Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Planos Estratégicos Irã-China avançam a todo vapor: Raisi em visita à Xi Jinping em Pequim

A visita de Raisi a Pequim, a primeira de um presidente iraniano à China em 20 anos, representa o “Pivot to the East” de Teerã e o reconhecimento da China da centralidade do Irã em seus planos de expansão da iniciativa One Belt, One Road, a iniciativa Belt and Road Initiative (BRI), uma Nova Rota da Seda. O fato de Raisi e Xi terem supervisionado conjuntamente a assinatura de 20 acordos bilaterais de cooperação que vão desde agricultura, comércio, turismo e proteção ambiental à saúde, socorro a desastres, cultura e esportes, não é nem mesmo o principal ponto do encontro.

Planos Estratégicos Irã-China avançam a todo vapor: Raisi em visita à Xi Jinping em Pequim:

Fonte: The Cradle – Por Pepe Escobar

A visita do presidente iraniano Ebrahim Raisi a Pequim e seu encontro cara a cara com o colega Xi Jinping é um caso inovador em mais de uma maneira.

Raisi, o primeiro presidente iraniano a visitar oficialmente a China em 20 anos, liderou uma delegação política e econômica de altíssimo nível, que incluiu o novo governador do Banco Central e os ministros da Economia, Petróleo, Relações Exteriores e Comércio.

O fato de Raisi e Xi terem supervisionado conjuntamente a assinatura de 20 acordos bilaterais de cooperação que vão desde agricultura, comércio, turismo e proteção ambiental à saúde, socorro a desastres, cultura e esportes, não é nem mesmo o principal ponto negativo.

O selamento cerimonial desta semana da parceria estratégica abrangente  Irã-China marca uma evolução fundamental na esfera da multipolaridade: dois Soberanos – ambos também ligados por parcerias estratégicas com a Rússia – imprimindo a seus públicos domésticos e também ao Sul Global sua visão de um mundo mais igualitário, justo, dinâmico e sustentável do século XXI que ignora completamente os ditames ocidentais [e seus psicopatas, velhos senis, oligarcas, et caterva].

Pequim e Teerã estabeleceram sua parceria estratégica abrangente pela primeira vez quando Xi visitou o Irã em 2016 – apenas um ano após a assinatura do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), ou acordo nuclear iraniano.

Em 2021, Pequim e Teerã assinaram um acordo de cooperação de 25 anos que traduziu a parceria abrangente em desenvolvimentos econômicos e culturais práticos em vários campos, especialmente energia, comércio e infraestrutura. Até então, não apenas o Irã (por décadas), mas também a China estavam sendo alvo de sanções unilaterais dos EUA.

Aqui está uma análise relativamente independente dos desafios e perspectivas do acordo de 25 anos.  E aqui está uma perspectiva esclarecedora do vizinho Paquistão, também um parceiro estratégico da China.

O Irã tem que modernizar tudo

Pequim e Teerã já estão cooperando ativamente na construção de linhas selecionadas do metrô de Teerã, da ferrovia de alta velocidade Teerã-Isfahan e, é claro, de projetos conjuntos de energia. A gigante de tecnologia chinesa Huawei está pronta para ajudar Teerã a construir uma estrutura para uma rede de telecomunicações 5G.

Raisi e Xi, previsivelmente, enfatizaram o aumento da coordenação conjunta na ONU e na Organização de Cooperação de Xangai (SCO), da qual o Irã é o mais novo membro, bem como um novo impulso ao longo da Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), a Nova Rota da Seda.

Embora não tenha havido menção explícita a isso, subjacente a todas essas iniciativas está a desdolarização do comércio – no âmbito da SCO, mas também no grupo multipolar de estados BRICS. O Irã está prestes a se tornar um dos novos membros do BRICS+, um passo gigantesco a ser decidido em sua próxima cúpula na África do Sul em agosto próximo.

Há estimativas em Teerã de que o comércio anual Irã-China pode chegar a mais de US$ 70 bilhões no médio prazo, o que representará o triplo dos números atuais.

Quando se trata de construção de infraestrutura, o Irã é um parceiro chave da BRI. A geoestratégia é difícil de igualar: um extenso litoral de 2.250 km abrangendo estratégicas regiões do planeta, como o Golfo Pérsico, o Estreito de Ormuz, o Mar de Omã e o Mar Cáspio – e enormes fronteiras terrestres com o Iraque, Turquia, Armênia, Azerbaijão, Turcomenistão, Afeganistão e Paquistão. Todo think tank na China vê como o Irã é insubstituível, não apenas em termos de corredores terrestres da BRI, mas também da Rota Marítima da Seda.

O porto de Chabahar pode ser o principal caso Irã-Índia, como parte do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC) – portanto, diretamente ligado à visão indiana de uma Rota da Seda, estendendo-se à Ásia Central.

Mas os desenvolvedores portuários chineses têm outras ideias, focadas em portos alternativos ao longo do Golfo Pérsico e no Mar Cáspio. Isso aumentará as conexões marítimas para a Ásia Central (Turquemenistão e Cazaquistão), Rússia e Cáucaso (Azerbaijão).

E isso faz todo o sentido quando se combina o desenvolvimento de terminais portuários com a modernização das ferrovias iranianas – até o trem de alta velocidade.

Um desenvolvimento ainda mais revolucionário seria a China coordenando a conexão BRI de um corredor iraniano com o já em andamento Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC) de 3.200 km de extensão, de Kashgar em Xinjiang ao porto de Gwadar no Oceano Índico.

Isso parecia perfeitamente plausível quando o primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, ainda estava no poder, antes de ser deposto por um golpe legal [CIA et caterva]. A chave de todo o empreendimento é construir uma infraestrutura extremamente necessária no Baluchistão, em ambos os lados da fronteira. Do lado paquistanês, isso ajudaria muito a esmagar os “insurgentes” alimentados pela CIA, do tipo Exército de Libertação do Baluchistão, acabar com o desemprego e colocar o comércio no comando do desenvolvimento econômico.

O Afeganistão, é claro, entra na equação – na forma de um corredor China-Afegão-Irã ligado ao CPEC.  Desde setembro de 2021, Pequim explicou ao Talibã, em detalhes, como eles podem lucrar com um corredor de infraestrutura – completo com ferrovia, rodovia e oleoduto – de Xinjiang, através do corredor Wakhan no leste do Afeganistão, através do Hindu Kush, por todo o caminho para o Irã.

O núcleo da multipolaridade

O Irã está perfeitamente posicionado para um boom econômico impulsionado pela China no transporte ferroviário de carga de alta velocidade, conectando o Irã à maior parte da Ásia Central (Cazaquistão, Turcomenistão, Tadjiquistão, Quirguistão).

Isso significa, na prática, conectividade com um importante cluster logístico: a Zona Econômica Especial (ZEE) de Khorgos, a apenas 330 km de Almaty, na fronteira Cazaquistão-China, e a apenas quatro horas de Urumqi, capital de Xinjiang.

Se a China conseguir isso, seria uma espécie de Santo Graal do BRI, interconectando a China e o Irã via Cazaquistão, Turcomenistão, Afeganistão e Paquistão. Nada menos que vários corredores em um. Tudo isso está prestes a acontecer quando a Revolução Islâmica no Irã comemora seu 44º aniversário.

O que já está acontecendo agora, geopolítica e plenamente reconhecido pela China, pode ser definido como a rejeição total de um absurdo: o ocidente coletivo tratando o Irã como um pária ou, na melhor das hipóteses, como uma neocolônia subjugada, um país que tem origem na Pérsia antiga enquanto os europeus ainda chafurdavam na lama.

Com as diversas vertentes da Resistência embutidas na Revolução Islâmica finalmente consolidadas, parece que a história está finalmente impulsionando o Irã como um dos pólos-chave do processo mais complexo em andamento no século XXI: a integração econômica da Eurásia.

Assim, 44 anos após a Revolução Islâmica, o Irã desfruta de parcerias estratégicas com os três principais BRICS: China, Rússia e Índia.

Com probabilidade de se tornar um dos primeiros novos membros do BRICS+, o Irã é o primeiro estado da Ásia Ocidental a se tornar um membro pleno da SCO e está fechando um Acordo de Livre Comércio (FTA) com a União Econômica da Eurásia (EAEU).

O Irã é um importante parceiro estratégico da BRI, liderada pela China, e do INSTC, ao lado da Rússia e da Índia. Com o tratado JCPOA praticamente morto e todas as “promessas” ocidentais comendo poeira, Teerã está consolidando seu pivô de volta para o leste a uma velocidade vertiginosa.

O que Raisi e Xi selarem em Pequim anuncia a preeminência chinesa em toda a Ásia Ocidental – claramente percebida em Pequim como uma consequência natural de reconhecer e honrar a centralidade regional do Irã.

A estratégia “Look East” do Irã não poderia ser mais compatível com a BRI – já que uma série de projetos da BRI acelerará o desenvolvimento econômico do Irã e consolidará seu papel inescapável quando se trata de corredores comerciais e como fornecedor de energia.

Durante a década de 1980, Teerã foi governada por uma estratégia de “nem leste nem oeste” – fiel aos princípios da Revolução Islâmica. Isso agora evoluiu, pragmaticamente, para “Look East”. Teerã tentou “olhar para o oeste” de boa fé, mas o que o governo dos EUA fez com o JCPOA – desde seu assassinato até “pressão máxima” até sua ressuscitação abortada – foi uma lição histórica.

O que Raisi e Xi acabaram de demonstrar em Pequim é o caminho soberano a seguir. Os três líderes da integração da Eurásia – China, Rússia e Irã – caminham rapidamente para consolidar o núcleo da multipolaridade.  

Pepe Escobar, nascido no Brasil, é correspondente e editor-geral do Asia Times e colunista do Consortium News and Strategic Culture. Desde meados da década de 1980, ele viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Bruxelas, Los Angeles, Cingapura, Bangkok. Ele cobriu extensivamente o Paquistão, Afeganistão e Ásia Central para a China, Irã, Iraque e todo o Oriente Médio. Pepe é o autor de Globalistan – How the Globalized World is Dissolving into Liquid War; do Red Zone Blues, a snapshot of Baghdad during the surge um instantâneo de Bagdá durante o surto. Ele estave contribuindo como editor para The Empire e The Crescent e Tutto in Vendita na Itália. Seus dois últimos livros são Empire of Chaos e 2030. Pepe também está associado à Academia Europeia de Geopolítica, com sede em Paris. Quando não está na estrada, vive entre Paris e Bangkok. Ele é um colaborador regular da Global Research, The Cradle, The Saker e da Press TV.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na Guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *