Pandemia Covid-19 foi Planejada e Executada pelos controladores do Governo (Deep State) dos EUA

Foram muitas décadas em formação : a “pandemia” do coronavírus COVID. longe de ser uma ocorrência aleatória, foi um evento planejado, por isso muitos agora o chamam de plandêmico, pois foi planejado nos níveis mais altos do governo federal dos EUA. Pelo menos desde que a Lei do Federal Reserve de 1913 foi aprovada, os elitistas que se infiltraram na América têm aprovado leis e manipulado socialmente o público ao longo de várias gerações para um momento como o da Covid, buscando a despopulação do planeta.

Pandemia Covid-19 foi intencionalmente Planejada e Executada pelos controladores do Governo Federal (Deep State) dos EUA (e outros atores estaduais)

Fonte: stateofthenation.co

O seguinte relatório exaustivo de pesquisa investigativa demonstra – ALÉM DE QUALQUER DÚVIDA – que a Pandemia COVID-19 foi, de fato, planejada ao longo de muitas décadas nos mais altos escalões do governo dos EUA. Também confirma que um governo paralelo [Deep State] extremamente poderoso estava dirigindo todas as facetas dos vastos esforços de lobby e processos legislativos necessários para criar essa onda de crimes em andamento contra o povo americano. 

O que significa que os psicopatas servidores das trevas sempre estiveram dentro de casa e operando livremente pelo menos desde a Lei do Federal Reserve de 1913, há cento e dez anos.

O que torna esse imenso corpo de evidências tão convincente é a extraordinária cronologia dos atos governamentais oficiais e da legislação essencial do início ao fim da farsa pandêmica. É como se os perpetradores bem disfarçados tivessem projetado o golpe duplo perfeito para primeiro derrubar e depois nocautear os cidadãos americanos. O lançamento da arma biológica COVID-19 foi obviamente o “primeiro soco” que configurou perfeitamente o “segundo soco” da injeção armada [pseudo vacina experimental] contra a Covid.

Esta forte evidência científica mostra que, não apenas a arma biológica COVID-19 foi meticulosamente rearranjada pela bioengenharia ao longo de várias décadas, mas sua liberação furtiva foi coordenada com elemntos ocultos dentro de governos de várias nações conspiradoras, especialmente em toda a esfera de influência do Eixo judeu-Anglo-Americano. Claramente, a intenção final era a administração global de uma injeção de COVID-19 extremamente prejudicial e muitas vezes letal para despovoar o planeta Terra.

Claro, também existem volumes de dados/informações altamente confiáveis ​​que demonstram a intenção explícita de cometer genocídio contra o povo americano, bem como contra outras nações cristãs tradicionalmente de maioria branca. Existe apenas um sindicato global do crime e uma sociedade secreta malévola que possui o poder prodigioso e a influência penetrante para realizar tal onda de crimes capitais contra toda a humanidade e efetivamente encobri-la. Veja: As guerras mundiais e todos os outros eventos cataclísmicos foram realizados pela Tríade

À luz dessas declarações altamente consequentes de fatos históricos apoiados por documentação incriminadora, é absolutamente imperativo que todos os advogados que trabalham neste caso estejam cientes do secreto “Programa Americano de Bioterrorismo Doméstico” [isso mesmo, DOMÉSTICO] delineado em grande detalhe abaixo. Portanto, pedimos aos nossos grandes Patriotas leitores que postem e enviem este link para todos os lugares e em qualquer lugar.

CONCLUSÃO : Não há nenhum corpo de evidência mais definitivo e legalmente hermético que verifique a conspiração plandêmica Covid-19 altamente organizada para perpetrar assassinato em massa e graves efeitos colaterais contra o povo americano. Portanto, todas as partes lesadas e prejudicadas devem estar cientes deste extenso e irrefutável relatório. Obrigado por divulgar este relatório vital por toda parte.

O “Programa Americano de Bioterrorismo Doméstico“

Construindo o caso para processar membros do Congresso, presidentes, secretários do HHS e DoD e juízes federais por traição sob 18 USC 2381.

KATHERINE WATT
Notícias do Bailiwick

Ferramenta de pesquisa e organização publicada pela primeira vez em 28 de abril de 2022, sujeita a revisão contínua à medida que novas informações surgem. Última atualização em 3 de julho de 2023.

Orientação para novos leitores .

Outros formatos:  PDF de letras pequenas de setembro de 2022, nota de rodapé  (67 páginas); PDF de setembro de 2022 com letras grandes e nota de rodapé  (101 páginas); Novembro de 2022  Memorando de Orientação de História Estatutária  (45 páginas); Dez. 2022  Esboço das Estruturas Jurídicas  (2 páginas),  Janeiro de 2023  História Jurídica Programa Americano de Bioterrorismo Doméstico  ( 14 páginas); Janeiro de 2023  Apresentação de slides Kill Box  (18 páginas); Apresentação de slides Kill Box de fevereiro de 2023   (36 páginas); PDF de março de 2023 com links ativos  , mas sem notas de rodapé (46 páginas).

VISÃO GERAL

Comecei a examinar atentamente a arquitetura jurídica que apoia o panóptico da prisão nacional Covid em 30 de janeiro de 2022, depois de ouvir a entrevista do advogado Todd Callender, que forneceu informações sobre a estrutura jurídica doméstica americana; como isso se encaixa na história de pandemia estranhamente coordenada contada por governos em todo o mundo; e como ele se relaciona com o Regulamento Sanitário Internacional da Organização Mundial da Saúde de 2005 no centro.

Escrevi a entrevista:

Antes daquele dia, eu havia passado muito tempo, com crescente confusão, alarme e desespero, tentando descobrir por que o sistema jurídico constitucional dos Estados Unidos não havia parado com o absurdo pandêmico quando sua falta de sentido se tornou óbvia para tantas pessoas. .

Por que continuou, sem fim à vista e nem mesmo um vislumbre de um caminho até o fim? Desde então, ao pesquisar a análise de Callender seguindo as trilhas de papel de apoio, aprendi por que e como.

Muitas coisas que antes eram crimes federais e estaduais e violações de direitos civis foram legalizadas pelo Congresso por meio de revisões legislativas e estatutárias do Código dos Estados Unidos, assinadas pelos presidentes dos EUA e implementadas no nível administrativo e regulatório pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos e Departamento de Defesa através do Código de Regulamentos Federais ao longo de muito tempo.

Eu relatei essas descobertas em pequenos pedaços, conectando as leis a processos judiciais, ordens executivas, documentos de orientação para a indústria e pesquisadores, trabalhos acadêmicos, patentes de propriedade intelectual, emendas regulatórias, programas de manipulação psicológica, desenvolvimentos geopolíticos e outros fatos como eles flutuaram em meu campo de visão.

Acho que a decadência crítica começou por volta de 1983, quando a seção de ‘emergências de saúde pública’ foi adicionada à Lei do Serviço de Saúde Pública de 1944, embora a própria PHSA de 1944 representasse uma militarização adicional da medicina humana nos Estados Unidos.

A maioria das piores leis foram aprovadas desde 2000 – pouco antes do 11 de setembro e dos ataques de antraz de bandeira falsa do Departamento de Defesa dos EUA. Eles estão listados abaixo, com links para o texto completo de cada lei e um breve resumo do que entendo sobre como cada um se encaixa no esquema geral.

O objetivo básico dos arquitetos maquiavélicos, que foi alcançado, era estabelecer condições legais nas quais todo o poder de governo nos Estados Unidos pudesse ser automaticamente transferido dos cidadãos e dos três poderes constitucionais para as duas mãos do Secretário de Saúde e Serviços Humanos, em vigor no momento em que o próprio secretário do HHS declarou emergência de saúde pública, transformando legalmente cidadãos livres em súditos escravizados.

Isso aconteceu em  31 de janeiro de 2020, com vigência de 27 de janeiro de 2020  até os dias atuais.

Em outras palavras:  o Congresso e os presidentes dos EUA legalizaram e financiaram a derrubada da Constituição dos EUA, do governo dos EUA e do povo americano, por meio de um programa massivo de bioterrorismo doméstico renomeado como programa de saúde pública, conduzido pelo Secretário do HHS e pelo Secretário de Defesa em nome da Organização Mundial da Saúde e seus financiadores.

Armas biológicas injetáveis ​​via Vacinas COVID-19 como estudo de caso em bioterrorismo doméstico legalizado e operado pelo governo. Ou: por que não haverá ações civis ou indenizações compensatórias para vítimas feridas ou sobreviventes de vítimas mortas.

Desde que percebi pela primeira vez as implicações dos muitos estatutos do Congresso e regulamentos de saúde e serviços humanos adotados para criar e operar o programa de bioterrorismo, principalmente entre 1997 e o presente, tenho encontrado intermitentemente as citações específicas para cada declaração enquanto pesquisava questões relacionadas.

Algumas declarações são simplesmente deduções lógicas da primeira premissa, corroboradas pelas ações e omissões observáveis ​​dos funcionários da Food and Drug Administration à medida que os ferimentos e mortes observáveis ​​se acumulavam no seio do povo americano.

Outros estão especificamente escritos nas leis, mas ainda não tenho as citações porque priorizei meu tempo de pesquisa investigando outras questões relacionadas ao programa de bioterrorismo.

Estou postando as informações como eu as entendo hoje [9 de junho de 2022], apesar dessas limitações, caso sejam úteis para os leitores que também seguem o Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados da FDA (VRBPAC) reportado por Toby Rogers  , Igor  Chudov ,  Steve Kirsch ,  Jessica Rose e outros.

Eles continuam a aumentar a conscientização e o alarme do público sobre a falha contínua do FDA em proteger o público dos produtos autorizados para uso emergencial (EUA). Mas eles não abordam a principal razão pela qual a FDA está agindo como está.

A FDA não está retirando os produtos do mercado ou interrompendo a campanha de ‘vacinação’ porque o secretário de Saúde e Serviços Humanos, Xavier Becerra, e o comissário da FDA, Robert Califf, estão administrando o programa de bioterrorismo do governo dos EUA em conjunto com o secretário de Defesa Lloyd Austin, o procurador-geral do Departamento de Justiça Merrick Garland, o secretário do Departamento de Segurança Interna, Alejandro Majorkas, o CEO da Pfizer, Albert Bourla, o CEO da Moderna, Stephane Bancel, e o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Premissa Principal

Uso de produtos de contramedidas médicas (MCM) cobertos pelos EUA, incluindo máscaras, testes de PCR, injeções de mRNA e DNA e outros medicamentos, dispositivos e produtos biológicos, uma vez designados como tal pelo Secretário de Saúde e Serviços Humanos (10 de março de 2020, retroativo a 4 de fevereiro de 2020 ) “ não deve ser considerado uma investigação clínica”. 21 USC 360bbb-3(k). Lei FDA EUA, adotada em 1997 e alterada em 2003, 2004, 2005, 2013, 2017.

Isso é verdade, não importa o quão não testados, não monitorados, inseguros ou ineficazes eles sejam, não importa se sua nocividade à saúde humana e inutilidade para o controle de infecções são conhecidas antes do uso ou descobertas posteriormente.

Implicações legais derivadas da premissa principal:

  1. Não há condição de parada.
  2. Os produtos da EUA estão isentos de leis que regulam o uso de drogas experimentais, dispositivos e produtos biológicos em seres humanos.
  3. Os produtos da EUA estão isentos de leis que regulam o uso médico de medicamentos, dispositivos e produtos biológicos aprovados como tratamentos médicos para pacientes.
  4. Não há fabricantes de produtos experimentais (os produtos EUA não fazem parte de nenhuma investigação clínica e, portanto, não são experimentais).
  5. Não há contratos governamentais ou privados para compra de produtos experimentais; existem apenas contratos para ‘ demonstrações de fabricação de vacinas em larga escala ‘.
  6. Não há nenhum ato de administração de quaisquer produtos experimentais.
  7. Não há enfermeiros ou farmacêuticos administrando produtos experimentais.
  8. Não há sujeitos humanos (de experimentos) ou pacientes (de médicos que fornecem tratamento) recebendo produtos experimentais: Não há nenhuma vítima.
  9. Não há parte responsável pelo bem-estar dos receptores após a administração dos produtos dos EUA.
  10. Não há grupo de tratamento e nem grupo de controle.
  11. Os seres humanos que administram produtos dos EUA não têm  obrigações de consentimento informado  para fornecer informações sobre ingredientes, riscos, benefícios, alternativas ou a opção de aceitar ou recusar os produtos. Consulte  21 USC 360bbb-3(e)(1)(A)(ii)) dispensa de consentimento informado para produtos não aprovados (2004); 21 USC 360bbb-3(e)(2)(A) dispensa de consentimento informado para uso não aprovado de um produto aprovado (2004); 21 USC 355(i)(4) que dispensa o consentimento informado para produtos experimentais classificados pelo HHS como medicamentos de ‘risco mínimo’ (2016); 21 USC 360j(g)(3)(D)(i) dispensa de consentimento informado para dispositivos experimentais de ‘risco mínimo’ (2016).
  12. Os seres humanos que recebem produtos da EUA não têm  direitos de consentimento informado  para receber informações sobre ingredientes, riscos, benefícios, alternativas ou a opção de aceitar ou recusar os produtos. Veja citações, ponto acima.
  13. Não há Conselhos de Revisão Institucional supervisionando a administração dos produtos “experimentais”.
  14. Não existem normas de segurança para produtos EUA.
  15. Não há padrão de eficácia para produtos EUA. Consulte  21 USC 360bbb-3(c)(2)(A), 1997, 2003, 2004, re: ‘pode ser eficaz’.
  16. Não há investigadores clínicos estudando os efeitos dos produtos EUA em seres humanos.
  17. Não há médicos, enfermeiras ou outros provedores de tratamento fornecendo tratamento experimental para seus pacientes sujeitos ao Juramento de Hipócrates (“primeiro não cause dano”) usando produtos EUA.
  18. Não há monitoramento coordenado, público e federal do governo federal dos receptores após o recebimento dos produtos para efeitos adversos e mortes.
  19. Não há coleta ou análise coordenada, pública e de dados do governo federal.
  20. Não há exigência legal de supervisão médica durante a administração do produto.
  21. Não há exigência legal de monitoramento do destinatário após a administração do produto.
  22. ‘Evidência do mundo real’ — administração em massa de produtos para o público em geral, seguida pela coleta de informações privadas/proprietárias sobre os efeitos, de sistemas de seguro saúde, bancos de dados governamentais (Medicare, Medicaid, Defense Medical Epidemiology Database, Veterans Health Administration) e outros bancos de dados privados – é autorizado para fins de decisões regulatórias da FDA. Consulte  21 USC 355g. 2016.
  23. Não há exigência de que prescrições individuais sejam escritas antes de dispensar produtos EUA, e os produtos dispensados ​​sem prescrições “não devem ser considerados adulterados ou com marca incorreta”. Consulte  21 USC 360bbb-3a(d). 2013.
  24. Os fabricantes, como contratados, são considerados funcionários do HHS para fins de imunidade legal sob a Lei Federal de Reivindicações de Responsabilidade Civil. Consulte  42 USC 247d-6a(d)(2)(A).
  25. O DoD está autorizado a contratar empresas farmacêuticas para realizar experimentos ‘protótipos’ no público em geral e, sob tais contratos, está isento da obrigação legal de cumprir as Boas Práticas Clínicas ou outros regulamentos da FDA. Consulte  10 USC 2371b (2015), renumerado 10 USC 4022 (1º de janeiro de 2021, efetivo em 1º de janeiro de 2022)
  26. Um dos fatores a serem considerados pelo secretário do HHS ao fazer determinações sobre produtos EUA (contramedidas de segurança qualificadas) e uso de apropriações do Fundo de Reserva Especial/Estoque Nacional Estratégico para adquiri-los é “se há falta de um mercado comercial significativo para o produto no momento da aquisição, exceto como uma contramedida de segurança.” Consulte  42 USC 247d-6b (c)(5)(B)(iii)
  27. Não há padrões exigidos para controle de qualidade na fabricação; nenhuma inspeção dos procedimentos de fabricação; nenhuma proibição de ampla variabilidade entre lotes; nenhuma proibição de adulteração; e nenhuma conformidade exigida com as Boas Práticas de Fabricação Atuais. Os produtos da EUA, embora não regulamentados e não padronizados, “não devem ser considerados adulterados ou com marca incorreta”. Consulte  21 USC 360bbb-3a(c). 2013.
  28. Não há requisitos de rotulagem em relação ao conteúdo ou ingredientes dos produtos EUA. 21 USC 360bbb-3(e)(2)(B)(ii). 2004.
  29. Não há limitação de administração de produtos EUA após suas datas de vencimento.
  30. Não pode haver fraude em ensaios clínicos, porque não há investigações clínicas, medicamentos experimentais, investigadores e seres humanos.
  31. Não há padrões de marketing.
  32. Não pode haver fraude contra o consumidor, porque as únicas partes legais nas transações financeiras são o governo dos EUA (DoD) como comprador; o governo dos EUA (HHS) como regulador que autoriza isenções das leis de proteção ao consumidor que, de outra forma, se aplicam a produtos médicos; e as corporações farmacêuticas como vendedores, contratados para desenvolver e fabricar os produtos. Não há produtos farmacêuticos comerciais, mercado comercial e consumidores no mercado comercial.
  33. Não há acesso aos tribunais para revisão judicial dos fatos ou da lei relacionados às declarações do Secretário do HHS de produtos EUA, que estão comprometidos com o critério da agência. Consulte  42 USC 247d-6d(b)(7). 2005.
  34. Não há acesso para os demandantes, aos tribunais civis para revisão judicial e nenhuma entidade a quem a responsabilidade civil possa ser atribuída, por lesões e mortes causadas por contramedidas cobertas declaradas, a menos e até que o FDA/HHS e/ou Procurador-Geral/DOJ arquivem ação de execução contra os fabricantes e provar má conduta intencional próximo a lesão ou morte, mas HHS e DOJ operaram o programa de produtos EUA junto com os fabricantes desde o início e não processarão seus co-conspiradores. Consulte  42 USC 247d-6d. 2005.
  35. Mesmo que houvesse acesso aos tribunais para revisão judicial e um investigador encontrasse evidências de danos causados ​​pela administração de produtos aos destinatários, e mesmo evidências de que aqueles que causaram os danos, ao desenvolver, fabricar, distribuir e/ou administrar os produtos, sabiam que os produtos dos EUA eram tóxicos e sabiam que suas próprias ações eram prejudiciais, “apenas seguir ordens” é uma defesa legal autorizada. Consulte  42 USC 247d-6d(c)(4). 2005.

Resumo:

Não há ações que possam ser legalmente classificadas como crimes ou responsabilidade civil; não há agressão médica ou vítimas de homicídio, ou autores; e não há espancadores médicos ou assassinos. Porque legalmente, nada foi feito, e ninguém fez nada, a mais ninguém.

O loop recursivo pode ser infinito, pois as contramedidas cobertas são desenvolvidas, autorizadas e implantadas, por meio de declarações do Secretário do HHS dos EUA, como tratamentos para complicações de contramedidas anteriores.

Certifique-se de ler o relatório completo de Watt para saber mais.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth