Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Por que a plutocracia do Fórum Econômico Mundial-WEF deve ser dissolvida

Não importa quão [PSEUDO] nobres sejam suas intenções declaradas, o “Great Reset – Grande Reinicialização” é, em sua essência, um programa para tomar o poder político de cidadãos individuais e levá-lo em direção aos interesses controladores de uma pequena classe internacional de oligarcas inescrupulosos e psicopatas… Para que os cidadãos reivindiquem o poder, eles devem não apenas abraçar os fundamentos do livre mercado mais uma vez, mas também reavivar o gosto por questionar as motivações das [pseudo] autoridades políticas.

Por que a plutocracia do Fórum Econômico Mundial-WEF deve ser dissolvida

Fonte: Gatestoneinstitute.org

Um ensaio anterior destacou as sérias ameaças representadas pela “Grande Reinicialização” do Fórum Econômico Mundial à liberdade individual, inovação humana e prosperidade geral. É importante expandir a discussão dessas ameaças examinando os perigos inerentes às nações livres quando tanta riqueza está concentrada nas mãos de tão poucos.

Não importa quão nobres sejam suas intenções declaradas, o ” Grande Reinicialização ” é, em sua essência, um programa para afastar o poder político dos cidadãos individuais e em direção aos interesses controladores de uma pequena classe internacional de elites financeiras. Essa mudança no equilíbrio de poder da sociedade mudou fundamentalmente a relação entre os cidadãos ocidentais e seus governos nacionais. Para que os cidadãos recuperem o poder, eles devem não apenas abraçar os fundamentos do livre mercado mais uma vez, mas também reavivar o gosto por questionar as motivações das autoridades políticas.

De todas as defesas persuasivas de Lord Acton da liberdade individual como o fim mais elevado da civilização humana, uma observação permanece mais memorável: “O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente”. Por mais conhecidas que sejam essas palavras, a universalidade de seu significado é muitas vezes ignorada. Não são apenas reis, generais e papas que possuem grande poder. 

Onde quer que uma pessoa, grupo ou instituição seja capaz – por sedução, coerção ou força bruta – de dobrar o livre arbítrio de um indivíduo, as estruturas e os instrumentos de poder existem. Afinal, um conselho escolar local pode ter influências mais imediatas e íntimas sobre a família de uma pessoa do que o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas e sua porta giratória de déspotasque tendem a promulgar resoluções internacionais que protegem seus próprios crimes. Um rico proprietário de terras que exerce forte influência sobre os mercados agrícolas ou de gado também influencia as fortunas de bolso dos agricultores mais modestos. 

O pequeno número de corporações multinacionais que controlam a maioria das fontes de notícias impressas e televisivas das pre$$tituta$ em todo o mundo também controlam as alavancas sociológicas capazes de fabricar, moldar, controlar, manipular e mudar a opinião pública. O poder em qualquer forma – político, econômico, cultural, espiritual – é um desafio permanente à liberdade humana e, dessa forma, deve sempre ser protegido como um inimigo em potencial.

Também é verdade que aqueles que detêm o poder têm pouco incentivo para verificar o que possuem e têm todos os incentivos para crescer e fortalecer os poderes que já estão ao seu alcance. Raro, de fato, é o Cincinnatus ou Washington que ganhou controle quase total sobre um estado-nação apenas para renunciar voluntariamente a essa tremenda autoridade e retornar com humildade à vida de um agricultor comum. 

Exemplos de autocontrole virtuoso são exceções históricas à tendência inata do poder de se tornar ainda mais cobiçado uma vez obtido. Assim, também, é incomum encontrar aqueles que detêm o poder bruto que proclamam impiedosamente ou de forma bombástica seu domínio sobre os outros. Em vez disso, pessoas e instituições com poder preferem permanecer um pouco nas sombras, exercendo autoridade em nome de ideias, causas ou populações além de si mesmas.

“O bem-estar do povo”observou Albert Camus sucintamente , “… sempre foi o álibi dos tiranos.” Os grandes assassinos em massa do século XX atestam essa verdade. Lenin, Stalin, Hitler, Pol Pot e Mao mataram dezenas de milhões, mas o fizeram, asseguraram o mundo, não para sua própria glória, mas para o benefício do “povo”. Castro e Guevara executaram dezenas de milhares de presos políticos enquanto alegavam absurdamente que o fizeram em nome da “liberdade”.

“A maior parte do mal neste mundo”, diz-se que TS Eliot advertiu friamente, “é feito por pessoas com boas intenções”. Então, quando pessoas ou instituições se vestem de “boas intenções” e proclamam em voz alta que estão trabalhando pelos “melhores interesses do povo”, é precisamente nesse momento que a liberdade individual está em maior risco.

Hoje, no Ocidente, somos confrontados com um paradoxo desconfortável. Ao mesmo tempo em que os líderes nacionais defendem vagas noções de “democracia” contra ameaças “autoritárias” além de suas fronteiras, poder e influência continuam a se amalgamar rapidamente nas mãos de uns poucos. Não é segredo que o dinheiro influencia a política, não importa quão profusamente os políticos possam afirmar sua independência cívica dos lobistas e benfeitores que enchem seus baús de guerra de campanha. 

Com organizações como o Fórum Econômico Mundial trabalhando abertamente para dirigir os programas legislativos e as ações executivas dos estados-nação em todo o mundo, no entanto, os patronos ricos das sociedades econômicas de elite tornaram-se cada vez mais vocais sobre suas ambições de refazer o mundo de acordo com seus próprios projetos de “Grande Reinicialização” – enquanto flexionam seus músculos políticos dentro do assuntos internos de estados-nação discretamente para os cidadãos comuns os notarem.

Klaus (Rothschild) Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial, apareceu com David Gergen em 2017 na John F. Kennedy School of Government de Harvard e se gabou abertamente de sua influência sobre muitos líderes nacionais:

“Devo dizer que quando menciono nomes como Merkel, até Vladimir Putin e assim por diante, todos eles foram Jovens Líderes Globais do Fórum Econômico Mundial, mas o que estamos realmente orgulhosos agora é a geração jovem como o primeiro-ministro Trudeau, o presidente da Argentina e assim por diante. Então nós penetramos nos gabinetes. Então ontem eu estava em uma recepção para o primeiro-ministro Trudeau, e eu sei que metade de seu gabinete ou até mais são Jovens Líderes Globais do Fórum Econômico Mundial… . É verdade na Argentina e é verdade na França agora….”

Quando o presidente de um organismo econômico internacional se gaba publicamente de sua influência sobre os líderes de Estados-nação soberanos, dificilmente ele pode ser confundido com a defesa dos méritos da “democracia” e os interesses dos povos governados por estes mesmos pseudo líderes.

Em uma demonstração um tanto ridícula do controle do Fórum Econômico Mundial sobre nações individuais, tornou-se assustadoramente comum nos últimos dois anos ouvir os líderes do Reino Unido, França, Alemanha, Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Estados Unidos repetindo como meros papagaios que são o mesmo mantra “Construir de volta melhor-Build Back Better” propagado pelo clube do WEF de Klaus Schwab. Com a riqueza e o poder político fortemente ligados a essas cabalas de oligarcas bilionários, as prerrogativas insulares do WEF conseguiram dominar as políticas governamentais em todo o (Hospício do) Ocidente.

Tanto no tratamento imediato da pandemia do COVID-19 quanto na resposta planejada às duras repercussões econômicas decorrentes de bloqueios e lockdowns prolongados, os estados-nações ocidentais seguiram muitas de suas sugestões diretamente dos editais de política do Fórum Econômico Mundial. Qualquer que seja o vestígio de “democracia” ainda lança uma sombra na América do Norte, Europa e Pacífico Sul, tornou-se inconfundível que a plutocracia – governada por uma elite rica de oligarcas, em sua maioria psicopatas – está assumindo rapidamente o controle total sobre o futuro do Ocidente.

Notavelmente, os plutocratas de hoje têm pouco interesse em mercados verdadeiramente livres. Ao contrário de JD Rockefeller, Andrew Carnegie, JP Morgan e outros industriais e magnatas do final do século XIX que fizeram fortuna no auge do crescimento econômico antes da expansão maciça do Estado regulador, aqueles com grande riqueza hoje muitas vezes defendem a intervenção do governo em mercados. O Fórum Econômico Mundial, por exemplo, exige que os governos tomem medidas urgentes para combater ou abordar as mudanças climáticas , a segurança cibernética, desinformação online, inteligência artificial, a superpopulação, o uso de energia de hidrocarbonetospropriedade de fazendassuprimentos de alimentos, a eliminação da propriedade de veículos particulares e a imposição de  protocolos de controle dos cidadãos para se defender contra futuras pandemias. A regulação de pessoas e mercados é agora de suma importância para aqueles com riqueza e poder.

Por sua natureza, os regulamentos (que são indistinguíveis dos impostos nesse sentido) tornam o custo de fazer negócios mais caro e beneficiam mais ainda os oligarcas monopolistas abastados às custas de quaisquer Davis iniciantes que ameacem suas posições no mercado. Quando a uber-elite influencia com sucesso os políticos a promulgar leis que beneficiem seus interesses financeiros pessoais – uma prática corrupta conhecida como “captura regulatória” – eles distorcem a dinâmica normal de qualquer mercado livre. Quando os governos impõem formas mais caras de energia “limpa” em todo o mercado, por exemplo, corporações ricas capazes de suportar esses custos adicionais colhem os benefícios auxiliares de devorar a participação de mercado abandonada por concorrentes menores incapazes de sobreviver. Isso é por design.

Ao utilizar a lei e a regulamentação como espada e escudo para impedir que concorrentes em potencial entrem no mercado enquanto expandem o poder de monopólio, os plutocratas usam o clientelismo político e os objetivos políticos da moda disfarçando o interesse próprio para manter e aumentar a sua própria riqueza e controle. Mudanças climáticas, saúde pública, abastecimento sustentável de alimentos – a questão da política pública nunca é nada mais do que um expediente cavalo de Troia para os mais ricos do Ocidente usarem cinicamente em um esforço para manter o controle sobre a sociedade da qual extraem suas riquezas.

Essa fusão entre interesses endinheirados e poder governamental criou uma espécie de fascismo reverso. Em vez de algum líder político carismático nos moldes de um Benito Mussolini exigindo que os titãs da indústria sigam seus comandos em benefício do Estado e no interesse do povo, uma nova classe de plutocratas agora dirige a direção das políticas nacionais e paga os políticos para se certificarem de que as pessoas irão cumprir suas determinações e programas.

Notavelmente, os plutocratas de hoje assumem uma posição quase idêntica à dos comunistas tradicionais ao afirmar que o “bolo econômico” é tão grande e, portanto, só pode ser dividido entre uma população crescente em porções cada vez menores, mas nunca pode ser realmente ampliado. Quando a riqueza econômica é vista como finita, impedir que outros adquiram prosperidade pessoal é necessário para manter o status quo do poder político e econômico. Quando a competição de mercado é permitida para aumentar a riqueza em perpetuidade, no entanto, não apenas uma parcela crescente da população aumenta sua riqueza, mas também o poder político se espalha mais difusamente.

Quando a “maré crescente” do livre mercado tem permissão para “levantar a vela de todos os barcos”, nem o plutocrata nem o politburo comunista têm tanta influência. Por essa razão, comunistas e plutocratas compartilham um objetivo semelhante – minimizar a prosperidade da maioria dos cidadãos, enquanto maximiza o poder político de uma pequena minoria de funcionários do governo. Sob o comunismo, esse tipo de arranjo de poder assume a forma de uma oligarquia, ou governo de uns poucos. Sob o tipo de oligarquia do Fórum Econômico Mundial, onde os mais ricos do Ocidente manipulam governos controlados centralmente, o resultado é comprovadamente plutocrático .

Para os plutocratas, os mercados livres reais são uma ameaça ao seu controle habitual sobre o poder político. Quando existem mercados reais, a inovação humana sem fim derruba regularmente a posição de mercado de qualquer empresa. O líder da indústria de ontem pode falir rapidamente se o inventor novato de hoje projetar um produto concorrente melhor ou mais barato. A destruição criativa está no centro do crescimento do livre mercado. Quando a inovação de produto é entendida como a maior variável única para gerar sucesso econômico de longo prazo, é fácil entender como é difícil ficar à frente do mercado por qualquer período de tempo. Rara é a empresa que consegue inovar com tanta eficiência ano após ano que sobrevive por décadas ou mais.

É claro que é por isso que tanto capital é investido em pesquisa e desenvolvimento na busca constante da “próxima grande novidade”. É também por isso que corporações e investidores privados diversificam suas participações para que ainda possam se beneficiar financeiramente, mesmo quando a inovação bem-sucedida ocorre longe de seus domínios. Quando os gigantes corporativos habilmente evitam suas próprias mortes financeiras iminentes por meio de influência política e captura regulatória, no entanto, eles enganam os mercados às custas do público em geral. Quando esse caminho alternativo, ainda que corrupto, para a riqueza permanente se torna o modelo para o “sucesso” econômico, a inovação criativa fica permanentemente em segundo plano em relação à influência da política bruta. O “poder absoluto”, em outras palavras, ainda “corrompe absolutamente”.

Para que a liberdade individual floresça, as forças concorrentes devem sempre contrabalançar o poder concentrado de qualquer forma. Quando o monopólio econômico é usado para criar um controle plutocrático sobre a política governamental, torna-se imperativo que a sociedade libere todo o potencial das forças do mercado para destruir o poder e a riqueza prolongados e incentivar a prosperidade mais ampla.

Os passos para alcançar tal resultado não são diferentes hoje do que eram quando Adam Smith publicou pela primeira vez A Riqueza das Nações .em 1776. Fontes de energia baratas e abundantes reduzem os custos iniciais de construção de um negócio. A tributação mínima que não procura confiscar a riqueza nem punir a inovação bem-sucedida produz um suprimento inesgotável de talentos e energias criativas.  A regulamentação limitada mantém os custos das transações de mercado baixos. 

O respeito pela propriedade privada e a aplicação justa e imparcial das leis comerciais incentivam o investimento de capital. Abster-se de tributar os frutos do trabalho de um indivíduo promove uma força de trabalho exponencialmente mais produtiva. Fornecer às populações as ferramentas para buscar e obter conhecimentos e habilidades com um custo mínimo promove não apenas uma força de trabalho educada, mas também cidadãos politica e moralmente competentes.

Não parece coincidência, então, que cada uma dessas prescrições políticas esteja hoje frustrada ou subvertida. O intervencionismo político precipitou uma crise energética ocidental. Ao fazer campanha para a presidência dos Estados Unidos em 2008, Barack Obama insistiu que aumentaria os impostos mesmo que isso acabasse diminuindo as receitas públicas totais, porque a adoção de tal política era apenas “justa“.

Agências reguladoras e autoridades fiscais reivindicam jurisdição sobre todos os elementos da indústria, produção e distribuição de produtos. Dezenas de milhares de leis, regras e regulamentos tornam quase impossível para qualquer empreendedor navegar nos mercados sem cometer infrações inadvertidamente ou se tornar um alvo futuro de um exército cada vez maior de aplicadores de códigos regulatórios.

Os cidadãos são tributados sobre seus salários, rendimentos, compras, propriedades, investimentos, melhorias, vendas, etc e propriedades . A mesma unidade de trabalho é assim tributada repetidamente ao longo da correia transportadora de confisco do governo.

Por fim, em uma era de correção política desenfreada e cultura de anulação do “acordado”, doutrinação e dogma político suplantaram a educação básica. A matemática, a ciência, a história e a filosofia foram diluídas para dar espaço a tolices ideológicas, muitas vezes destinadas a dividir os alunos uns contra os outros. O efeito combinado e natural de toda essa má conduta patrocinada pelo governo foi que a mobilidade social intergeracional nos Estados Unidos, outrora impressionantemente robusta,  despencou .

Quem se beneficia quando os fundamentos mais básicos para criar prosperidade são negados à maioria dos cidadãos? Bem, aqueles que estão no poder se beneficiam porque, manipulando o sistema a seu favor e institucionalizando hábitos destrutivos, pouquíssimas pessoas que podem desafiar seu domínio chegam a subir o suficiente para fazê-lo. A plutocracia vence. A cabala insular e egoísta das elites ricas dos oligarcas que povoam o Fórum Econômico Mundial acaba vencendo. A grande maioria dos cidadãos ocidentais, no entanto, perde substancialmente… repetidamente.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *