Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O ‘Império’ da América está Falido

O dólar finalmente está sendo destronado…Vamos começar pelo básico. Aproximadamente 5% da raça humana vive atualmente nos Estados Unidos da América. Essa fração muito pequena da humanidade, até bem recentemente, desfrutou de cerca de um terço dos recursos energéticos e produtos manufaturados do mundo e cerca de um quarto de suas matérias-primas. Isso não aconteceu porque ninguém mais queria essas coisas, ou porque os Estados Unidos fabricaram e venderam algo tão sedutor que o resto do mundo entregou avidamente sua riqueza em troca. 

O ‘Império’ da América está Falido

Fonte: UnHerd.com,  – De autoria de John Michael Greer

Aconteceu porque, como nação dominante, os EUA impuseram padrões de troca desequilibrados ao resto do mundo, e estes canalizaram para si uma parcela desproporcional da riqueza do planeta.

Não há nada de novo nesse tipo de arranjo. Em sua época, o Império Britânico controlava uma parcela ainda maior da riqueza do planeta, e o Império Espanhol desempenhou um papel comparável mais atrás no tempo. 

Antes disso, houve inúmeros outros impérios, embora os limites das tecnologias de transporte significassem que seu alcance não era tão grande. A propósito, nada disso foi uma invenção de pessoas de pele clara. 

Impérios poderosos floresceram na ‘amarela’ Ásia e na ‘negra’ África quando os povos da Europa ainda viviam em cabanas de barro com teto de palha. Os impérios surgem sempre que uma nação se torna poderosa o suficiente para dominar outras povos e drenar suas riquezas. Eles prosperaram desde que os registros históricos existem e, sem dúvida, prosperarão enquanto existirem civilizações humanas.

O império da América surgiu na esteira do colapso do Império Britânico, durante as fratricidas guerras européias do início do século XX, as duas grandes guerras mundiais. Ao longo desses anos amargos, o papel da hegemonia global estava em disputa e, por volta de 1930, estava bastante claro que a Alemanha, a União Soviética ou os EUA acabariam levando o prêmio. 

Como sempre, dois contendores uniram forças para espremer o terceiro, e então os vencedores se enfrentaram, conquistando esferas concorrentes de influência até que uma desmoronasse. Quando, mais recentemente a União Soviética implodiu em 1991, os EUA emergiram como o último império em pé.

Francis Fukuyama insistiu em um ensaio de 1989 que, tendo conquistado o primeiro lugar, os Estados Unidos estavam destinados a permanecer lá “para sempre” [mas não há MAL que sempre dure . . .]. Ele estava, é claro, errado, mas ele era um hegeliano e não podia evitar. (Se um seguidor de Hegel lhe disser que o céu é azul, vá ver.)

A ascendência de um império garante que outros aspirantes ao mesmo status começarão a afiar suas facas. Eles também as usarão, porque os impérios invariavelmente se destroem: com o tempo, as consequências econômicas e sociais do império destroem as condições que o tornaram possível. Isso pode acontecer de forma rápida ou lenta, dependendo do mecanismo que cada império utiliza para extrair riqueza de seus povos subjugados.

O mecanismo que os EUA usaram para este último propósito foi engenhoso, mas ainda mais de curto prazo do que a maioria dos impérios. Em termos simples, os EUA impuseram uma série de acordos sobre a maioria das outras nações que garantiam que a maior parte do comércio internacional usaria dólares americanos como meio de troca e garantiram que uma parcela cada vez maior da atividade econômica mundial exigisse o uso do dólar no comércio internacional.(Isso é o que toda aquela tagarelice e baboseira sobre “globalização” significava na prática.)

Isso permitiu ao governo dos EUA fabricar dólares do nada por meio de déficits orçamentários cada vez mais gigantescos, de modo que os interesses dos EUA pudessem usar esses dólares para comprar grandes quantidades dos principais recursos mundiais. Como os dólares em excesso foram recolhidos por bancos centrais e empresas estrangeiras, que precisavam deles para seu próprio comércio exterior, a inflação interna dos EUA permaneceu sob controle enquanto as classes ricas dos EUA lucravam poderosamente.

O problema com esse esquema é a mesma dificuldade enfrentada por todos os esquemas Ponzi, que é que, mais cedo ou mais tarde, você fica sem otários para atrair, pois eles acordam. Isso aconteceu não muito depois da virada do milênio e junto com outros fatores – notavelmente o pico da produção global de petróleo convencional — levou à crise financeira de 2008-2010. Desde 2010, os EUA têm oscilado de uma crise para outra. Isso não é acidental. 

O ‘bombeamento’ de riqueza que manteve os EUA no topo da pirâmide global tem falhado à medida que um número crescente de nações encontrou maneiras de manter uma parcela maior de sua própria riqueza, expandindo seus mercados domésticos e comércio com outros países e levantando o tipo de barreiras comerciais usadas pelos EUA, antes de 1945 para construir sua própria economia.

A única pergunta que resta é em quanto tempo a ‘bomba’ começará a falhar completamente.

Quando a Rússia lançou sua invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022, os EUA e seus aliados responderam não com força militar, pois seria uma ‘temeridade’, mas com sanções econômicas punitivas, que deveriam paralisar a economia russa e forçar a Rússia a ficar de joelhos para o ocidente “todo poderoso”. 

Aparentemente, ninguém em Washington DC considerou a possibilidade de que outras nações com interesse em minar o império dos EUA pudessem ter algo a dizer sobre isso. Claro, e foi o que aconteceu. 

A China, que tem a maior economia da Terra em termos de poder de compra, estendeu o dedo do meio na direção de Washington e aumentou suas importações de petróleo, gás, grãos e outros produtos russos. O mesmo aconteceu com a Índia, atualmente a terceira maior economia da Terra nos mesmos termos; assim como mais de 100 outros países.

Depois, há o Irã, sobre o qual a maioria dos americanos é impressionantemente estúpida e ignorante. O Irã é a 17ª maior nação do mundo, tem mais que o dobro do tamanho do Texas e é ainda mais rico em petróleo e gás natural. É também uma potência industrial e tecnológica em expansão. Tem uma próspera indústria automobilística, por exemplo, e constrói e lança seus próprios satélites orbitais. Ele tem lidado com severas sanções dos EUA desde pouco depois da queda do xá em 1978, então é uma aposta segura que o governo iraniano e o setor industrial conheçam todos os truques imagináveis ??para contornar essas sanções.

Logo após o início da guerra na Ucrânia, a Rússia e o Irã repentinamente começaram a assinar acordos comerciais para grande benefício do Irã. Claramente, uma parte do ‘quid pro quo’ foi que os iranianos transmitiram seu conhecimento suado sobre como evitar sanções para uma audiência atenta de autoridades russas. 

Com uma pequena ajuda da China, da Índia e da maior parte do resto da humanidade, o fracasso total das sanções ocorreu em pouco tempo. Hoje, num efeito bumerangue, as sanções estão prejudicando os EUA e a Europa, não a Rússia, mas a “liderança” dos EUA se firmou em uma posição da qual não pode recuar. Isso pode ajudar muito a explicar por que a campanha russa na Ucrânia tem sido tão vagarosa. Os russos não têm nenhum motivo para pressa. Eles sabem que o tempo não está do lado dos EUA e seus lacaios da OTAN.

Por muitas décadas, a ameaça de ser cortado do comércio internacional pelas sanções dos EUA foi o grande bastão que Washington usou para ameaçar nações rebeldes que não eram pequenas o suficiente para uma invasão dos EUA ou frágeis o suficiente para uma operação de mudança de regime apoiada pela CIA. 

No ano passado, aquele grande bastão acabou sendo feito de madeira de balsa e quebrou na mão de (‘Dementia’ Joe) Biden. Como resultado, em todo o mundo, nações que pensavam não ter escolha a não ser usar dólares em seu comércio exterior estão mudando para suas próprias moedas ou para as moedas de potências emergentes. O dia do dólar americano como meio de troca global está terminando, e rápido.

Tem sido interessante observar especialistas econômicos reagindo a isso. Como você pode esperar, muitos deles simplesmente negam que isso esteja acontecendo – afinal, as estatísticas econômicas dos anos anteriores ainda não o demostram. Alguns outros apontaram que nenhuma outra moeda está pronta para assumir o papel do dólar; isso é verdade, mas é absolutamente irrelevante.

Quando a libra esterlina inglesa perdeu um papel semelhante nos primeiros anos da Grande Depressão, nenhuma outra moeda estava pronta para assumir seu papel. Não foi até 1970 ou mais que o dólar americano terminou de se estabelecer como a moeda do comércio global. No intervalo, o comércio internacional avançou desajeitadamente usando quaisquer moedas ou trocas de commodities que os parceiros comerciais pudessem estabelecer: ou seja, a mesma situação que está se formando ao nosso redor no comércio global livre-para-todos que definirá a era pós-dólar.

Uma das consequências interessantes da mudança em curso é uma reversão à média da distribuição global da riqueza. Até a era do império global europeu, o coração econômico do mundo estava no leste e no sul da Ásia. A Índia e a China eram os países mais ricos do planeta, e um colar brilhante de outros estados ricos, do Irã ao Japão, preenchia o cenário. Até hoje, a maior parte da população humana é encontrada na mesma parte do mundo. 

A grande era da conquista europeia desviou temporariamente grande parte dessa riqueza para a Europa, empobrecendo a Ásia no processo. Essa condição começou a desmoronar com o colapso dos impérios coloniais europeus na década seguinte à Segunda Guerra Mundial, mas alguns dos mesmos arranjos foram apoiados pelos EUA depois disso. Agora eles estão desmoronando e a Ásia está crescendo. No próximo ano, quatro das cinco maiores economias do planeta em paridade de poder de compra serão asiáticas. O quinto são os EUA, e pode não estar nessa lista por muito mais tempo.

Em suma, a América está falida. Nossos governos do nível federal para baixo, nossas grandes corporações e um número muito grande de nossos cidadãos abastados acumularam dívidas gigantescas, que só podem ser saldadas com acesso direto ou indireto aos fluxos de riqueza não conquistada que os EUA extraíram do resto do planeta. Essas dívidas não podem ser pagas, e muitas delas nem mesmo podem ser pagas por muito mais tempo. As únicas opções são inadimplê-los ou inflá-los até que não existam e, em ambos os casos, arranjos baseados em níveis familiares de gastos não serão mais possíveis. Uma vez que os arranjos em questão incluem a maior parte do que é considerado um estilo de vida comum nos Estados Unidos de hoje, o impacto de sua dissolução será severo.

Com efeito, os 5% de nós neste país vão ter que voltar a viver como viviam antes de 1945. Se ainda tivéssemos as fábricas, a mão de obra treinada, os recursos naturais abundantes e os hábitos econômicos que tínhamos naquela época , isso teria sido uma transição dolorosa, mas não um desastre. A dificuldade, claro, é que não temos mais essas coisas. As fábricas foram fechadas na febre do offshoring dos anos 1970 e 1980, quando a economia imperial entrou em colapso e a força de trabalho treinada foi entregue a uma negligência maligna.

Ainda temos alguns dos recursos naturais, mas nada como o que tínhamos antes. Os hábitos econômicos? Esses foram assobiando ao vento há muito tempo. Nos estágios finais de um império, explorar fluxos de riqueza não conquistados do exterior é muito mais lucrativo do que tentar produzir riqueza em casa, e a maioria das pessoas direciona seus esforços de acordo. É assim que você acaba com a típica economia do final do período imperial, com uma classe governante que ostenta níveis fantásticos de riqueza no papel, uma classe parasita de parasitas que prosperam atendendo aos muito ricos ou trabalhando nos sistemas burocráticos barrocos que permeiam os sistemas públicos e vida privada, e a grande maioria da população empobrecida, mal-humorada e sem vontade de levantar um dedo para salvar seus  soi-disant  superiores das consequências de suas próprias ações.

A boa notícia é que tem solução para tudo isso. A má notícia é que levará algumas décadas de turbulência séria para chegar lá. A solução é que a economia dos EUA se reequipe para produzir riqueza na forma de bens reais e serviços não financeiros. Isso acontecerá inevitavelmente à medida que os fluxos de riqueza imerecida diminuírem, os bens estrangeiros se tornarem inacessíveis para a maioria dos americanos e se tornar lucrativo produzir coisas aqui nos EUA novamente. A dificuldade, claro, é que a maior parte de um século de escolhas econômicas e políticas destinadas a apoiar nosso antigo projeto imperial terá que ser desfeita.

O exemplo mais óbvio? O inchaço metastático de empregos gerenciais governamentais, corporativos e sem fins lucrativos na vida americana. Essa é uma medida sensata na era do império, pois canaliza dinheiro para a economia de consumo, que fornece os empregos existentes para as classes empobrecidas. Escritórios públicos e privados fervilham com legiões de trabalhadores de escritório cujo trabalho não contribui em nada para a prosperidade nacional, mas cujos contracheques sustentam o setor de consumo. Essa bolha já está perdendo ar. É indicativo que Elon Musk, após sua aquisição do Twitter, demitiu cerca de 80% dos funcionários dessa empresa; outras grandes combinações de internet estão reduzindo sua força de trabalho da mesma forma, embora ainda não no mesmo grau.

O recente alvoroço sobre a inteligência artificial está ajudando a ampliar a mesma tendência. Por trás dos chatbots estão programas chamados modelos de linguagem grandes (LLMs), que são muito bons em imitar os usos mais previsíveis da linguagem humana. Um número muito grande de empregos de escritório hoje em dia passa a maior parte do tempo produzindo textos que se enquadram nessa categoria: contratos, peças jurídicas, comunicados à imprensa, matérias para a mídia e assim por diante. Esses empregos estão indo embora. A codificação de computador é ainda mais receptiva à produção LLM, então você também pode dar adeus a muitos trabalhos de software. Qualquer outra forma de atividade econômica que envolva a montagem de sequências previsíveis de símbolos enfrenta o mesmo problema. Um artigo recente da Goldman Sachs estima que algo como  300 milhões de empregos em todo o mundo industrial serão total ou parcialmente substituídos por LLMs nos próximos anos.

Outra tecnologia com resultados semelhantes é a criação de imagens CGI. A Levi’s anunciou há pouco tempo que todos os seus futuros catálogos e publicidade usarão imagens CGI em vez de modelos e fotógrafos altamente pagos. Espere que a mesma coisa se espalhe em geral. Ah, e Hollywood é o próximo. Não estamos muito longe do ponto em que um programa pode coletar todas as imagens de Marilyn Monroe de seus filmes e usá-las para gerar novos filmes de Marilyn Monroe por uma pequena fração do que custa contratar atores vivos, equipes de câmera e o resto. O resultado será uma redução drástica nos empregos bem remunerados em uma ampla faixa da economia.

O resultado de tudo isso? Bem, um monte de especialistas vai insistir a plenos pulmões que nada vai mudar de forma alguma que importe, e outro monte vai começar a gritar que o apocalipse está sobre nós.

Essas são as duas únicas opções que nossa imaginação coletiva pode processar atualmente. Claro, nenhuma dessas coisas vai realmente acontecer.

Em vez disso, o que acontecerá é que as classes média e média alta nos EUA e em muitos outros países enfrentarão o mesmo tipo de demolição lenta que varreu as classes trabalhadoras desses mesmos países no final do século XX. Demissões, falências corporativas, declínio de salários e benefícios e a mais recente versão de alta tecnologia dos sinais de NÃO PRECISA-SE DE AJUDA se seguirão uns aos outros em intervalos irregulares. Todos os negócios que ganham dinheiro atendendo a essas mesmas classes também perderão suas receitas, um pedaço de cada vez. As comunidades vão se esvaziar da mesma forma que as cidades industriais do Rust Belt da América e das Midlands inglesas fizeram meio século atrás, mas desta vez será a vez dos subúrbios de luxo e dos bairros urbanos da moda entrarem em colapso à medida que os fluxos de renda que os sustentavam desaparecem.

Este não será um processo rápido. O dólar americano está perdendo seu lugar como meio universal de comércio exterior, mas ainda será usado por alguns países nos próximos anos. O desvendar dos arranjos que direcionam a riqueza imerecida para os EUA será um pouco mais rápido, mas ainda levará tempo. O colapso da classe dos cubículos e a destruição dos subúrbios se desenrolarão ao longo de décadas. É assim que as mudanças desse tipo acontecem.

Quanto ao que as pessoas podem fazer em resposta tão tarde no jogo, refiro-me a uma postagem que fiz no  The Archdruid Report  em 2012 intitulada “ Recolha agora e evite a pressa ”. Naquela postagem, apontei que o desmoronamento da economia americana e o projeto mais amplo de civilização industrial estavam ganhando velocidade ao nosso redor, e aqueles que queriam se preparar para isso precisavam começar a se preparar logo cortando suas despesas, saindo de dívidas e adquirindo as habilidades necessárias para produzir bens e serviços para as pessoas, e não para a máquina corporativa. Fico feliz em dizer que algumas pessoas fizeram essas coisas, mas muitas outras reviraram os olhos ou tomaram resoluções sérias para fazer algo assim que as coisas fossem mais convenientes, o que nunca foi.

Ao longo dos anos que se seguiram, repeti esse aviso e depois passei para outros temas, já que realmente não havia muito sentido em insistir na confusão que se aproximava quando o tempo de agir já havia passado. Aqueles que fizeram os preparativos a tempo enfrentarão a confusão que se aproxima tão bem quanto qualquer um. Aqueles que não o fizeram? A pressa está aqui. Lamento dizer que o que quer que você tente, é provável que haja muitas outras pessoas frenéticas tentando fazer a mesma coisa. Você ainda pode ter sorte, mas vai ser uma linha difícil de cavar.

Veja bem, espero que algumas pessoas tomem uma atitude diferente. Nos meses antes de uma previsão minha se tornar realidade, recebo com segurança uma enxurrada de comentários insistindo que sou muito rígido e dogmático em minhas opiniões sobre o futuro, que preciso ter a mente mais aberta sobre possibilidades alternativas, que futuros maravilhosos ainda estão ao seu alcance, e assim por diante. Consegui isso em 2008, pouco antes de a bolha imobiliária começar a estourar, como eu havia previsto, e também consegui em 2010, pouco antes do preço do petróleo atingir o pico e começar a cair, como também previ, levando em consideração o movimento de pico do petróleo com ele. Comecei a receber o mesmo tipo de crítica mais uma vez.

Estamos dançando à beira de uma longa ladeira escorregadia para uma nova realidade indesejável. Eu encorajaria os leitores na América e seus aliados próximos a se prepararem para algumas décadas de turbulência econômica, social e política. 

Aqueles em outros lugares terão mais facilidade, mas ainda será um passeio selvagem antes que os escombros parem de quicar e novos arranjos sociais, econômicos e políticos sejam remendados a partir dos destroços.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *