Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O ‘Great Reset’ dos Alimentos começou

A França está em chamas. Israel está em erupção. A Alemanha parou esta semana. Os EUA estão enfrentando um segundo 6 de janeiro. Na Holanda, no entanto, o establishment político está se recuperando de um protesto totalmente diferente – um que, talvez mais do que qualquer outro furioso hoje, ameaça desestabilizar a [des]ordem globalista. A sensacional vitória do Movimento Agricultor-Cidadão (BBB) ??nas últimas eleições provinciais representa um resultado extraordinário para um partido anti-establishment globalista formado há pouco mais de três anos. Mas, novamente, estes não são tempos comuns.

O ‘Great Reset’ dos Alimentos começou. Todos nós perdemos com a guerra global contra os agricultores.

Fonte: unherd.com – Por  Thomas Fazi

O novo partido [Movimento Cidadão Agricultor] BBB nasceu das manifestações de massa contra a proposta dos lacaios dos globalista no governo holandês de reduzir as emissões de nitrogênio em 50% no setor agrícola do país até 2030 — uma meta concebida para cumprir as regras de redução de emissões da União Europeia

Embora as grandes empresas agrícolas tenham os meios para atingir esses objetivos – usando menos fertilizantes nitrogenados e reduzindo o número de animais -, fazendas menores, geralmente familiares, seriam forçadas a vender ou fechar. 

De fato, de acordo com um documento fortemente redigido da Comissão Européia, este é precisamente o objetivo da estratégia: “extensificar a agricultura, notadamente através da compra ou encerramento de fazendas, com o objetivo de reduzir a pecuária”; isso seria “primeiro em uma base voluntária, mas a aquisição obrigatória [pelo governo, de terras férteis], não é excluída, se necessário”.

Não é surpresa, então, que os planos tenham provocado protestos maciços de fazendeiros, que os veem como um ataque direto a seus meios de subsistência, ou que o slogan do BBB – “Sem fazendas, sem comida” – claramente repercutiu entre os eleitores holandeses que pagam a conta. 

Mas, além das preocupações sobre o impacto da medida na segurança alimentar do país e em um modo de vida rural secular que faz parte da identidade nacional holandesa, a lógica por trás dessa medida drástica também é questionável para não dizer estúpida. 

Atualmente, a agricultura responde por quase metade da produção de dióxido de carbono do país, mas a Holanda é responsável por menos de 0,4% das emissões mundiais. Não é de admirar que muitos holandeses não consigam ver como esses retornos insignificantes justificam a revisão completa do setor agrícola do país, que já é considerado um dos mais sustentáveis ??do mundo: nas últimas duas décadas, a dependência da água para as principais culturas foi reduzida em cerca de até 90%, e o uso de pesticidas químicos em estufas foi quase completamente eliminado.

Os agricultores holandeses também apontam que as consequências do corte de nitrogênio se estenderiam muito além da Holanda. O país, afinal, é o maior exportador europeu de carnes e o segundo maior exportador agrícola do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos — ou seja, o plano faria com que as exportações de alimentos entrassem em colapso em um momento em que o mundo já enfrenta escassez de alimentos e recursos. 

Já sabemos como isso pode parecer e terminar. Uma proibição semelhante de uso de fertilizantes nitrogenados foi realizada no Sri Lanka no passado bem recente, com consequências desastrosas: causou uma escassez artificial de alimentos que mergulhou quase dois milhões de cingaleses na pobreza, levando a uma revolta que derrubou o governo com o povo invadindo o palácio e o presidente fugindo do país.

Dada a natureza irracional [e corrupta] da política, muitos fazendeiros revoltados acreditam que a culpa não pode ser simplesmente atribuída às “elites verdes” urbanas que atualmente governam o governo holandês. Eles sugerem que uma das razões subjacentes para a mudança é espremer os pequenos agricultores do mercado, permitindo que todos sejam comprados por gigantes multinacionais do agronegócio que reconhecem o imenso valor da terra do país – não apenas é altamente fértil, mas também é estrategicamente localizado com fácil acesso à costa do Atlântico Norte (Rotterdam é o maior porto da Europa). 

Eles também apontam que o primeiro-ministro Rutte [um ‘Davos’ boy] é um Contribuidor da Agenda do Fórum Econômico Mundial-WEF, que é bem conhecido por ser  voltado para empresas, enquanto seu ministro das Finanças e o ministro de Assuntos Sociais e Emprego também estão vinculados ao mesmo nefasto órgão.

A luta na Holanda parece fazer parte de um jogo muito maior que busca “reiniciar” o sistema alimentar internacional, focado no Hospício Ocidental. Medidas semelhantes estão sendo introduzidas ou consideradas em vários outros países europeus, incluindo Bélgica, Alemanha, Irlanda e Grã-Bretanha (onde o governo está incentivando os agricultores tradicionais a deixar o setor para liberar terras para novos agricultores “sustentáveis”). 

Como o segundo maior contribuinte para as emissões de gases de efeito estufa, depois do setor de energia, a agricultura acabou naturalmente na mira dos defensores do Net Zero – ou seja, praticamente todas as principais organizações internacionais e globais. A solução, dizem-nos, é a “agricultura sustentável” – um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, que formam a sua “Agenda 2030 ”.

O fim do jogo é sugerido em vários outros documentos da ONU: reduzir o uso de nitrogênio e a produção pecuária global, diminuir o consumo de carne e promover fontes de proteína mais “sustentáveis”, como produtos à base de plantas ou cultivados em laboratório e até de insetos . 

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, por exemplo, afirmou que o consumo global de carne e laticínios deve ser reduzido em 50% até 2050. Outras organizações internacionais e multilaterais apresentaram seus próprios planos para transformar o sistema alimentar global. 

A estratégia Farm to Fork da UE “visa acelerar a nossa transição para um sistema alimentar sustentável”.  Entretanto, o Banco Mundial, no seu plano de ação para as alterações climáticas para 2021-2025, diz que 35% do financiamento total do banco durante este período será dedicado à transformação da agricultura e outros sistemas-chave para lidar com a mudança climática.

Ao lado desses órgãos intergovernamentais e multilaterais, uma vasta rede de “partes [ocultas] interessadas” agora se dedica ao “esverdeamento” da agricultura e da produção de alimentos – do tipo fundações privadas, parcerias público-privadas, ONGs e corporações. Reset the Table, um relatório da Fundação Rockefeller de 2020, pediu a mudança de um “foco na maximização dos retornos dos acionistas” para “um sistema mais equitativo focado em retornos e benefícios justos para todas as partes interessadas”.

Isso pode soar como uma boa ideia, a primeira análise, até que se considere que o “capitalismo de stakeholders” é um conceito fortemente promovido pelos psicopatas oligarcas participantes do WEF- Fórum Econômico Mundial, que representa os interesses das maiores e mais poderosas corporações do planeta.

A Fundação Rockefeller tem laços muito estreitos com o WEF, que está incentivando os agricultores a adotar métodos “inteligentes para o clima” a fim de fazer a “transição para sistemas alimentares positivos para a natureza até 2030”. O WEF também acredita fortemente na necessidade de reduzir drasticamente a criação de gado e o consumo de carne e mudar para “proteínas alternativas” como insetos.

Indiscutivelmente, a organização público-privada mais influente especificamente “dedicada a transformar nosso sistema alimentar global” é a  Comissão EAT-Lancet , que é amplamente modelada em torno da abordagem “multissetorial” do WEF de Davos. Isso se baseia na premissa de que a formulação de políticas globais deve ser moldada por uma ampla gama de “partes interessadas” não eleitas, como instituições acadêmicas e corporações multinacionais, trabalhando lado a lado com os seus marionetes ‘Davos’ Boys instalados nos governos. 

Essa rede, cofundada pelo Wellcome Trust, consiste em agências da ONU, universidades líderes mundiais e corporações como Google e Nestlé. A fundadora e presidente da EAT, Gunhild Stordalen, uma ‘filantropa’ norueguesa casada com um dos homens mais ricos do país, descreveu sua intenção de organizar um “Davos pela comida”.

O trabalho da EAT foi inicialmente apoiado pela Organização Mundial da Saúde, mas em 2019 a OMS   retirou seu endosso depois que Gian Lorenzo Cornado, embaixador da Itália e representante permanente na ONU em Genebra, questionou a base científica para o regime alimentar promovido pela EAT – que é focado na promoção de alimentos à base de plantas e excluindo carne e outros alimentos de origem animal. 

Cornado argumentou que “uma dieta padrão para todo o planeta” que ignora idade, sexo, saúde e hábitos alimentares “não tem nenhuma justificativa científica” e “significaria a destruição de dietas tradicionais saudáveis ??milenares que são parte integrante do patrimônio cultural e harmonia social em muitas nações”.

Talvez mais importante, disse Cornado, seja o fato de que o regime alimentar aconselhado pela comissão “também é nutricionalmente deficiente e, portanto, perigoso para a saúde humana” e “certamente levaria à depressão econômica, especialmente nos países em desenvolvimento”. Ele também levantou preocupações de que “a eliminação total ou quase total de alimentos de origem animal” destruiria a pecuária e muitas outras atividades relacionadas à produção de carne e laticínios.

Apesar dessas preocupações, levantadas por um importante membro do principal órgão de saúde pública do mundo e compartilhadas por uma rede representando 200 milhões de pequenos agricultores em 81 países, a EAT continua a desempenhar um papel central no impulso global para a transformação radical dos sistemas alimentares. Na Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas de 2021, que se originou de uma parceria entre o WEF e o Secretário-Geral da ONU, Stordalen recebeu um papel de liderança.

Esta questão foi agora empurrada para o topo da agenda global. A reunião do G20 em novembro passado em Bali pediu “uma transformação acelerada em direção a uma agricultura sustentável e resiliente e sistemas alimentares e cadeias de abastecimento” para “garantir que os sistemas alimentares contribuam melhor para a adaptação e mitigação das mudanças climáticas”. 

Poucos dias depois, no Egito, a Cúpula do Clima da Agenda Verde anual da COP27 lançou sua iniciativa com o objetivo de promover “uma mudança para dietas saudáveis, resistentes ao clima e sustentáveis”.  Dentro de um ano, sua Organização para Agricultura e Alimentação pretende lançar um “roteiro” para reduzir as emissões de gases de efeito estufa no setor agrícola.

Essa completa indefinição das fronteiras entre as esferas pública e [os interesses] privada-corporativa nos setores agrícola e alimentar também está acontecendo em outras áreas – com Bill [Hell’s] Gates em algum lugar no meio. 

A par dos cuidados de saúde, com grandes investimentos em laboratórios e vacinas, a agricultura é o foco principal da Fundação Bill e Melinda Gates, que financia várias iniciativas cujo objetivo declarado é aumentar a segurança alimentar e promover a agricultura sustentável, como a Gates Ag One, o CGIAR e a Alliance for a Green Revolution in África

Organizações da sociedade civil, no entanto, acusaram a Fundação de usar sua influência para promover interesses corporativos multinacionais no Sul Global e pressionar para impor soluções de alta tecnologia ineficazes (mas muito lucrativas) que falharam amplamente em aumentar a produção global de alimentos. 

As atividades agrícolas “sustentáveis” de Gates também não se limitam aos países em desenvolvimento.  Além de investir em empresas de proteína vegetal, como Beyond Meat e Impossible Foods, Gates vem comprando grandes quantidades de terras agrícolas nos EUA, a ponto de se tornar o maior proprietário privado de terras agrícolas do país.

O problema com a tendência globalista que ele personifica e expressa abertamente é óbvio: em última análise, a agricultura de pequena e média escala é mais sustentável do que a agricultura industrial de grande escala, pois está tipicamente associada a uma maior biodiversidade e à proteção das características da paisagem. 

As pequenas propriedades também fornecem toda uma gama de outros bens públicos: ajudam a manter vivas as áreas rurais e remotas, preservam as identidades culturais regionais e oferecem emprego em regiões com menos oportunidades de emprego. 

Mas o mais importante, as pequenas fazendas alimentam o mundoUm estudo de 2017 descobriu que a “rede alimentar camponesa” – a rede diversificada de pequenos produtores desconectados da Grande Agricultura – alimenta mais da metade da população mundial usando apenas 25% dos recursos agrícolas do mundo.

Essa agricultura tradicional, porém, está sofrendo um ataque sem precedentes. Os pequenos e médios agricultores estão sendo submetidos a condições sociais e econômicas nas quais simplesmente não podem mais sobreviver. As pequenas e médias fazendas camponesas estão desaparecendo em um ritmo alarmante em toda a Europa e outras regiões, em benefício dos oligarcas mundiais da alimentação – e tudo isso está sendo feito em nome da [pseudo]sustentabilidade e emissão zero carbono. 

Numa época em que quase um bilhão de pessoas em todo o mundo ainda sofrem com a fome, a lição dos agricultores holandeses aos frios e calculistas globalistas e oligarcas das grandes corporações não poderia ser mais urgente, ou inspiradora. Por enquanto, pelo menos, ainda dá tempo de resistir ao Great Food Reset.


E o anjo me disse: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher, e da BESTA (Inteligência Artificial) que a traz, a qual tem sete cabeças (países do G-7) e dez chifres. A BESTA (Inteligência Artificial) que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na Terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a BESTA (Inteligência Artificial) que era e já não é, ainda que é. Aqui o sentido, que tem sabedoria. As sete cabeças (também) são sete montes, sobre os quais a mulher [VATICANO-ROMA] está assentada”. Apocalipse 17:7-9

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *