O Que Aconteceria se o Ocidente lançasse um ‘Ataque Nuclear’ à Rússia?

Imagine se um dia de repente recebermos um alerta de notícias dizendo que o botão atômico foi pressionado e a Guerra Nuclear foi desencadeada? – Em poucas horas, milhões estariam mortos e centenas de milhões mais morreriam nos dias seguintes.  Cogumelos de nuvens cinzentas subiriam no ar e se espalhariam sobre as ruínas do que costumava ser Moscou. Os EUA teriam explodido todos os centros de ‘tomada de decisão’ na Rússia de hoje. Mas e Washington? Sofreria o mesmo destino, a mesma coisa, mas não apenas a capital americana – outras cidades importantes da OTAN provavelmente também seriam destruídas. 

Moscou tem um sistema (constantemente atualizado) autônomo de lançamento de mísseis nucleares, ainda da era soviética, que pode revidar se a OTAN conseguir eliminar os principais tomadores de decisão da Rússia

Fonte: Rússia Today Por Abbas Duncan

Essa é a terrível realidade para a humanidade se as armas atômicas forem usadas. Porque, como os líderes russos modernos costumam apontar – não pode haver vencedores em tal conflito. 

Recentemente, o ex-comandante europeu do Exército dos EUA, Ben Hodges, alertou que seu país retaliaria com “um ataque devastador” contra a Rússia se Moscou usasse sua capacidade nuclear na Ucrânia. Hodges, agora lobista do CEPA (um grupo de pressão financiado por fabricantes de armas dos EUA para promover e manter a expansão da Otan na Europa), disse que Washington poderia atacar a Frota russa do Mar Negro ou destruir bases russas na Crimeia.

Um Morto-vivo no comando de uma Superpotência Nuclear

Em 1984, Konstantin Chernenko, um trabalhador do partido comunista soviético de 72 anos e ex-chefe do aparelho de Leonid Brezhnev, doente com enfisema terminal, tornou-se o líder da União Soviética. Ironicamente, dados os acontecimentos de hoje, um era ucraniano da Ucrânia e o outro um ucraniano nascido na Rússia. 

 “O líder de uma grande potência acabou sendo não apenas fisicamente fraco, mas uma pessoa gravemente doente, na verdade uma pessoa com deficiência”, escreveu o seu sucessor, Mikhail Gorbachev, em um de seus livros. 

Anatoly Chernyaev, que na época atuava como vice-chefe do Departamento Internacional do Comitê Central, lembrou que, quando Chernenko deveria se encontrar com o rei da Espanha, seus assistentes prepararam trechos de seu discurso em pequenos cartões de papel. “Mas Chernenko não conseguia nem ler um pedaço de papel, ele gaguejava, sem entender nada do que estava lendo.” [como o atual “lider do mundo livre” Dementia Joe]

Quatro anos antes de sua chegada ao poder na URSS, em meio às crescentes tensões da Guerra Fria devido à intervenção soviética no Afeganistão, o então presidente dos EUA, Jimmy Carter, assinou a notória Diretiva 59 (pD-59), ‘Política de Emprego de Armas Nucleares’, que visava dar aos líderes dos EUA mais flexibilidade no planejamento e execução de uma guerra nuclear. No entanto, vazamentos de seu conteúdo ‘top secret’ deram origem a histórias de primeira página no New York Times e no Washington Post que alimentaram temores generalizados sobre suas implicações para um conflito nuclear descontrolado.

O documento pressupunha o uso de tecnologia avançada para detectar instalações nucleares soviéticas, inclusive na Europa Oriental e na Coreia do Norte. Os americanos planejavam realizar ataques de precisão nesses locais e, tendo recebido dados sobre os danos causados ??o mais rápido possível, atacar novamente se necessário. Os autores da Diretiva 59, entre os quais o conselheiro militar presidencial William Odom, acreditavam que o uso de armas nucleares contra unidades regulares do exército soviético não levaria a um apocalipse nuclear. No entanto, Odom e seus colegas alertaram que a guerra seria prolongada – em sua estimativa, poderia levar “dias e semanas” para encontrar todos os alvos dignos de um ataque nuclear de precisão.

Em 1983 – um ano antes de Chernenko ascender à liderança do Kremlin – os EUA entregaram seus novos mísseis nucleares Pershing II à Alemanha Ocidental. Isso aumentou significativamente a possibilidade de tais armas chegarem à URSS em questão de minutos.

Então, e se Chernenko – “uma figura curvada, mãos trêmulas, uma voz quebrada pedindo disciplina e trabalho altruísta, folhas de papel caindo de suas mãos”,  como descrito por Gorbachev – tivesse que tomar uma decisão sobre um contra-ataque nuclear ? E se toda a liderança soviética estivesse morta antes que eles tivessem a chance de ordenar um ataque de retaliação? Quem entraria em contato com postos de comando remotos e submarinos para autorizar um contra ataque nuclear? 

Esse medo exato, de um país decapitado, um país sem chance de resposta, uma vulnerabilidade que não deixa espaço para reagir, fez os soviéticos começarem a considerar as suas opções. A abordagem ‘se vou cair, levo todos comigo’ foi uma forma de provar que não poderia e não deveria haver vencedores em futuras guerras mundiais. Esse argumento deveria tornar a guerra tão sem sentido que o conflito nuclear se tornaria impossível.

O sistema soviético do Juízo Final

Em 1984, logo após Chernenko se tornar o novo líder soviético, Valery Yarynich, coronel das Forças de Mísseis Estratégicos de Elite, adquiriu uma nova posição, a de vice-chefe da Diretoria Principal de Armas de Mísseis. Foi a esse coronel quem foi confiado o aperfeiçoamento de um sistema falho, parcialmente automatizado, que lançaria mísseis balísticos intercontinentais [ICBMs] em um ataque de retaliação nuclear se a liderança soviética tivesse sido decapitada em um bombardeio nuclear pelo ocidente.

O sistema – provavelmente o projeto mais mortífero da Guerra Fria – foi chamado informalmente de Perimeter, ou ‘the Dead Hand’. Foi colocado em serviço operacional de combate em 1983.

A União Soviética não poderia ter sido a primeira a lançar um ICBM nuclear contra os americanos. Nesse cenário, os EUA teriam forças suficientes para infligir danos significativos em um ataque de retaliação com os meios restantes à sua disposição. Também era perigoso lançar mísseis depois de detectar ogivas americanas em direção à URSS, pois naquela época já havia ocorrido vários casos de alarmes falsos dos sistemas de alerta. A única maneira que restava era contra-atacar somente depois de confirmar um ataque do inimigo. Mas isso dependia excessivamente do estado de espírito do secretário-geral. Ele poderia estar assustado, confuso ou ser lento demais para agir, ou poderia acreditar que seria outro alarme falso.

Os desenvolvedores do ‘Perimeter’ tentaram minimizar a interferência humana na resposta a um ataque nuclear do ocidente. Tudo o que o secretário-geral tinha que fazer depois de receber qualquer informação sobre um ataque inimigo era colocar o Perímetro em alerta. Depois disso, o destino da humanidade passou para as mãos dos oficiais enterrados em bunkers, que teriam que tomar uma decisão. Eles foram isolados em bunkers esféricos especiais tão profundos no subsolo que nem mesmo um ataque nuclear poderia destruí-los. Esses oficiais tinham uma lista de três critérios para lançar um contra ataque com misseis nucleares contra as principais cidades do ocidente:

– Status do sistema de perímetro. Se foi ativado, significava que o estado-maior ou o Kremlin o colocaram em alerta.

– Comunicação com comandantes e líderes partidários. Se isso fosse perdido, era de se supor que a liderança havia sido eliminada num ataque.

– A detecção de um ataque nuclear. Ao mesmo tempo, uma rede de sensores especiais seria usada para medir o nível de radiação e iluminação, choques sísmicos e aumento da pressão atmosférica.

Se o sistema fosse ativado, a liderança estivesse morta e um ataque nuclear realmente tivesse ocorrido, os oficiais teriam que autorizar o lançamento dos mísseis nucleares em retaliação. Em 30 minutos, eles teriam dado a ordem para lançar todos os mísseis nucleares que ainda estivessem intactos. O alvo eram os EUA, juntamente com outras grandes capitais da OTAN e seus aliados, como o Japão e Australia.

Segundo Yarynich, o sistema também serviu como garantia contra decisões precipitadas da alta liderança do país com base em informações não verificadas. Tendo recebido um sinal do sistema de alerta de ataque de mísseis, os altos funcionários poderiam ativar o sistema Perimeter e aguardar a evolução dos eventos, estando totalmente confiantes de que mesmo a destruição de todos que tivessem autoridade para emitir um comando de retaliação não seria capaz de evitar um ataque de retaliação.

Um dos desenvolvedores do projeto Perimeter, Alexander Zheleznyakov, descreveu um cenário possível para usar o sistema da seguinte forma:

“Duas horas após o início das hostilidades, quando parecia que não havia mais nada e, mais importante, ninguém para lutar, na remota taiga siberiana, nas estepes do Cazaquistão, nos pântanos da Rússia central, as escotilhas dos lançadores de mísseis quase simultaneamente se abriu, e dezenas de gigantes prateados correram para o céu. Trinta minutos depois, o destino de Moscou e Leningrado, Kiev e Minsk, Berlim e Praga, Pequim e Havana foi compartilhado por Washington e Nova York, Los Angeles e São Francisco, Bonn e Londres, Paris e Roma, Sydney e Tóquio, num holocausto nuclear radioativo.

Tendo começado de repente, a guerra nuclear terminou de repente, destruindo a todos. Não houve vencedores ou perdedores. Apenas pequenos grupos de pessoas que não entendiam nada em algum lugar das ilhas do Oceano Pacífico, em áreas remotas da África e da América Latina, girando febrilmente os botões dos rádios silenciosos ao mesmo tempo, observando com medo os relâmpagos brilhando no horizonte.”

No entanto, ainda eram os oficiais que tinham que fazer a última chamada no ataque que destruiria a maior parte da humanidade. A questão permanece se os desenvolvedores do Perimeter foram mais longe e tornaram o sistema completamente autônomo, transformando-o em uma verdadeira Máquina do Juízo Final. 

Yarynich afirma que os generais russos não concordaram com isso, embora as opiniões de seus colegas sejam diferentes. Ele também disse ao jornalista David Hoffman que acreditava que era uma completa estupidez manter a Mão Morta em segredo, uma vez que tal sistema só era útil como dissuasão se seu adversário soubesse de sua existência e pesasse na balança a sua retaliação.

E Hoje, a Mão [Dead Hand] Morta está mesmo morta? 

Yarynich foi quem falou sobre o Perimeter após o colapso da União Soviética. No início da década de 1990, ele falou cautelosamente sobre os principais detalhes do sistema “Dead Hand” com o especialista em segurança nuclear americano Bruce Blair, que revelou a existência do sistema em um editorial do New York Times, sem mencionar o coronel russo, embora seus colegas estivessem bem cientes de quem havia vazado a informação. 

Em 2003, o próprio Yarynich escreveu um livro, ‘C3: Comando Nuclear, Controle, Cooperação’, fornecendo ainda mais detalhes. Ele passou o resto de sua vida lutando pela transparência dentro dos mecanismos de comando e controle nuclear da Rússia e dos EUA. “As armas nucleares não devem ser vistas como um instrumento político”, ele acreditava. 

“Hoje, estamos diante de um absurdo óbvio”, escreveu Yarynich na introdução de seu livro. “Por um lado… os Estados Unidos e a Rússia tornaram-se abertos sem precedentes um com o outro, trocando informações que costumavam ser completamente secretas durante a Guerra Fria.” 

“Agora, bancos de dados de computador acessíveis ao público incluem informações sobre os vários tipos de mísseis balísticos e ogivas nucleares americanos e russos, seus números, características, localização, escritórios de design e instalações de produção … isso começou e continua com sucesso.”

No entanto, argumentou Yarynich, isso não é suficiente: o sigilo absoluto ainda reina quando se trata de comando e controle de armas nucleares.

“Duas questões são da maior importância aqui” , explicou.

“Primeiro, que medidas foram tomadas pelas potências nucleares contra o uso acidental ou não autorizado de armas nucleares, e quão confiáveis ??são essas medidas? Em segundo lugar, qual é a ideologia para a implantação hipotética autorizada de armas nucleares?”

Em 2007, Yarynich deu uma entrevista detalhada à revista Wired. Nele, ele repetiu sua história sobre as características técnicas do Perimeter e, mais importante, confirmou que o sistema está em constante atualização e que se orgulha de ter participado de seu desenvolvimento: o Perimeter administrou com sucesso sua tarefa na Guerra Fria e pode continuar a servir. Tudo o que ele queria era que se falasse sobre o sistema. Yarynich acreditava que a publicidade em torno do sistema seria útil para a Rússia: ninguém quer morrer em vão.

Segundo Pyotr Kazulsky, ex-pesquisador do Centro de Pesquisa em Informática Aplicada, hoje o sistema Perimeter foi atualizado e o novo centro de controle está equipado com uma rede neural. Não há confirmação disso. Não há outras fontes que falariam sobre isso, então a atualização da ‘singularidade’ continua sendo um boato – e provavelmente continuará assim, já que todas as informações sobre o sistema (e seu análogo) são confidenciais. Bruce Blair também afirmou repetidamente que o sistema está sendo constantemente atualizado.

Em dezembro de 2011, o comandante das Forças de Mísseis Estratégicos da Rússia, tenente-general Sergei Karakaev, afirmou que o sistema Perimeter existe até hoje e está em alerta.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth