browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O mistério da localização de Atlântida se aprofunda

Posted by on 03/10/2019

Em 1940, o curandeiro e profeta americano Edgar Cayce previu que a Atlântida “ressuscitaria” em 1968 ou 1969. Assim, em 1968, quando parecia que o local da “terra perdida” mais famosa do mundo havia finalmente sido localizado no leste do Mediterrâneo, notícias da descoberta do vasto complexo subaquático das Bahamas abalou os atlantistas por toda parte. A questão da Atlântida foi reaberta. Poderia ser a descoberta de Poseidia, descrita por Cayce como a seção “ocidental” da Atlântida? Afinal, Platão e os outros Atlantistas estavam certos quando colocaram sua civilização perdida no Oceano Atlântico?

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O mistério da localização de Atlântida se aprofunda

Fonte:  https://www.bibliotecapleyades.net/ciencia/esp_bermuda_05f.htm

Em 1968, dois pilotos comerciais sobrevoando a região das Bahamas avistaram o que pareciam ser vários edifícios subaquáticos chegando quase à superfície. Os pilotos fizeram seus sobrevoos na costa de Bimini e fotografaram as formações subaquáticas desde o ar.

Sua descoberta foi imediatamente saudada por alguns como o cumprimento de uma profecia de então 28 anos sobre o reaparecimento do continente perdido de Atlântida. De fato, um dos pilotos vigiava estruturas subaquáticas enquanto fazia suas tarefas regulares porque acreditava que Atlântida estava prestes a ressurgir do Oceano Atlântico nesta mesma área.

Uma descoberta sensacional na região das Bahamas, e foi discutida em uma conferência na Flórida, e até mesmo foi noticia na mídia mainstream relatada nos jornais locais da Flórida

O homem em questão era membro da Association for Research and Enlightenment (ARE), uma organização sediada em Virginia Beach, VA, dedicada ao estudo dos ensinamentos e “leituras psíquicas” do falecido vidente Edgar Cayce, o “profeta adormecido” , psíquico e curador. Entre 1923 e 1944, Cayce fez numerosas referências ao perdido continente de Atlântida no decurso de leituras de transe sobre supostas vidas anteriores das pessoas que o consultaram.

Essas entrevistas foram todas literalmente gravadas, e grande parte do material sobre Atlântida foi publicado em um livro chamado Edgar Cayce on Atlantis, do filho de Cayce, Edgar Evans Cayce. Inclui esta previsão, feita em junho de 1940:

“Poseidia estará entre as primeiras porções da Atlântida a se erguer novamente. Espere os anos de 1968 e 69; não tão longe!”

De acordo com as leituras de Cayce, Poseidia era a “seção ocidental (porção oeste) da Atlântida” e a área ao lado de Bimini seria  o ponto mais alto dessa porção de terra afundada. Portanto, o ARE está naturalmente encantado com a descoberta subaquática nas Bahamas, exatamente onde e quando o famoso profeta disse que algo iria aparecer.

Mapa da estrada de Bimini traçada após pesquisas aéreas e subaquáticas realizadas pela expedição Poseidia 75, patrocinada pela ARE.  A estrada é ampliada para aproximadamente o dobro do seu tamanho real em relação à ilha de Bimini. Com a forma aproximada de uma letra J, tem cerca de um quarto de milha de comprimento e é composta por enormes blocos de pedra, geralmente com 15 pés quadrados. Nesse mapa, o X que marca a descoberta de um artefato de pedra refere-se a um fragmento do que parece ser alvenaria construída descoberta na expedição Poseidia 75 por um de seus membros – o Dr. David Zink.

Até que essas e outras descobertas sejam minuciosamente exploradas, devemos admitir que ainda pode haver um rival igualmente plausível pelo título de Atlântida, exatamente onde a maioria das pessoas sempre considerou o continente há muito perdido – no Oceano Atlântico (até mesmo devido ao próprio nome deste oceano). Em seu livro “O Mistério da Atlântida“, Charles Berlitz comenta que,

“Outras ruínas subaquáticas foram encontradas subseqüentemente perto de outras ilhas do Caribe, incluindo o que parece ser uma cidade inteira submersa na costa do Haiti e outra no fundo de um lago. O que parece ser uma estrada subaquática (ou talvez uma série de praças ou fundações) foi descoberta em 1968, ao norte de Bimini, sob várias braças de água. Destas numerosas descobertas, parece que o par da plataforma continental do Atlântico e do Caribe já foi terra seca, afundada ou inundada durante um período em que o homem já era civilizado “.

Nem todo mundo aceita esses recursos subaquáticos como sendo de origem artificial. A chamada “estrada Bimini” é considerada pelos “céticos e eruditos” como nada além de “rochas de praia” que por acaso produzem um efeito incomum. Berlitz e Dr. Manson Valentine , o arqueólogo e oceanógrafo americano que descobriram a “estrada”, não concordam com os “céticos e eruditos”.

Em 1968 o mergulhador Raymond Brown, descobriu um enorme pirâmide de cristal submersa enquanto praticava mergulho na região do triângulo das Bermudas, entre a ilha de Bimini e a ilha de Andros. FONTE

“Deve ser apontado.” escreve Berlitz, “que as rochas da praia não formam grandes blocos que se encaixam em um padrão, que as rochas que se partem ao acaso não fazem giros de 90 graus nem costumam ter passagens regulares dispostas em intervalos entre suas seções. Nem todas são pedras de praia ‘naturais’, no fundo do oceano, provavelmente encontradas apoiadas em pilares de pedra precisa e simetricamente colocados embaixo deles! “

Outros avistamentos feitos em Bimini, a distâncias de até 160 quilômetros da costa, incluem o que parecem ser paredes verticais, um grande arco e pirâmides ou bases para pirâmides no fundo do mar. Cerca de 16 quilômetros ao norte de Andros, outra ilha nas Bahamas, os pilotos fotografaram formações no fundo do mar que se parecem com grandes círculos de pedras, lembrando Stonehenge.

Nas costas do leste de Yucatán e nas Honduras britânicas, aparentemente estradas artificiais se estendem para o mar e, na Venezuela, um muro de 160 km percorre o fundo do oceano. No entanto, os geólogos declararam que muitos deles são características naturais e consideram o muro venezuelano “grande demais para ser considerado artificial”.

De acordo com Berlitz, os russos exploraram um complexo de edifícios subaquáticos cobrindo mais de 10 acres do fundo do mar ao norte de Cuba, e a paisagem balnearia da French bathyscaphe Archimede relatou avistamentos de degraus esculpidos na íngreme plataforma continental ao norte de Porto Rico.

Animação da separação dos continentes de Pangeia. FONTE

Essas descobertas intrigantes indicam que a Atlântida estaria, afinal, localizada no Atlântico? Parece que devemos manter a mente aberta até que sejam investigadas mais minuciosamente. Enquanto isso, vamos dar uma nova olhada no Oceano Atlântico para ver se a teoria da deriva continental de Charles Hapgood ainda pode deixar espaço para um continente desaparecido lá.

Quando um computador foi usado para remontar o quebra-cabeça continental, o ajuste através do Atlântico foi considerado, com alguns ajustes, bastante satisfatório. Mas essa imagem não leva em conta um recurso subaquático fascinante conhecido como a Cordilheira submarina do meio do Atlântico.

Essa cordilheira montanhosa, com quase dois quilômetros de altura e centenas de quilômetros de largura e milhares de quilômetros de extensão, corre em uma curva S no meio do Atlântico, entre as Américas, a África e a Europa , seguindo os contornos desses continentes e marcando seu curso acima da água com várias ilhas, como os Açores, a Ilha da Ascensão e Tristão da Cunha, que são o topo das principais cadeias de montanhas dessa cordilheira maciça.

Já em 1883, Inácio Donnelly sugeriu que a cordilheira do meio do Atlântico era um remanescente da Atlântida. Mas a maioria dos geólogos e oceanógrafos modernos considera que, longe de ser a relíquia de um continente que afundou no fundo do mar, a cordilheira foi forçada a subir do fundo do oceano, provavelmente por atividade vulcânica.

Um mergulhador que participou da expedição AREs Poseidia 75 em Bimini, nas Bahamas, examina uma coluna de mármore incrustada encontrada a cerca de 1,6 km ao sul da Estrada Bimini. Em 1968, o que parecia ser uma vasta estrada subaquática foi descoberto em Bimini, e no ano seguinte foram encontradas as colunas.

A teoria da Deriva Continental de Charles Hapgood é que, à medida que os continentes se afastam, eles produzem uma enorme linha de falha que é o centro do grandes terremotos e produzem uma enorme linha de falha que é o centro de atividades sísmicas e erupções vulcânicas submarinas. Parte do centro derretido da Terra entrou em erupção por essas fendas e se acumulou em uma cordilheira, chegando a subir acima do nível atual das águas oceânicas em vários lugares do Atlântico. No entanto, há evidências de que essa explicação pode ter que ser revisada em pouco tempo.

Em 1969, uma expedição de pesquisa da Duke University dragou 50 locais ao longo de uma cordilheira subaquática que ia da Venezuela às Ilhas Virgens e trouxe rochas graníticas, que normalmente são encontradas apenas em continentes.Os núcleos dos fundos marinhos retirados do cume do meio do Atlântico em 1957 trouxeram restos de plantas de água doce a uma profundidade de duas milhas. 

E em um desses vales profundos, conhecido como Romanche, foram encontradas areias que parecem ter sido formadas pelo intemperismo quando essa parte da cordilheira estava acima do nível da água. Comentando essa descoberta, o Dr. Bruce Heezen, do Observatório Geológico de Lamont, disse:

“Até agora, os geólogos geralmente acreditavam que rochas ígneas graníticas ou ácidas leves estão confinadas aos continentes e que a crosta da terra sob o mar é composta por rochas basálticas mais pesadas e de cor escura …

Assim, a ocorrência de rochas graníticas de cor clara pode apoiar uma teoria antiga de que um continente existia anteriormente na região do Caribe Oriental e de que essas rochas podem representar o núcleo de um continente perdido.”

Concepção artística de Atlântida e sua localização entre o norte da atual América do Sul e do Brasil, oeste da África e à leste dos EUA, uma imensa ilha/continente que teria afundado em violentos cataclismos em torno de 10.986 a.C. no evento que dá base para a narrativa do Dilúvio bíblico de Noé. Com base na descrição de Platão no diálogo do livro “Timeu e Crítias ou a Atlântida” – FONTE

Um relatório recente sobre a natureza do fundo do mar no Atlântico parece confirmar que há pelo menos parte de um antigo continente situado no leito do oceano. Sob o título “Evidência concreta para a Atlântida?” o British Journal New Scientist de 5 de junho de 1975 relatou,

“Embora eles não façam nenhuma afirmação fantasiosa por seus resultados de terem descoberto a mítica massa terrestre no meio do Atlântico, um grupo internacional de oceanógrafos confirmou agora de forma convincente as descobertas preliminares de que um bloco afundado de continente se encontra no meio do Oceano Atlântico.

A descoberta vem da análise de amostras de dragas coletadas ao longo da linha da falha de deslocamento da Vema, uma longa zona de fratura leste-oeste situada entre a África e a América do Sul, perto da latitude 11º N”.

O relatório continua afirmando que em 1971 dois pesquisadores da Universidade de Miami recuperaram alguns fragmentos de calcário de águas rasas das águas profundas da região. Minerais no calcário indicavam que eram provenientes de uma fonte próxima de granito o que dificilmente ocorreria no fundo do oceano.

Análises mais exaustivas das amostras de dragagem revelaram que os calcários incluíam vestígios de fósseis de águas rasas, implicando a formação de águas muito rasas, uma visão confirmada pelas proporções de isótopos de oxigênio e carbono encontrados nos fragmentos. Um pedaço de calcário estava sem núcleo e mostrou evidências de ação das marés.

Os pesquisadores acreditam que o calcário data sua formação da era mesozóica (entre 70 e 220 milhões de anos atrás) e forma um limite “em um bloco continental residual deixado para trás enquanto o Atlântico se espalhava no oceano”O New Scientist observa que,

“Os minerais graníticos poderiam, portanto, ter vindo dos continentes fronteiriços enquanto o oceano ainda estava na sua infância. Movimentos verticais feitos pelo bloco parecem ter aumentado o nível do mar em algum período durante sua história.

Parece, portanto, que existe uma continente perdido no Atlântico, mas infelizmente para os Atlantistas, evidentemente ele teria desaparecido muito antes do homem aparecer na Terra. A maioria dos eruditos “cientistas” continua convencida de que não há probabilidade de encontrar a Atlântida descrita por Platão na área do meio do Atlântico.

Como L. Sprague de Camp comenta em seu Continentes Perdidos, quase toda a cordilheira, com exceção da pequena e montanhosa região dos Açores, tem menos de três ou cinco quilômetros de água “, e não há maneira conhecida de levar uma ilha grande a essa profundidade em algo como os 13.000 anos necessários para se encaixar na data de Platão para o naufrágio da Atlântida”.

Ele também aponta para um relatório publicado em 1967 pelo Dr. Maurice Ewing, da Columbia University, que anunciou que,

“depois de 13 anos explorando o meio do Atlântico, ele”não encontrou vestígios de cidades submersas”.

Os atlantistas respondem que o Dr. Ewing poderia estar procurando nos lugares errados, ou talvez muito perto do centro das forças destrutivas que mergulharam a Atlântida no oceano.

Alguns atlantistas sugeriram que a massa original do Atlântico se dividiu em pelo menos duas partes, uma das quais afundou muito depois da outra. Talvez a Atlântida de Platão fosse um remanescente do continente que os oceanógrafos agora parecem ter detectado os seus restos no Atlântico, e talvez não tenha sido submersa até tempos muito mais recentes.

Afinal, o leito do Atlântico é instável e deu origem a numerosas ilhas e depois as engoliu. Em 1811, por exemplo, a atividade vulcânica nos Açores resultou no surgimento de uma nova ilha chamada Sammrina, que logo afundou novamente no mar. Em nosso tempo, a ilha de Surtsey, 32 quilômetros a sudoeste da Islândia, subiu lentamente do oceano. Surtsey foi formada durante uma erupção subaquática contínua entre 1963 e 1966.

Surtsey eruption 1963.jpg

A formação da Ilha Surtsey por erupção vulcânica submarina

Se a Atlântida existisse no Atlântico acima da grande linha de falha da cordilheira submarina que corre entre os continentes atuais, certamente teria sido atormentada por terremotos e erupções vulcânicas. É mera coincidência que Platão tenha situado seu continente perdido em um oceano (cujo nome é ATLÂNTICO) que aparentemente contém esse continente submerso e em uma área sujeita ao tipo de catástrofe que ele descreve?

Atlantistas pensam que não.

Por outro lado, existem alguns atlantistas que acreditam que a destruição da Atlântida foi provocada não por eventos geológicos, mas por um desastre causado pelo homem, como uma explosão nuclear. De acordo com as leituras de Cayce, os Atlantes alcançaram um nível surpreendentemente alto de tecnologia antes que o continente afundasse, por volta de 10.000 a.C. (no evento descrito como o dilúvio de Noé)

Eles inventaram o laser, aeronaves, televisão, raios da morte, energia atômica e controle cibernético dos seres humanos, e foi o mau uso das forças naturais tremendamente poderosas que eles desenvolveram que causaram sua destruição. Cayce também é conhecido por sua aparente capacidade de diagnosticar doenças, mesmo em pessoas que ele nunca conheceu. Essa habilidade foi testada por um grupo de médicos de Hopkinsville e Bowling Green, Kentucky.

Eles descobriram que, quando Cayce estava em estado de transe, bastava lhe dar o nome e o endereço de um paciente para fornecer uma grande quantidade de informações sobre essa pessoa, chamando frequentemente a atenção para as condições médicas das quais os seus médicos desconheciam, mas os testes subsequentes no paciente mostraram-se corretos na análise de Cayce.

Somente este trabalho parece justificar a descrição de Cayce como o vidente mais talentoso da América. E se um aspecto de seus poderes clarividentes poderia ser tão bem-sucedido, parece razoável dar uma audição justa a outras declarações psíquicas fantásticas que ele fez, no entanto. Os filhos de Cayce, que ajudam a administrar a organização criada para estudar seu trabalho, admitem que a vida deles seria muito mais simples se Edgar Cayce nunca tivesse mencionado a existência de Atlântida.

Em VERMELHO, a enorme cordilheira de montanhas submarinas no meio do Oceano Atlântico na junção das placas tectônicas da África e da América do Sul.

Hugh Lynn Cayce comenta:

“Seria muito fácil apresentar um quadro probatório muito restrito da capacidade psíquica de Edgar Cayce e a utilidade de suas leituras se selecionássemos apenas aquelas que são confirmadas e completamente validadas. Isso não seria justo na avaliação total e geral do trabalho de sua vida. .

Meu irmão e eu sabemos que Edgar Cayce não leu o material de Platão sobre Atlântida, nem livros sobre Atlântida, e que ele, tanto quanto sabemos, não tinha absolutamente nenhum conhecimento desse assunto. Se o seu inconsciente fabricou esse material ou o juntou de lendas e histórias existentes impressas ou da mente de pessoas que lidam com a teoria da Atlântida, nós não sabemos “.

Edgar Evans Cayce comenta que,

“…, a menos que a prova da existência da Atlântida seja um dia descoberta, Edgar Cayce está em uma posição muito invejável. Por outro lado, se ele se mostrar preciso nesse ponto, pode se tornar um arqueólogo ou historiador tão famoso quanto um clarividente médico”.

Se, como seus filhos e milhares de seguidores acreditam, as leituras de Edgar Cayce eram supranormais e não o produto de leitura das obras de outros, é certamente um caso intrigante.

Existem, por exemplo, algumas semelhanças fascinantes entre as descrições de Cayce sobre a Atlântida e as de ocultistas como Madame Blavatsky, Rudolf Steiner e W. Scott-Elliott, incluindo referências aos poderes telepáticos e outros poderes supranormais dos atlantes, sua tecnologia avançada, sua desintegração moral e conflitos civis e mau uso de seus poderes que finalmente causaram sua morte. {nota de Thoth: mas muito mais importante do que isso esta a descrição da existência desse continente em antigos escritos prédilúvio encontrados na Índia e as batalhas que foram travadas entre os atlantes e antigas civilizações da hoje Índia, descritas ao longo de seus escritos sagrados e hoje lidos como mitos pelos “eruditos” ocidentais)

As leituras de Cayce também mencionam um continente predecessor da Atlântida, chamado de Lemuria, ou Mu. Ou Cayce estava lendo psiquicamente as obras desses escritores anteriores, ou ele – eles – estavam realmente “sintonizando” o passado. Qualquer que seja o resultado de investigações futuras em torno dos esplêndidos templos e palácios de Creta, ou nas profundezas da bacia de Thera, no Mediterrâneo, ainda haverá pessoas que continuarão buscando argumentos convincentes para a identificação da Atlântida de Platão com a civilização minóica do Egeu, mas seus oponentes argumentam que a existência de tal civilização – por mais que se pareça com a Atlântida – não impede a existência de uma grande civilização no oceano Atlântico.

Edgar Cayce

As descobertas nas Bahamas ainda precisam ser verificadas, e a descoberta do que parece ser um continente submerso no Atlântico acrescenta uma nova dimensão ao mistério da Atlântida. O que quer que tenha levado Platão a escrever sobre Atlântida, ele nunca poderia ter sonhado que iria iniciar uma busca mundial pelo continente perdido. Talvez, como sugeriu seu aluno Aristóteles,

“quem o inventou, também a destruiu.”

No entanto, através de um acidente fortuito – ou um entendimento sagaz do espírito humano – Platão encontrou uma história que atingiu uma corda sensível na mente e no coração das pessoas ao longo dos séculos. Se sua história era fato ou ficção, descrita no livro Timeu e Crítias, ou Atlântida, uma versão distorcida de eventos reais ou uma fábula que acabou de se relacionar com a realidade, ela conseguiu encantar, desconcertar e desafiar a humanidade por mais de 2.500 anos.

A persistência da lenda da Atlântida é quase tão intrigante quanto o próprio continente perdido.

  • O que mantém vivo o debate sobre a Atlântida?
  • É um desejo de garantia de que homens e mulheres já conheceram o segredo da felicidade e realmente habitaram no Jardim do Éden?
  • É a emoção da busca – a esperança de encontrar uma chave mestra para desvendar os segredos do passado?
  • Ou é simplesmente a sede do homem pelo próprio mistério – por algo grandioso e inexplicável, maior que ele?

Interesse certamente popular no lado místico da Atlântida é sempre mais intenso quando a vida do espírito esta na maior desordem – durante a segunda metade do século XIX, no rescaldo da teoria de Darwin, por exemplo, e durante nosso tempo . Ainda pode chegar o dia em que a chave será encontrada e o mistério da Atlântida será resolvido de uma vez por todas.

A solução pode ser simples ou complexa. Pode ser sensacional ou desapontador. Já podemos suspeitar da resposta ou ela pode nos surpreender. De qualquer maneira, roubaria ao mundo um de seus enigmas mais fascinantes. Atlântida  tem intrigado e inspirado pessoas há muito tempo. Talvez, por enquanto, devêssemos estar contentes que a resposta ainda não tenha sido encontrada e que o continente perdido de Platão permaneça um pouco além do nosso alcance.


{Excerto do post: Atlântida: Um Habitante de Dois Planetas (16) – A Viagem a Suern (atual Índia)

“Qualquer viagem de vailx era menos monótona que nos mais rápidos transatlânticos de hoje (final do século XIX, quando foi escrito o livro). A variedade das paisagens, a amplidão da vista que variava segundo a altitude que escolhíamos, o frio exterior esquecido pelos passageiros bem acomodados no salão aquecido por meios provindos de , e arejados com ar de densidade apropriada pelas mesmas forças do Lado-Noite (a polaridade FEMININA, principio da fusão), tudo isso tendia a evitar o tédio. O deslocamento rápido mudava as coisas da superfície com tanta celeridade que se alguém olhasse para trás só veria uma paisagem se dissolvendo. As correntes do Lado-Noite também permitiam a mesma velocidade da rotação diurna da Terra, ou seja, supondo que estivéssemos a uma altitude de dez milhas, na hora do meridiano, poderíamos permanecer indefinidamente parados, enquanto a Terra girava lá embaixo a mais ou menos dezessete milhas (27, 35 km) por minuto”.

“Os controles podiam ser revertidos e nosso vailx podia se deslocar daquela posição no meridiano em relação à superfície embaixo com a mesma assustadora velocidade, assustadora para quem não estivesse acostumado a ela, como é o caso de meu leitor; um dia, como espero, o vailx será redescoberto. Aliás, esse dia não tardará muito a chegar. Embora tivéssemos esses recursos contra o tédio, não nos faltavam outros meios mais usuais de diversão. Tínhamos nosso naim (espécie de videofone), em cujos espelhos e vibradores nossos amigos, por mais distantes que estivessem, podiam aparecer com sua imagem de tamanho natural e volume normal de voz. O salão do grande vailx de passageiros tinha uma biblioteca, instrumentos musicais e plantas em vasos entre as quais aves parecidas com o moderno canário doméstico voejavam”. 

“Mais ou menos na décima hora foi reportado que voávamos sobre Necropan (Egito) e, diante dessa informação, surpreendente porque a velocidade que eu havia determinado deveria nos fazer chegar umas seis horas mais tarde naquele país, perguntei ao piloto a razão de ter voado a uma velocidade maior, contrariando minhas ordens. Não me foi dada uma resposta convincente e por isso repreendi severamente o piloto, ordenando que aterrissasse, a fim de que pudéssemos viajar de dia para a Terra Estéril, como pode ser traduzido o nosso termo Sattamund, referente ao deserto do Sahara de hoje. Alguns passageiros nunca tinham visto aquele deserto e, para que tivessem esse privilégio, resolvemos passar a noite numa elevação que nos protegeria das influências maláricas, pois estávamos próximos de onde se encontra hoje a Libéria”. Fim de citação }

Deus é a Verdade e a Luz é Sua sombraPlatão


Mais informações sobre ATLÂNTIDA-AGHARTA, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

One Response to O mistério da localização de Atlântida se aprofunda

  1. Leandro Costa

    Top!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.