Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Profundas Mudanças aconteceram no Oriente Médio, a Rússia aprendeu as lições, mas e os EUA?

Oriente Médio - Países, Clima, Rios, Cultura, Economia, Guerras e Conflitos

Enquanto a atenção do mundo está voltada para a Ucrânia, o Oriente Médio está borbulhando sob a superfície novamente. Ninguém esperava que os processos congelassem, mas sua dinâmica está mudando. Na verdade, a direção desses ajustes já é notável há algum tempo e está se tornando mais óbvia. Pela primeira vez desde antes da era colonial, os países atores locais estão tomando suas próprias grandes decisões e os poderes tradicionais [Europa-EUA] precisam se adaptar.

Profundas Mudanças aconteceram no Oriente Médio e a Rússia aprendeu as lições, mas e os EUA?

Fonte: Rússia Today

O Oriente Médio está se tornando cada vez mais um espaço em que o curso dos acontecimentos é determinado pela interação de atores regionais, e o papel das forças externas, tradicionalmente muito grandes, tem reduzido em termos relativos.

Historicamente, pelo menos no último século e meio, tem sido o contrário. As potências externas – primeiro as potências coloniais da Europa Ocidental, depois os EUA e a URSS – realizaram várias formas de expansão, durante as quais manipularam as relações entre si. 

Os países da região sempre denunciaram a interferência externa, dizendo que ela não lhes permite estabelecer sozinhos o equilíbrio e a estabilidade local. Mas, ao mesmo tempo, eles também se voltaram para as próprias grandes potências, envolvendo-as na consecução de seus objetivos. Como resultado, o Oriente Médio tem sido consistentemente uma arena de interações emaranhadas, o que garante convulsões constantes.

Dizer que esta situação mudou drasticamente seria prematuro. No entanto, as tendências de desenvolvimento do Oriente Médio seguem (ou talvez catalisam) padrões globais comuns. Eles são os seguintes.

A capacidade dos grandes países de perseguir sua própria agenda está diminuindo, enquanto o papel dos países de tamanho médio está aumentando comparativamente.’

Em termos absolutos, as grandes potências ainda têm mais potencial, mas em termos relativos, a diferença está diminuindo rapidamente.

A Turquia está no centro da atual revitalização do Oriente Médio. Recep Tayyip Erdogan conseguiu fazer de seu país um participante indispensável nos processos internacionais; a crise ucraniana fez o jogo dele nesse sentido.

Essa posição permite que Ancara fale mais alto sobre suas demandas regionais, sem levar em consideração seus patronos americanos, muito menos os europeus ocidentais. Só podemos admirar como Erdogan usou habilmente uma questão que tinha pouco a ver com a Turquia – a adesão da Suécia e da Finlândia à OTAN. E assim por diante.

A questão síria na política turca é herança de uma fase anterior, quando na onda da Primavera Árabe, dez anos atrás, Ancara considerou – o ex-amigo – Bashar Assad condenado e apostou em sua queda e possivelmente na desintegração da Síria. 

Mas os eventos foram muito diferentes, em grande parte por causa da postura firme de Moscou. Em vez dos esperados despojos estratégicos, a Turquia agora tem um fardo sobre seus ombros: desestabilização generalizada ao longo de suas fronteiras com a Síria e um confronto com grupos curdos, que foram fortalecidos por uma combinação de circunstâncias. O conflito sírio abalou a região como um todo, colocando o Irã em primeiro plano, o que consequentemente alarmou as monarquias árabes do Golfo.

Antigamente, caberia aos Estados Unidos, aos Estados [outrora] relevantes da Europa Ocidental e, em parte, à Rússia resolver as contradições. Agora, no entanto, sua capacidade é limitada de uma forma ou de outra. Moscou, é claro, ainda mantém a posição-chave, mas as prioridades agora estão em outro lugar, com tudo o que isso implica. 

Os EUA, desde o fim (pode-se dizer o fracasso) da Primavera Árabe, não conseguiram definir claramente para si em que capacidade e em que números pretendem permanecer na região. A Europa Ocidental perdeu seu senso de propósito estratégico, absorvendo-se em seus próprios assuntos. Mais uma vez, as forças externas não foram alienadas do jogo neste campo, mas seus recursos de influência disponíveis diminuíram em comparação com os tempos anteriores.

Acontece que o curso dos eventos agora é determinado pelas aspirações dos principais países da região. Que estão mudando e evoluindo, assim como a situação dentro de cada um deles. O Irã, por exemplo, está enfrentando seus protestos mais sérios em anos, com apelos para a transformação do sistema político e social existente. 

Como costuma acontecer nesses casos, o movimento de oposição é mal organizado, mas reflete o cansaço de uma parte significativa da população contra a ordem estabelecida. O sistema provavelmente não está ameaçado, mas o clima de revolução não pode ser descartado, ou pelo menos precisa ser levado a sério. A posição do Irã na região, bastante fortalecida ao longo de uma década, agora depende sobretudo de sua capacidade de garantir a sua própria estabilidade doméstica.

É impossível prever o que trará a eventual mudança de iniciativa para atores regionais. Como as grandes potências, os países de tamanho médio podem fazer coisas estúpidas e cometer erros fatais; A história do Oriente Médio demonstrou isso muitas vezes e continuará a fazê-lo. Mas vale a pena notar uma coisa: os atores regionais agora tomarão suas próprias decisões, sejam elas certas ou erradas, com base em suas percepções e capacidades, e não nos interesses de forasteiros.

A posição do Irã sobre a cooperação com a Rússia e o acordo nuclear, a posição da Arábia Saudita sobre os preços do petróleo e a China e a posição da Turquia em praticamente qualquer tópico são produtos de sua própria avaliação dos assuntos atuais e perspectivas. E nessa situação, a tática mais eficaz para as forças externas não é tentar impor algo, mas construir seus interesses no sistema criado pelos atores locais.

Felizmente, é aqui que a Rússia tem conseguido bons resultados nos últimos anos. Os EUA, por outro lado, ainda precisam aprender essa nova abordagem.


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *