“Povo Eleito” em ação: Chefe da Espionagem israelense ‘Ameaçou e Perseguiu’ promotor do TPI – Guardian

O ex-chefe da agência de inteligência Mossad de Israel, Yossi Cohen, supostamente “ameaçou” o promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional (TPI) de desistir de uma investigação de Crimes de Guerra contra Israel lançada em 2021, revelou uma investigação do The Guardian nessa terça-feira. Fontes disseram ao meio de comunicação que, há vários anos, o então diretor do Mossad, Cohen, tentou ameaçar a ex-promotora do TPI, Fatou Bensouda, em uma série de reuniões secretas.

O ex-chefe do Mossad tentou pressionar Fatou Bensouda a abandonar uma investigação de Crimes de Guerra de Israel, informou o meio de comunicação.

Fonte: The GuardianRússia Today

Quando o promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciou que estava buscando mandados de prisão contra líderes israelenses e do Hamas, ele emitiu um aviso enigmático: “Insisto que todas as tentativas de impedir, intimidar ou influenciar indevidamente os funcionários deste tribunal devem cessar imediatamente.”

Karim Khan não forneceu detalhes específicos sobre tentativas de interferência no trabalho do TPI, mas observou uma cláusula no tratado fundador do tribunal que tornava qualquer interferência desse tipo uma ofensa criminal. Se a conduta continuar, acrescentou, “o meu gabinete não hesitará em agir”.

O promotor não disse quem tentou intervir na administração da justiça, nem como exatamente o fez.

Agora, uma investigação levada a cabo pelo Guardian e pelas revistas israelenses +972 e Local Call pode revelar como Israel conduziu uma “guerra” secreta de quase uma década contra o tribunal. O país sionista judeu khazar mobilizou as suas agências de inteligência para vigiar, hackear, pressionar, difamar e alegadamente ameaçar funcionários seniores do TPI, num esforço para inviabilizar as investigações do tribunal.

A inteligência israelense capturou as comunicações de numerosos funcionários do TPI, incluindo Khan e seu antecessor como promotor, Fatou Bensouda, interceptando chamadas telefônicas, mensagens, e-mails e documentos.

A vigilância continuou nos últimos meses, proporcionando ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, conhecimento prévio das intenções do procurador. Uma recente comunicação interceptada sugeria que Khan queria emitir mandados de prisão contra israelenses, mas estava sob “tremenda pressão dos Estados Unidos”, segundo uma fonte familiarizada com o seu conteúdo.

Bensouda, que como procurador-chefe abriu a investigação do TPI em 2021, abrindo caminho para o anúncio do pedido de prisão da semana passada, também foi espionado e alegadamente ameaçado pelos sionistas.

Netanyahu demonstrou grande interesse nas operações de inteligência contra o TPI e foi descrito por uma fonte de inteligência como “obcecado” por interceptações sobre o caso. Supervisionados pelos seus conselheiros de segurança nacional, os esforços envolveram a agência de espionagem doméstica, o Shin Bet, bem como a direção de inteligência militar, Aman, e a divisão de inteligência cibernética, Unidade 8200. A inteligência recolhida a partir de intercepções foi, disseram as fontes, disseminada ao governo, ministérios da justiça, relações exteriores e assuntos estratégicos.

Uma operação secreta contra Bensouda, revelada na terça-feira pelo Guardian , foi dirigida pessoalmente pelo aliado próximo de Netanyahu, Yossi Cohen, que era na altura diretor da agência de inteligência estrangeira de Israel, a Mossad. A certa altura, o chefe da espionagem até recorreu à ajuda do então presidente da República Democrática do Congo, Joseph Kabila.

Detalhes da campanha de nove anos de Israel para frustrar o inquérito do TPI foram descobertos pelo Guardian, uma publicação israelense-palestina +972 Magazine e Local Call, um veículo de língua hebraica.

Palestinos deslocados coletando água em um bairro de Khan Younis, no sul de Gaza, que foi devastado por ataques aéreos israelenses. Fotografia: Eyad Baba/AFP/Getty Images

As alegações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade que Khan levantou contra Netanyahu e Gallant estão todas relacionadas com a guerra de oito meses de Israel contra os palestinos em Gaza, que, segundo a autoridade de saúde do território, matou mais de 35.000 pessoas, em sua maioria mulheres e crianças.

Mas o caso do TPI está sendo elaborado há uma década, avançando lentamente entre o crescente alarme entre as autoridades israelitas quanto à possibilidade de mandados de detenção, o que impediria os acusados ​​de viajar para qualquer um dos 124 estados membros do tribunal por medo de serem detidos.

O contacto secreto de Cohen e a pressão sobre Bensouda ocorreram nos anos que antecederam a sua decisão de abrir uma investigação formal sobre alegados crimes de guerra e crimes contra a humanidade nos territórios palestinos ocupados, afirma o relatório, citando múltiplas fontes anônimas.

O objetivo do Mossad era “comprometer a promotora ou alistá-la como alguém que cooperaria com as exigências de Israel”, bem como pressionar Bensouda a abandonar a sua investigação, afirmava o artigo.

Bensouda teria informado um pequeno grupo de altos funcionários do TPI sobre as tentativas de Cohen, expressando preocupação com a sua “natureza persistente e ameaçadora”.

Fontes familiarizadas com as revelações de Bensouda ao TPI confirmaram que Cohen a tinha ameaçado várias vezes, com um dos funcionários a dizer que o chefe da Mossad tinha usado “táticas desprezíveis”  contra Bensouda como parte de um esforço mal sucedido para influenciá-la. O comportamento foi comparado a “perseguição”.

De acordo com relatos compartilhados com funcionários do TPI, Cohen supostamente disse ao promotor do TPI: “Você deveria nos ajudar e deixar-nos cuidar de você. Você não quer se envolver em coisas que possam comprometer sua segurança ou a de sua família.”

As agências de inteligência israelitas conduziram uma “guerra” secreta contra o TPI durante quase uma década, com o objetivo de inviabilizar as investigações sobre alegados crimes de guerra israelenses, disse o meio de comunicação.

As revelações ocorrem no momento em que o sucessor de Bensouda, Karim Khan, solicitou na semana passada um mandado de prisão para o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o ministro da Defesa Yoav Gallant com base na investigação lançada em 2021.

Khan disse que havia “motivos razoáveis ​​para acreditar” que altos funcionários eram culpados de “crimes de guerra e crimes contra a humanidade” no conflito de Gaza. Khan também disse que estava buscando mandados para três membros importantes do Hamas.

Israel não é membro do TPI e não reconhece a jurisdição do tribunal. Tanto Israel como o seu principal aliado, os EUA, condenaram o anúncio do TPI, com alguns legisladores dos EUA a pedirem sanções ao tribunal de Haia. No início deste ano, Israel também enfrentou acusações de genocídio no Tribunal Internacional de Justiça (CIJ), o mais alto tribunal das Nações Unidas.


Uma resposta

  1. Engraçado é que só acusam Israel de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, mas já mais condenam da mesma forma os atos horrendos do famigerado Hamas contra Israel. Esse Blog já passou há muito tempo da esfera informativa para a militante. Lamentável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth