browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Por que (Hospício do) Ocidente não conseguiu a Adesão do Resto do Mundo em seu Confronto com a Rússia

Posted by on 05/07/2022

O recente festival (do Hospício dos psicopatas) da grande política ocidental – que começou com uma reunião do Conselho Europeu, continuou com a Cúpula do G7 e terminou com uma grande reunião da OTAN – oferece muitas coisas para se pensar sobre o destino do mundo. Na superfície, o que vimos é impressionante: o (Hospício do) Ocidente está mostrando uma “aparente” unidade sem precedentes diante da campanha russa na Ucrânia e nas sanções adotadas contra o urso eslavo.

O bloco de países liderado pelos EUA não oferece mais o único modelo viável de desenvolvimento aos demais países, o que significa que sua capacidade de impor sua vontade e AGENDA está diminuindo.

Fonte: Rússia Today – Por Fyodor Lukyanov

A América reuniu quase todos os seus aliados. Neste momento, da Austrália à Noruega, de Singapura a Portugal e do Japão à Islândia, a agenda é a mesma – impedir o sucesso do presidente russo Vladimir Putin, que representa uma rejeição da chamada ‘[des]ordem baseada em regras[corrupção generalizada].

A brutalidade e a irreversibilidade do que está acontecendo na Ucrânia confere à situação o caráter de uma escolha moral. Quase todas as declarações dos líderes ocidentais se referem a um confronto entre “civilização [ocidente] e a barbárie [a Rússia]”. Assim, eles acreditam, não deve haver dúvida a nenhum pais sobre qual lado tomar.

A comunidade ocidental atingiu agora a capacidade máxima – seu flanco europeu (membros da UE e da OTAN, mais Ucrânia e Moldávia), seu clube asiático (Coreia do Sul, Japão e Cingapura pararam de vacilar e tomaram o lado ‘certo’), a dupla Oceania [Austrália e Japão] e claro, a América do Norte. O ‘MUNDO LIVRE’ nunca foi tão vasto.

Isso levanta uma questão séria, no entanto. O Ocidente atingiu seu limite natural além do qual a expansão não é mais possível? E se sim, o que isso significa para a geopolítica?

De fato, o tema dos limites da influência ocidental decorre do notório conceito de ‘fim da história’, que já está tão desgastado que é até inconveniente trazê-lo à tona. No entanto, é apropriado neste contexto.  As reflexões de Francis Fukuyama (ele foi recentemente proibido de entrar na Rússia, por acaso) o levaram a concluir que, com o colapso da alternativa comunista, a única questão que restava era quando e quão indolor o modelo econômico e sociopolítico ocidental – que tinha provado suas virtudes no confronto com a URSS – se espalharia para o resto do mundo. O autor admitiu que não seria sem problemas, mas em geral, a direção foi determinada de uma vez por todas.

Como as coisas realmente aconteceram após o colapso da URSS em 1991 é bem conhecido, e apesar do fato de que inúmeras crises nos países desenvolvidos obscureceram a visão do caminho esperado de desenvolvimento, o sistema foi preservado – e ninguém ainda chegou perto disso. o mundo ocidental em termos de bem-estar e conforto. E a mídia ocidental pre$$titute$ ainda tem quase o monopólio de determinar [impor a falsa] a imagem do que está acontecendo em escala global. Isso significa que ele tem uma grande vantagem inicial. Mas parece que o seu limite [de fabricar propaganda] foi atingido.

Talvez a principal surpresa resultante dos acontecimentos dos últimos meses seja que o Ocidente não conseguiu engajar grande parte do mundo em uma frente unida contra a Rússia – as exceções são aqueles que já fazem parte do Ocidente e alguns que desejam se juntar apaixonadamente ao clube.

Isso é inesperado, já que poucas pessoas aprovam as ações da Rússia na Ucrânia. Moscou está lidando com problemas que são aparentemente irrelevantes para qualquer pessoa além de si mesma, e os métodos duros e as consequências humanitárias do conflito não despertam muita simpatia de fora. Em outras palavras, objetivamente, o Ocidente tem uma excelente chance de conquistar a maior parte do resto do mundo ao assumir a linha de que sua causa aqui é sobre a oposição à barbárie.

Mas isto não esta acontecendo. Por quê? Há talvez três razões principais.

Em primeiro lugar, o mundo não ocidental {OTAN/Japão, Australia, Coreia do Sul e outros lacaios] sabe perfeitamente que as guerras no planeta nunca pararam, inclusive nos últimos 30 anos, e as declarações dos Estados da UE sobre a era de “harmonia e prosperidade” que Putin interrompeu são percebidas como egoísmo e muita hipocrisia. Dizer às pessoas no Oriente Médio, por exemplo, que a Rússia violou todos os padrões morais concebíveis é, para dizer o mínimo, difícil à luz do que a região experimentou desde o fim da Guerra Fria com os sucessivos conflitos na região patrocinados pelos EUA e seus aliados.

Em segundo lugar, a maioria no antigo terceiro mundo vê os eventos atuais como a culminação de um conflito de longa data relacionado às políticas assertivas dos EUA e seus aliados em relação aos territórios diretamente adjacentes à Rússia. A atitude deles é algo como: ‘O que você esperava que acontecesse quando você provocou o urso eslavo ?’

Finalmente, a reação da maioria dos povos do planeta ilustra sua irritação com o Ocidente como um todo. É percebido como um hegemon com uma história colonial que está sempre abusando de seus poderes. A razão não é o apoio às ações da Rússia, mas a oposição às tentativas do Ocidente de impor sua vontade a outros países, o que muitas vezes prejudica seus próprios interesses. Além disso, a schadenfreude [alegria maliciosa] sobre as tentativas fracassadas dos Estados Unidos de impor sua vontade [e agendas] aos demais países do globo compensa quaisquer dúvidas sobre a legitimidade das ações de Moscou.

Em outras palavras, não se trata de simpatia pela Rússia, mas antipatia pelo [hospício do] Ocidente.

Os líderes [marionetes políticos] ocidentais estão surpresos e alarmados com essa situação. Se os apelos iniciais para aderir ao boicote total à Rússia resultaram em ordens, agora as exigências foram substituídas por exortações e tentativas de prometer algo em troca. A seleção dos convidados da Cúpula do G7 – os presidentes da Índia, Indonésia, Senegal, Argentina e África do Sul – é indicativa disso.

Os convidados foram muito bem recebidos. Todos estavam com pressa para dar um tapinha no ombro do primeiro-ministro indiano Narendra Modi e dar-lhe atenção. Mas, além das declarações gerais, nada aconteceu. E quase em paralelo com os eventos na Europa, Modi participou de uma cúpula virtual do BRICS, e a Argentina, ao que parece, junto com o Irã, se candidatou a ingressar nessa associação emergente.

A posição dos Estados não-ocidentais é ditada não apenas pelos instintos anticoloniais, embora eles existam. Mais importante, nas novas condições, é difícil para o Ocidente oferecer aos países líderes do resto do mundo qualquer coisa que os force a mudar radicalmente suas posições. 

Agora existem fontes alternativas de recursos para o desenvolvimento – vários membros do antigo “terceiro mundo” hoje têm dinheiro, produção agrícola abundantes (Brasil), habilidades e, até certo ponto, tecnologia. O Ocidente ainda está à frente deles em muitos aspectos, mas – e isso é fundamentalmente importante – agora perdeu completamente o desejo de compartilhar suas vantagens.

Simplesmente porque agora teme a concorrência deles – a experiência do apoio americano ao desenvolvimento da China é considerada um erro pelas elites atuais.

É claro que os países em desenvolvimento estão interessados ​​no investimento ocidental, mas a natureza da interação entre os blocos também está mudando. Para dizer o mínimo, o “antigo terceiro mundo” está se tornando mais exigente e criterioso, e a capacidade [dos psicopatas do hospício] do Ocidente de impor suas próprias condições enfraqueceu em meio a mudanças globais em larga escala.

A série de encontros na Europa pretendia mostrar que o Ocidente ainda é a vanguarda indiscutível do mundo, que tem o “direito e a responsabilidade de liderar” os demais países. Por exemplo, a OTAN está mais uma vez tentando se tornar uma organização global em vez de regional. A experiência mais recente desse tipo do bloco – no Afeganistão – terminou em constrangimento. Mas agora a abordagem é mais natural e direta – oposição total à Rússia e ao seu conservadorismo e ortodoxia.

Do ponto de vista deles, a Rússia é uma ameaça à “segurança” da Europa Ocidental (como foi nos dias de glória da OTAN), mas também é um pária perigoso para toda a humanidade, portanto, opor-se a ela ajudará a expandir o clube liderado pelos EUA globalmente. Além disso, o espectro da China se aproxima – um concorrente sistêmico do Ocidente e, melhor ainda, um pais cúmplice dos ‘russos’.

O quanto o próprio mundo ocidental está unido para a plena implementação de tal missão é assunto para outro artigo. Há muitas nuances aqui. No entanto, mesmo supondo que seja esse o caso, não há razão para pensar que a ambição da OTAN vai de encontro ao entendimento e aceitação além de suas fronteiras.

Como consequência, a ampla recusa em reconhecer o direito do Ocidente de liderar significa que não haverá mais uma ordem mundial baseada em regras [corrupção, permissividade e satanismo] ocidentais impostas.

Fyodor Lukyanov é editor-chefe da Rússia em Assuntos Globais , presidente do Presidium do Conselho de Política Externa e de Defesa da Rússia e diretor de pesquisa do Valdai International Discussion Club.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.