browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Longo, Lucrativo e Sangrento Caminho para a Terceira Guerra Mundial

Posted by on 05/05/2022

Bem, esta guerra na Ucrânia vai durar “meses e anos”. Pelo menos, é o que decidiram os líderes da política externa de DC, a mídia PRE$$TITUTE$, os homens [psicopatas] do presidente Joe Biden, o Pentágono e a liderança da OTAN. O plano deles é derramar óleo nas chamas e manter o fogo alto. Além disso, os americanos terão que desembolsar grana para outro pacote de ajuda maciço, com mais US$ 20 bilhões em armas para manter o sangue fluindo. 

O Longo, Lucrativo e Sangrento Caminho para a Terceira Guerra Mundial

Fonte: LibertarianInstitute.org

No total, este próximo pacote custará ao contribuinte norte americano US$ 33 bilhões. Com o orçamento de “defesa” de US$ 813 bilhões proposto por Biden para 2023, os EUA estão gastando mais com as forças armadas e a guerra agora mais do que nunca na história do país .

Agora que temos nosso próprio “Ministério da Verdade“, parece que qualquer debate nacional sobre essas políticas, de fato, se tal debate for permitido, provavelmente terá que ser moderado por baratas e Keith Richards.

A OTAN deve se expandir novamente, trazendo a Finlândia e a Suécia para o seu seio. Isso estenderá a fronteira da aliança com a Rússia em mais de 1.300 quilômetros e aumentará ainda mais as tensões nucleares, elevando a atual inconstância a um nível totalmente novo. 

Moscou planeja responder  inclusive aumentando as forças aéreas e navais no Mar Báltico e reforçando seu enclave de Kaliningrado, que fica entre a Polônia e a Lituânia, membros da OTAN, com armas nucleares adicionais e mísseis hipersônicos. Até 2004, era impensável que a OTAN se expandisse para as fronteiras da Rússia até que isso realmente acontecesse. Como a maioria de nossos problemas com a Rússia, tudo isso é culpa de Bill Clinton e George W. Bush .

Mesmo com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e outros líderes em Moscou  repetidamente alertando sobre o conflito nuclear e a Terceira Guerra Mundial, mesmo comparando  diretamente a situação atual com a crise dos mísseis cubanos, altos funcionários do Pentágono  dizem  que não estão preocupados com as ameaças da Rússia.

Tampouco nossos governantes oniscientes parecem preocupados com o fato de terem “quase zero” capacidade de acompanhar a miríade de sistemas de armas sofisticados que estão enviando para a Ucrânia. A CNN citou fontes informadas dizendo que a inteligência mostra que as armas americanas estão caindo em um “grande buraco negro”. Dizem que vale a pena.

Nem parecem estar preocupados com as advertências dos russos sobre como a inundação de armas do Ocidente na Ucrânia ameaça expandir a guerra para o território da OTAN e desestabilizar a Europa.

A secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss ,exige que o Ocidente “dobre” os embarques de armas, insistindo particularmente em “armas pesadas, tanques, aviões – cavando fundo em nossos estoques, aumentando a produção. Precisamos fazer tudo isso”.

Nosso principal diplomata Antony Blinken diz que o plano é uma mudança de regime em Moscou,  assim como o seu senil chefe fez em março com sua “gafe” polonesa. Ironicamente, os US$ 47 bilhões em armas e outras ajudas norte-americanas prometidas à Ucrânia nos últimos dois meses logo  ultrapassarão todo o orçamento do Departamento de Estado.

O secretário de Defesa Lloyd Austin, ex-membro do conselho da Raytheon, diz que o objetivo é ver a Rússia “enfraquecida” a ponto de não ter até a capacidade de se defender fora de suas fronteiras.  Como observa Pat Buchanan, essa política, intencionalmente ou não, pressiona o Kremlin a considerar mais seriamente a possibilidade de puxar seu “gatilho nuclear”.

“Queremos ver a Rússia enfraquecida ao ponto de não poder fazer o tipo de coisa que fez ao invadir a Ucrânia”, disse Austin com um olhar claro para o aumento das baixas russas e a destruição a longo prazo do poder convencional de Moscou.

Talvez, Austin queira paralisar a Rússia tão severamente que seu Pentágono possa travar uma guerra com a China, o “ concorrente estratégico mais importante e o desafio de ritmo para o Departamento ”, sem ter que se preocupar tanto com Moscou – considerado um segundo nível “agudo” de ameaça , embora um inimigo armado com cerca de 6.000 ogivas nucleares.

Os amigos da Raytheon de Austin estão travando essa guerra por procuração, assim como colhendo os efeitos auxiliares, como os estados europeus da OTAN, finalmente, aumentando seus gastos militares.

Como Ron Paul escreveu ,

Um grupo de interesses especiais que lucra maciçamente com a guerra é o complexo industrial militar dos EUA. O CEO da Raytheon, Greg Hayes, disse recentemente em uma reunião de acionistas que: “Tudo o que está sendo enviado para a Ucrânia hoje, é claro, está saindo dos estoques, seja do DOD ou de nossos aliados da OTAN, e isso é uma ótima notícia. Eventualmente, teremos que reabastecê-lo e veremos um benefício para o negócio.”

Ele não estava mentindo. A Raytheon, juntamente com a Lockheed Martin e inúmeros outros fabricantes de armas, estão desfrutando de um lucro inesperado que não viam há anos. Os EUA comprometeram mais de três bilhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia. Eles chamam isso de ajuda, mas na verdade é bem-estar corporativo: Washington enviando bilhões para fabricantes de armas por armas enviadas ao exterior.

De acordo com muitos relatos, esses carregamentos de armas como o míssil antitanque Javelin (fabricado em conjunto pela Raytheon e Lockheed Martin) estão sendo explodidos por mísseis da Rússia assim que chegam à Ucrânia. Isso não incomoda a Raytheon. Quanto mais armas explodidas pela Rússia na Ucrânia, mais novas ordens de compra vêm do Pentágono.

Os ex-países do Pacto de Varsóvia, agora membros da OTAN, também estão envolvidos no golpe.  Eles descobriram como descartar suas obsoletas armas de 30 anos de fabricação soviética e receber substitutos modernos dos EUA e de outros países ocidentais da OTAN.

Dificilmente há um status quo para se opor. Durante semanas, as escaladas continuaram em ritmo acelerado. Londres enviou tropas do SAS em Kiev para treinar tropas ucranianas em armas antitanque inglesas. Os EUA estão treinando as tropas de Kiev na Alemanha e em dois outros locais secretos na Europa em artilharia pesada, sistemas de radar e veículos blindados. Washington está expandindo o compartilhamento de inteligência com Kiev para sua guerra com a Rússia no Donbas, fornecendo  obuses, veículos para transportá-los e mais 140.000 munições de artilharia. 

A Polônia está enviando tanques para Ucrânia e a Eslovênia tem um plano para enviar um grande número de velhos tanques de batalha T-72 também. Os alemães fornecerão tanques antiaéreos para Kiev e o Pentágono diz que um aliado europeu não identificado [Polônia] está fornecendo aviões de guerra à Ucrânia .

O ministro das Forças Armadas de Londres declarou o apoio de seu governo aos ataques “completamente legítimos” de Kiev dentro da Rússia usando armas britânicas. Isso ocorre em meio a um aumento nos relatos de ataques de drones e helicópteros transfronteiriços ucranianos , incluindo  depósitos de petróleo russos, áreas residenciais e vilarejos em território da Rússia. 

Os EUA e seus aliados europeus estão implementando uma política de longo prazo que visa exilar a Rússia, olhando para uma nova ordem mundial onde eles não procuram mais “coexistir” com Moscou. Londres quer que a Europa corte toda a energia russa [petróleo e gás] “de uma vez por todas”, o que tornaria a guerra mais provável, empobreceria pessoas inocentes e causaria recessões maciças.

A presença militar dos EUA, da OTAN e da Rússia no Mar Mediterrâneo atingiu os níveis da Guerra Fria, à medida que a OTAN constrói novos grupos de batalha do Leste Europeu .

Em março, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, alertou que qualquer “uso de armas químicas mudaria totalmente a natureza do conflito, seria uma violação flagrante do direito internacional e teria consequências de longo alcance”

Este fim de semana, a legislação para uma nova Autorização para o Uso da Força Militar (AUMF) foi apresentada pelo deputado Adam Kinzinger (R-IL). O anúncio de Kinzinger chama o AUMF de uma “linha vermelha clara”, que autorizaria Biden a enviar tropas para a Ucrânia para combater os russos se Moscou “usar armas químicas, biológicas e/ou nucleares”.

Com o apoio bipartidário quase completo do Congresso para a renovação do Lend-Lease e outras leis anti-Rússia e pró-guerra, não está fora do reino da possibilidade que este projeto de lei e sua cínica armadilha redline se torne lei.

Por quase duas décadas, Washington financiou “pesquisa biológica” e outros laboratórios na Ucrânia. De acordo com o chefe do Programa Cooperativo de Redução de Ameaças do DoD, alguns desses laboratórios podem conter armas biológicas da era soviética. Como Dave DeCamp, editor de notícias do Antiwar.com, relatou ,

O Pentágono financiou [dezenas de] laboratórios na Ucrânia por meio de sua Agência de Redução de Ameaças de Defesa (DTRA). De acordo com um boletim informativo do Pentágono divulgado no mês passado, desde 2005, os EUA “investiram” US$ 200 milhões em “apoiar 46 laboratórios ucranianos, instalações de saúde e locais de diagnóstico”.

Moscou acusou a Ucrânia de realizar uma limpeza de emergência de um programa secreto de armas biológicas financiado pelo Pentágono quando a Rússia invadiu a Ucrânia. A Organização Mundial da Saúde disse que aconselhou a Ucrânia a destruir “patógenos de alta ameaça” na época da invasão.

De sua parte, os EUA sustentam que o programa na Ucrânia e em outros ex-estados soviéticos visa reduzir a ameaça de armas biológicas deixadas pela União Soviética. Embora minimizando a ameaça dos laboratórios, funcionários do Pentágono também alertaram que eles ainda podem conter armas biológicas da era soviética.

Robert Pope, diretor do Programa Cooperativo de Redução de Ameaças do DTRA, disse ao Boletim dos Cientistas Atômicos em fevereiro que os laboratórios podem conter armas biológicas soviéticas e alertou que os combates na Ucrânia podem levar à liberação de um patógeno perigoso.

Muito parecido com as linhas vermelhas anteriores da Síria, este é praticamente o convite dos falcões aos maus atores que buscam a intervenção dos EUA para seguir em frente e lançar um ataque que poderia ser plausivelmente atribuído ao nosso Hitler du jour para fabricar seu casus belli desejado.

Parece que pode haver muitos locais que alguém poderia atingir que cruzariam a linha habilmente traçada por Kinzinger na areia. E assim como a CIA, a Turquia e os aliados da Al Qaeda da Arábia Saudita na Síria, o Batalhão Azov e outros grupos nazistas, que levaram uma surra humilhante até agora na guerra, são os principais candidatos a lançar um ataque de bandeira falsa.

Se o povo americano não acordar e exigir o fim da intervenção do seu governo na Ucrânia, os EUA podem estar entrando diretamente nessa guerra em breve.

Se a Rússia estivesse fazendo o que os EUA e seus aliados europeus estão fazendo na Ucrânia, no México ou no Canadá, na fronteira com os EUA, além da guerra de sanções econômicas sem precedentes que está sendo travada, esses falcões em DC já teriam puxado o mencionado gatilho nuclear contra a Rússia meses atrás.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.