Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Ocidente isola-se cada vez mais

Após o fim da União Soviética, os EUA sentiram que sempre poderiam ser a única superpotência e que sua hegemonia não seria desafiada. O fracasso da política americana no Iraque, seguido por uma retirada caótica do Afeganistão, não minou a pretensão de domínio global de Washington. Quando a Rússia exigiu o fim da expansão da OTAN para o leste, embora os líderes anteriores dos EUA tivessem garantido a Moscou que a Europa Oriental não seria incluída na Organização do Tratado do Atlântico Norte, os EUA, confiantes em sua impunidade, simplesmente ignoraram as propostas da Rússia.

O Ocidente isola-se cada vez mais

Fonte: NewEasternOutlook – Autor: Veniamin Popov

Quando Moscou foi obrigada a iniciar uma operação militar especial na Ucrânia para realocar a ameaça imediata para longe de suas fronteiras, a atual administração dos EUA ficou furiosa – ninguém poderia sequer pensar em lançar tal desafio na época.

Washington, tendo pressionado seus aliados [lacaios], decidiu que por meio de uma guerra econômica, incluindo roubo aberto de ativos e ações terroristas para explodir gasodutos, poderia forçar a Rússia a abandonar seu curso e infligir-lhe uma “derrota estratégica”.

Os falcões americanos previram que, ao obrigar os europeus ocidentais a aderir à campanha sem precedentes de sanções, a economia russa entraria em colapso; muitas autoridades ocidentais previram que a Rússia “seria feita em pedaços” e os cidadãos russos se revoltariam contra Putin. Enorme erro de cálculo, devido a arrogância dos psicopatas do hospício ocidental

Quando essa promessa falhou e a Federação Russa conseguiu se ajustar e até começar a voltar ao crescimento econômico, os neocons em Washington decidiram armar o regime ucraniano com as armas mais modernas, incluindo mísseis, tanques, aeronaves e assim por diante, com o objetivo de lutar contra a Rússia até o último ucraniano para derrotar o exército russo no campo de batalha.

A derrota das formações armadas ucranianas em Artemovsk (Bakhmut) marcou uma séria mudança no equilíbrio de forças no teatro de operações. Ao mesmo tempo, a propaganda ocidental tenta convencer o Sul global, ou seja, os países em desenvolvimento, de que a Rússia é o agressor e a Ucrânia é a vítima, mas estão falhando miseravelmente. 

A The Economist, uma respeitável publicação britânica, que não pode ser suspeita de simpatizar com a Rússia, relatou que “hoje a maioria dos países se recusa a atender ao apelo dos EUA para impor sanções à Rússia”. “A doutrina [dos controladores do senil] Biden falha em refutar a narrativa do declínio americano.”

Nesse sentido, a revista conclui que a visão [míope] global de Joe Biden é muito tímida e pessimista. Isso não é surpreendente, já que as elites ocidentais de hoje são míopes e tendem a confundir pensamento positivo com a realidade que almejam. 

Caracteristicamente, os índices de aprovação oficial de todos os líderes dos países do hospício do G-7 estão visivelmente abaixo de 50%. Até a mídia americana observou que a maioria dos eleitores estava constantemente insatisfeita com as ações do seu governo. Por exemplo, de acordo com o Observer (Reino Unido), as razões para a posição decepcionante de Biden são os problemas da dívida nacional, inflação, crime nas grandes cidades e os medos dos cidadãos devido à sua idade [e demência].

O site da Al Jazeera observou em 30 de maio que os erros de cálculo de Washington no conflito na Ucrânia podem ter consequências devastadoras para o mundo inteiro. De acordo com a Bloomberg, a diplomacia chinesa e o investimento de Pequim em infraestrutura, juntamente com o fornecimento russo de armas, tecnologia nuclear e fertilizantes, superam os apelos ocidentais sem sentido.

A Al Arabiya TV argumentou que o circo político recorrente em torno do teto da dívida dos EUA enfraquecerá o dólar no longo prazo, à medida que a confiança for corroída. Na verdade, o sistema partidário dos EUA está suspendendo a política e tomando o mundo como refém… Disputas mesquinhas entre partidos políticos nos Estados Unidos podem ameaçar o sustento de bilhões de pessoas em todo o mundo.

Os países em desenvolvimento estão se tornando cada vez mais conscientes de que o atual status das potências ocidentais se baseia na pilhagem de suas riquezas naturais e na exploração neocolonial de seus recursos e a corrupção “acordada, transgênero e LGBTQ+” de suas culturas e povos.

De acordo com o jornal diário da Arábia Saudita, Arab News, a renda per capita média é mais de 50 vezes maior nos países ricos do que nos países de baixa renda, e o Banco Mundial estima que levará mais de um século para fechar a lacuna de renda se as taxas de crescimento atuais continuar.

Os países do Sul global estão cientes de que as políticas ocidentais visam perpetuar essa desigualdade: até o secretário-geral da ONU admitiu que metade da riqueza da Terra pertence a 26 pessoas, enquanto a grande maioria vive na pobreza. Segundo António Guterres, os países do 7 receberam 280 bilhões de dólares do FMI, enquanto os estados africanos receberam apenas 34 bilhões de dólares. Enquanto isso, os países do G-7 têm uma população de 772 milhões, enquanto o continente africano tem 1,3 bilhão de pessoas.

Mais e mais pessoas nos países em desenvolvimento estão começando a acreditar que a miríade de problemas globais enfrentados pela humanidade exigem que as potências ocidentais reconsiderem sua [loucura] linha, pois “ignorar a influência e as perspectivas geopolíticas da Rússia apenas exacerbou as tensões, prolongou os conflitos e impediu a conquista de objetivos comuns e a paz.”

Segundo a imprensa saudita, a exclusão da Rússia do G-7 diminui o potencial de diálogo construtivo e cooperação em questões atuais. O envolvimento da Rússia pode permitir discussões sobre uma variedade de questões críticas, incluindo o conflito ucraniano, segurança cibernética e estabilidade econômica global.

O fato de os EUA e seus aliados priorizarem equipar a Ucrânia com diferentes tipos de armas e treinar pessoal para operações ofensivas prova que eles não estão interessados ??em fazer a paz. Portanto, a Ucrânia pode ser o momento fatídico de Biden .

Os países em desenvolvimento acreditam que o G-7 deveria reconsiderar sua abordagem.

Todas as tentativas das potências ocidentais de forçar os países em desenvolvimento a adotar sanções anti-russas, seja por pressão, ameaças ou intrigas, falharam. China, Índia, Brasil e outros países do Sul global, com seus próprios interesses em mente, são a favor de um fim rápido da guerra e de imediatas negociações de paz.

Ao mesmo tempo, esses estados estão tentando escapar da tutela ocidental e, acima de tudo, reduzir sua dependência do dólar: soam cada vez mais alto o chamado para passar no comércio para o uso das suas moedas nacionais.

O seguinte fato é bastante revelador: o Ministério do Interior do Iraque anunciou recentemente a proibição do uso do dólar americano em transações pessoais e comerciais, uma medida que visa fortalecer o dinar iraquiano, moeda nacional do país. Essa ação é consistente com os novos rumos de vários países do Oriente Médio que buscam reduzir sua dependência do dólar e a influência dos EUA.

Essa tendência só ganhará força no futuro previsível. Nesse sentido, é muito revelador o crescente número de Estados asiáticos, africanos e latino-americanos que desejam ingressar no BRICS. Atualmente, 30 estados já manifestaram esse desejo.

Veniamin Popov, Diretor do Centro de Parceria de Civilizações do Instituto Estadual de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO) do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Candidato a Ciências Históricas, exclusivamente para o jornal online “ New Eastern Outlook  .


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é controle-mental-escravos-sistema.jpg

Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *