Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Previsões para 2023? ‘Annus Horribilis’ com algumas espectativas surpreendentes

Os escritores do The Cradle oferecem suas previsões para 2023. O tema comum são as grandes mudanças globais, algumas boas, outras ruins. As previsões são um exercício notoriamente doloroso. No mundo da geopolítica, especialmente durante um período de transformação sísmica global como os que estamos atravessando, eles são quase impossíveis de serem feitas.

Previsões para 2023? ‘Annus Horribilis’ com algumas espectativas surpreendentes

Na Ásia Ocidental [Eurasia], uma região deprimida e negligenciada que atua como um saco de pancadas para a competição das grandes potências de outros lugares, depende muito da resolução de grandes batalhas de poder nos domínios da economia, política e pela guerra (proxy).

Em vez de previsões definitivas, pode ser mais útil caracterizar as tendências que provavelmente se desenvolverão ainda mais em 2023. Pedi a alguns de meus colegas escritores do The Cradle que avaliassem com suas próprias opiniões. Mas vamos primeiro fazer algumas das minhas próprias observações para o próximo ano:

A guerra na Ucrânia foi o evento decisivo de 2022 e, se o conflito não tivesse ocorrido ali, teria ocorrido em outro lugar. É essencialmente uma guerra para impedir que um futuro multipolar derrube totalmente o passado unipolar. Poderia ter acontecido em Taiwan, no Irã, nas Coreias, no Oriente Médio ou mesmo na Venezuela.

Em 2023, veremos sinais claros de ruptura na aliança atlântica [a anacrônica OTAN]. Do jeito que as coisas estão, a Europa, como um continente lacaio e servil, não pode mais se dar ao luxo de receber instruções de Washington quando suas fortunas e destinos estão tão claramente em desacordo. A situação na Ucrânia deixou isso claro, mas a Europa tem uma escolha que seus atlantistas enterraram freneticamente por anos.

O fato é que a extrema riqueza e privilégio da Europa foram historicamente derivados de recursos asiáticos, dos países africanos e daS Américas, e isso ficará manifestamente claro em 2023. A Alemanha não errou ao lançar seus oleodutos Nordstream com a Rússia – Berlim estava apenas garantindo seu futuro até que os americanos o sabotaram. .

2023 lembrará à Europa que seu desejo de permanecer próspera – e continuar a crescer economicamente – está intrinsecamente ligado ao leste e à promessa da “Eurásia”. Afinal, a Ásia e a Europa estão conectadas por terra, ao contrário do vasto Oceano Atlântico que separa os atuais aliados da OTAN.

Portanto, espere que este ano revele as divisões entre várias partes interessadas europeias e prepare-se para a batalha do eurasianismo contra o atlantismo nos corredores de poder do continente. Você descobrirá, em sua essência, que o mundo do comércio estará em desacordo com a política de governo pela primeira vez em décadas.

Na Ásia Ocidental e arredores, estou de olho em dois acontecimentos que podem ter grandes repercussões nos assuntos regionais e internacionais.

O primeiro é o relacionamento Índia-Rússia em rápida evolução que surgiu do nada no ano passado. Essa nova dinâmica revitalizou sozinha os BRICS e se inseriu no tabuleiro de xadrez global. Em Moscou, Nova Délhi agora tem um parceiro confiável e útil para resolver disputas com Pequim, o que torna as coisas infinitamente mais fáceis para os projetos de integração asiática.

Também deixou Washington comendo poeira, algo que os EUA experimentaram em vários teatros em 2022, inclusive com o peso-pesado regional da Arábia Saudita. Mas a Índia é um grande problema, e esse alinhamento de interesses indo-russos em vários teatros não pode agradar aos atlantistas em lugar nenhum.

Em segundo lugar, o ressurgimento da Turquia como um ator crítico na Ásia Ocidental e Central. Depois de quase uma década de relativo isolamento decorrente de inúmeras diferenças com a Europa e os países árabes – juntamente com uma economia em colapso – a Turquia está agora em ascensão. A Rússia recentemente ofereceu a Ancara sua ambição há muito cobiçada de se tornar um importante centro de petróleo e gás para a Europa, e a China busca construir uma seção chave de sua Nova Rota da Seda através de Turquia.

Enfrentando suas eleições mais difíceis até o momento em junho de 2023, o presidente Recep Tayyip Erdogan parecia um perdedor certo até que a guerra na Ucrânia mudou sua sorte. Da noite para o dia, o estado da OTAN tornou-se um intermediário desejado para ambos os lados, e Erdogan não perdeu o ritmo e a oportunidade.

Ele está jogando o jogo de sua vida agora, posicionando seu pais como um importante centro de distribuição de combustível da Eurásia para a Europa e tentando ordenhar isso regionalmente na Síria, Iraque, Azerbaijão e outros estados turcos do sul do Cáucaso. Enquanto oferece a resolução de conflitos por um lado, Erdogan também está alimentando perigosamente o conflito por outro.

Em nenhum lugar isso é mais perceptível do que nas fronteiras Armênia-Azerbaijão-Irã, onde o presidente turco está promovendo agressivamente as ambições de Ancara de conduzir as novas rotas de transporte da Ásia Central e remodelar suas fronteiras.

Turquia e Síria

A Turquia apareceu fortemente nas previsões de 2023 dos escritores do The  Cradle. Yeghia Tashjian chega a prever uma nova grande guerra no sul do Cáucaso este ano:

“O bloqueio terrestre do Azerbaijão aos armênios de Nagorno-Karabakh entrou em seu 30º dia. As forças de paz russas são incapazes de levantar o bloqueio por preocupação com a reação turca.  Enquanto isso, Baku está forçando a Armênia a fornecer um corredor conectando o Azerbaijão a Turquia e, assim, cortando a fronteira Armênia-Irã.”

Enquanto a Turquia alimenta o conflito em uma região, também parece estar diminuindo o conflito em outros lugares. Vários escritores prevêem uma resolução do conflito sírio-turco em 2023, com diferentes graus de confiança.

Ceyda Karan acredita que Erdogan é oportunista em seus planos para a Síria: “Tudo depende das eleições turcas”, diz ela, refletindo a visão de vários autores do The Cradle , que também acreditam que nem tudo pode ser tranquilo na corrida às urnas turcas.

Erdogan está trabalhando em todos as frentes para vencer as eleições, diz Mohammad Salami:

“Na arena internacional, ele  mediou entre a Ucrânia e a Rússia, sem resultado. No cenário energético, ele planeja transformar a Turquia em um hub de energia, mas não será fácil. Erdogan então tentou reconstruir as relações com os Emirados Árabes Unidos, Egito, Arábia Saudita e Israel, e agora, em um último esforço,  anunciou  sua aposentadoria após a próxima eleição.”

Em uma nota mais positiva, Ziad Hafez, com sede em Washington, acredita que a reaproximação entre a Síria e Turquia será muito mais rápida do que as pessoas esperam.

“Erdogan deve proporcionar um grande sucesso político antes das eleições. Se os sírios vão dar isso a ele, é difícil saber. Mas será benéfico para ambos e, ao mesmo tempo, isolará completamente a posição dos EUA na Síria. Não creio que a OTAN ou os estados regionais estejam em posição de atrapalhar as negociações. O que os russos e iranianos ofereceram a Turquia não pode ser igualado nem pelos EUA nem pela Europa”, escreve Hafez de forma promissora.

Mas o jornalista libanês Hasan Illaik oferece uma verificação da realidade sobre os perigos das negociações de reaproximação, onde muitas partes interessadas regionais e internacionais têm interesses investidos.

Ele prevê que “os EUA farão todos os esforços para evitar qualquer melhora nas relações turco-sírias, chegando até a forjar laços entre a Turquia e os curdos apoiados pelos EUA”.

“A situação econômica síria vai piorar em 2023 porque nem a Rússia nem a China estão ajudando, o Irã já fez o seu máximo e os EUA ainda estão ocupando as áreas ricas em recursos no nordeste da Síria e aplicando mais sanções ao estado.”

Sobre o tão esperado encontro entre Erdogan e o presidente sírio, Bashar al-Assad, Illaik adverte que mesmo isso representa sérias dificuldades: “A Turquia precisa pagar um preço por este encontro porque causou muitos danos à Síria e ocupa suas terras ao norte, mas a Rússia está pressionando por uma reunião ‘de graça’ – para atender aos seus próprios objetivos estratégicos com Ancara.

Palestina, Levante e Golfo Pérsico

Em toda a região, Illaik prevê que 2023 não verá muitas mudanças, porque “todo o Levante estará sujeito à contínua hostilidade dos EUA – sanções, ocupação militar da Síria, ameaças, chantagem e pressão no Líbano e no Iraque”.

Outros estados árabes se apressarão para garantir seus próprios interesses principalmente. Os Emirados Árabes Unidos, por exemplo, se ofereceram para participar das negociações turco-sírias “para ganhar alguma influência na Síria do pós-guerra e equilibrar a influência do Irã lá”.

Ceyda Karan avalia como o impasse do poder global está afetando os comportamentos regionais: “Os estados do Golfo, até mesmo os sauditas, estão sentindo a fraqueza dos EUA, então agora estão estabelecendo relações diretas benéficas com a China e a Rússia. Não os vejo continuando a ser parceiros leais dos EUA na região, e veremos mais sinais disso em 2023.”

Uma visão bastante unânime é que este ano veremos o aumento das tensões na Palestina.

“O governo de extrema direita w sw fatanismo religioso ultraortodoxo de Netanyahu colocou Israel em uma posição precária” com seus vizinhos, argumenta Ziad Hafez. “Ele não pode lançar uma grande ofensiva militar dentro da Palestina, ou contra o Líbano, a Síria e o Irã, nem está em posição de empreender qualquer acordo político, tanto nacional quanto regionalmente. As tensões estão aumentando rapidamente na Cisjordânia, os judeus dos EUA não estão mais fornecendo apoio incondicional e o equilíbrio de poder no terreno não é uma vantagem para Israel”.

Hafez adverte que “o racismo de extrema-direita de membros do gabinete como (Ministro da Segurança Nacional) Itamar Ben Gvir, tornará impossível para Israel reivindicar legítima defesa sobre qualquer coisa. Alguns desses elementos tentarão forçar um grande confronto ou conflito, mas isso [finalmente] será a ruína de Israel”.

Eles serão ‘condenados se fizerem isso e condenados se não o fizerem’ é a situação do atual governo de Israel em poucas palavras.”

Illaik diz que os israelenses não podem se dar ao luxo de olhar além de suas fronteiras, como no passado:

“Dentro da Palestina, a atmosfera está se preparando para uma Terceira Intifada, na Cisjordânia e em Jerusalém – e talvez até dentro das terras de 1948, como testemunhamos em maio de 2021. A razão para isso é que os israelenses enfraqueceram e continuam enfraquecendo a Autoridade Palestina ( PA), estão impondo medidas e punições mais arbitrárias ao povo palestino e tentando alterar o status quo da mesquita de Al Aqsa de Jerusalém”[para a construção do seu tão desejado “Terceiro Templo”].

Ele também acredita que Israel intensificará seu ataque ao Irã, mas que o Hezbollah continuará sendo sua maior ameaça real à segurança. Illaik prevê medidas mais fortes de dissuasão do Eixo da Resistência em 2023: “O Irã pode retaliar por sabotagem israelense e operações de assassinato – dentro de Israel – enquanto o Hezbollah continuará seu projeto de garantir mais ataques de mísseis guiados de precisão, UAVs e talvez até mísseis de cruzeiro ao território de Israel.”

O jornalista Zafar Mehdi prevê que o atual impasse nas negociações nucleares do Irã com as potências mundiais continuará em 2023, após uma série de novas sanções recentes por parte de estados ocidentais ligadas a distúrbios iranianos no país e acusações de remessas de drones para a Rússia – tudo basicamente projetado para ganhar alavancagem nas conversações de Viena.

“Apesar da prontidão do Irã em restaurar o acordo nuclear, está claro que outras partes não estão interessadas, o que obviamente levará Teerã a aumentar ainda mais seu enriquecimento de urânio este ano. Prepare-se para mais reivindicações infundadas contra o Irã nos próximos meses e espere que o órgão de vigilância nuclear da ONU em Viena aumente sua campanha de pressão contra Teerã a pedido de americanos, europeus e israelenses”, escreve Mehdi.

Ele também espera que a Arábia Saudita “aja abertamente sobre seu flerte com Israel” este ano, “especialmente com o amigo do príncipe herdeiro Mohammad Bin Salman (Netanyahu) de volta ao poder em Tel Aviv”. Mas Mehdi adverte que isso “não ajudará Riad no Iêmen, já que Ansarallah continua a golpear as forças da coalizão liderada pela Arábia Saudita e os EUA agora estão lutando por uma trégua entre os lados em guerra”.

As negociações frequentemente paralisadas entre Irã e Arábia Saudita “estão agora destinadas a avançar para o nível político e diplomático, o que pode fornecer o avanço necessário para encerrar a guerra do Iêmen em 2023”, particularmente no contexto dos laços mais estreitos de Riad com Moscou e Pequim. , ambos interessados ??em restaurar e manter a segurança do Golfo Pérsico, mas dentro de um novo  paradigma regional .

A guerra na Ucrânia e o multipolarismo

Se considerarmos apenas as perspectivas da guerra na Ucrânia, os escritores do The Cradle parecem imunes à narrativa ocidental. Para eles, uma vitória russa é inevitável por vários motivos, mas a que custo?

Ziad Hafez prevê o fim do conflito devastador até o final da primavera, em grande parte porque as forças de combate da Ucrânia foram severamente esgotadas e seus aliados ocidentais não têm meios para fornecer apoio militar qualitativo e quantitativo ininterrupto. “A base industrial dos EUA simplesmente não está equipada e pronta para atender a essa demanda”, afirma ele sem expressão. Isso e “a pressão russa sobre Putin para encerrar o conflito e não para se tornar uma guerra de desgaste”.

Uma alternativa para a OTAN, é claro, observada por vários escritores, é expandir o conflito quando a Ucrânia estiver claramente perdendo: “Arraste os poloneses e os ex-exércitos do Pacto de Varsóvia”.

Karin Kneissl, ministra das Relações Exteriores da Áustria até 2019, está de olho nas ramificações energéticas desta guerra e em como as instituições da Europa serão impactadas declarou:

“Na UE, são esperados mais testes de força, que vão além do congelamento de fundos para (primeiro-ministro húngaro) Viktor Orban. A corrupção é generalizada dentro da UE e suas instituições.”

“Um enfraquecimento maciço da moeda comum, o euro, é de se esperar. Isso encarecerá ainda mais as já escassas importações de energia, principalmente porque ainda são liquidadas em dólares americanos. Os encargos para as sociedades levarão não apenas à perda do poder de compra e à recessão, mas também à agitação social que vai além das greves por salários mais altos e protestos climáticos em toda a Europa”, alerta Kneissl.

À medida que a recessão global pesa nos mercados de commodities e reduz os preços do petróleo, ela acredita que “os produtores, como os 23 países produtores do formato OPEP +, reduzirão ainda mais sua produção”. Mas por causa da “falta de investimento em energias fósseis, agora intensificada diante dos temores de recessão, os preços também podem subir a qualquer momento”. O que basicamente se traduz em maior volatilidade nos mercados de energia em 2023.

No final, porém, Kneissl acredita que “veremos novos bancos, novos empréstimos, novas cestas de moedas e, sem dúvida, novas seguradoras” surgindo no lugar das existentes.

Nota: É basicamente assim que o fim das guerras mundiais se parece: a reorganização da velha ordem e a criação de novas instituições e redes globais – com novas regras e timoneiros.

O colunista do The Cradle, o brasileiro Pepe Escobar, que há muito antevia a transferência global para o multipolarismo, pode ver todos os itens de sua lista de previsões marcadas em 2023. Ele o mantém curto e doce:

“A expansão do BRICS para BRICS+, com Argélia, Irã e Argentina na primeira onda, e dezenas de países a seguir. Eles priorizarão o comércio em suas próprias moedas, levando a criação de uma moeda alternativa ao dólar, que será compartilhada pelo BRICS+, a Organização de Cooperação de Xangai (SCO) e a União Econômica da Eurásia (EAEU).”

Escobar prevê ainda a corrosão das principais instituições europeias, incluindo a aliança militar transatlântica da OTAN: “Refletindo a polarização interna que ocorre hoje no Ocidente, tanto a UE quanto a OTAN estarão cada vez mais perto de se separarem completamente”.

A guerra na Ucrânia, diz ele, é um importante gatilho para esse colapso por causa da “completa humilhação da OTAN” [em seu conflito com a Rússia] e antecipa que “se a guerra continuar – o que acontecerá, em termos de guerra híbrida”, provavelmente veremos “ataques terroristas contra a Federação Russa”.

O problema com 2023

Este não vai ser um ano fácil, em qualquer lugar. A constelação de eventos no passado recente – guerras na Síria, Iêmen, Líbia; o alvo do Irã, China, Rússia; a pandemia global e a securitização que se seguiu; o ressurgimento do terrorismo salafista; recessão econômica generalizada; fracasso da globalização; substituição do direito internacional pela ‘ordem baseada em regras’ egoísta – tudo isso contribuiu para o colapso dos sistemas existentes.

No entanto, se atores eficientes com design estiverem presentes em tempos de caos, o colapso não precisa ser uma coisa assustadora. Está claro que os métodos antigos não estavam funcionando; aqui está uma chance de consertar as coisas desde o início. Mas a jornada será dolorosa.

Os BRICS, SCO, BRI, EAEU estão avançando com seus programas. As relações estão se fortalecendo (Rússia-China, Índia-Rússia, Irã-China, Arábia Saudita-China, Rússia-Irã, etc). O atlanticismo está sendo substituído não apenas porque os atlantistas falharam, mas porque eles estão pisando na água há décadas, enquanto outros estão dando saltos quânticos à frente.

Na Ásia Ocidental, as bolas para 2023 ainda estão no ar. Turquia, Irã, Rússia, China, Arábia Saudita, Argélia, Índia, Israel, Afeganistão, Paquistão, Brasil, Venezuela e muitos outros estados, instituições e tomadores de decisão tomarão medidas significativas este ano. Muitos movimentos serão feitos, alguns bem-sucedidos, outros falhando. Tudo é difícil de prever, exceto que nada permanecerá o mesmo quando entrarmos em 2024.

Os escritores do Cradle cujos comentários estão incluídos nesta coluna são aqueles cujas previsões chegaram até nós antes da publicação. As opiniões expressas neste artigo não refletem necessariamente as do The Cradle.


E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a BESTA. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; Vencerão os que estão com Ele, Chamados, e Eleitos, e Fiéis. E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta [ROMA], são povos, e multidões, e nações, e línguas“. – Apocalipse 17:12-15

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta“, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na guerra entre a Luz e as trevas.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1

Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *