browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Oligarcas e Membros de Governo da Saúde Pública Acusados de Genocídio em ação penal histórica aberta no Tribunal Penal Internacional

Posted by on 28/12/2021

Algumas das figuras mais dominantes, membros de governos na área da saúde pública durante o escândalo covid-19 são acusadas em uma ação histórica enviada ao Tribunal Penal Internacional (TPI). Essas [pseudo] autoridades governamentais, executivos das grandes farmacêuticas, oligarcas bilionários, e funcionários de saúde pública sequestraram os direitos dos cidadãos de forma não democrática e impuseram políticas prejudiciais de subjugação sob o pretexto de “combater a pandemia [fake] covid-19”.

Oligarcas e Membros de Governo da Saúde Pública Acusados de Genocídio em ação penal histórica aberta no Tribunal Penal Internacional, em Haia, na Holanda

Fontes: Listadas no fim deste relatório

Suas tirânicas políticas ​​de subjugação do público em geral privaram as pessoas dos direitos humanos básicos e da igualdade de oportunidades. Os réus usaram fraude médica, perpetrada por testes PCR calibrados de forma fraudulenta, para propagar uma narrativa que apenas encoraja seu próprio poder e controle sobre a vida das pessoas. 

Seu desprezo por tratamentos eficazes e baratados, soluções do sistema imunológico e sua censura da imunidade natural destruiu o princípio do consentimento informado, contribuiu para o erro iatrogênico e causou a separação, o isolamento, a negligência médica, o uso de focinheiras imposto e a morte injusta. Suas políticas impuseram à população experimentos genéticos de injeções experimentais comprovadamente perigosos às pessoas, usando discriminação, segregação e ameaças ao seu sustento. Esses réus subverteram o estado de direito por dois anos, arruinando inúmeras vidas.

Dr. Antony Fauci, Peter Daszak, Bill Gates, Hancock, Klaus Schwab, et caterva, todos estão nomeados em acusação histórica

Esses oficiais sitiados incluem Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS); June Raine, diretora executiva da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA); Dr. Anthony Fauci, diretor dos Institutos Nacionais de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID); Dr. Radiv Shah, presidente da Fundação Rockefeller; Dr. Peter Daszak, presidente da EcoHealth Alliance e o pseudo filantropo e bilionário Bill Gates e sua ex esposa, Melinda Gates, que financiaram e promoveram abertamente muitos desses crimes bem documentados contra a humanidade.

Os réus também incluem autoridades britânicas notáveis, incluindo Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido; Christopher Whitty, Consultor Médico Chefe do Reino Unido; Matthew Hancock, ex-Secretário de Estado do Reino Unido para Saúde e Assistência Social; e o oligarca Klaus Schwab, presidente do Fórum Econômico Mundial. 

A queixa criminal também lista os CEOs de quatro grandes empresas farmacêuticas, que continuam a cometer atos de genocídio por meio de “vacinas” de interferência genética experimental que danificam o sistema cardiovascular, as respostas imunes inatas  e a saúde reprodutiva das mulheres, entre milhares de preocupações médicas documentadas por sistemas de farmacovigilância em todo o mundo. Esses réus incluem Albert Bourla, CEO da Pfizer; Stephane Bancel, CEO da AstraZeneca; Pascal Soriot, CEO da Moderna e Alex Gorsky, CEO da Johnson and Johnson.

A queixa criminal é apresentada pelo cientista e ex-vice-presidente da própria Pfizer, Dr. Michael Yeadon, e pela advogada de direitos humanos Hannah Rose. Eles se juntam ao astrofísico Piers Corbyn, à enfermeira Louise Shotbolt, ao policial aposentado John O’Loony e ao ativista de direitos humanos Johnny McStay. A acusação acusa os réus de “inúmeras violações do Código de Nuremberg”, “crimes de agressão” e “crimes de guerra”. 

Como o corrupto sistema judiciário inglês se recusa a tratar deste assunto histórico, os demandantes estão pedindo ao tribunal do TPI com “extrema urgência” que “pare a implantação forçada de vacinas COVID” e a imposição de “passaportes de vacinação” e “todos os outros tipos de atos de guerra ilegal de opressão contra a humanidade”, isto esta sendo “travado contra o povo do Reino Unido” e contra pessoas de países ao redor do mundo todo, num movimento muito bem osquestrado.

A acusação histórica documenta vários crimes contra a humanidade, violações do Código de Nuremberg

As autoridades de saúde pública forçaram as pessoas a usar testes de PCR “completamente não confiáveis” como um padrão de diagnóstico, enganando as pessoas e ofuscando os dados. Esses testes foram calibrados de forma fraudulenta e usados ​​para aumentar artificialmente a contagem de casos e mortes pela covid-19 para perpetuar ainda mais a tirania médica e a privação de direitos individuais.

Tratamentos eficazes, profiláticos e baratos como a hidroxicloroquina e ivermectina [com excelente resultados na Índia] foram suprimidos, levando à insuficiência imunológica, doenças graves e a inúmeras mortes. Isso, por sua vez, levou à dependência de drogas que causam insuficiência renal e subsequente dependência de ventiladores, que causam danos oxidativos e tempestade de citocinas, danificando os pulmões e colocando os pacientes em maior risco de pneumonia com risco de vida e morte.

Além disso, o governo do Reino Unido falhou em investigar a onda massiva de lesões e mortes por efeitos colaterais graves causados pelas vacinas após a vacinação de covid-19. Existem pelo menos 395.049 reações adversas notificadas devido às “vacinas” COVID apenas no Reino Unido. Esta tecnologia experimental de interferência genética foi projetada a partir de pesquisas criminosas de ganho de função que transformavam proteínas de pico de coronavírus em armas para que os experimentos genéticos pudessem ser implantados por meio de “vacinação” usando a proteína de pico projetada. 

Esta experiência levou a um aumento comprovado de doenças oculares, inflamação do coração, parada cardíaca e aborto espontâneo. Um estudo recente publicado no New England Medical Journal  mostrou que 8 em cada 10 mulheres tiveram um aborto espontâneo após tomarem uma ‘vacina’ contra Covid antes do terceiro trimestre.

Além disso, as políticas de bloqueio dos cidadãos, o uso de “máscaras” não alteraram comprovadamente o curso da infecção no público e causaram “destruição de riqueza, empregos e negócios, juntamente com um aumento acentuado nas ligações da ChildLine de crianças que se tornaram mais vulneráveis ​​devido a políticas destrutivas de saúde pública. 

A imposição dos “passaportes de vacinas” pelos réus introduziu um apartheid médico que viola a privacidade médica e a autonomia corporal dos indivíduos por meio de discriminação, segregação e outros atos de malícia. Suas políticas impuseram danos psicológicos às crianças e privaram gravemente a liberdade física das pessoas, em “violação das regras fundamentais do direito internacional”. Essas violações incluem proibições de viagens e reuniões, quarentena forçada e auto-isolamento sem o devido processo legal.

O primeiro princípio do Código de Nuremberg é a disposição e o consentimento informado da pessoa em receber tratamento e participar de um experimento. A pessoa deve ativar a liberdade de escolha sem a intervenção, seja por meio de força, dolo, fraude, ameaça, solicitação ou qualquer outro tipo de vinculação ou coerção. Este princípio orientador da ética médica e os princípios restantes do Código de Nuremberg estão sendo sistematicamente violados durante o escândalo covid-19. Depois de violar esses princípios por quase dois anos sem remorso, os perpetradores devem agora cair de joelhos e sofrer as consequências de seus atos perante o TPI.

Leia a acusação completa online .

As fontes incluem: RioTimesOnline.com, NaturalNews.com, PubMed.gov, NEJM.org, Docdroid.com [PDF]

Relacionados:


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to Oligarcas e Membros de Governo da Saúde Pública Acusados de Genocídio em ação penal histórica aberta no Tribunal Penal Internacional

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.