browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Perigoso Caminho para o Despertar da Consciência Espiritual (3)

Posted by on 17/10/2020

Capítulo III- O que significa estar “acordado?”: 

Mas o que realmente significa estar verdadeira e totalmente “desperto” ? Bem, estamos entrando em território muito escorregadio aqui – um lugar onde encontramos as limitações das palavras e da linguagem. É algo que a mente não pode compreender por meio de um processo de pensamento linear ou decodificação da linguagem, pois é uma experiência interna “além do pensamento” [linear da mente inferior], emoções e sentimentos; um estado superior de ser. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O perigoso caminho para o despertar da Consciência Espiritual

Fonte:  https://veilofreality.com/2017/01/29/the-perilous-path-towards-awakening/

As expressões entre [ ] são de autoria do tradutor.

Por Bernhard Guenther – Parte 1Parte 2 

Capítulo III – O que significa estar “Acordado”?

Como Lao Tzu disse: “ O Tao que pode ser falado não é o eterno Tao” ou a metáfora clássica do Zen de confundir o dedo apontando a lua com a lua:  “Para apontar para a lua, é necessário um dedo, mas ai daqueles que tomam o dedo pela lua … ”- D.T. Suzuki

Com esse entendimento das limitações firmemente estabelecidas, podemos, no entanto, fazer alguns apontamentos básicos. Como mencionado anteriormente, além de estar simplesmente “desperto” em um nível intelectual – e, assim, ver através do engano e ilusão da Matrix externamente (e os vários níveis dentro dela) – o despertar verdadeiro, mais profundo e real só pode acontecer vindo de dentro, do seu interior, além do pensamento. Ela está ligada ao que escrevi em um  ensaio anterior  sobre o indivíduo corporificado:

[…] A individualidade, neste contexto, é a alma individualizada encarnada como um transdutor consciente de energias superiores, sendo UM “instrumento” da Vontade Divina enquanto anima uma ser humano.  Individualidade NÃO significa identificação de ego / personalidade / intelecto (o falso [pequeno] “EU”), ou o que a matrix / cultura oficial [sistema de controle] promove como “Individualidade”, que geralmente é um “culto à personalidade” [e a todas as mazelas dai advindas …].

No mesmo contexto, tornar-se um indivíduo soberano emancipado não implica que se seja um ser humano “independente”, separado de todo o resto. Essa ideia ilusória deriva do aspecto masculino dominante da consciência, o ego tirano (interno), identificado com a (falsa) independência alcançada. De uma perspectiva espiritual e holística, ser um indivíduo corporificado soberano é baseado em um reconhecimento profundo (em um nível corporificado) da inter-relação da vida, totalmente sintonizada na natureza e no Divino / Espírito como uma expressão individualizada (mas não separada) dela. – um aspecto fractal do holograma universal. Essa perspectiva decorre do aspecto feminino da consciência, que se baseia no Ser.

Um Indivíduo emancipado soberano não é influenciado por influências / intrusões externas que a Matrix tenta inserir em sua consciência: qualquer forma de governantes / autoridade (incluindo interferência hiperdimensional) ou “programação e condicionamento” social / cultural / espiritual. Mas ele / ela também não é um ser isolado, “independente” e separado, mas profundamente conectado à natureza (e em alinhamento com) a natureza, o espírito e o Divino, como um vaso / transdutor consciente da Vontade Divina.

Ser (ou a noção zen de “não fazer”), no verdadeiro significado da palavra, não significa que alguém seja apenas passivo (outro equívoco comum). É o ponto parado (consciência não reativa do ponto zero) a partir do qual nossa totalidade pode ser informada pela totalidade do mundo (ouvir o mundo através do corpo, ancorado no assoalho pélvico / intestino, a sede do aspecto feminino da consciência) e, em seguida, responder a ele a partir deste espaço aterrado.

É a partir deste estado de ser que surge a ação espontânea e perfeita – ação que está alinhada com a natureza e a vontade divina [via intuição]. É receptivo ao “o que é”, ao contrário do “tirano” reacionário do aspecto masculino da consciência (nada a ver com gênero), ameaçado pelo momento presente (e, essencialmente, com medo do feminino), viciado em Análise [intelectual] intencional e cabeça-centrada, com uma necessidade desesperada de controlar o “mundo exterior”, que resulta apenas em mais e mais fragmentações, pois o intelecto / mente inferior nunca pode perceber a totalidade […].

Individualização é a capacidade de captar todas as experiências e organizá-las em torno do centro divino. O objetivo do ser psíquico [psique /alma / eu superior] é formar um ser individual, individualizado, “personalizado” em torno do centro divino [“crescer” a alma para tornar-se plenamente incorporada e consciente no ser de uma pessoa, uma alma DESPERTA]. Normalmente, todas as experiências da vida externa (a menos que se pratique ioga [não se confunda com a prática física de exercícios] e se torne consciente) passam sem organizar o  ser interior , enquanto o ser psíquico organiza essas experiências em série. Ele quer perceber uma atitude particular em relação ao Divino.

Cada indivíduo é uma manifestação especial no [e do] universo; portanto, seu verdadeiro caminho deve ser um caminho absolutamente único. Existem semelhanças, existem categorias, famílias, ideais também, ou seja, uma certa maneira coletiva de abordar o Divino, que cria uma espécie de “comunidade”, não materializada, mas em um mundo mais sutil – há todas essas coisas – mas para os detalhes do caminho, os detalhes do yoga [união do indivíduo humano com a existência universal e transcendente], será diferente de acordo com cada indivíduo, necessariamente e condicionado fisicamente por sua atual estrutura corporal, e vital, mental e psiquicamente, é claro, por vidas passadas.

Para ser individualizado em uma coletividade, é preciso estar absolutamente consciente de si mesmo. E de qual eu? – o Eu que está acima de toda mistura, isto é, o que eu chamo de Verdade do seu SER. E enquanto você não estiver consciente da Verdade do seu ser, você será movido por todos os tipos de coisas, sem tomar nota de tudo. Pensamento coletivo, sugestões coletivas são uma influência formidável que atua constantemente no pensamento individual. E o que é extraordinário é que não se percebe isso. Acredita-se que se pensa “assim”, mas, na verdade, é a coletividade que pensa “assim” e adotamos.

A massa é sempre inferior ao indivíduo. Pegue indivíduos com qualidades semelhantes, de categorias semelhantes, bem, quando estão sozinhos, esses indivíduos são pelo menos dois graus melhores do que pessoas da mesma categoria na multidão. Há uma mistura de obscuridade, uma mistura de inconsciência e, inevitavelmente, você entra nessa inconsciência.

Para escapar disso, há apenas um meio: tornar-se mais consciente de si mesmo, mais e mais consciente e mais e mais atento [aos anseios de sua própria alma]. É assim que gradual e lentamente, mas com perseverança, antes de tudo com muito cuidado e muita atenção, a pessoa se torna consciente, aprende a se conhecer e depois a se tornar mestre de si mesmo”.

~ A Mãe, “Obras Coletadas da Mãe” – Biblioteca Sri Aurobindo

De uma perspectiva absoluta, o que está sendo descrito é essencialmente a dissolução / transcendência do “eu” que pensamos [aceitamos] que somos … isso se abre para experimentar um reino além da dualidade, onde não há senso de separação. Compreendemos, ainda que de forma fugaz, uma unidade com tudo o que é, incorporando um instrumento e uma expressão única do Divino em sintonia com o fluxo natural da vida. É um estado além do pensamento, desejo ou mesmo emoção e sentimento – um estado de puro Ser, totalmente sintonizado no momento presente.

“Por trás dessa ação instrumental mesquinha da vontade do intelecto humano, há algo vasto, poderoso e eterno que supervisiona a tendência da inclinação e pressiona a vez da vontade. Existe uma verdade total na natureza maior que a nossa escolha individual. Esse mecanismo aparentemente auto-atuante da Natureza oculta uma Vontade divina imanente que a compele e a guia e molda seus propósitos. Mas você não pode sentir ou saber sobre essa vontade enquanto está trancado em sua estreita célula de personalidade, cego e acorrentado ao seu ponto de vista do ego e de seus desejos.

Pois você pode responder totalmente a ela somente quando você é personificado pelo conhecimento e ampliado para ver todas as coisas no Eu e em Deus e o Eu e Deus em todas as coisas. O estado de ignorância em que você acredita que é o executor de seus atos persiste enquanto for necessário para o seu desenvolvimento; mas assim que você é capaz de passar para uma condição superior, começa a ver que é um instrumento da consciência Única; você dá um passo para cima e sobe para um nível consciente mais alto”.

~ Sri Aurobindo, Ensinamentos de Sri Aurobindo o Yoga Integral e o Caminho da Vida

Esse estado de ser totalmente acessado não é, obviamente, o que a maioria de nós experimenta em nosso esforço pelo despertar, e muito menos em uma base consistente. No entanto, o que notei em mim e nos outros é que mais e mais pessoas experimentam vislumbres desse estado aqui e ali, ou lentamente o abordam com a crescente sensação de “estar neste mundo, mas não pertencer mais a ele”, como uma testemunha / observador … não da perspectiva intelectual de “ver” ou “pensar” … essa “testemunha” impessoal também reconhece que você faz parte do jogo, vendo através do véu de todas as aparências e manifestações da “consciência única se expressando em variedade infinita”. É uma experiência incorporada, além da identificação da autoimagem do “eu”. Não está ligado a nenhum pensamento. É um estado em que não há ação plena, nem qualquer senso de “vontade pessoal”,

Ambição, desejos vitais, vaidade, necessidade de ser “gostado” ou “desejado”, noção e pressão para “tornar-se” algo / alguém, qualquer comparação / competição com os outros (e julgamentos resultantes), ou mesmo “antipatia” pelos outros, todos caem lentamente, assim como quaisquer gatilhos e comportamentos reativos. É o abandono definitivo do controle egoico e a rendição à vida e ao espírito, percebendo que o controle era uma ilusão o tempo todo. Há um sentimento profundo e corporificado de PAZ e CONFIANÇA, de fé e de “ser tratado” (como confiar no fluxo da vida), sabendo que qualquer desafio que surgir serve como uma lição mais profunda para o propósito de aprendizado e um verdadeiro despertar. É o fim do medo, a morte da identificação do ego e o renascimento do verdadeiro “EU SOU” – espírito corporificado – expressando-se exclusivamente através de “você”. Está fluindo com o Tao, a Vontade Divina da natureza, você começa a ver que você é um instrumento da consciência única.

“Os homens geralmente trabalham e mantêm seus negócios a partir dos motivos comuns do ser humano necessidades, desejos de riqueza, sucesso, posição de poder, fama ou atividade e prazer de manifestar suas capacidades, e eles obtêm sucesso ou fracasso de acordo com suas necessidades e capacidades, poder no trabalho e a boa ou má sorte que resultam de sua natureza (condicionada) e seu karma.

Quando alguém pratica o yoga [trabalha em direção ao Despertar, união com o Divino] e deseja consagrar a vida ao Divino, esses motivos comuns do ser vital não têm mais seu jogo completo e livre; eles precisam ser substituídos por outro, um motivo principalmente psíquico (alma) e espiritual, que permitirá ao sadhaka (o buscador espiritual) a mesma força de antes, não mais para si mesmo, mas para o Divino.

O único trabalho que purifica espiritualmente é o que é feito sem motivos e desejos pessoais, sem desejo de fama ou reconhecimento público ou grandeza mundana, sem insistência nos motivos mentais ou desejos e demandas da vida ou preferências físicas, sem vaidade ou auto-afirmação ou reivindicação grosseira por posição ou prestígio, feito apenas pelo desejo de servir ao Divino. Todo o trabalho feito em espírito egoísta, por mais “bom” que seja, para as pessoas no mundo da Ignorância, é inútil para o buscador [e manterá a porta fechada para a manifestação do Divino].

Não quer dizer filantropia ou serviço da humanidade ou todas as demais coisas – morais ou idealistas – que a mente do homem substitui pela verdade mais profunda das obras. Quero dizer, pela ação de trabalho realizada pelo Divino e cada vez mais em união com o Divino, fundindo a vontade de alguém com a Vontade Divina. Naturalmente, isso não é fácil no começo, mais do que a meditação profunda e o conhecimento iluminado é o verdadeiro amor. Mas, como os outros, isso deve ser iniciado com o espírito e a atitude certos, com a vontade certa em você, então o resto virá “em acréscimo”.

Uma pessoa se liberta das correntes da natureza externa e superficial; a pessoa toma consciência do seu ser interior e vê o exterior como um instrumento; sente-se a Força universal realizando suas obras e o Eu assistindo ou testemunhando tudo, mas livre; sente-se todas as obras são feitas e realizadas pelo Poder Divino agindo por trás do coração [onde reside a alma do ser humano]. Ao referir constantemente toda a vontade e obras de alguém ao Divino, o verdadeiro amor e a adoração [incorporados] crescem, o ser psíquico [alma individualizada / verdadeiro eu] se apresenta.

Finalmente, as Obras, Amor e Conhecimento andam juntos e a auto-perfeição se torna possível – o que chamamos de transformação da natureza humana. Esses resultados certamente nem sempre aparecem; e les vêm mais ou menos devagar, mais ou menos completamente, de acordo com a condição e o crescimento do indivíduo. Não há um caminho da realeza para a realização divina.

Toda essa insistência na ação externa é absurda se não temos a Luz sob a qual agir. Os defensores da ação externa pensam que, pelo intelecto e pela energia humanas, criando uma corrida sempre nova, a cada dia, tudo pode ser corrigido; o estado atual do mundo, após um desenvolvimento do intelecto e uma produção estupenda de energia e novas tecnologias para a qual não há paralelo histórico, é um sinal de prova do vazio da ilusão sob a qual todos trabalham.

É somente por uma mudança de consciência que a verdadeira base da vida pode ser descoberta: de dentro para fora . Mas o interior não significa um quarto de polegada atrás da superfície externa da pele. É preciso ir fundo e encontrar a conexão com a própria alma, o Eu (verdadeiro) [por trás das máscaras da personalidade condicionada, manipulada e controlada pelo “sistema de matrix hiperdimensional], a Realidade Divina dentro de nós e só então a vida pode se tornar uma expressão verdadeira do que podemos ser, em vez de continuar um cego confuso sempre se repetindo, tropeçando e caindo. da coisa inadequada e imperfeita que éramos.

A escolha é entre permanecer na velha confusão e tatear no “escuro” na esperança de tropeçar em alguma descoberta ou recuar e ver a Luz interior até descobrirmos e podermos construir a Divindade dentro e fora de nós. ”

– Sri Aurobindo, Ensinamentos de Sri Aurobindo o Yoga Integral e o Caminho da Vida

É também o estado em que não estamos sujeitos a ataques ou interferências das forças ocultas hiperdimensionais, uma vez que nos encontramos ressoando em uma frequência mais alta, além de seu domínio vibracional, ou seja, realmente transcendemos a Matrix. A “realidade” que experimentamos subsequentemente é de uma impressão muito mais rica e sutil, não ligada à ilusão do tempo linear; portanto, não há pressão para fazer, nem pressa, nem impaciência. A vontade plena se dissipa, sendo substituída por uma resposta incorporada ao que é – e o que a vida traz – que é sintonizado de maneira única com as lições e talentos de nossa alma; guia-nos de um lugar interior incorporado, sem expectativas e apego aos resultados do estamos fazendo. 

O estabelecimento de metas e a ambição são substituídos por uma aspiração silenciosa com intenções mais elevadas, mas sem expectativas ou necessidade de controle. A tomada de decisões e escolhas não se originam mais de um processo de pensamento intelectual ou de qualquer análise centralizada do “deveria” ou “não deveria”, mas emergem de um nível intuitivo de conhecimento interno não-intelectual. A existência se torna como uma dança no rio da vida, pois não lutamos mais contra a correnteza, estando na “zona”, travada no ritmo da vida (Tao).

Ao contrário das crenças populares, esse estado desperto não é um sentimento constante de “bem-aventurança” ou êxtase (embora possa haver picos de experiências desse tipo), nem é um “sentimento” de amor ou felicidade.  Realmente transcende tudo o que normalmente experimentamos nos estados de consciência comuns que estão relacionados a emoções e sentimentos. Em última análise, transcende a dualidade da dor e prazer, felicidade e sofrimento. Há um contentamento mais profundo e silencioso, uma calma fundamentada e uma sensação de Paz Interior, não dependendo de nenhuma circunstância externa … uma sensação de desaceleração e simplificação da vida.

É um lugar de verdadeira liberdade. Os pensamentos ainda podem surgir e tentar se apegar, mas fica mais fácil se separar deles – deixar de acreditar neles ou se identificar com eles. Esse sentimento de desmotivação não é, contudo, uma forma intelectual de dissociação, mas um reconhecimento corporificado da verdadeira natureza de alguém em contraste com a ilusão do pensamento (e quem “pensamos” que somos). Reconhece-se que a mente é apenas uma ferramenta, um servo muito rebelde, mas que não deve mais ser encarada como o mestre / guia. 

Também não se trata de demonizar o intelecto, pois ele precisa passar por sua própria transmutação para se tornar um instrumento para o Divino, acessando um conhecimento superior (Gnose). Também podemos “usá-lo” de maneiras práticas para viver nossas rotinas diárias, já que não apenas “checamos” nossa existência aqui na Terra; pelo contrário,

“Todos nós, em nosso próprio processo de despertar, visitaremos a limitação de nossa vontade pessoal. A maioria de nós o visitará várias vezes, em níveis cada vez mais profundos, até que esteja completamente extinto.

A perda de vontade pessoal não é realmente uma perda. Não é como se nos tornássemos o capacho da humanidade, que paramos de saber o que fazer ou como fazê-lo. O contrário acontece muito. Ao renunciar à ilusão [e ditadura do ego] da vontade pessoal, nasce em nós um estado completamente diferente de consciência; um renascimento acontece. É quase como se uma ressurreição acontecesse profundamente dentro de nós. É muito difícil explicar essa ressurreição, como muitas coisas na espiritualidade, mas, em essência, começamos a ser movidos pela plenitude e totalidade da própria vida.

A representação desse tipo de movimento é muito vívida na tradição taoísta, que se concentra na expressão do Tao, ou na verdade, fluindo através de nós. Se você ler o Tao Te Ching ou observar alguns dos ensinamentos taoístas, começará a sentir como a vontade é substituída por uma sensação de fluxo.

Quando você sai do assento do motorista, descobre que a vida pode dirigir a si mesma, que na verdade a vida sempre esteve dirigindo a si mesma . Quando você sai do assento do motorista, ele pode dirigir-se com muito mais facilidade – pode fluir de maneiras que você nunca imaginou. A vida se torna quase mágica. A ilusão do “eu” não está mais no caminho. A vida começa a fluir e você nunca sabe para onde ela o levará.

À medida que o senso de vontade pessoal diminui, as pessoas costumam me dizer: “Eu nem sei mais como tomar uma decisão”. Isso ocorre porque eles estão operando cada vez menos do ponto de vista pessoal. Existe uma nova maneira de operar, e não se trata realmente de tomar essa ou aquela decisão, a decisão certa ou a decisão errada. É mais como navegar em um fluxo. Você sente para onde os eventos estão se movendo e deseja a coisa certa a fazer. É como um rio que sabe para onde virar numa pedra – para a esquerda ou para a direita. É um senso intuitivo e inato de “saber” o que é certo.

Esse tipo de fluxo está sempre disponível para nós, mas a maioria de nós está perdida demais nas complexidades de nosso pensamento superficial para sentir que há um fluxo simples, mas profundo e natural na vida. Mas, sob o tumulto do pensamento e da emoção, e sob o apego da vontade pessoal, existe de fato um fluxo. Há apenas um simples movimento da vida.

~ Adyashanti, – The End of Your World: Uncensored Straight Talk on the Nature of Enlightenment

Pessoalmente, ao longo dos últimos anos, tive mais vislumbres desse estado de ‘fluxo’, e comecei a experimentar cada vez mais a vida e a “realidade” em um nível diferente, difícil de colocar em palavras. Estou cada vez mais enraizado no momento presente [no AGORA], despreocupado com o passado ou o futuro. Como mencionado anteriormente, de maneira alguma eu afirmo estar totalmente “acordado”, muito menos alcançado um estado real de existência “iluminada”, mas houve mudanças internas dentro de mim – que se refletem na minha realidade “externa” – que são inegáveis ​​( que também resultaram em um aumento exponencial de sincronicidades positivas).

Há também mais alegria, simples contentamento e gratidão em meu coração, além de humildade pelo mistério da vida; uma confiança e fé mais profundas no aqui e agora e no “universo” … uma sensação de que estou sendo “cuidado” e “apoiado”. No entanto, meu processo pessoal de emancipação e incorporação continua, e sempre há mais lições a aprender. Eu ainda tenho meus dias em que fico preso na mente, desconectado, reativo (e meu ego tira o melhor de mim), melancólico, deprimido ou apanhado em um ciclo de pensamento, mas não chega nem perto do estado de ser que eu estava há alguns anos atrás.

Muitos de nós experimentamos vislumbres ou impressões sutis do que descrevi acima, mas na maioria das vezes eles não ficam conosco e não são permanentes de forma alguma. Isso também é normal, portanto, mesmo quando a “Luz” diminui e somos apanhados em nossos ciclos de pensamento e comportamento mecânico mais uma vez, não devemos nos desesperar. Muito está acontecendo por trás do véu, enquanto o Espírito está ocupado fazendo seu trabalho.

O processo de despertar não é linear. Muitos fatores entram na jornada, pois eles são muito diferentes para cada um de nós. De uma perspectiva mais ampla, todos nós estamos onde precisamos estar quando se trata de evolução da alma. A armadilha é comparar-se a qualquer outra pessoa, ou ficar preso na mentalidade do que “deveria” estar acontecendo, ou onde “deveríamos” estar com relação ao nosso desenvolvimento interior, ou ficar atolado na ideia de “sucesso” e “fracasso” de nossa mente, que geralmente resulta em ansiedade, depressão, impaciência, frustração ou raiva.

Quando me encontro em tal estado (especialmente quando surge um pensamento de “deveria / não deveria”), eu o uso como um sinal de feedback de que estou atualmente desencarnado (não no meu corpo) e desconectado do meu verdadeiro eu / espírito (no sentido absoluto, nunca estamos desconectados, é claro) e não tento tomar decisões a partir desse estado. Em vez de lutar contra ele, agir por desespero ou forçar-me a sair dele, eu me rendo a ele – o que significa que não evito esses sentimentos, nem ajo sobre eles, mas simplesmente os aceito e os observo. Geralmente, faço meditação para senti-los completamente em meu corpo (outras vezes, dançarei ou darei um passeio em meio a natureza) e também investigarei mais profundamente quaisquer pensamentos associados a essas emoções, pois geralmente há um ciclo de feedback entre pensamento e emoção. – um acionando o outro.

Quando me rendo ao que é, uma crença subjacente (falsa) do passado (baseada no condicionamento / feridas não curadas) – à qual o pensamento está associado – geralmente vem à Luz … ou às vezes sinto uma injeção de pensamento arcôntico, trazendo-o à consciência através da simples percepção interior sem se identificar com ela, o que ajuda a dissolver o pensamento, ou seja, o desapego metafísico. Às vezes, isso também resulta em processamento emocional (sem julgamento resultante) “amando o que surge” e apenas sentindo-o com aceitação incondicional. O amor próprio – como na totalidade, devemos aceitar as “trevas” e a “Luz” interior, sem julgamentos – e trancende-los, este é um ingrediente-chave neste processo.


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber [o conhecimento] as minhas palavras. – Provérbios 1:20-23



Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.