Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Projeto financiado pelos EUA “colhe ÓRGÃOS de bebês abortados” para pesquisas médicas

Man Holding 12 Week Model Fetus

Os EUA financiaram um projeto que coleta partes de corpos de bebês abortados – alguns deles aparentemente AINDA vivos momentos antes de seus órgãos serem retirados – mostram novos documentos, gerando alegações de que os Teóricos da Conspiração fossem justificados. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) concedeu pelo menos US$ 2,7 milhões a um programa da Universidade de Pittsburgh que buscava criar um “centro de tecidos” proveniente de fetos abortados com gestação de seis a 42 semanas. Quarenta e duas semanas equivalem a mais de 10 meses de gravidez.

Projeto financiado pelo governo dos EUA “colhe ÓRGÃOS de bebês abortados” para pesquisas médicas, mostram documentos

Fonte:  Rússia Today

Detalhes sobre o programa surgiram depois que o grupo conservador de vigilância Judicial Watch e o Center for Medical Progress obtiveram 252 páginas de documentos como parte de um processo da Lei de Liberdade de Informação movido contra o HHS. Em seu pedido de subsídio de 2015 para o HHS, a Universidade de Pittsburgh explicou que havia …

“coletando tecido fetal por mais de 10 anos … incluindo fígados, coração, gônadas, pernas, cérebro, tecidos geniturinários, incluindo rins, ureteres e bexigas”. 

A instituição solicitou fundos do governo para ajudar a “desenvolver um canal para a aquisição, controle de qualidade e distribuição de amostras geniturinárias [órgãos e funções urinárias e genitais] humanas” retiradas de fetos abortados. O projeto teve como objetivo gerar um “recurso contínuo” que pode ser usado para distribuir amostras humanas “frescas” de “vários estágios (seis a 42 semanas).”

Comentando sobre suas capacidades operacionais em 2015, a universidade disse ter “desembolsado mais de 300 amostras frescas coletadas em 77 casos. As coleções podem ser aumentadas significativamente, já que o “material” poderia ter sido acumulado de até 725 casos no ano passado. ”

Seu plano de “colher e distribuir tecidos e células de qualidade” também incluía cotas raciais: a inscrição da universidade dizia que ela queria que 50% de seus “sujeitos” abortados fossem fetos de “minorias”. No entanto, como observou o Center for Medical Progress (CMP), o condado de Allegheny, a região de onde a universidade obtém fetos para colheita, é 80% branco e apenas 13% negro.

A universidade argumentou que a instituição era um candidato ideal para fornecer tecido humano a pesquisadores do governo dos Estados Unidos porque a instituição “toma medidas” para  “garantir espécimes biológicos da mais alta qualidade”. Especificamente, o pedido de subvenção disse que o tempo isquêmico quente – a quantidade de tempo que um órgão ou parte do corpo permanece em temperatura ambiente depois que seu suprimento de sangue foi reduzido ou cortado, antes de ser resfriado ou reconectado a um suprimento de sangue – é “mantido no mínimo. Em outra parte dos documentos, a universidade explicou que usa a “indução do parto” como um “procedimento que será usado para obter o tecido fetal”.

Em um comunicado à imprensa discutindo a tranche de documentos, o CMP observou que “se os batimentos cardíacos e a circulação sanguínea do feto continuarem em um aborto de indução do parto para a colheita de órgãos, isso significa que o feto está sendo entregue enquanto ainda vivo e a causa da morte é a remoção dos órgãos. ”

Outros comentários no Twetter pareciam concordar que Jones havia sido justificado com a reveleção da prática de retirar órgãos de bebes abortados.

Tanto a universidade quanto os Institutos Nacionais de Saúde, que fazem parte do HHS, afirmaram anteriormente que seguem todas as leis relevantes em relação à pesquisa de tecido fetal. As novas e chocantes revelações levaram alguns a argumentar que as alegações sobre pesquisas médicas eticamente questionáveis ??não podem mais ser descartadas como teorias de conspiração infundadas.

O comentarista conservador Jack Posobiec apontou para um artigo de 2019 da revista Newsweek punitiva chamando de teórico da conspiração Alex Jones por insistir que os pesquisadores médicos  “mantem os bebês vivos enquanto retiram seus órgãos”. O veículo da mídia Pre$$titute$ descartou a alegação de Jones como “informação imprecisa que tem circulado entre os conservadores”.

Alex Jones foi expulso permanentemente do Twitter, bem como de todas as outras plataformas de mídia social importantes, em 2018, supostamente por “comportamento abusivo”. 

Embora amplamente rejeitado pela grande mídia pre$$titute$ como um charlatão, os apoiadores de Jones insistem que muitas de suas teorias malucas já se mostraram verdadeiras. Uma conta no Twitter chamada “Alex Jones estava certo” atualmente tem mais de 66.000 seguidores.


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Mais informações, leitura adicional:

Permitido reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *