Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Porque os Bilionários do Vale do Silício estão se preparando para o Armagedom na N. Zelândia

Se você está interessado sobre o Fim do Mundo, no Apocalipse, no Armagedom, você está interessado na Nova Zelândia. Se você está interessado em saber como as nossas atuais ansiedades culturais – catástrofes climáticas, declínio da ordem política ocidental, permissividade, ressurgimento do terror nuclear numa terceira guerra mundial, mais vírus e pandemias – se manifestam em visões apocalípticas, você está interessado no lugar ocupado por este arquipélago distante da aparente paz e estabilidade contra o inquietação turbulenta do dia.

Porque os Bilionários do Vale do Silício estão se preparando para o Armagedom na N. Zelândia

Fonte: The Guardian.co – por Mark O’Connell

Como um tratado extremamente libertário prevendo o colapso das democracias liberais – escrito pelo pai de Jacob Rees-Mogg – inspirou pessoas como Peter Thiel a comprar propriedades e terras num remoto arquipélago do Pacífico, nas ilhas da Nova Zelândia.

Se você está interessado no fim do mundo, no Apocalipse, no Armagedom, você está interessado na Nova Zelândia. Se você está interessado em saber como as nossas atuais ansiedades culturais – catástrofes climáticas, declínio da ordem política ocidental, ressurgimento do terror nuclear numa terceira guerra mundial, mais vírus e pandemias – se manifestam em visões apocalípticas, você está interessado no lugar ocupado por este arquipélago distante da aparente paz e estabilidade contra o inquietação turbulenta do dia.

Se você está interessado no fim do mundo, logo após a reeleição de Donald Trump em 2024 como presidente dos EUA, teria se interessado em ler uma manchete do New York Times afirmando que Peter Thiel, o bilionário capitalista de risco que co-fundou o PayPal e foi um dos primeiros investidores no Facebook, considerou a Nova Zelândia como “o Futuro”. Porque se você está seriamente preocupado com o futuro, também está preocupado com Thiel, um canário na mina de carvão do capitalismo que também lucrou generosamente com sua participação na própria empresa de mineração.

Thiel é, em certo sentido, uma caricatura de vilania descomunal: ele foi a única figura importante do Vale do Silício a apoiar a primeira campanha presidencial de Trump; ele levou um site à falência porque não gostou da forma como escreveram sobre ele; ele é conhecido por suas reflexões públicas sobre a incompatibilidade entre liberdade e a democracia, e por expressar interesse – como se buscasse entusiasticamente a metáfora mais desajeitada possível para o capitalismo em sua essência. a maioria vampírica – em uma terapia que envolve transfusões de sangue de jovens como um meio potencial de reverter o processo de envelhecimento. Mas num outro sentido, mais profundo, ele é um puro símbolo: menos uma pessoa do que uma empresa de fachada para um portfólio diversificado de ansiedades sobre o futuro, um emblema humano do vórtice moral no centro do mercado.

Foi em 2011 que Thiel declarou não ter encontrado “nenhum outro país que se alinhe mais com a minha visão do futuro do que a Nova Zelândia”. A reclamação foi feita como parte de um pedido de cidadania; o pedido foi rapidamente concedido, embora tenha permanecido em segredo por mais seis anos. Em 2016, Sam Altman [OpenAI-ChatGpt] ], um dos empresários mais influentes do Vale do Silício, revelou ao the New Yorker que tinha um acordo com Thiel pelo qual, na eventualidade de alguma espécie de cenário de “colapso sistêmico” – liberação de vírus sintéticos de laboratório, I.A. sem controle, guerra de recursos entre estados com armas nucleares, e assim por diante – ambos embarcariam num jato privado e voam para uma propriedade de Thiel na Nova Zelândia. (O plano a partir deste ponto, você teria que assumir, era esperar o colapso da civilização antes de ressurgir para fornecer financiamento inicial para, digamos, o mercado de lamas proteicas à base de insetos.)

Imediatamente após a revelação de Altman, Matt Nippert, repórter do New Zealand Herald, começou a investigar a questão de como exatamente Thiel tomou posse deste retiro apocalíptico, uma antiga estação de ovelhas de 477 acres na Ilha Sul – a maior e mais escassamente povoada das duas principais massas de terra do país. Os estrangeiros que desejam comprar quantidades significativas de terras na Nova Zelândia normalmente precisam passar por um rigoroso processo de verificação governamental. No caso de Thiel, Nippert soube, tal processo não foi necessário [ah o dinheiro…], porque ele já era cidadão da Nova Zelândia, apesar de não ter passado mais de 12 dias no país até então, e não ter sido visto no local desde então. Ele nem precisou viajar para a Nova Zelândia para ter sua cidadania conferida: o acordo foi selado em uma cerimônia privada em um consulado convenientemente localizado em Santa Monica, na Califórnia.

Quando Nippert divulgou a história, houve um grande escândalo público sobre a questão de saber se um oligarca multimilionário estrangeiro deveria ser capaz de adquirir efetivamente COMPRAR a cidadania. Como parte da sua candidatura, Thiel concordou em investir em startups tecnológicas da Nova Zelândia e deu a entender que utilizaria o seu novo estatuto de Kiwi naturalizado para promover os interesses comerciais do país no estrangeiro. Mas o foco internacional estava no motivo pelo qual Thiel poderia querer possuir um pedaço de terra da Nova Zelândia aproximadamente do tamanho da parte baixa de Manhattan, em primeiro lugar. E a suspeita esmagadora era que ele procurava um bunker para a qual pudesse recuar no caso de um colapso civilizacional total, o Armagedom pós Apocalipse [Revelação] [que oligarcas bilionários como ele mesmo, consciente e intencionalmente estão criando].

Porque este é o papel que a Nova Zelândia desempenha agora no nosso sonho febril cultural: uma ilha refúgio no meio de uma onda crescente de desconforto apocalíptico. De acordo com o Departamento de Assuntos Internos do país, nos dois dias seguintes às eleições de 2016, o número de americanos que visitaram o seu site para perguntar sobre o processo de obtenção da cidadania neozelandesa aumentou por um fator de 14 em comparação com os mesmos dias do mês anterior. Em particular, a Nova Zelândia passou a ser vista como o refúgio preferido da elite tecnológica dos oligarcas bilionários [das Big Techs] de Silicon Valley.

Imediatamente após a eleição de Trump, foi impossível evitar o tema dos plutocratas americanos que se preparam para o Armagedom. Na semana seguinte à inauguração, o New Yorker publicou outro artigo sobre os super-ricos que se preparavam para um grande colapso civilizacional; falando da Nova Zelândia como um “refúgio preferido [dos oligarcas] no caso de um cataclismo”, o bilionário fundador do LinkedIn Reid Hoffman, ex-colega de Thiel no PayPal, afirmou que “dizer que você está ‘comprando uma casa na Nova Zelândia’ é uma espécie de pisca, pisca, não diga mais nada”.

Todo mundo está sempre dizendo hoje em dia que é mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo. Todo mundo está sempre dizendo isso, na minha opinião, porque é obviamente verdade. A percepção, paranoica ou não, de que os bilionários estão se preparando para um colapso civilizacional que se aproxima parece uma manifestação literal deste axioma. Aqueles que serão salvos, no final, serão aqueles que podem pagar o prémio da salvação. E a Nova Zelândia, o lugar mais distante de qualquer lugar, é nesta narrativa uma espécie de novo Ararat: um lugar de abrigo contra a “inundação” [destruição generalizada] que se aproxima.

No início do verão passado, quando meus interesses nos temas do colapso civilizacional e de Peter Thiel começavam a convergir para uma única obsessão, recebi do nada um e-mail de um crítico de arte neozelandês chamado Anthony Byrt. Se eu quisesse compreender a ideologia extrema que sustentava a atração de Thiel pela Nova Zelândia, insistiu ele, precisava de compreender um obscuro manifesto libertário chamado The Sovereign Individual: How to Survive and Thrive During the Collapse of the Welfare State [O Indivíduo Soberano: Como Sobreviver e Prosperar Durante o Colapso do Estado de Bem-Estar Social].

Foi publicado em 1997 e, nos últimos anos, uma espécie de culto menor cresceu em torno dele no mundo da tecnologia, em grande parte como resultado de Thiel citá-lo como o livro pelo qual ele é mais influenciado. (Outros impulsionadores proeminentes incluem o fundador da Netscape e capitalista de risco, Marc Andreessen, e Balaji Srinivasan, o empresário mais conhecido por defender a secessão completa do Vale do Silício dos EUA para formar a sua própria cidade-estado corporativa.)

Os co-autores de The Sovereign Individual são James Dale Davidson, um investidor privado especializado em aconselhar os ricos sobre como lucrar com a catástrofe econômica, e o falecido William Rees-Mogg, editor de longa data do Times. (Um outro aspecto notável do legado variado de Lord Rees-Mogg é o seu próprio filho, o deputado conservador Jacob Rees-Mogg – uma caricatura esboçada às pressas de um velho Etonian, que é tão querido pela direita ultra-reacionária pró-Brexit da Grã-Bretanha quanto odiado pela esquerda.)

Fiquei intrigado com a descrição que Byrt fez do livro como uma espécie de chave mestra para o relacionamento entre a Nova Zelândia e os tecno-libertários do Vale do Silício. Relutante em enriquecer ainda mais Davidson ou o patrimônio de Rees-Mogg, comprei uma edição usada on-line, cujas páginas bolorentas estavam aqui e ali manchadas com o ranho ressecado de qualquer libertário cutuqueiro que me precedeu.

Apresenta uma perspectiva sombria de um futuro pós-democrático. Em meio a um emaranhado de analogias com o colapso medieval das estruturas de poder feudal, o livro também conseguiu, uma década antes da invenção do bitcoin, fazer algumas previsões impressionantemente precisas sobre o advento das economias online e das criptomoedas. As cerca de 400 páginas de orotundidade quase histérica do livro podem ser divididas aproximadamente na seguinte sequência de proposições:

  • 1) Os Estados-nação [pseudo]democráticos funciona basicamente como um cartel criminoso, forçando os cidadãos honestos a entregar grandes porções da sua riqueza para pagar coisas como estradas, hospitais e escolas e manter os bolsos dos políticos cheios.
  • 2) A ascensão da Internet e o advento das criptomoedas tornarão impossível aos governos intervir nas transações privadas e tributar os rendimentos, libertando assim os indivíduos do “esquema de proteção” [o controle da] política da democracia.
  • 3) O Estado tornar-se-á, consequentemente, obsoleto como entidade política.
  • 4) Destes destroços emergirá uma nova situação global, na qual uma “elite cognitiva de oligarcas bilionários” ascenderá ao poder e à influência, como uma classe de indivíduos soberanos “comandando recursos muito maiores” que não estarão mais sujeitos ao poder dos Estados-nação e redesenharão os governos para adequá-los aos seus fins.

O livro O Indivíduo Soberano é, no sentido mais literal, um texto apocalíptico. Davidson e Rees-Mogg apresentam uma visão explicitamente milenar do futuro próximo: o colapso das velhas ordens, a ascensão de um novo mundo. As democracias liberais desaparecerão e serão substituídas por confederações frouxas de cidades-estado corporativas. A civilização ocidental na sua forma atual, insistem, terminará no milênio. “O novo Indivíduo Soberano”, escrevem eles, “operará como os deuses do mito no mesmo ambiente físico que o cidadão comum e sujeito, mas politicamente num domínio separado”. É impossível exagerar a escuridão e os extremos das previsões do livro sobre o futuro do capitalismo; lê-lo é ser continuamente lembrado de que a distopia de suas imaginações mais sombrias de insônia é quase sempre o sonho de outra pessoa de um novo amanhecer utópico.

Davidson e Rees-Mogg identificaram a Nova Zelândia como um local ideal para esta nova classe de indivíduos soberanos, como um “domicílio de escolha para a criação de riqueza na Era da Informação”. Byrt, que chamou minha atenção para essas passagens, havia até encontrado evidências de um acordo imobiliário em meados da década de 1990, no qual um gigantesco rebanho de ovelhas no extremo sul da Ilha Norte foi comprado por um conglomerado cujos principais acionistas incluíam Davidson e Rees. -Mog.

Também participou no acordo Roger Douglas, o antigo ministro das finanças trabalhista que presidiu uma reestruturação radical da economia da Nova Zelândia ao longo das linhas neoliberais na década de 1980. (Este período da chamada “Rogernomics”, disse-me Byrt – a venda de ativos estatais, o corte para os cidadãos da assistência social, a desregulamentação dos mercados financeiros – criou as condições políticas que tornaram o país uma perspectiva tão atraente para os oligarcas bilionários.)

O interesse de Thiel pela Nova Zelândia foi certamente alimentado por sua obsessão por JRR Tolkien: este era um homem que nomeou pelo menos cinco de suas empresas em referência a “O Senhor dos Anéis” e, quando adolescente, fantasiou em jogar xadrez contra um robô que poderia discutir os livros. Era também uma questão da abundância de água potável no país e da conveniência dos voos noturnos vindos da Califórnia. Mas também era inseparável de uma vertente particular do tecnocapitalismo apocalíptico. Ler O Indivíduo Soberano foi ver esta ideologia exposta: estas pessoas, a autodenominada “elite de oligarcas bilionários”, contentavam-se em ver o mundo a desmoronar-se, desde que pudessem continuar a criar riqueza e controle e continuar vivendo no fim dos tempos.

Fiquei impressionado com o quão estranho e inquietante deve ter sido para um neozelandês ver o seu próprio país retratado através destas estranhas lentes apocalípticas. Havia certamente uma consciência ambiental de que a elite mundial da tecnologia tinha desenvolvido um estranho interesse no país como um refúgio ideal para o fim dos tempos; teria sido difícil, de qualquer forma, ignorar a recente cascata de artigos sobre a aquisição da cidadania por Thiel e as implicações apocalípticas disso. Mas parecia não ter havido praticamente nenhuma discussão sobre a dimensão ideológica francamente alarmante de tudo isto.

Foi justamente esta dimensão ideológica que constituiu o foco de um projeto em que o próprio Byrt se envolveu recentemente, uma nova exposição do artista Simon Denny. Denny, figura significativa no cenário artístico internacional, era originário de Auckland, mas mora há alguns anos em Berlim. Byrt o descreveu como “uma espécie de gênio” e “o garoto-propaganda da arte pós-internet, seja lá o que for”; ele caracterizou seu próprio papel no projeto com Denny como um amálgama de pesquisador, jornalista e “filósofo investigativo, seguindo a trilha de ideias e ideologias”.

A exposição se chamava O Paradoxo do Fundador, nome que veio do título de um dos capítulos do livro de Thiel de 2014, Zero to Um: Notas sobre Startups ou Como Construir o Futuro. Juntamente com o longo e intrincadamente detalhado ensaio de catálogo que Byrt estava escrevendo para acompanhá-lo, o programa era um acerto de contas com o futuro que os tecnolibertários do Vale do Silício, como Thiel, queriam construir, e com o lugar da Nova Zelândia nesse futuro.

Essas eram questões que eu também estava ansioso para enfrentar. O que quer dizer que eu próprio estava interessado – irremediável e morbidamente – no fim do mundo, e que, portanto, estava interessado na Nova Zelândia. E então decidi ir até lá, para ver com meus próprios olhos a terra que Thiel aparentemente havia reservado para viver durante o colapso da civilização: um lugar que se tornaria para mim uma espécie de labirinto, e cujo dono eu já começava a mitificar como o monstro no seu centro.

Em cerca de uma hora depois de chegar a Auckland, eu estava tão perto do catatônico de fadiga que não fazia diferença, e olhando para a boca de um vulcão. Eu estava ao lado de Byrt, que me pegou no aeroporto e, em um gesto que viria a entender como quintessencialmente Kiwi, me arrastou diretamente para a encosta de um vulcão. Este vulcão em particular, o Monte Éden, era um espécime bastante domesticado, em torno do qual se espalhava um dos subúrbios mais ricos de Auckland – a única cidade do mundo, descobri, construída sobre um campo vulcânico tecnicamente ainda ativo.

Eu estava um pouco sem fôlego por causa da subida e, tendo acabado de emergir no hemisfério sul de um novembro em Dublin, suando muito no calor relativo da manhã de início de verão. Eu também estava experimentando níveis quase psicotrópicos de jetlag. Devo ter parecido um pouco estranho, porque Byrt – um homem barbudo, com capuz e boné de beisebol, com quase 30 anos – apresentou um alegre pedido de desculpas por ter jogado a carta do vulcão tão cedo no processo.

“Eu provavelmente deveria ter facilitado você, cara”, ele riu. “Mas achei que seria bom ter uma vista da cidade antes do café da manhã.”

Uma vista de Auckland a partir do Monte Eden. Fotografia: Alamy

A vista de Auckland e das ilhas vizinhas era realmente arrebatadora – embora, em retrospectiva, não fosse mais arrebatadora do que qualquer uma das inúmeras outras vistas pelas quais eu acabaria sendo arrebatado nos próximos 10 dias. Esse, notoriamente, é o objetivo da Nova Zelândia: se você não gosta de ser arrebatado pelas vistas, não tem nada a fazer no local; viajar para lá é dar consentimento implícito em ser empurrado para a esquerda, para a direita e para o centro em estados de êxtase estético.

“Além disso, estou no país há poucos minutos”, eu disse, “e já tenho na bolsa uma metáfora visual perfeita para a fragilidade da civilização”.

Eu estava me referindo aqui ao espetáculo agradavelmente surreal de uma cratera vulcânica coberta por uma superfície de grama bem cuidada. (Anotei essa observação em meu caderno, sentindo ao fazê-lo uma infusão presunçosa de virtude por resolver alguma não-ficção literária antes mesmo de deixar minhas malas no hotel. “Vulcão com gramado por cima”, rabisquei. “Manifestação visual do motivo temático: Civilização como uma membrana fina esticada sobre o caos.”)

Comentei sobre a estranheza de todos esses gênios do Vale do Silício, supostamente à prova de apocalipse, comprando terras aqui, bem na região do Anel de Fogo do Pacífico, a curva em ferradura de falhas geológicas que se estende para cima, do flanco ocidental das Américas, de volta para baixo. ao longo das costas orientais da Rússia, do Japão e no Pacífico Sul.

“Sim”, disse Byrt, “mas alguns deles estão comprando fazendas e rebanhos de ovelhas bem no interior. Tsunamis não serão um grande problema lá. E o que eles procuram é espaço e água limpa. Duas coisas que temos muito aqui.”

No dia seguinte, fui à galeria no centro de Auckland para dar uma olhada no Paradoxo do Fundador. Denny, um homem elegante e divertido de cerca de 30 anos, me explicou a estrutura conceitual. Foi estruturado em torno de jogos – em teoria jogáveis, mas na prática encontrados como esculturas – representando dois tipos diferentes de visão política para o futuro da Nova Zelândia. O espaço luminoso e arejado do térreo estava repleto de esculturas de jogos corporais e táteis, riffs de Jenga, Operation e Twister. Esses trabalhos, incorporando ideias colaborativas e espontâneas de brincadeira, foram inspirados por um livro recente chamado The New Zealand Project, de um jovem pensador de esquerda chamado Max Harris, que explorou uma política humana e coletivista influenciada pelas crenças Maori sobre a sociedade humana.

No porão de teto baixo, semelhante a uma masmorra, havia um conjunto de esculturas baseadas em uma compreensão totalmente diferente do jogo, mais regida por regras e cerebral. Estes foram baseados no tipo de RPG baseado em estratégia, particularmente apreciado pelos tipos de tecnologia do Vale do Silício, e representando uma visão Thieliana do futuro do país. O efeito psicológico desta dimensão espacial do espetáculo foi imediato: lá em cima respirava-se, via-se as coisas com clareza, enquanto descer era sentir-se oprimido pelos tetos baixos, pela ausência de luz natural, pela escuridão do geek -apocalíptico capturado nas elaboradas esculturas de Denny.

Este era um mundo que o próprio Denny conhecia intimamente. E o que era mais estranho e enervante na sua arte era a sensação de que ele nos permitia ver este mundo não de fora para dentro, mas de dentro para fora. Enquanto tomamos cerveja na cozinha de Byrt na noite anterior, Denny me contou sobre um jantar em que esteve em São Francisco no início daquele ano, na casa de um conhecido técnico, onde se sentou ao lado de Curtis Yarvin, fundador do Urbit, a plataforma de computação financiada por Thiel.

Como qualquer pessoa que tenha um interesse doentio pelos recantos mais estranhos da extrema-direita online sabe, Yarvin é mais conhecido como o blogueiro Mencius Moldbug, o progenitor intelectual da Neorreação, um movimento antidemocrático que defende uma espécie de tirania neofeudalismo oligárquico nacionalista branco – governado por e para uma autoproclamada elite – e que encontrou um eleitorado pequeno mas influente em Silicon Valley. Estava claro que Denny estava profundamente perturbado com o tipo de autocracia nerd de Yarvin, mas igualmente claro que partir o pão com ele não era, por si só, um grande desconforto.

Sob toda a complexidade e detalhe da sua construção mundial, O Paradoxo do Fundador foi claramente animado por um fascínio inquieto pelo futuro utópico imaginado pelos tecno-libertários de Silicon Valley e pelo papel da Nova Zelândia nesse futuro distópico de fim de mundo. A peça central da exposição era um jogo de estratégia de mesa chamado Founders, que se baseava fortemente na estética – bem como na linguagem e objetivos explicitamente colonialistas – de Settlers of Catan, um jogo de tabuleiro de estratégia multijogador de culto.

O objetivo dos Fundadores, esclarecido pelo texto que acompanha e pelas ilustrações sinistras da peça, não era simplesmente escapar do apocalipse, mas prosperar com ele. Primeiro você adquiriu terras na Nova Zelândia, com seus ricos recursos de água abundante e ar puro, longe do caos e da devastação ecológica que assola o resto do mundo. Em seguida, você passou para seasteading, o ideal libertário de construção de ilhas artificiais em águas internacionais; nestes microestados utópicos flutuantes, os inovadores tecnológicos ricos seriam livres para realizar os seus negócios sem interferência dos governos democráticos. (Thiel foi um dos primeiros investidores e defensor do movimento seasteading, embora o seu interesse tenha diminuído nos últimos anos.)

Depois explorou a Lua em busca de minério e outros recursos, antes de prosseguir para colonizar Marte. Este último nível do jogo refletia a atual fantasia futurista preferida, mais famosamente desenvolvida pelo ex-colega de Thiel no PayPal, Elon Musk, com seu sonho de fugir de um planeta Terra moribundo para colônias privadas em Marte.

A influência do Indivíduo Soberano e da obsessão de Byrt por ele estava presente em todo o show. Foi um mapeamento detalhado de um futuro distópico possível, em toda a sua barbárie altamente sofisticada. Foi um sonho utópico que apareceu, em todos os seus detalhes e especificidade extravagantes, como a visão de pesadelo de um mundo por vir.

Quando nos encontramos no seu escritório na Universidade de Tecnologia de Auckland, a acadêmica jurídica Khylee Quince insistiu que qualquer invocação da Nova Zelândia como utopia era uma “bandeira vermelha gigante”, especialmente para uma nativa Maori como ela. “Essa é a linguagem de vazio e isolamento que sempre foi usada na Nova Zelândia durante a época colonial”, disse ela. E sempre foi, enfatizou ela, uma narrativa que apagou a presença daqueles que já estavam aqui: seus próprios ancestrais Maoris. O primeiro grande encontro colonial para os Maoris no século XIX não foi com representantes da coroa britânica, destacou ela, mas com empresas privadas.

Companhia da Nova Zelândia era uma empresa privada fundada por um sequestrador de crianças inglês condenado chamado Edward Gibbon Wakefield, com o objetivo de atrair investidores ricos com uma oferta abundante de mão-de-obra barata – trabalhadores migrantes que não tinham dinheiro para comprar terras na nova colônia, mas que viajariam para lá na esperança de eventualmente pouparem salários suficientes para comprarem suas terras mais tarde.

A empresa de Gibbon embarcou numa série de expedições nas décadas de 1820 e 1830; foi só quando a empresa começou a traçar planos para colonizar formalmente a Nova Zelândia e para estabelecer um governo de sua própria autoria que o escritório colonial britânico aconselhou a coroa a tomar medidas para estabelecer uma colônia formal. Nas fantasias utópicas de tecno-libertários como Thiel, Quince viu um eco daquele período da história do seu país. “Os negócios”, disse ela, “chegaram aqui primeiro”.

Dada a sua herança Maori, Quince estava particularmente sintonizada com as ressonâncias coloniais da língua mais recente em torno da Nova Zelândia como um retiro apocalíptico e um espaço utópico para a riqueza e engenhosidade americanas.

“Acho isso incrivelmente ofensivo”, disse ela. “Thiel obteve a cidadania depois de passar 12 dias neste país, e não sei se ele sabe da existência dos Maoris. Nós, como povos indígenas, temos um sentido muito forte de identidade e coletividade intergeracional. Ao passo que estas pessoas, que são uma espécie de iteração contemporânea do colonizador, vêm de uma ideologia de individualismo desenfreado, de capitalismo desenfreado.”

As ilhas da Nova Zelândia, distante de tudo, especialmente do caos sendo fabricado no resto do planeta

A visão de Quince não era de forma alguma a norma. Os neozelandeses tendem a ficar mais lisonjeados do que preocupados com o interesse dos gurus tecnológicos do Vale do Silício no seu país. É geralmente recebido como um sinal de que a tirania da distância – o extremo afastamento antípoda que moldou o sentido que o país tem de si mesmo desde os tempos coloniais – foi finalmente derrubada pelas forças libertadoras da tecnologia e da globalização econômica.

“É muito atraente”, disse-me o cientista político Peter Skilling, “estes empresários dizem coisas boas sobre nós. Somos como um gato tendo a barriga esfregada. Se os tipos do Vale do Silício são bem-vindos aqui, não é porque sejamos particularmente suscetíveis a ideias libertárias; é porque somos complacentes e ingênuos [e compráveis pelo dinheiro dos oligarcas].”

Entre os kiwis de esquerda com quem conversei, houve um sentimento de otimismo cauteloso, desencadeado pela recente eleição surpresa de um novo governo de coalizão liderado pelos trabalhistas, sob a liderança do homem de 37 anos , um nacionalista de ascendência Maori cujo primeiro partido da Nova Zelândia mantinha o equilíbrio de poder e era fortemente a favor de um aperto nos regulamentos de propriedade estrangeira.

Quando li que Ardern nomeou Peters como seu vice-primeiro-ministro, fiquei surpreso ao reconhecer o nome – de todos os lugares, de The Sovereign Individual, onde Davidson e Rees-Mogg o destacaram por estranhamente abuso pessoal como um arqui- inimigo da elite de oligarcas em ascensão, referindo-se a ele como um “perdedor reacionário” e “demagogo” que “de bom grado frustraria as perspectivas de prosperidade a longo prazo apenas para evitar que os indivíduos declarassem a sua independência da política”. Winston Peters, cuja juventude e aparente idealismo sugeriam um afastamento da ortodoxia neoliberal.

Durante as eleições, a propriedade estrangeira de terras foi um dos principais pontos de discussão, embora se centrasse menos nos ricos preparadores do apocalipse/armagedon de Silicon Valley do que na percepção de que os especuladores imobiliários estrangeiros estavam aumentando o custo das casas em Auckland. O novo governo comprometeu-se a reforçar as regulamentações relativas à compra de terras por investidores estrangeiros. Isto foi em grande parte obra de Jacinda Ardern.

Durante minha estada na Nova Zelândia, Ardern estava em toda parte: nos jornais, na televisão, em todas as outras conversas. Em nosso caminho para Queenstown, na Ilha Sul, para vermos com nossos próprios olhos o local do esconderijo apocalíptico de Thiel, Byrt e eu estávamos na fila de segurança do aeroporto de Auckland quando uma mulher mais ou menos da nossa idade, elegantemente vestida e acompanhada por um grupo de pessoas sérias, olhando homens, olhou em nossa direção enquanto ela era transportada rapidamente pela via expressa. Ela estava falando ao telefone, mas olhou para nós e acenou para Byrt, sorrindo amplamente em reconhecimento feliz.

  • “Quem era aquela?” Perguntei.
  • “Jacinda Ardern”, disse ele.
  • “Você conhece ela?”
  • “Conhecemos muitas das mesmas pessoas. Nós nos encontramos para tomar uma bebida algumas vezes, quando ela era porta-voz das artes do Partido Trabalhista.
  • “Realmente?”
  • “Bem, sim”, ele riu, “há apenas alguns de nós”.

O fim do jogo para Thiel é essencialmente o livro “O Indivíduo Soberano”, disse Byrt. Ele dirigia o carro alugado, o que me permitiu dedicar totalmente meus recursos ao cultivo contínuo do arrebatamento estético (montanhas, lagos, etc.). “E o ponto principal para mim”, disse ele, “é que não quero que meu filho cresça nesse [ausência de] futuro”.

Estávamos a caminho para ver com nossos próprios olhos a parte da Nova Zelândia, às margens do Lago Wanaka, na Ilha Sul, que Thiel havia comprado para fins de sobrevivência pós colapso da civilização. Conversamos sobre a viagem como se fosse um gesto de protesto, mas parecia uma espécie de peregrinação perversa. O termo “psicogeografia” foi invocado com cautela e apenas com a mais leve das inflexões irônicas.

“O que acontece com Thiel é que ele é o monstro no coração do labirinto, disse Byrt.

“Ele é a baleia branca”, sugeri, entrando no espírito literário do empreendimento.

A obsessão de Byrt por Thiel ocupava uma espécie de registro melvilleano, almejado por uma escala mítica. Isso coloriu sua percepção da realidade. Ele admitiu, por exemplo, uma estranha patologia estética pela qual encontrou, na grandeza alpina da Ilha do Sul, não a beleza sublime de seu próprio país, mas sim o que imaginava que Thiel via no local: a Terra-média de Tolkien. A fixação de Thiel em Tolkien era em si uma fixação para Byrt: juntamente com o libertarianismo extremo de The Sovereign Individual, ele estava convencido de que isso estava subjacente ao interesse contínuo de Thiel pela Nova Zelândia.

Matt Nippert, o jornalista do New Zealand Herald que divulgou a história da cidadania no início daquele ano, disse-me que tinha certeza de que Thiel havia comprado a propriedade para fins de contingência apocalíptica. No seu pedido de cidadania, ele prometeu dedicar “uma quantidade significativa de tempo e recursos às pessoas e empresas da Nova Zelândia”. Mas nada disso significou muito, disse Nippert, e ele estava convencido de que tudo tinha sido apenas uma farsa para fazê-lo entrar como cidadão.

Num café em Queenstown, a cerca de uma hora de carro da propriedade de Thiel, Byrt e eu conhecemos um homem a quem um conhecido rico de Byrt nos apresentou. Profissional bem conhecido e bem relacionado em Queenstown, ele concordou em falar anonimamente por medo de se tornar impopular entre os líderes empresariais locais e amigos do setor de turismo. Ele já estava preocupado há algum tempo com os efeitos na área da compra de enormes extensões de terra por estrangeiros ricos. (“Depois que você começar a mijar na pia, onde você vai lavar o rosto?”, como ele me disse, no que presumi ser uma formulação puramente retórica.)

Ele nos contou sobre um americano rico que ele conhecia, “muito bonito”. centro-esquerda”, que comprou terras aqui para acalmar os seus receios apocalípticos logo após a eleição de Trump. Outro casal que ele conhecia, dois bilionários bitcoin, havia comprado uma grande propriedade à beira do lago onde estavam construindo um gigantesco bunker esperando o armagedom.

Esta foi a primeira vez que ouvi desde que cheguei aqui sobre um bunker de verdade sendo construído. Do ponto de vista do apocalipticista moderno, todo o encanto do país – o seu afastamento e a sua estabilidade, a sua abundante água limpa, as suas vastas e encantadoras extensões de terras despovoadas – residia no fato de ele próprio ser uma espécie de abrigo geopolítico reforçado, muito abaixo do nível do mar. lá no fundo do mundo.

As pessoas com quem falei no setor imobiliário estavam interessadas em retratar a Nova Zelândia como uma espécie de santuário utópico, mas em dar o mínimo de oxigênio possível à narrativa relacionada em todo o país como um refúgio apocalíptico para a elite internacional. Tomando café em seu clube de golfe perto de Queenstown, Terry Spice, um especialista em propriedades de luxo nascido em Londres que havia vendido recentemente uma grande propriedade adjacente à propriedade de Thiel, no Lago Wanaka, disse sentir que Thiel havia destacado internacionalmente que o país era “um porto seguro, e um ativo legado”.

Ele próprio vendeu terras a um cliente americano muito rico que lhe telefonou na noite da eleição presidencial. “Esse cara não conseguia acreditar no que estava acontecendo. Ele queria garantir algo imediatamente.” Mas, no geral, insistiu ele, este tipo de comprador com motivação apocalíptica representava uma proporção cada vez menor do mercado.

Mostrando-me as propriedades de luxo à beira-mar que ele representava, cerca de uma hora ao norte de Auckland, outro especialista em propriedades de luxo chamado Jim Rohrstaff – um transplantado californiano especializado em vendas para o mercado internacional – também me disse que, embora alguns de seus principais clientes eram pessoas do Vale do Silício, o fim do mundo tendia a não ser um fator específico em suas decisões de compra.

“Olha”, disse ele, “pode ser um aspecto em termos do que os motiva a comprar aqui. Mas, na minha experiência, esse nunca foi o motivo principal. É muito mais uma coisa positiva. O que eles veem quando vêm aqui é uma utopia.

Em certo sentido, eu sabia o que ele queria dizer com isso. Ele quis dizer vinho excelente. Ele quis dizer golfe de classe mundial. Referia-se a clima agradável, infinitas praias de areia branca que dificilmente levantavam a suspeita da existência de outros seres humanos. Mas tendo conversado recentemente com Khylee Quince sobre as ressonâncias históricas do conceito de utopia, perguntei-me o que mais ele poderia querer dizer, e se pretendia dizer isso ou não.

Em Queenstown, antes de sairmos em busca do antigo curral de ovelhas que Thiel havia comprado, fomos procurar a casa que ele possuía na própria cidade. Este lugar, especulamos, deve ter sido comprado como uma espécie de pied-à-terre apocalíptico: algum lugar onde ele pudesse se estabelecer, talvez, enquanto qualquer construção [de um bunker] que ele havia planejado para a estação de ovelhas estivesse em andamento. Nippert nos deu o endereço; nós o encontramos com bastante facilidade, não muito longe do centro da cidade, e o reconhecemos imediatamente em uma das pinturas do Paradoxo do Fundador.

Era o tipo de casa que um vilão de Bond poderia construir se, por algum motivo, fosse forçado a se mudar para o subúrbio. Parecia modestamente ostensivo, se é que tal coisa era possível; a frente do prédio havia uma janela gigante que dava para a cidade e o lago abaixo. Havia alguma construção acontecendo no local. Andei pela estrada e perguntei aos construtores se eles sabiam quem era seu cliente. “Não faço ideia, cara”, disseram eles. Eles estavam apenas fazendo algumas reformas no contrato. Aparentemente, houve um incêndio no local há algum tempo. Nada sinistro, apenas fiação elétrica.

No dia seguinte, seguimos para o Lago Wanaka, onde ficava a maior propriedade rural. Alugamos bicicletas na cidade e seguimos a trilha ao redor da margem sul do lago. À medida que avançávamos, ficava mais rochoso e montanhoso, e quando tivemos certeza de que estávamos na propriedade de Thiel, eu estava com tanto calor e exausto que tudo que consegui pensar foi mergulhar no lago para me refrescar. Perguntei a Anthony se ele achava que a água era segura para beber, e ele disse que tinha certeza disso, visto que sua pureza e abundância eram um dos principais motivos pelos quais um bilionário, protegendo-se contra o colapso da civilização, iria querer comprar terras lá no primeiro lugar.

Nadei ainda mais no que passei a considerar o lago do apocalipse de Thiel e, submergindo meu rosto, bebi tão profundamente que Anthony brincou que podia ver o nível da água caindo gradativamente. Na verdade, bebi muito além do ponto de saciar literalmente qualquer sede; de uma forma que parecia absurda e juvenil, e também estranha e sinceramente satisfatória, eu estava bebendo água do apocalipse, recuperando-a simbolicamente para os 99%. Se naquele momento eu pudesse ter drenado o Lago Wanaka só para estragar o plano de contingência de Thiel para o fim do mundo, poderia muito bem ter feito isso.

Sugeri que pudesse pegar uma pedra, um pedaço do lugar, para levar para casa e guardar em minha mesa, mas Byrt me avisou que fazer isso seria uma transgressão da compreensão Maori da sacralidade comunitária da terra. Subimos o flanco pedregoso de uma colina e ficamos sentados por um tempo olhando para a superfície calma do lago, para os distantes picos nevados, e para os campos verdes e ondulantes que se estendiam na distância oeste, tudo isso posse legal de um homem que pretendia possuir um país, que acreditava que a liberdade era incompatível com a democracia.

Lago Wanaka, na Ilha Sul da Nova Zelândia. Fotografia: Stuart Black/Robert Harding/Rex/Shutterstock

Mais tarde, fomos até o outro lado da propriedade, margeando a estrada, onde avistamos a única estrutura real de toda a propriedade: um celeiro de feno. É opinião deste repórter que o próprio Thiel não teve participação na sua construção. “Aí está”, disse Byrt. “Evidências oculares de que Thiel está armazenando feno para o colapso da civilização.” Desejo afirmar categoricamente que não roubamos nem uma única palha daquele celeiro.

Chegamos ao centro do labirinto, mas foi em outro lugar, no final, que o monstro se materializou. No início de dezembro, algumas semanas depois de eu ter deixado o país, Max Harris, o jovem autor neozelandês cujo livro Denny e Byrt usaram como contraponto às ideias de Thiel, esteve em casa no Natal e foi à galeria ver A exibição.

No porão, na câmara central – com seus tetos baixos, sua porta de ferro, sua vibração opressivamente opressiva de Führerbunker – Harris encontrou, olhando atentamente para baixo, para a vitrine de vidro contendo o jogo dos Fundadores, um homem de shorts e camisa pólo azul, cercado por um grupo de homens mais jovens, também de camisa pólo. O homem mais velho era mais corpulento e tinha uma aparência menos saudável do que aparecia nas fotografias, disse-me Harris, mas não tinha dúvidas quanto à sua identidade.

Harris, que sabia que Peter Thiel não era visto na Nova Zelândia desde 2011, perguntou ao homem se ele era quem pensava ser; o homem sorriu e, sem levantar os olhos do jogo de tabuleiro para Harris, respondeu que muitas pessoas estavam fazendo exatamente essa pergunta. Harris perguntou ao homem o que ele achava da exposição, e o homem fez uma longa pausa antes de dizer que era “na verdade uma obra de detalhes fenomenais”. Ele perguntou a Harris se conhecia o artista, e Harris disse que sim, que ele próprio era na verdade um escritor cujo trabalho fazia parte da estrutura conceitual da exposição. Da pura improbabilidade destes dois homens – um para quem a Nova Zelândia era um meio de reforçar a sua riqueza e poder num futuro colapso civilizacional, outro para quem era o lar, uma fonte de esperança para uma sociedade mais igualitária e democrática – apenas por acaso se cruzaram em uma exposição de arte vagamente estruturada em torno da oposição binária de suas visões políticas, nenhuma menção foi feita, e eles seguiram caminhos separados.

Thiel deixou seus dados de contato com a galeria, sugerindo que Denny entrasse em contato. Ele o fez e Thiel respondeu rapidamente; ele ficou intrigado com o que viu, mas afirmou estar um pouco perturbado com o quão sombrio seu ciberlibertarianismo parecia quando refratado pelas lentes do Paradoxo do Fundador. De qualquer forma, a conversa continuou e eles combinaram um encontro na próxima viagem de Denny aos EUA.

Denny estava ansioso para continuar falando, mesmo porque estava determinado a alcançar uma compreensão mais profunda da visão de Thiel sobre o futuro. Byrt, o mais francamente político em seu antagonismo em relação a Thiel e ao que ele representava, ficou perplexo com essa reviravolta inesperada dos acontecimentos, embora estranhamente emocionado com ela também. De minha parte, isso foi um final desorientador – em parte porque “o monstro” havia se materializado e, portanto, ele não era mais apenas um emblema humano do vórtice moral no centro do capitalismo, mas também um ser humano real, mal-humorado. de camisa polo e shorts, suando de calor, vagando por uma galeria de arte para saciar sua curiosidade humana sobre o que o mundo da arte pensava de sua política notoriamente estranha e extrema. Um indivíduo soberano no mesmo ambiente físico que nós, cidadãos comuns. Mas também aprofundou o mistério do que Thiel planejou para a Nova Zelândia, para o futuro.

Houve um mistério que foi resolvido, embora não por mim: o enigma reconhecidamente frívolo de que tipo de reformas aqueles construtores estavam trabalhando no apocalíptico pied-a-terre em Queenstown. Nippert, num artigo recente do New Zealand Herald, publicou os planos do arquiteto para o local. Thiel estava fazendo algumas alterações no quarto principal. Ele estava construindo um “quarto do pânico”.

Imagem principal do Lago Wanaka por Johan Lolos/Rex/Shutterstock. O suporte para este artigo foi fornecido por uma doação do Centro Pulitzer de Relatórios de Crises


O próprio Thiel tinha falado publicamente da Nova Zelândia como uma “utopia”, durante o período de 2011, quando manobrava pela cidadania, investindo em várias startups locais sob um fundo de capital de risco chamado Valar Ventures. (Nem preciso dizer que Valar é outra referência de Tolkien.) Este era um homem com uma compreensão particular do que poderia ser uma utopia, que não acreditava, afinal, na compatibilidade entre liberdade e democracia. Em um artigo da Vanity Fair sobre seu papel como conselheiro da campanha de Trump, um amigo foi citado dizendo que “Thiel me disse direta e repetidamente que ele queria ter seu próprio país”, acrescentando que chegou ao ponto de avaliar a perspectiva em algo em torno de US$ 100 bilhões.

Os Kiwis com quem falei estavam desconfortavelmente conscientes do que representava o interesse de Thiel no seu país, de como ele parecia figurar de forma mais geral nas fantasias de fronteira dos libertários americanos. Max Harris – o autor de The New Zealand Project, o livro que informou as esculturas de jogos no nível superior do Paradoxo do Fundador – apontou que, durante grande parte de sua história, o país tendeu a ser visto como uma espécie de Placa de Petri político (foi, por exemplo, o primeiro país a reconhecer o direito das mulheres ao voto), e que isto “talvez faça com que os tipos de Silicon Valley pensem que é uma espécie de tela em branco para espalhar se espalhar as suas ideias”.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Uma resposta

  1. O FIM DO MUNDO SERÁ ANTECIPADO, SE A CORJA DEMOnioCRATA IANQUE CONSOLIDAR OUTRA FRAUDE ESCANCARADA PARA MANTER O POVO DE SODOMA NO PODER.

    TRUMP NÃO É UMA SOLUÇÃO, MAS OS REPUBLICANOS SÃO O CAMINHO PARA A SALVAÇÃO DO OCIDENTE.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.311 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

NOSSOS PRODUTOS

Indicações Thoth

Seja um Anunciante

Divulge seu produto ou serviço em nosso portal!
Converse com a equipe comercial no WhatsApp