Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Os governos [leia-se Rothschilds] podem ‘parar’ a Bitcoin ?

Desde sua criação, há mais de 12 anos, o Bitcoin está invicto. Seu preço saltou de US$ 5 para US$ 50 para US$ 500 para US$ 5.000 e agora ultrapassou US$ 50.000. O número de usuários globais da Bitcoin  ultrapassou  100 milhões.  A  segurança da rede do sistema, o número de desenvolvedores e os novos aplicativos estão em seu ápice. Dezenas  de empresas, incluindo Tesla e Square, começaram a adicionar Bitcoin aos seus tesouros corporativos.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Os governos [leia-se Rothschilds] podem parar o Bitcoin ?

Autoria de Alex Gladstein via Quillette.com,

Esse sucesso mundial não significa que “algumas pessoas” não tenham tentado impedir a adoção e o crescimento do Bitcoin. Esse projeto de dinheiro digital, de fato, sobreviveu a uma variedade de ataques que, em alguns casos, ameaçaram sua existência.

A grande preocupação dos governos é sua incapacidade de CONTROLAR qualquer aspecto da criptomoeda Bitcoin, que atua livre de todo o sistema de controle criado pelos Rothschild e seu sistema de Bancos Central que controla a moeda de todos os principais países, mesmo na CHINA …

Existem dois vetores principais à criptomoeda: ataques de rede à infraestrutura de software e hardware e ataques legais a usuários de Bitcoin .

Antes de explorá-los e considerar por que eles falharam, vamos começar do início.

Em janeiro de 2009, um misterioso codificador chamado Satoshi Nakamoto lançou o Bitcoin , uma rede financeira de código aberto com grandes ambições: substituir o SISTEMA de BANCO CENTRAL [controlados por uma única familia, os khazares Rothschild] por um sistema descentralizado, livre, peer-to-peer, sem nenhum controle de governantes.

O Bitcoin usaria um token programável e altamente fungível que poderia ser gasto como dinheiro eletrônico ou salvo como ouro digital. Ele seria distribuído em todo o mundo por meio de uma programação de impressão de dinheiro definida para um subconjunto de usuários que competiriam para proteger a rede com energia e, em troca, obter Bitcoin recém-cunhado.

Inicialmente, a maioria estava compreensivelmente cética e muito poucos prestaram atenção.  Houve tentativas de criar “ecash” antes, e todas falharam. Ninguém foi capaz de descobrir como criar uma casa da moeda virtual, descentralizada e incorruptível, ou como desenvolver um sistema que não pudesse ser manipulado e controlado pelos governos [que são controlados através do SISTEMA de BANCO CENTRAL, criado e controlado por uma única familia, os khazares Rothschild] .

Mas uma pequena comunidade cresceu em torno do Bitcoin, que prometia exatamente isso. Liderados por Satoshi e Hal Finney, este grupo de iconoclastas discutidos, consertou com, e melhorou o software em seu primeiro ano, usando seus computadores para produzir 50 então inúteis Bitcoins a cada 10 minutos. Eventualmente, alguém decidiu que esses tokens virtuais valiam o suficiente para aceitá-los em troca de um bem qualquer do mundo real.

Em 22 de maio de 2010, um desenvolvedor chamado Laszlo Hanyecz pagou 10.000 Bitcoin por duas pizzas Papa John’s, a uma taxa de câmbio de 0,1 centavo por Bitcoin. Ninguém poderia prever que o pedido de pizza de Laszlo um dia seria tão caro: hoje, esse pedido valeria mais de US$ 500 milhões [$ 250 milhões por cada pizza].

Desde os primeiros dias da Rota da Seda e da mineração de PCs , até os dias atuais, o Bitcoin se tornou um fenômeno global. Ninguém sabe quem é Satoshi, mas se sua criação fosse uma empresa, seria uma das dez mais valiosas do mundo. Sua base de fãs cresceu de alguns pseudônimos em mensagens Cypherpunk para incluir nomes como o CEO do Twitter Jack Dorsey, o CEO da Tesla Elon Musk, o professor de Harvard Niall Ferguson, o CEO da Fidelity Abby Johnson, a atriz Lindsay Lohan, o cantor Soulja Boy, o skatista Tony Hawk e investidor Paul Tudor Jones.

Ele tem seu próprio caractere Unicode, o ?. Uma conferência do setor realizada este mês com foco em como adicionar Bitcoin ao tesouro corporativo atraiu mais de  6.000 empresas . O MIT possui um  centro de pesquisa que  contribui para a segurança do Bitcoin à longo prazo.

Os mercados devcompra e venda de bitcoin surgiram em praticamente todos os países e grandes áreas urbanas da Terra, com comerciantes locais ansiosos para comprar Bitcoin em troca da moeda local em todos os lugares, de Caracas a Manila e Moscou. 

Milhões de pessoas na Nigéria, Argentina, Brasil, Irã, Cuba e além  estão agora usando Bitcoin  para escapar de seu sistema [controlado] de moeda local e optar por algo com um histórico melhor como reserva de valor do que o naira, real, bolívar, rial ou peso. Eles podem controlar seus Bitcoins com uma chave privada (pense: senha) que podem armazenar em um telefone, pen drive, no papel ou mesmo com listas de palavras memorizadas e enviar a moeda para familiares ou amigos em qualquer lugar da Terra em minutos, sem intromissão, controle, impostos e a permissão de qualquer [pseudo] “autoridade” necessária.

A grande mídia [pre$$titute] normalmente retrata o Bitcoin como um estoque de moeda que enlouqueceu ou um novo tipo de mania de tulipas digitais. Mas a realidade é que o Bitcoin é um projeto político que ameaça perturbar fundamentalmente o sistema econômico liderado pelos oligarcas de Davos, com todos, de Janet Yellen a Christine Lagarde, expressando medo sobre sua ascensão e exigindo que ele seja regulamentado.

Os governos retêm seu poder em parte emitindo e controlando dinheiro. Bitcoin é um novo modelo que cunha e protege dinheiro sem ingerência de governos. Portanto, a grande questão é: por que os governos ou megacorporações não o impediram de ter sucesso? E se eles tentassem atacar o Bitcoin em um futuro próximo, como seria o resultado disso?

Há uma enorme especulação na Internet sobre como o Bitcoin pode ser atacado, mas poucos param para pensar por que ele ainda não foi destruído. A resposta é que há incentivos políticos e econômicos para que mais e mais pessoas impulsionem o sistema livre de interferência de QUALQUER governo e fortaleçam sua segurança, e fortes desincentivos políticos, econômicos e técnicos que desencorajam ataques.

Certamente, o Bitcoin não é pequeno demais para chamar a atenção dos governos [e de QUEM OS CONTROLA].  Tentativas anteriores de moedas digitais online paralelas, como e-Gold e Liberty Reserve, foram  fechadas  pelo governo dos EUA antes mesmo de chegar a US$ 10 bilhões em capitalização de mercado. Bitcoin agora tem uma capitalização de mercado de US $ 1 trilhão . A cada dia que o Bitcoin sobrevive, ele se torna mais forte e, para muitos vetores de ataque, as janelas estão fechando rapidamente.

Uma razão pela qual o Bitcoin é tão tenaz é que ele é um fenômeno sem FRONTEIRAS distribuído globalmente. A grande maioria da mineração ocorre fora dos Estados Unidos, na China e na Ásia Central. Mas a grande maioria dos detentores e compradores de Bitcoins  parecem ser  entidades dos Estados Unidos e da UE, e os principais desenvolvedores e gerentes de nó do software (que hospedam os servidores de Bitcoin) estão espalhados por todo o mundo. A pessoa mais importante no Bitcoin – seu inventor – não é mais relevante e pode até estar  morta .

Codificação, mineração, infraestrutura e mercados são todos independentes, acontecendo em jurisdições concorrentes e rivais geopolíticos espalhados pelo planeta, muitas vezes feitos por atores anônimos ou pseudônimos, todos com filosofias e objetivos diferentes, mas com uma única motivação unificadora: manter o Bitcoin funcionando.

Ao contrário de todas as outras criptomoedas, não existe um ponto central de falhaBitcoin não tem Vitalik Buterin, Fundação Ethereum, banco Deltec como o Tether, nenhum escritório luxuoso em São Francisco, nenhuma equipe de advogados, nenhum símbolo de governança, nenhum apoio VC, nenhum pré-mina, nenhum pequeno conselho e nenhuma “baleia” [grande investidor]  capaz para manipular o sistema. Essa arquitetura descentralizada já isolou o Bitcoin de ataques nos níveis mais altos. Não importa quanto Bitcoin você possua, você não pode mudar as regras, imprimir mais, censurar, roubar ou impedir que outros usem a rede.

Indiscutivelmente a força financeira mais poderosa do mundo – o governo dos EUA liderado pelo então secretário do Tesouro Steve Mnuchin – acabou de lançar um ataque  ao Bitcoin em dezembro de 2020 . Não foi um ataque particularmente forte, mas ainda assim, um ataque, que teria forçado as bolsas dos EUA a coletar mais informações sobre indivíduos retirando seus Bitcoins para carteiras que eles controlam do que até mesmo os bancos convencionais coletam, entregando ao estado de vigilância um conhecimento muito mais intrincado do fluxo de fundos Bitcoin. Mas a repressão falhou, frustrada por uma ampla coalizão  de oposição, e Mnuchin agora se foi.

O novo regime regulatório dos EUA pode ser menos agressivo. Na verdade, o novo presidente da SEC, Gary Gensler, certa vez deu uma aula sobre Bitcoin. Cynthia Lummis, uma senadora recém-eleita do Wyoming e apaixonada apoiadora do Bitcoin, foi nomeada para o Comitê Bancário do Senado. Isso significa que um dos órgãos mais poderosos do sistema financeiro dos Estados Unidos agora possui um membro que recentemente tuitou  sobre o Bitcoin: “Vim pela reserva de valor. Eu fiquei pela resistência à censura.  Lummis se junta a Warren Davidson e outros no Congresso que prometeram  defender o  Bitcoin.

O maior ataque da história do Bitcoin veio em 2017 no nível de software . Naquela primavera, um punhado dos mais importantes atores da indústria se reuniram e assinaram o que é chamado  de Acordo de Nova York . Os autores ostentam mais de 83% do hashpower de mineração global, mais de 50 empresas no total, mais de 20 milhões de carteiras e uma grande parte da infraestrutura de pagamento. Era uma aliança entre mineradores chineses, as Big Tech do Vale do Silício e as “baleias e tubarões” de Wall Street, e seu objetivo era mudar o Bitcoin para permitir que ele processasse mais transações por segundo, ao custo de sacrificar a descentralização e a capacidade dos usuários de auditar o suprimento monetário de casa .

Apesar das probabilidades, um punhado de ativistas de base acabou  construindo um movimento  que derrotou de forma impressionante esta aliança de Nova York. Em novembro de 2017, o plano corporativo “SegWit2X” estava morto e o Bitcoin permanecia descentralizado. A lição dessas “guerras de escala” é que nem os mineiros nem as corporações controlam o Bitcoin. Sim, os mineradores processam transações e os desenvolvedores propõem atualizações para o software, mas dezenas de milhares de usuários executando nós realmente decidem quais transações são válidas e qual versão do software é adotada.

Mesmo se um governo assumisse o controle da maioria do hashrate do Bitcoin, isso não os permitiria mudar as regras de consenso do Bitcoin ou imprimir mais Bitcoin ou roubar o patrimônio de alguém. O pior que eles poderiam fazer é usar seu poder para extrair novas versões do Bitcoin (que, no caso do BCH ou BSV,  falhou  espetacularmente), ou queimar bilhões de dólares para danificar temporariamente a rede no que é chamado de ataque de “51% ”.  Nesse tipo de  ataque, a maioria dos mineradores poderia se unir e usar seu hashrate superior para sobrecarregar momentaneamente a rede. O preço do hardware necessário para fazer o “ataque” ultrapassaria US$ 5 bilhões.

Mesmo que um governo quisesse arriscar tanto em um ataque tão exótico, é improvável que eles desviassem a preciosa capacidade de fabricação dos poucos fabricantes de semicondutores do mundo para esse propósito especulativo. Para a China ou os EUA, interromper os pedidos de semicondutores existentes durante uma  escassez global  poderia colocar a segurança nacional em risco. Uma alternativa seria confiscar a maioria dos equipamentos de mineração do mundo em uma operação militar. Mas a logística de tentar localizar e capturar violentamente centenas de milhares de máquinas de 5 libras pertencentes a atores geralmente pseudônimos em dezenas de jurisdições seria extremamente proibitiva.

As especulações sobre outros ataques técnicos ao Bitcoin são abundantes: transações de censura de pools de mineração (os mineiros ganham mais dinheiro não censurando, podem  mudar rapidamente  para pools de não censura e podem adotar software que impossibilita a censura), desligamento global da Internet (pode ser perturbador, mas não fatal), backdoors de hardware de mineração (isso realmente  aconteceu , mas não foi explorado, e a ameaça agora está desaparecendo), computadores quânticos quebrando a criptografia do Bitcoin (não deve ser levado a sério de acordo com os especialistas ) e até mesmo malfeitores fazendo atualizações prejudiciais para a base de código (isso não teria chance contra  centenas de desenvolvedores vigilantes ).

O fato é que, apesar do constante medo de como o Bitcoin poderia falhar, todos os usuários sempre foram capazes de fazer transações. Não houve atos significativos de censura. As tentativas de interromper o protocolo ou a infraestrutura de rede seriam incrivelmente difíceis e caras de tentar e não têm garantia de sucesso. Como vimos em 2017, mesmo se os poderes forem capazes de acumular uma supermaioria do hashrate, eles podem ser derrotados pela arquitetura descentralizada da rede. Muito mais fáceis e mais prováveis ??são os ataques aos próprios usuários.

Existem vários cenários de pesadelo que os Bitcoiners temem e que não envolvem ficção científica em torno de governos se unindo em uma missão no estilo Missão Impossível para apreender bilhões de dólares em energia e equipamentos de mineração.

Um desses temores tem quatro números: 6102.

Em 1933, a administração de FDR aprovou a Ordem Executiva 6102, que proibia os cidadãos norte americanos de possuir ouro e os obrigava a entregar qualquer ouro às autoridades. O governo dos Estados Unidos, ou qualquer outro governo, poderia tentar fazer o mesmo com o Bitcoin, dando aos cidadãos uma janela para declarar e vender seus Bitcoins ao governo, ou então enfrentariam a pena de prisão.

A comunidade Bitcoin já está se preparando para esse ataque. Um dos motivos pelos quais a OE 6102 teve tanto sucesso é que o governo poderia simplesmente ir aos bancos que mantinham ouro em nome dos cidadãos e apreende-lo no momento da custódia. Assim, todos os dias 3 de janeiro, os usuários comemoram o dia da “prova das chaves”, onde é costume retirar qualquer Bitcoin que possuam nas trocas ou sob custódia de terceiros para carteiras controladas pelos usuários finais.

Nem suas chaves, nem suas moedas”, popularizado pela primeira vez pelo educador Bitcoin  Andreas Antonopoulos , é um mantra da comunidade. Com  mais de 10 por cento da população americana que usa Bitcoin, se um número suficiente de pessoas se autocuidar, um ataque de 6102 teria efeito limitado. Dado que as chaves da sua conta Bitcoin estão normalmente na forma de 24 palavras-semente que podem ser escritas, escondidas, codificadas ou memorizadas, um ataque militar casa por casa não funcionaria muito bem numa busca por algo virtual e constituiria um conjunto em massa de violações dos direitos humanos.

Outra ameaça regulatória seria um novo imposto sobre ganhos não realizados sobre o Bitcoin, o que seria devastador para os poupadores de longo prazo, ou novas regras rígidas de “conheça seu cliente” tornando um crime comprar Bitcoin por meio de um emissor não autorizado. Mas tais regras têm muitos obstáculos: proteções da primeira e quarta alterações;  vários senadores e congressistas defendendo uma política mais inclusiva do Bitcoin; e uma grande e crescente indústria de criptomoedas que faria um lobby vigoroso contra essas regras.

Os governos poderiam tentar marginalizar o Bitcoin introduzindo um concorrente: uma moeda digital do Banco Central . A maioria dos bancos centrais em todo o mundo está experimentando a ideia de substituir as cédulas bancárias por tokens digitais que os cidadãos poderiam manter em carteiras móveis. Um argumento que os promotores desses sistemas fazem é que eles poderiam ajudar a controlar a sede por Bitcoin.

No final das contas, porém, CBDCs como o DCEP da China não podem competir porque seu preço global flutuante estará vinculado à moeda fiduciária existente, que inevitavelmente cairá em poder de compra relativo. Enquanto isso, o poder de compra do Bitcoin continua a aumentar com o tempo e oferece um nível de liberdade transacional e privacidade fora do escrutínio do estado que nenhum CBDC jamais poderia se orgulhar de ter.

Outro vetor de ataque pode ser a proibição da própria mineração de Bitcoins dentro das democracias ocidentais. Hoje, muitos artigos da mídia convencional descrevem o Bitcoin como um desastre ambiental. Na realidade, ele depende muito de energia renovável (as estimativas variam de 39% a 74%),  consome  muita energia ociosa ou em excesso e pode muito bem ter um futuro praticamente verde. Mas dadas as narrativas mal informadas sobre o assunto, pode-se imaginar um mundo em que a administração do senil Joe Biden restringe a mineração de Bitcoins como parte de um “New Deal Verde”.

O problema dos “dois Bitcoins” é talvez a maior ameaça existente para os usuários de Bitcoins hoje. Se as 25 principais bolsas globais nos EUA, UE e Ásia Oriental concordassem com as retiradas do usuário final, isso efetivamente bifurcaria o sistema. O Bitcoin dentro da bolha seria “colocado na lista branca” e o Bitcoin externo poderia ser “colocado na lista negra” – ou seja, se um comerciante aceitar Bitcoin de você que não está em uma determinada lista, ele estará correndo um risco. Não importa o quão privado você seja com seu Bitcoin, não importa. Você precisaria encontrar pessoas dispostas a aceitar seu Bitcoin sem deixar rastros. Essas leis forçariam os usuários a entrar em mercados ponto a ponto, onde os compradores não se importam com o histórico das moedas.

Mesmo assim, existem muitas barreiras para esse ataque. As bolsas perderiam milhões de clientes e bilhões de dólares em negócios. O ecossistema “DeFi” poderia entrar em colapso, já que depende da capacidade dos usuários de comprar ETH com dólares em grandes bolsas e, em seguida, retirar-se para plataformas de negociação como o Uniswap. As empresas neste espaço resistiriam vigorosamente a qualquer mudança que impedisse os cidadãos de retirar Bitcoin ou qualquer criptomoeda para carteiras autocontroladas.

Como mostram esses exemplos, há muitos tipos de ataques regulatórios que deveriam preocupar os usuários de Bitcoin, e eles são muito mais prováveis ??do que ataques criptográficos ou hashrate na rede, mas a realidade é que muitos ataques legais já aconteceram, e eles foram ineficazes.

Em 2017, o Partido Comunista Chinês restringiu a capacidade de seus cidadãos de trocar renminbis (yuans) por Bitcoin. Pouco depois, o governo indiano fez o mesmo, seguido pelo governo do Paquistão e vários outros. Em outras palavras, os dois maiores governos do mundo tentaram cortar o acesso do Bitcoin aos seus cidadãos no ponto mais óbvio: as rampas de entrada e saída onde os cidadãos trocam a moeda local por Bitcoin por meio de trocas.

No ano passado, a Suprema Corte indiana reverteu essa regra e o Bitcoin não é mais restrito. O governo está novamente tentando  aprovar um projeto de lei que proíbe o Bitcoin e todas as criptomoedas não estatais, ao mesmo tempo que lança uma moeda digital a ser emitida pelo Banco da Reserva da Índia, mas, enquanto isso, o uso local cresce. Na China, após as restrições de 2017, algumas empresas mudaram-se para outros países do Leste Asiático, mas continuaram a fazer negócios com clientes chineses. Duas das maiores bolsas para o mercado chinês, Huobi e OKCoin, ainda atendem milhões de chineses. No Paquistão, o Bitcoin está de fato proibido, mas a adoção está explodindo .

Na Nigéria, o governo está atualmente prometendo  congelar  as contas bancárias de qualquer cidadão identificado como comprador ou vendedor de Bitcoins.  Este regime já tentou táticas semelhantes antes, mas todos falharam. O que essas ações realmente realizam é  levar os  cidadãos a mercados mais difíceis de controlar entre pares e aos braços de empreendedores tolerantes ao risco, empenhados  em ajudar seus concidadãos a ter acesso a um sistema financeiro melhor.

Nos Estados Unidos, deixando de lado o recente ataque de última hora do secretário Mnuchin, a atividade financeira americana é cada vez mais monitorada  por leis como a Lei de Sigilo Bancário.  Em linha com essa tendência, as bolsas de criptomoedas introduziram requisitos de identificação mais rigorosos para seus clientes, bem como limites de retirada cada vez menores. Até agora, porém, os americanos ainda são capazes de comprar Bitcoin e retirá-lo para carteiras que controlam, e isso será defendido por novos aliados poderosos.

O senador Lummis e os congressistas Davidson, McHenry, Emmer e Soto, bem como líderes estaduais como o prefeito de Miami, Francis Suarez, se manifestaram em apoio ao Bitcoin, seja hospedando o white paper em seus sites, prometendo evitar regulamentações excessivamente restritivas , ou comprometendo-se a tornar suas jurisdições hotspots para a atividade empresarial e inovação Bitcoin. O prefeito Suarez, por exemplo, está pressionando  para que os funcionários da cidade de Miami ganhem uma porcentagem de seu salário em Bitcoin, para que os residentes possam pagar impostos em Bitcoin e inclua o Bitcoin como parte da carteira de investimentos da cidade.

Alguns argumentam que a América [Deep State] Corporativa  tentará  atacar o Bitcoin. Mas, até agora, parece que as grandes empresas estão tentando é entrar nessa “festa”. Nos últimos meses, a Tesla, Microstrategy, Square, Grayscale e outras empresas estão comprando bilhões de dólares a mais de Bitcoin do que a quantidade produzida pela mineração. E, como os investidores experientes perceberão, em última análise, você não pode separar o Bitcoin de sua natureza cypherpunk.

O Bitcoin só tem valor como um ativo por causa de sua descentralização, já que ninguém pode alterar suas regras arbitrariamente ou “decidir imprimir mais”. Impulsionada pelo interesse próprio, as “baleias e tubarões” de Wall Street pode ironicamente acabar sendo uma das maiores líderes de torcida dessa nova tecnologia que Washington D.C. ou Londres não podem controlar e os Rothschild não podem manipular.

Até agora, parece que quando os governos tentam banir ou restringir o Bitcoin, isso acaba apenas acelerando a adoção da moeda dentro de seus próprios países. Os governos que falharam miseravelmente em suas Guerras contra as Drogas podem achar muito mais difícil impedir as pessoas de segurar algo que é invisível, sem fronteiras e teletransportado.

Nas democracias, os governos enfrentarão grandes obstáculos das indústrias de tecnologia e financeira, mas também do fato de que as restrições à propriedade do Bitcoin podem colidir com a liberdade de expressão, direito à privacidade e proteção à propriedade privada. O confisco puro e simples  exigirá brutalidade e não está claro se todos os governos têm estômago ou capacidade para tanto.

No final das contas, a maior defesa do Bitcoin é a própria natureza humana. Somos gananciosos e egoístas, e isso se aplica aos políticos marionetes em nossos governos. Algumas autoridades já estão começando a minerar ou incentivando a mineração. Isso está acontecendo em todos os lugares, de Pequim ao  Kentucky,  na Sibéria e Ucrânia . Conforme o preço sobe, mais e mais pessoas estão comprando  o valor do Bitcoin como uma reserva de valor de longo prazo e proteção contra a inflação . Assim como alguns governos com moedas fracas foram forçados a dolarizar, outros no futuro poderiam ser forçados a acumular Bitcoin. É um planeta rival.

Por que um governo atacaria o Bitcoin se pudesse ganhar mais usando seu monopólio de energia ou a capacidade de imprimir decretos para comprar alguns? Os ricos e poderosos sempre projetarão sistemas que os beneficiem antes de todos. A genialidade do Bitcoin é tirar proveito dessa realidade básica e forçá-los a se envolver e ajudar a executar o sistema, em vez de atacá-lo.

Em um mundo com reguladores americanos amigáveis, regimes desonestos que minam Bitcoin para imprimir dólares e cidadãos do mundo exigindo um ativo que não pode ser inflado, o incentivo para atacar o Bitcoin está diminuindo.

No final, a única maneira de matar o Bitcoin pode ser fazê-lo de forma que as pessoas não precisem mais dele. Se ninguém quer um ativo financeiro à prova de desvalorização, manipulação pelos governos, resistente à censura, sem permissão, sem fronteiras, não discriminatório e de teletransporte, então ninguém o alimentará com energia e ele morrerá. Talvez a humanidade possa criar outra tecnologia que atenda a essas necessidades.

Mas até então, o Bitcoin vai continuar prosperando para desespero de muitos [e talvez em breve chegue o momento em que a criptomoeda porá em risco todo o sistema fraudulento de bancos centrais e governos controlados pelas moedas fiduciárias].

Alex Gladstein é diretor de estratégia da  Human Rights Foundation , uma organização sem fins lucrativos que apoia as liberdades civis em sociedades autoritárias. Você pode segui-lo no Twitter  @gladstein .


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informações adicionais:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *