Os Governos que não rejeitarem a International Health Regulations da OMS, sugerem que já não estão no comando

A senadora Sharon Keogan e um grupo crescente de cidadãos irlandeses preocupados com a tomada de poder global pela OMS organizaram um evento no parlamento irlandês na terça-feira, 6 de fevereiro de 2024. A Drª Tess Lawrie, o advogado constitucional suíço Philipp Kruse, o membro do Parlamento do Reino Unido, Andrew Bridgen, O médico Irlandês Dr. William Ralph, a membro do Parlamento Europeu Christine Anderson, os Drs. Kat Lindley e Meryl Nass foram convidados para discursar aos parlamentares irlandeses e outras pessoas que participaram do evento sobre a OMS e a tomada de poder.

Os Governos que não rejeitarem a International Health Regulations da OMS, de forma decisiva, sugerem que já não estão no comando

Fonte: The Exposé News

O vídeo do evento ainda não está disponível. No entanto, num artigo da Substack ontem, a Dra. Lawrie partilhou uma transcrição da sua apresentação de 7 minutos sobre a tomada de poder da OMS e o que isso significa para a saúde, os direitos humanos e a soberania dos países. Selecionamos alguns destaques de sua apresentação abaixo. Você pode ler sua apresentação completa AQUI .

Tess Lawrie é Diretora da E-BMC Ltd e Diretora fundadora da EbMCsquared CiC, uma empresa de pesquisa de interesse comunitário. Dr. Lawrie está empenhada em melhorar a qualidade dos cuidados de saúde através de pesquisas rigorosas. A sua gama de conhecimentos, baseada na experiência tanto em países em desenvolvimento como em países desenvolvidos, posiciona-a de forma única para avaliar a investigação numa variedade de ambientes de saúde. Ela é membro frequente de equipes técnicas responsáveis ​​pelo desenvolvimento de diretrizes internacionais.

Antes da sua apresentação aos parlamentares irlandeses, a Dra. Lawrie distribuiu uma cópia do resumo político do Conselho Mundial de Saúde intitulado “Rejeitando o poder de monopólio sobre a saúde pública global” e documentos associados, incluindo a compilação da OMS das alterações propostas à Convenção Internacional Regulamento Sanitário (“RSI”).

Tenha em atenção que o Tratado sobre a Pandemia tem sido referido por vários nomes: acordo de prevenção, preparação e resposta a pandemias; Acordo Pandêmico; Acordo Pandêmico; e, Acordo da Convenção da OMS + (“OMS CA+”). A seguir, como fez o Dr. Lawrie, iremos simplesmente nos referir a ele como o Tratado de Pandemia.

“O resumo político do especialista [do Conselho Mundial de Saúde] destaca uma série de questões sérias levantadas pelas propostas de Emendas do RSI e pelo Tratado proposto”, disse o Dr. Lawrie. Especificamente:

  • o futuro da governança;
  • o futuro da liberdade de expressão e do direito à dissidência;
  • o futuro do direito à privacidade;
  • a extensão da vigilância digital e da mineração/controle de dados privados;
  • o controle da produção e do acesso aos tratamentos;
  • o controle da regulamentação de medicamentos; e
  • pesquisa de armas biológicas

O RSI e o Tratado sobre a Pandemia são documentos complementares. “Ambos os documentos juridicamente vinculativos colocariam efetivamente a OMS no comando no caso de novas emergências de saúde pública de interesse internacional (PHEIC). Com o poder de declarar unilateralmente pandemias ou PHEICs e ditar a resposta internacional, estes documentos poderiam efetivamente criar uma indústria pandêmica que se autoperpetua”, alertou Drª. Lawrie aos parlamentares irlandeses.

Ela disse que uma auditoria das estratégias da OMS para a covid-19 está atrasada. Ela perguntou aos parlamentares: “Antes de expandirmos o poder desta organização não eleita, cujo âmbito de trabalho é amplamente influenciado pelos seus financiadores, não deveríamos primeiro fazer uma auditoria ao seu desempenho em relação à covid-19?”

“Durante a crise da covid-19, os governos de todo o mundo seguiram os conselhos da Organização Mundial de Saúde que não eram baseados em evidências científicas… Não havia boas evidências para apoiar a implementação de testes PCR, distanciamento social de dois metros, máscaras faciais, bloqueios , ou inoculação em massa”, explicou ela.

Por outro lado, como observou a Dra. Lawrie, havia evidências que apoiavam o tratamento precoce e estratégias de prevenção com medicamentos estabelecidos, seguros e de baixo custo.

“A ivermectina tem um excelente perfil de segurança. Mesmo assim, o público foi informado de que não era seguro para a Covid-19. E quando médicos e cientistas éticos partilharam provas e experiências sobre opções seguras e eficazes de tratamento precoce da Covid-19, estas foram ignoradas, ativamente minadas, desacreditadas e/ou censuradas”, disse ela.

“O foco da OMS está cada vez mais nas novas tecnologias de vacinas genéticas de mRNA, prometendo-nos 500 novas vacinas até 2030.” Isto, disse ela, refletia a “oferta dos seus financiadores”.

A equipe de investigação do Conselho Mundial de Saúde está atualmente analisando os dados do Vigiaccess.org da OMS relativos aos 26 meses, de 1 de dezembro de 2020 a 31 de janeiro de 2023. Os pesquisadores descobriram que quase 5 milhões de pessoas tiveram mais de 23 milhões de eventos adversos.

Dos cerca de 5 milhões de pessoas, mais de 1 milhão de pessoas tiveram pelo menos um evento adverso grave, que consiste em condições debilitantes e potencialmente fatais e morte. Mais de 58.000 pessoas morreram devido à vacina covid-19 durante estes 26 meses.

“A maioria dos dados sobre danos causados ​​pelas vacinas provêm da Europa e da América”, disse o Dr. Lawrie, “sendo a Europa responsável por aproximadamente 700.000 casos de eventos adversos graves e 15.000 mortes notificadas. Sessenta e quatro por cento dos relatos de mortes após a vacinação, o equivalente a aproximadamente 37.000 pessoas, vieram do continente americano.”

Especialmente preocupantes são os dados sobre crianças: 21.590 eventos adversos graves notificados entre crianças, incluindo 444 mortes infantis. “As crianças não eram um grupo de alto risco para a covid-19”, enfatizou o Dr. É claro que existem muitas limitações nestes dados e o Dr. Lawrie as observou brevemente. Mas, “não se pode dizer que as ‘vacinas’ contra a covid-19 sejam seguras”.

Lawrie apelou a uma auditoria urgente, independente e transparente de toda a base de dados, incluindo “como e por quê a OMS ignorou o sinal de segurança por si só e, possivelmente, a mais importante base de dados internacional de segurança de medicamentos”.

“Então, pergunto-lhes agora: poderá alguma vez ser aceitável transferir poderes de decisão reservados às instituições democráticas dos países para um órgão [a OMS] não eleito e irresponsável, não sujeito a mecanismos constitucionais ou de controle?”

A Dra. Lawrie não está permitindo que os governos nacionais se escondam atrás das costas da OMS. 

“O fracasso [recusa] dos governos nacionais em responsabilizar a OMS pelas suas estratégias prejudiciais contra a covid-19, e em agir decisivamente para rejeitar esta tomada de poder supranacional, sugere que os governos podem já não estar encarregados da elaboração de suas próprias políticas nacionais de saúde pública”, disse ela.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência. ” – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth