havia sido a solução. Os Estados Unidos impuseram sua moeda como referência conversível em ouro. Nem a União Soviética nem a China participaram da conferência.

Em 1971, o presidente Richard Nixon decidiu acabar não oficialmente com a paridade do dólar com o ouro. Isso lhe permitiu financiar a guerra no Vietnã. Em termos práticos, não havia mais taxas de câmbio fixas. A medida só foi formalizada depois da guerra, em 1976, com o fim do padrão ouro e a criação dos petrodólares. Foi também nessa época que a China formou uma aliança com as multinacionais anglo-saxônicas. A Comunidade Europeia (o precursor da União Européia) se adaptou regulando as taxas de câmbio agora flutuantes em 1972 (a “serpente da moeda”) e depois criando o euro.

A partir de 1981, os Estados Unidos começaram a deixar escapar sua dívida. Passou de 40% do PIB para os atuais 130% de hoje. Eles tentaram globalizar a economia mundial, ou seja, impor suas regras aos países solventes e destruir as estruturas estatais dos países restantes (a estratégia Rumsfeld/Cebrowski). Para pagar sua crescente dívida e déficit, imprimiram dólares, espionaram as empresas de seus aliados e roubaram todas as reservas de dois grandes estados petrolíferos, Iraque e Líbia, assim como roubaram as reservas de ouro da Ucrânia recentemente

Ninguém se atreveu a dizer nada, mas a partir de 2003, o sistema econômico dos EUA não era mais o que dizia ser. Oficialmente eles ainda eram liberais, mas todos podiam ver que eles não estavam mais produzindo seus próprios alimentos e necessidades, e que estavam vivendo da rapina de outros países. A economia dos EUA, que era um terço da economia mundial quando a URSS se dissolveu em 1991, agora é apenas um décimo.

Muitos estados anteciparam o fim das regras de Bretton Woods e pensaram em um novo acordo. Em 2009, Brasil, Rússia, Índia e China, logo unidos pela África do Sul para a África, criaram o BRICS, com PIB total de cerca de US$ 45 trilhões (cerca de metade do PIB mundial) e com cerca de 3,1 bilhões de habitantes (cerca de 40% da população global). 

Esses países criaram instituições financeiras que, ao contrário do FMI e do Banco Mundial, não condicionam seus empréstimos a reformas estruturais ou compromissos políticos dos países de alinhamento [submissão] com Washington e Londres. Eles preferem investir em regime de leasing, com o país anfitrião se tornando o proprietário do investimento quando for lucrativo.

Em 2010, Bielorrússia, Cazaquistão e Rússia, logo acompanhados pela Armênia, fundaram a União Econômica da Eurásia. Esses países fronteiriços com enormes territórios, riquezas minerais e terras férteis estabeleceram uma zona de livre comércio com Egito, China, Irã, Sérvia, Cingapura e Vietnã. Eles poderiam se juntar a Coréia do Sul, Índia, Turquia e Síria. Em 2013, a China iniciou seu vasto projeto “Nova Rota da Seda”. No ano seguinte, quando seu PIB superou o dos Estados Unidos em paridade de poder de compra, Pequim criou o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB) e, em 2020, regulou o capital estrangeiro.

Em 2021, a União Europeia criou seu Global Gateway para competir com a China e impor seu modelo político. Mas essa demanda foi vista como um exagero colonial por muitos países e foi rejeitada em massa.

Gradualmente, os blocos russo e chinês se aproximaram graças ao projeto conjunto da Grande Parceria Global Eurasiática (2016) no âmbito da Organização de Cooperação de Xangai. O objetivo é desenvolver todo o espaço criando canais de comunicação equilibrados sobre as bases ideológicas definidas pelo sultão cazaque Nazerbayev: inclusão, igualdade soberana, respeito à identidade cultural e sociopolítica, abertura e prontidão para integrar outros conjuntos [bem distantes do wokism, Transgênero, LGBTQ+, satanismo, pedofilia, etc, cada vez mais normalizados no hospício ocidental].

A tentativa de Washington de destruir essa entidade emergente não tem chance de sucesso. É impressionante que: o ataque econômico começou não com a invasão da Ucrânia, mas dois dias antes.
é dirigido principalmente contra os bancos russos, bilionários russos e a indústria russa de gás e petróleo e não contra o novo sistema de comunicação eurasiano. Finalmente, visa excluir a Rússia das organizações internacionais “ocidentais”, mas não diz respeito aos Estados que se recusam a condenar a Rússia. Portanto, irá empurrá-los para os braços de Pequim.

Em outras palavras, os EUA não estão isolando a Rússia, mas estão isolando o Hospício dos psicopatas do Ocidente (10% da humanidade) do resto do mundo (90% da humanidade).

O PROCESSO DE SEPARAÇÃO DO LOUCO HOSPÍCIO OCIDENTAL DO RESTO DO MUNDO

No mesmo dia após Moscou reconhecer a independência das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk (21 de fevereiro de 2022), os Estados Unidos lançaram um ataque econômico à Rússia (22 de fevereiro). A União Europeia seguiu o exemplo no dia seguinte (23 de fevereiro). O Vnesheconombank e o Promsvyazbank foram excluídos do sistema financeiro global.

O Vnesheconombank (VEB.RF) é um banco de desenvolvimento regional. Poderia ter ajudado o Donbass. O Promsvyazbank (PSB) investe principalmente no setor de defesa. Poderia ter desempenhado um papel no âmbito do Tratado de Assistência Mútua.

1. Quando a Rússia iniciou sua operação militar especial na Ucrânia (24 de fevereiro), os Estados Unidos estenderam a exclusão dos dois primeiros bancos do sistema financeiro global a todos os bancos russos (25 de fevereiro). A União Europeia seguiu o exemplo (25 de fevereiro).

2. A fim de evitar que o maior número possível de Estados se unisse à Rússia, Washington estendeu as proibições comerciais à Bielorrússia. A União Europeia começou a negar aos bancos russos o acesso ao sistema SWIFT, conforme previamente instruído pelos Estados Unidos, estendeu as sanções à Bielorrússia e censurou a mídia estatal russa, Russia Today e Sputnik (2 de março)

3. Washington começou a visar cidadãos russos ricos (erroneamente chamados de “oligarcas”) a maioria com más relações com o Kremlin (3 de março) e a proibir a importação de fontes de energia russas (8 de março). A União Europeia seguiu o exemplo, mas resistiu à proibição da importação do tão necessário gás russo (9 de março).

4. Washington estendeu as sanções financeiras no FMI e no Banco Mundial, ampliou a lista de oligarcas e proibiu a exportação de bens de luxo para a Rússia (11 de março). A União Europeia seguiu o exemplo (15 de março).

5. Washington garante que os membros da Duma e os oligarcas não tenham mais quaisquer direitos no Ocidente; que a Rússia não poderia mais usar seus ativos nos EUA para pagar suas dívidas com os EUA; e que não poderia mais usar seu ouro [confiscado] para pagar suas dívidas no exterior (24 de março). A União Europeia seguiu essas proibições. Pronunciou a proibição da importação de carvão e petróleo russos, mas ainda nenhuma proibição de gás.

A tabela abaixo resume as comunicações da Casa Branca e Bruxelas.

A RESPOSTA DO RESTO DO MUNDO

É um fenômeno extremamente surpreendente de se observar: os EUA conseguiram influenciar a maioria dos estados europeus, o Japão, Austrália, Coreia do Sul para o seu lado, mas esses estados são os menos populosos do mundo. É como se não tivessem meios de pressionar os países capazes de ter independência.

Devido às ações unilaterais dos anglo-saxões e da União Europeia, o mundo está sendo dividido em dois espaços heterogêneos. A era da globalização econômica acabou. As pontes econômicas e financeiras estão sendo quebradas uma a uma.

Reagindo rapidamente, a Rússia convenceu seus parceiros do BRICS a parar de negociar em dólares e, eventualmente, criar uma moeda virtual comum para suas trocas. Até então, eles continuarão negociando em ouro, abandonando o uso do dólar. Essa nova moeda deve ser baseada em uma cesta de moedas do BRICS, ponderada de acordo com o PIB de cada estado membro, e em uma cesta de commodities listadas em bolsa. Este sistema deve ser muito mais estável [e confiável] do que o atual [cassino de wall street].

Acima de tudo, a Rússia e a China parecem ser muito mais respeitosas com seus parceiros do que o Ocidente. Eles nunca exigem reformas estruturais, nem econômicas nem políticas. O caso ucraniano mostra que Moscou não busca tomar o poder em Kiev e ocupar a Ucrânia, mas empurrar a OTAN para trás e lutar contra os “neo-nazistas” segundo a terminologia do Kremlin. Nada além de muito legítimo, mesmo que o método seja brutal.

Na prática, estamos testemunhando o fim de quatro séculos de dominação dos ocidentais e seus impérios. É um confronto entre diferentes formas de pensar. Os ocidentais agora pensam apenas em termos de semanas, mesmo porque sua sociedade esta profunda e irremediavelmente corrompida, EM TODAS AS ÁREAS. Com essa miopia, eles podem ter a impressão de que os Estados Unidos estão certos e os russos errados. Pelo contrário, o resto do mundo pensa em décadas, até séculos. Neste caso, não há dúvida de que os russos estão certos e o Ocidente como um todo está errado.

Além disso, o Ocidente rejeita o direito internacional. Eles atacaram a Iugoslávia e a Líbia sem a autorização do Conselho de Segurança da ONU e mentiram para atacar o Afeganistão e o Iraque. Eles só aceitam as regras que eles fazem de acordo com sua AGENDA. Ao contrário, os demais estados aspiram a um mundo multipolar em que cada ator pensaria de acordo com sua própria cultura. Eles estão cientes de que somente o direito internacional tornaria possível preservar a paz no mundo como eles sonham.

Em vez de confrontar a Rússia e a China, os Estados Unidos optaram por se retirar para seu império: isolar e fechar o hospício do Ocidente para manter sua hegemonia limitada ao mesmo.

Desde 2001, todos os chefes políticos mundiais veem o Ocidente, e particularmente os Estados Unidos, como predadores feridos. Eles não se atrevem a enfrentá-los e procuram maneiras de acompanhá-los gentilmente ao cemitério. Ninguém jamais imaginou que eles iriam se isolar para morrer miseravelmente solitários e sozinhos.

O melhor de Thierry Meyssan: Intelectual francês, fundador e presidente da Rede Voltaire e da Conferência Eixo para a Paz. Suas colunas especializadas em relações internacionais aparecem em jornais diários e revistas semanais em árabe, espanhol e russo. Seus dois últimos livros publicados em inglês: 9/11 the Big Lie e Pentagate .


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

  1. “Às vezes é necessário que o mal chegue ao excesso, para se tornar compreensível a necessidade do bem e das reformas.”
    (Allan Kardec)

    Gratidão pelo excelente trabalho.
    Nada será em vão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *