browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O ‘Tratado Pandêmico’ da OMS Acaba com a soberania das Nações

Posted by on 27/05/2022

Em janeiro de 2022, os EUA apresentaram propostas de emendas ao Regulamento Sanitário Internacional de 2005, que vincula todos os 194 países membros da ONU, que o diretor-geral da OMS aceitou e encaminhou a outros estados membros. Em contraste com as emendas à própria constituição dos países, essas emendas não exigirão uma votação de dois terços do nosso Senado, mas uma maioria simples dos países membros. A maioria do público desconhece totalmente essas mudanças, que afetarão [cancelarão] a soberania nacional dos 194 países membros da ONU [quando for decretada uma nova “Pandemia” pela OMS].

Devemos nos opor a isso para manter a soberania nacional e as normas democráticas e evitar uma ditadura sanitária da OMS.

Fonte: Human Flourishing

A OMS anunciou recentemente planos para um tratado internacional de pandemia vinculado a um passaporte digital e sistema de identificação digital. Reunindo-se em dezembro de 2021 em uma sessão especial pela segunda vez desde a fundação da OMS em 1948, a Assembleia da Saúde da OMS adotou uma única decisão intitulada “The World Together”. 

A OMS planeja finalizar o tratado até 2024. O objetivo é transferir a autoridade governamental dos países reservada aos estados soberanos para a OMS durante uma pandemia global por estados membros juridicamente vinculativos ao Regulamento Sanitário Internacional revisado da OMS.

As alterações propostas incluem, entre outras, as seguintes. Entre as mudanças, a OMS não precisará mais consultar o estado ou tentar obter verificação do estado em que um evento preocupante relatado (por exemplo, um novo surto pandêmico) está supostamente ocorrendo antes de agir com base em tais relatórios (Artigo 9.1 ). 

Além da autoridade para determinar uma emergência de saúde pública de interesse internacional nos termos do Artigo 12, a OMS terá poderes adicionais para determinar uma emergência de saúde pública de interesse regional, bem como uma categoria chamada de alerta de saúde intermediário .

O estado relevante não precisa mais concordar com a determinação do Diretor-Geral da OMS de que um evento constitui uma emergência de saúde pública de interesse internacional. Um novo Comitê de Emergência será constituído na OMS, que o Diretor-Geral consultará no lugar do governo do estado em cujo território ocorreu a emergência de saúde pública de interesse internacional, para declarar o fim da emergência. 

As emendas também darão aos “diretores regionais” da OMS, em vez de representantes eleitos dos estados relevantes, a autoridade legal para declarar uma Emergência de Saúde Pública de Importância Regional.

Além disso, quando um evento não atende aos critérios para uma emergência de saúde pública de interesse internacional, mas o Diretor-Geral da OMS determina que requer maior conscientização e uma potencial resposta internacional de saúde pública, ele pode determinar a qualquer momento a emissão de um “alerta de saúde pública intermediário ” aos estados e consultar o Comitê de Emergência da OMS. Os critérios para esta categoria são simples: “o Diretor-Geral determinou que requer maior conscientização internacional e uma potencial resposta internacional de saúde pública”.

Por meio dessas alterações, a OMS, com o apoio [e orientação] dos EUA, parece estar respondendo aos bloqueios que a China ergueu nos primeiros dias da covid. Esta é uma preocupação legítima. Mas o efeito líquido das emendas propostas é uma mudança de poder dos estados soberanos, incluindo o nosso, para burocratas não eleitos da OMS. O impulso de cada uma das mudanças é no sentido de aumentar os poderes e centralizar os poderes delegados à OMS e longe da soberania dos estados membros.

Leslyn Lewis, membro do parlamento canadense e advogada com experiência internacional, alertou  que o tratado também permitiria à OMS determinar unilateralmente o que constitui uma pandemia e declarar quando uma pandemia está ocorrendo

“Acabaríamos com uma abordagem de tamanho único para o mundo inteiro”, alertou ela. De acordo com o plano proposto pela OMS, as pandemias não precisam se limitar a doenças infecciosas e podem incluir, por exemplo, uma crise declarada de obesidade.

Como parte deste plano, a OMS contratou a T-Systems, subsidiária da Deutsche Telekom, com sede na Alemanha, para desenvolver um sistema global de passaporte de vacinas., com planos de vincular todas as pessoas do planeta a um ID digital de código QR

“Certificados de vacinação invioláveis ​​e verificáveis ​​digitalmente criam confiança. A OMS está, portanto, apoiando os estados membros na construção de redes nacionais e regionais de confiança e tecnologia de verificação”, explicou Garret Mehl, chefe do Departamento de Saúde Digital e Inovação da OMS. 

“O serviço de entrada da OMS também serve como ponte entre os sistemas regionais. Também pode ser usado como parte de futuras campanhas de vacinação e registros domiciliares.” Esse sistema será universal, obrigatório, transnacional e operado por burocratas não eleitos em uma ONG capturada que já estragou a resposta à pandemia de covid.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores”.  Mateus 24:6-8


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

One Response to O ‘Tratado Pandêmico’ da OMS Acaba com a soberania das Nações

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.